Daria Dugina: A Joana D’Arc do Mundo multipolar

Daria Dugina: A Joana D’Arc do Mundo multipolar

Tradução Guilherme Fernandes

Por Fernando Trujillo

“Joana D’Arc era o símbolo de uma juventude sem respeito. Ele zombou de convenções e falsos poderes. Juana nos oferece, com seu sorriso, a magnífica virtude da insolência.”

Robert Brasillach

A morte de Daria Dugin, que ocorreu na noite de 21 de agosto deste ano, foi um fato que chocou todo o mundo político e intelectual iliberal, foi um fato atroz e cruel que roubou uma menina de 29 anos de um futuro brilhante como cientista política e jornalista.

Mas Daria na idade dela já tinha chegado a um longo caminho para o lado de seu pai Professor Alexander Dugin, escrevendo, dando palestras, sua maior arma era sua mente. Daría morreu em um ataque que tinha como alvo seu pai, o filósofo catalogado como “o pensador mais perigoso da atualidade” seria aquele que pegou aquele carro, mas em seu lugar em uma trágica coincidência estava sua filha.

Isso não deveria ter acontecido, para nenhum deles, eles estavam em solo russo, eles estavam terminando um acampamento para os jovens, suas últimas fotos mostram como eles estavam felizes naquela época.

Dias antes de seu assassinato — devemos dizer assassinato e não morte, para que seja bem sabido que ela foi tirada de nós — a jornalista russa Zemfira Souleymanova, uma ativista bolchevique nacional, do outro partido russo fundado por Eduard Limonov, também foi assassinada, ela morreu quando ela era voluntária em uma aldeia perto da República Popular donestk.

O assassinato de Daria teve mais cobertura da mídia, chocando todos os círculos iliberais, mas não devemos esquecer Zemfira, de 25 anos, uma jovem idealista e cheia de vida que morreu por seus princípios.

Os favoritos dos deuses morrem jovens dizem que os Helenos, as duas jovens morreram no auge de sua juventude enquanto seguiam o caminho da ação política e cultural.

Em Daria podemos, assim, ver um arquétipo de Joana D’Arc do ideal multipolar, aquela jovem que na adolescência lutou para libertar uma nação de seus antigos inimigos e acabar com uma guerra de cem anos.

Joana D’Arc que, como citado na frase de Robert Brasillach com a qual este artigo começa, deu o exemplo como representante de uma juventude rebelde e rebelde.

Joana D’Arc desafiou os costumes de seu tempo, seguindo o chamado do Sagrado, foi lutar pela libertação de sua terra natal França, desafiou seus pais, enfrentou o Delfim e na frente de generais, clérigos e nobres, ou seja, diante das figuras de autoridade para poder lutar por seu ideal, demonstrando que a verdadeira autoridade não vem de fileiras, nem de berços, mas de um poder superior.

Com a mesma rebelião, desafio e insolência juvenil Daria confrontou as potências globalistas que, assim como os ingleses na Idade Média tinham sitiado a França, hoje essas potências mantêm as nações subjugadas.

Daba Dugin pode ser vista como a Joana D’Arc do mundo multipolar, em suas próprias palavras pode-se ver que ela viu sua missão como além da política, como um dever sagrado: “Esta guerra espiritual contra o mundo moderno me dá força para viver. Estou lutando contra a hegemonia do mal pela verdade da Tradição Eterna.”

Daria foi listada como uma ameaça potencial pelo serviço de inteligência da Inglaterra, os mesmos inimigos de Joana D’Arc e toda a Europa. Assim como Joana D’Arc morreu pelo fogo da fogueira, então Daria foi morta pelo fogo de uma bomba, mas não satisfeita com seu assassinato, a imprensa ocidental a queimou novamente na fogueira através de notícias falsas, deturpações e acusações infundadas de racismo e desculpas por genocídio, a imprensa ocidental mostrou-se novamente uma porcaria e um órgão a serviço de todo o mundo unipolar e globalista.

Após sua morte, Joana D’Arc foi canonizada como santa e tornou-se a santa padroeira da França, então Daria após seu assassinato foi premiada com a Ordem do Valor postumamente pelo governo de Vladimir Putin, a maior honra da Rússia. Após seus assassinatos, Juana e Daria triunfaram após a morte transcendendo e tornando-se santos e heroínas.

Em Juana e Daria, a juventude, a rebelião e a santidade são combinadas, rebelião rebelde, a luta por um ideal sagrado, a luta pela liberdade e contra a tirania, a transcendência além da política, cultura e morte, para se tornarem símbolos da guerra sagrada.

Em Juana, Daria e Zemfira é a representação do que o Professor Dugin chamaria de feminismo de Hecate em seu livro Noomajia (Ediciones Fides), ¿Qué es el feminismo de Hecate? É o antagonista do feminismo ocidental e globalista, esse tipo de feminismo patriótico e identitário, é baseado na deusa Hecate, que originalmente era uma deusa celestial que concede sabedoria, coragem e vitória na luta.

Professor Dugin cita: “(…) O feminismo de Hecate é a restauração da dignidade das mulheres como amigos e aliados dos homens, dos homens indo-europeus. É um feminismo indo-europeu que é contra os Logos de Cibele, porque é a glorificação do princípio feminino dos logos puramente indo-europeus.” (Noomajia de Ediciones Fides)

Dentro desse mesmo espírito de Joana D’Arc e do feminismo de Hecate também entraria na figura de Deni Prieto Stock “María Luisa”, guerrilheira mexicana, assassinada pelo exército durante os anos da guerrilha.

É esse espírito jovem que luta, que se recusa a envenenar, que morre na luta e que transcende até sua morte, morte heroica, juventude eterna, a conversão de um combatente em um mártir, herói e santo, como em histórias míticas.

Os jovens de hoje não querem lutar ou transcender, mas ser uma cópia dos adolescentes da Netflix, obedecer ao Estado quando ordena que fiquem em casa, usem máscaras e obedeçam às regras, coloquem bandeiras ucranianas ou sigam a causa social da moda.

Daria era uma jovem que era inimiga desse tipo de juventude que as potências globais querem, ela era uma guerreira intelectual e é por isso que ela foi morta. Os últimos dias de Daria Dugin foram em um campo eurasiano, vivendo com outros jovens, dando treinamento cultural, esportivo e político para a luta pelo mundo multipolar. Dar morreu com um sorriso porque seu exemplo serviu os jovens e agora mais do que nunca ela é um símbolo.

Os ingleses não podiam matar Joana D’Arc, os globalistas não podiam assassinar Daria e agora ela transcendeu como uma heroína e santa da nova ordem multipolar.

Eles não podiam matá-la, fizeram dela um símbolo, mesmo depois de sua morte Daria triunfou sobre seus inimigos e inimigos da Rússia.

Nesta nova era, Daria Dugin é a Joana D’Arc do mundo multipolar.

Daria Dugin presente!

Fonte: Daria Dugin: La Juana de Arco del mundo multipolar (guerradelasideas.blogspot.com)

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.