À Beira da Terceira Guerra Mundial

À Beira da Terceira Guerra Mundial

Por Aleksandr Dugin

Tradução por Guilherme Fernandes

Nos últimos dias houve uma mudança significativa no equilíbrio de poder na Ucrânia. Isso deve ser entendido em sua totalidade.

Os contra-ataques de Kiev foram geralmente mal-sucedidos na região de Kherson, mas infelizmente eficazes na região de Kharkiv. A situação em Kharkiv e a retirada forçada das forças aliadas é o ponto de virada. Deixando de lado os efeitos psicológicos e os sentimentos legítimos dos patriotas, deve-se notar que ao longo da história da OMS [Operação Militar Especial] chegamos a um ponto sem retorno.

Todos agora recomendam medidas extraordinárias para reverter a situação, e algumas dessas sugestões são bastante racionais. Não fingimos ser originais, mas simplesmente tentar resumir os pontos e recomendações mais importantes e colocá-los no contexto geopolítico global.

Segunda Guerra Mundial

Estamos à beira da Segunda Guerra Mundial, que o Ocidente está forçando compulsivamente. E isso não é mais um medo ou uma expectativa, é um fato. A Rússia está em guerra com o Ocidente coletivo, com a OTAN e seus aliados (embora nem todos: a Turquia e a Grécia tenham sua própria posição e alguns países europeus, principalmente, mas não apenas a França e a Itália, não querem participar ativamente de uma guerra com a Rússia). No entanto, a ameaça de uma terceira guerra mundial está se aproximando.

Se o uso de armas nucleares é alcançado é uma questão em aberto. Mas a probabilidade de um Armagedom nuclear está crescendo dia após dia. É bastante claro, e muitos comandantes militares americanos (como o ex-comandante dos EUA na Europa Ben Hodges) declaram abertamente, que o Ocidente não vai sequer se contentar com nossa completa retirada do território da antiga Ucrânia, vamos acabar em nosso próprio solo, insistindo em “rendição incondicional” (Jens Stoltenberg), “des-imperialismo” (Ben Hodges), o desmembramento da Rússia.

Em 1991, o Ocidente estava satisfeito com o colapso da URSS e nossa rendição ideológica, aceitando principalmente a ideologia liberal ocidental, o sistema político e a economia sob a liderança ocidental. Hoje, a linha vermelha para o Ocidente é a existência de uma Rússia soberana, mesmo dentro das fronteiras da Federação Russa.

O contra-ataque da FAU [Forças Armadas da Ucrânia] na região de Kharkiv é um ataque direto do Ocidente à Rússia. Todos sabem que esta ofensiva foi organizada, preparada e equipada pelo comando militar dos Estados Unidos e da OTAN e ocorreu sob sua supervisão direta. Não é apenas o uso de equipamento militar da OTAN, mas também o envolvimento direto da inteligência aeroespacial ocidental, mercenários e instrutores. Aos olhos do Ocidente, este é o começo do “nosso fim”. Uma vez enfraquecidos a defesa dos territórios sob nosso controle na região de Kharkiv, podemos continuar a ser derrotados. Este não é um pequeno sucesso da contraofensiva de Kiev, mas o primeiro sucesso tangível do Drang nach Osten das forças da OTAN.

É claro que pode-se tentar atribuir isso a “dificuldades técnicas” temporárias e adiar a análise de fundo da situação até mais tarde. Mas isso só atrasaria a realização de fait accomplis e, portanto, apenas nos deprimiria e nos desmoralizava.

Portanto, vale a pena admitir friamente que o Ocidente declarou guerra contra nós e já está travando-a. Nós não escolhemos esta guerra, nós não queríamos. Mesmo em 1941, não queríamos guerra com a Alemanha nazista e nos recusamos a acreditar nela até o fim. Mas na situação atual, quando a guerra é travada contra nós de fato, isso não é decisivo. A única coisa que importa agora é ganhá-la defendendo o direito da Rússia de existir.

