A Guerra na Ucrânia, um Choque entre as Civilizações Globalista e Eurasiática

A Guerra na Ucrânia, um Choque entre as Civilizações Globalista e Eurasiática

Tradução Guilherme Fernandes

Por Darya Platonova

O conflito russo-ucraniano não é uma disputa territorial local, mas a eclosão do confronto entre dois modelos completamente antagônicos de civilização. Sobre isso, falou há alguns meses a filósofa e jornalista, recém-assassinada, Daria Dugina.

Você pode se apresentar aos nossos leitores? Não é difícil para você às vezes carregar o nome de Dugin, e assim ser necessariamente assimilada a seu pai?

Formei-me na Faculdade de Filosofia da Universidade Estatal de Moscou com uma graduação em história da filosofia. Minha pesquisa concentrou-se na filosofia política do neoplatonismo tardio, um assunto de interesse interminável. A principal linha de pensamento da filosofia política dos neoplatonistas tardios é o desenvolvimento da ideia de uma homologia entre a alma e o Estado e a existência de uma ordem tríplice semelhante em ambos. Assim como existem três bases na alma, também no Estado (e os platonistas descrevem o modelo indo-europeu, mais tarde perfeitamente teorizado no trabalho de Dumézil) existem três domínios – este modelo se manifesta na Antiguidade e no Medievo. A compreensão existencial e psíquica da política é, de fato, perdida de muitas maneiras hoje em dia, estamos acostumados a ver a política apenas como uma técnica, mas o platonismo revela uma profunda conexão entre os processos políticos e psíquicos. Existe hoje uma necessidade urgente de restabelecer uma visão tão abrangente dos processos políticos, ou seja, de examinar a “política existencial”.

Tenho a honra de estar no mesmo barco que meu pai (no mesmo navio existencial), sendo filha de um grande estudioso da Tradição, autor da obra Noomaquia (“guerras da mente” – análise através dos três logoi de todas as culturas do mundo). O fato de estarmos sob sanções dos EUA, Canadá, Austrália e Reino Unido é também um símbolo de que nós, os Dugin, estamos no caminho da verdade na luta contra o globalismo. Portanto, eu diria que é uma honra nascer em uma família assim.

Conte-nos sobre seu trabalho atual?

Sou observadora política do Movimento Internacional Eurasianista e especialista em relações internacionais. Meu campo de atividade é a análise da política europeia, bem como da geopolítica. Nesta qualidade, apareço nos canais de televisão russos, paquistaneses, turcos, chineses e indianos, apresentando uma visão multipolar mundial dos processos políticos. Minhas áreas de interesse são tanto o espaço civilizacional europeu quanto o Oriente Médio, onde está ocorrendo uma espécie de revolução conservadora – do constante confronto do Irã com a hegemonia americana ou a luta da Síria contra o imperialismo ocidental à Turquia, que agora mostra tendências interessantes para se afastar da OTAN e do bloco geopolítico anglo-saxão e está tentando construir sua política externa numa base multipolar, engajando-se em um diálogo com a civilização eurasiática. Penso que é importante acompanhar os processos na região do Oriente Médio, é uma das cenas da luta contra o imperialismo. Por outro lado, também estou muito interessada nos países africanos; eles representam “O Outro” para a Europa e a Rússia, de cuja análise se pode compreender melhor a própria civilização. A África sempre foi um elemento de sonho tanto para europeus quanto para russos – recordemos a Viagem à Abissínia e ao Harrar de Arthur Rimbaud, ou o poeta russo Nikolai Gumilev que se inspirou em Rimbaud (“Diário Africano”) e uma série de poemas sobre a África, nos quais ele realmente revela a África como uma civilização inexplorada e significativa que o colonialismo ocidental cruelmente tentou desfazer e destruir. Hoje, as mudanças tectônicas estão ocorrendo no continente africano e o confronto de civilizações: ocidental e autenticamente africano (tão diferente e único) é extremamente interessante.

Para mim, um tópico particularmente importante é o desenvolvimento da teoria de um mundo multipolar. É claro que o momento globalista terminou, o fim do liberalismo está aqui, o fim da história liberal. Ao mesmo tempo, é extremamente importante compreender que uma nova etapa cheia de desafios, provocações e complexidades começou. O processo de criar multipolaridade, estruturar blocos civilizacionais e estabelecer um diálogo entre eles é a principal tarefa de todos os intelectuais de hoje. Samuel Huntington, como realista nas relações internacionais, advertiu, com razão, contra os riscos de um choque de civilizações. Fabio Petito, especialista em relações internacionais, enfatizou que a construção de um “diálogo de civilizações” é a tarefa central e “o único caminho a seguir”. Assim, a fim de consolidar o mundo multipolar, as áreas de fronteira (intermediários) entre as civilizações devem ser tratadas com cuidado. Todos os conflitos acontecem nas fronteiras (zonas intermediárias) das civilizações, onde as atitudes entram em conflito. Portanto, é essencial desenvolver uma mentalidade de “fronteira” (intermediária) para que o mundo multipolar possa funcionar plenamente e passar de um “choque” para um “diálogo” de civilizações. Sem isso, há um risco de “choque”.

Como você vê a guerra na Ucrânia? E sobre as reações no Ocidente e no mundo?

