Civilização e Nação: Ordem Mundial Multipolar de Dugin

Civilização e Nação: Ordem Mundial Multipolar de Dugin

Por Valentina Schacht

Tradução Guilherme Fernandes

O filósofo russo e especialista em geopolítica Alexander Dugin, cuja filha Daria foi recentemente morta em um ataque ainda não resolvido, está lutando por uma ordem mundial completamente nova. A guerra na Ucrânia é o prelúdio? Em seu último livro, Eurasian Mission, Alexander Dugin escreve como uma nova ordem mundial multipolar pode ser possível sem a dominação dos EUA. 

Fundamentos da geopolítica de Alexander Dugin (1997) é considerado leitura padrão nas academias militares russas. Nele, o filósofo e cientista político, que ocupou uma cadeira de sociologia das relações internacionais na Universidade Lomonosov de Moscou, divide geopoliticamente a Terra em três grandes regiões: o mundo insular (EUA e Grã-Bretanha), Eurásia (Europa Central, Rússia e Ásia) e Randland (os estados entre as duas grandes regiões mencionadas).

Seu pensamento é baseado no eurasianismo, uma escola de pensamento filosófico-geopolítica desenvolvida na década de 1920 por exilados russos em torno de Nikolai Trubetzkoy e centrada na ideia de uma oposição fundamental entre a potência continental Rússia e as potências marítimas anglo-saxônicas.

A OTAN e os EUA contra a Rússia – o principal conflito geopolítico, que atualmente está sendo travado no terreno na Ucrânia.

Segundo Dugin, que atualizou o eurasianismo, havia e há um conflito permanente entre os dois polos em termos geoestratégicos, mas também ideológicos: globalização e universalismo diante da ordem mundial multipolar e preservação das respectivas características culturais.

Adeus ao estado-nação?

No centro das críticas de Dugin está o liberalismo ocidental (e o capitalismo) reivindicar a liderança mundial, que ele considera – nisso ele concorda com seu colega Alain de Benoist – como a maior ameaça aos povos ou o “inimigo maior”.

Washington, diz ele, está se esforçando para afirmar essa reivindicação de liderança em todo o mundo, seja por meio de seduções, métodos subversivos como a “revolução colorida” ou força militar direta. Aqueles que não se submetem voluntariamente aos ditames do capital financeiro, à doutrina do livre comércio ou a ideias como a integração de gênero serão invadidos por revoltas populares encenadas e guerras, diz Dugin com uma visão.

Como alternativa à globalização, Dugin esboça sua “ideia eurasiana” etnopluralista, que não se limita ao espaço russo-asiático e é abertamente inspirada no conceito de maior espaço de Carl Schmitt. Sobre isso escreve:

    “A ideia eurasiana combina em si todas as abordagens críticas à globalização. . , África, Ásia.) Em vez disso, a ideia eurasiana vê o mundo como um conjunto de habitats político-culturais e econômicos totalmente diferentes que correspondem uns aos outros.”

Dugin considera obsoleta a ordem internacional com estados-nação como atores políticos soberanos, o “sistema da Paz de Vestfália”. De fato, o poder real há muito reside em estruturas completamente diferentes – supranacionais ou mesmo econômicas.

Como ele também considera que essa ordem não pode mais ser restabelecida, ele defende um sistema de relações internacionais com “civilizações” (ele pega o termo de Samuel Huntington, mas o reinterpreta de acordo com seu ponto de vista) como novos atores.

Muitas vezes chamado de “grande nacionalista russo”, Dugin se distanciou do nacionalismo anos atrás:

“Eu mesmo não sou um nacionalista, mas um tradicionalista.”

E também:

    “Há uma necessidade geopolítica de uma federação ou aliança europeia, qualquer que seja sua forma, se o continente quiser desempenhar um papel no futuro.”

Em seus Fundamentos da Geopolítica ele escreve:

    “O mundo multipolar não considera a soberania dos estados-nação existentes como uma vaca sagrada porque essa soberania é baseada em fundamentos puramente legais e não é apoiada por um potencial militar e político suficientemente forte.”

A soberania real, disse ele, “só pode ser reivindicada por um bloco ou coalizão de Estados” nas circunstâncias dadas.

Com os outros em vez de contra os outros

Além da “civilização” ocidental (América do Norte e Europa Ocidental), Dugin identifica outras seis, a saber, Ortodoxa ou Eurasiana (os estados da antiga União Soviética, bem como partes da Europa Oriental e Meridional), Islâmica (Norte da África, e Ásia Central, bem como partes da região do Pacífico), China (China, Taiwan e Estados da ASEAN), Índia (Índia, Nepal e Maurício), América Latina (América do Sul e Central) e Japão (Japão).

Não está incluída nesse modelo a África, que Dugin vê como uma “civilização em potencial” que ainda precisa de tempo para se desenvolver plenamente e entrar no cenário político mundial.

Para as “civilizações”, os novos “pólos do mundo multipolar”, sustenta que devem ser soberanos e ter “do ponto de vista jurídico formal” um centro de poder jurídico. E escreve:

    “A área em que uma civilização exerce seu poder de governo e estabelece as regras atuais do jogo deve ser diferenciada e levar em conta a composição étnica e confessional de sua população.”

Além dos grupos confessionais, as classes sociais também teriam que ser adequadamente representadas e “legalmente representadas” na respectiva “civilização”. Seu objetivo final é a coexistência e coexistência e não a oposição de civilizações e também de grupos populacionais dentro de uma civilização.

Fonte1: https://www.geopolitika.ru/es/article/civilizacion-y-nacion-el-orden-mundial-multipolar-de-dugin

Fonte2: https://www.compact-online.de/zivilisationen-und-nationen-dugins-multipolare-weltordnung/?cookie-state-change=1661895508796

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.