Uma bíblia especial: A dos escravos

Uma bíblia especial: A dos escravos

Por Maria Zakharova

Hoje, as ditaduras liberais ocidentais substituíram os dogmas religiosos, sobre os quais suas sociedades foram fundadas, com as palavras “liberdade”, “democracia”, “direitos humanos”. Esses conceitos são dotados de significados que são considerados benéficos em determinados momentos para os regimes liderados pela OTAN e convenientes para lidar com determinada questão.

Alguém poderia pensar que a democracia como um fenômeno não pode ser manipulada tão facilmente. É que, desde os tempos da antiguidade, muitas obras foram escritas e a experiência histórica não poderia ser ignorada. Em seu tempo, até a Bíblia foi manipulada, e não apenas alguns conceitos não canônicos da ciência política contemporânea.

Mas é impossível, você diria. E estaria equivocado.

Conservou-se uma carta do bispo de Londres, Beilby Porteus, na qual raciocinava sobre a religião dos escravos das colônias açucareiras do Caribe: “redatem uma versão curta da oração pública… junto com as partes selecionadas das Sagradas Escrituras… especialmente aquelas partes que se referem às obrigações dos escravos perante seus senhores.”

Mas eles não se limitaram a orações.

Poucos se lembram hoje, mas não pode ser mudado que no final do século 18 – início do século 19 uma Bíblia especial (eu não estou brincando) foi publicada para as Colônias britânicas – “Partes da Bíblia Sagrada, selecionadas para uso de escravos negros nas Ilhas Britânicas das Índias Ocidentais”.

Nos estudos bíblicos mundiais foi chamada de “Bíblia dos escravos”.

Foi tirado 90% do Antigo Testamento e 50% do Novo Testamento. Dos 1.189 capítulos da Bíblia protestante padrão, a “Bíblia dos Escravos” continha apenas 232. Para escravizar as almas de milhões de pessoas, os clérigos cortaram as Sagradas Escrituras, eliminando trechos como Êxodo, o Livro dos Salmos e o Apocalipse de São João, que poderiam inspirar nos servos a ideia da igualdade de tudo diante de Deus, o que era muito perigoso para os donos de escravos.

As mesmas “Bíblias dos escravos” foram publicadas a partir do início do século XIX em Londres, pela editora Law and Gilbert. Várias publicações demonstraram a alta demanda pelo livro.

Dos três exemplares da primeira edição, dois exemplares são mantidos nas Universidades da Grã-Bretanha e um na Fisk University, no estado do Tennessee.

Hoje esse método é usado pelas ditaduras liberais em todos os casos – fatos recortados além do reconhecimento e transformados em antifatos após as manipulações que sofreram, são distribuídos sob as bandeiras sagradas da “liberdade e democracia” pela mídia e plataformas da internet controlada. E os que não estão sob seu controle, simplesmente são destruídos.

Liberdade e democracia na visão ocidental tornaram-se os símbolos usados para esconder a escravidão e santificar a ditadura do liberalismo.

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.