O fim da OMS

A OMS como uma operação limitada para libertar o Donbass e alguns territórios da Novorossia chegou ao fim. Gradualmente degenerou em uma guerra completa com o Ocidente, na qual, de fato, o próprio regime terrorista nazista de Kiev desempenha apenas um papel instrumental. A tentativa de sitiá-lo e libertar alguns territórios ucranianos controlados pelos nazistas na Novorossia, mantendo o equilíbrio geopolítico existente no mundo como uma operação técnica, falhou, e fingir que simplesmente continuamos a OMS – em algum lugar na periferia da atenção pública – é simplesmente inútil.

Além da nossa vontade, estamos agora em guerra e isso afeta todos os cidadãos russos: cada um de nós está na mira do inimigo, do terrorista, do atirador, do DRG.

Dito isto, a situação é tamanha que, levando em conta todas as coisas, é impossível devolver tudo às suas condições iniciais – antes de 24 de fevereiro de 2022. O que aconteceu é irreversível e não devemos temer quaisquer concessões ou compromissos de nossa parte. O inimigo só aceitará nossa rendição total, submissão, desmembramento e ocupação. Então não temos escolha.

O fim da OMS significa a necessidade de uma profunda transformação de todo o sistema político e social da Rússia moderna – para colocar o país em pé de guerra – na política, na economia, na cultura e na esfera da informação. A OMS pode continuar sendo um conteúdo importante, mas não o único, da vida social russa. A guerra com o Ocidente domina tudo.

A frente ideológica

A Rússia está em estado de guerra ideológica. Os valores defendidos pelo globalista – Ocidente LGBT, legalização da perversão, drogas, fusão de homem e máquina, mistura total através de migração descontrolada, etc., estão indissociáveis ligados à sua frente ideológica, e estão indissociavelmente ligados à sua hegemonia político-militar e ao seu sistema unipolar. O liberalismo ocidental e o domínio político-militar e econômico global dos EUA e da OTAN são a mesma coisa. É absurdo lutar contra o Ocidente e aceitar (mesmo parcialmente) seus valores, em nome do qual está travando uma guerra contra nós, uma guerra de aniquilação.

Uma ideologia própria não seria apenas “útil” para nós hoje; Se não tivermos, perderemos. O Ocidente continuará a atacar-nos tanto de fora, com nazistas ucranianos armados e treinados, e de dentro, com a sempre liberal quinta coluna corrompendo habilmente as mentes e almas das gerações mais jovens. Sem uma ideologia nossa, que define claramente quem é um amigo e quem é um inimigo, nos encontraríamos em uma situação quase impotente.

A ideologia deve ser declarada imediatamente e sua essência deve ser uma rejeição total e direta da ideologia ocidental, do globalismo e do liberalismo totalitário, com todas as suas subespécies instrumentais – incluindo o neonazismo, o racismo e o extremismo.

Mobilização

A mobilização é inevitável. A guerra afeta a todos e a todos, mas a mobilização não significa o envio forçado de recrutas para a frente, isso pode ser evitado, por exemplo, formando um movimento de voluntários plenos, com os benefícios necessários e o apoio do Estado.

Devemos nos concentrar nos veteranos e no apoio especial aos guerreiros da Novorossia. Na Rússia há alguns, e no exterior também há apoiadores. Não devemos ter escrúpulos em formar interspersões anti-nazistas e anti-globalização com pessoas honestas do leste e do oeste.

Acima de tudo, não devemos subestimar os russos. Somos uma nação de heróis. A grande custo, diante de inimigos terríveis que derrotamos não uma ou duas vezes em nossa gloriosa história. Desta vez, sairemos vitoriosos, mesmo que seja na guerra contra o Ocidente, e desta vez será uma guerra popular. Vencemos as guerras do povo, guerras em que o povo gigante despertou para lutar.

A mobilização implica uma mudança completa na política de informação. As normas em tempos de paz (que são essencialmente a cópia cega de programas ocidentais e estratégias de entretenimento que não fazem nada além de sociedade corrupta) devem ser abolidas. A televisão e a mídia em geral devem se tornar instrumentos de mobilização patriótica em tempos de guerra. Todos os esforços na frente, e também na frente de casa. Já começou pouco a pouco, mas por enquanto afeta apenas uma pequena parte dos canais. Mas deveria estar em todo lugar.

Cultura, informação, educação, iluminação, política, a esfera social: tudo deve funcionar unanimemente para a guerra, ou seja, para a vitória.

Economia

Todo Estado soberano pode emitir toda a moeda nacional que precisa. Se é realmente soberano. A guerra com o Ocidente torna inútil continuar jogando a economia pelas suas próprias regras. Uma economia de guerra só pode ser soberana. A vitória deve ser empregada tanto quanto necessário. Só é necessário garantir que a questão esteja concentrada em um circuito especial para fins estratégicos. A corrupção nessas circunstâncias deve ser equiparada a um crime de guerra.

Guerra e conforto são incompatíveis. O conforto como objetivo, como ponto de referência na vida, deve ser abandonado; apenas nações preparadas para dificuldades são capazes de vencer guerras reais.

Nessas situações há sempre uma nova geração de economistas cujo objetivo é salvar o Estado, especialmente este. Dogmas, escolas, métodos e abordagens são secundários.

Podemos chamar essa economia de economia de mobilização ou simplesmente uma economia de guerra.

Nossos parceiros

Em todas as guerras, o papel dos Aliados é extremamente importante. Hoje a Rússia não tem tantos, mas eles existem. Em primeiro lugar, estes são os países que rejeitam a ordem liberal unipolar ocidental. Eles são os defensores do multipolarismo, como China, Irã, Coreia do Norte, Sérvia, Síria, República Centro-Africana, Mali, mas também, em certa medida, Índia, Turquia, alguns países islâmicos, africanos e latino-americanos (especialmente Cuba, Nicarágua e Venezuela).

Para enfrentá-los, todos os recursos disponíveis devem ser mobilizados, não apenas a diplomacia profissional, mas também a diplomacia popular, e para essa ideologia é necessária novamente. Devemos convencer nossos aliados de que decidimos romper irreversivelmente com o globalismo e a hegemonia ocidental e que estamos prontos para construir um mundo multipolar. A este respeito, devemos ser consistentes e determinados. O tempo para meias medidas e compromissos acabou. A guerra do Ocidente contra a Rússia está dividindo a humanidade em diferentes lados das barricadas.

Fator espiritual

No centro do confronto global que começou está o aspecto espiritual, religioso. A Rússia está em guerra com uma civilização antirreligiosa que luta contra Deus e demoli os próprios fundamentos dos valores espirituais e morais: Deus, a Igreja, a família, o gênero, o homem. Com todas as diferenças entre a Ortodoxia, o Islã tradicional, o Judaísmo, o Hinduísmo ou o Budismo, todas as religiões e culturas construídas nelas reconhecem a verdade divina, a alta dignidade espiritual e moral do homem, honrando tradições e instituições: o Estado, a família, a comunidade. O Ocidente moderno aboliu tudo isso, substituindo-o por realidade virtual, individualismo extremo, destruição de gênero, vigilância universal, uma “cultura de abolição” totalitária, uma sociedade pós-verdade.

Satanismo aberto e racismo descarado florescem na Ucrânia, e o Ocidente só os apoia. Estamos enfrentando o que os anciãos ortodoxos chamam de “civilização do Anticristo”. O papel da Rússia é, portanto, unir crentes de diferentes crenças nesta batalha decisiva.

Você não deve esperar que o inimigo do mundo destrua sua casa, mate seu marido, filho ou filha… Em algum momento será tarde demais. Deus nos livre de vivermos para ver esse momento. A ofensiva do inimigo na região de Kharkiv é exatamente isso: o início de uma verdadeira Guerra do Ocidente contra nós.

O Ocidente demonstra sua intenção de iniciar uma guerra de aniquilação contra nós: a Terceira Guerra Mundial. Devemos reunir todo o nosso mais profundo potencial nacional para repelir este ataque. Com todos os meios: pensamento, força militar, economia, cultura, arte, a mobilização interna de todas as estruturas estatais e cada um de nós.

Fonte: À BEIRA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL | Geopolitica.RU (geopolitika.ru)

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.