A situação na Ucrânia é precisamente um exemplo de um choque de civilizações; pode ser vista como um choque entre as civilizações globalista e eurasiática. Após a “grande catástrofe geopolítica” (como o presidente russo chamou o colapso da URSS), os territórios do país outrora unido tornaram-se “fronteiras” (zonas intermediárias) – aqueles espaços para os quais a atenção dos vizinhos aumentou, com a OTAN e especialmente os EUA interessados em desestabilizar a situação nas fronteiras da Rússia. Nos anos 90, foi iniciado um trabalho consistente com os quadros dos novos governos dos novos estados – a Ucrânia não é exceção. Os eventos de 2014 na Ucrânia, o Maidan, apoiado tão fervorosamente por Nuland e pelo famoso soldado Bernard-Henri Levy da ultraglobalização, foram um ponto de virada, na verdade abriram as portas para o estabelecimento de um ditame globalista direto sobre a Ucrânia. Além disso, elementos liberais e nacionalistas, que eram mais ou menos neutros antes de 2014, juntaram-se a uma frente unida com uma agenda globalista e pró-americana. Durante 8 anos na Ucrânia, a russofobia foi cultivada por vários programas e a história foi reescrita, até o massacre físico dos russos: os mesmos 8 anos terríveis para o Donbass com bombardeios diários. O público francês pode ouvir a documentarista Anne Laure Bonnel, uma testemunha destes 8 anos em Donetsk, que não tem medo de dizer a verdade em seus filmes e entrevistas.

O apoio unânime do Ocidente à Ucrânia em 2022, o fornecimento de armas em uma escala impensável – tudo isso soa como agonia. A agonia de um regime globalista que está começando a perder terreno para a multipolaridade. Para mim, a dor mais importante é que a Europa sucumbiu à influência da propaganda globalista e, em vez de permanecer neutra, se colocou do lado da guerra. Em muitos aspectos, este era certamente o plano dos Estados Unidos, que haviam provocado de forma tão sistemática e contínua todo o conflito ao bombear armas para a Ucrânia. Somente dos EUA (de acordo com a Transparency International), mais de US$658 milhões foram investidos em ajuda à Ucrânia entre 2014 e 2017.

Ao mesmo tempo, os países da América Latina, Oriente Médio, China e Índia não adotaram uma posição globalista. O líder venezuelano Nicolas Maduro disse que seu país adere “firmemente” à posição da Rússia. Em Cuba, pessoas foram vistas carregando bandeiras russas e símbolos Z durante uma manifestação do dia de maio, informou a emissora alemã ZDF. A Argentina acusou o Ocidente de ter dois pesos e duas medidas. A vice-presidente do país, Cristina Kirchner, disse que o país estava em conflito com Londres por causa das Ilhas Malvinas. No Brasil, o candidato à presidência Lula da Silva, por sua vez, disse que o líder ucraniano Volodymyr Zelensky era responsável pelo que estava acontecendo em seu país. A China se pronunciou contra a expansão da OTAN e as provocações dos EUA. A Índia tentou manter sua neutralidade estratégica (nos anos 90, a própria Índia foi alvo de dolorosas sanções norte-americanas e ocidentais por se recusar a aderir ao Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares. O país, que o Ocidente procura cortar seu oxigênio e privar de alta tecnologia, então manteve sua posição (em grande parte através da cooperação com a Rússia, que não aderiu às sanções e defendeu sua abolição). Vários países do Oriente Médio apoiaram a operação militar especial da Rússia (a Síria, um aliado russo de longa data, conhece a batalha contra o globalismo melhor do que ninguém), há apelos crescentes para a retirada da OTAN na Turquia, e o Presidente se recusou a aprovar a admissão da Suécia e da Finlândia na OTAN. Muitos países africanos, especialmente aqueles com forte sentimento antiglobalista, não têm apoiado as críticas ocidentais à Rússia (Mali, Sudão, RCA, Zimbábue, República do Congo, Eritreia). Estas reações indicam o fim do mito de um “espaço mundial único”. A operação militar especial da Rússia na Ucrânia acelerou a formação de um mundo multipolar e catalisou muitos processos geopolíticos.

Você não acha que a Rússia está se isolando? Quais você acha que serão as consequências disso?

Eu acho que o oposto é verdade. A Rússia está encontrando novos parceiros e os processos de soberania (por exemplo, a desdolarização econômica) estão começando a se acelerar. A Rússia está tentando ser “punida” pelos países ocidentais através de sanções, mas o efeito na economia russa não é muito perceptível (“As sanções internacionais contra a Rússia não parecem ter impacto na vida cotidiana dos moscovitas”, diz um jornalista em uma reportagem da TV BFM). A política de sanções do Ocidente tem sido um catalisador para a busca de novos parceiros e para a desocidentalização de nosso país. Ao mesmo tempo, estas sanções atingiram duramente os países europeus, tornando-se uma espécie de “hara-kiri” para muitas economias europeias. Esta é uma notícia muito preocupante, mas aparentemente também fazia parte da trama americana para desestabilizar o continente europeu. O primeiro-ministro húngaro Viktor Orban disse que Budapeste não apoiou a imposição de sanções irrefletidas contra a Rússia. “As sanções contra a Rússia são como uma bomba atômica, pode nos levar não só a não poder alimentar nossa população, mas também a receber uma massa de migrantes na fronteira”, disse o primeiro-ministro húngaro.

Novos blocos estão surgindo. “Os países em desenvolvimento, incluindo China, Índia, Indonésia, Brasil e outros que se recusaram a tomar partido na sequência das sanções ocidentais contra a Rússia, deveriam considerar formas de fortalecer sua coordenação econômica para resistir a novos choques do Ocidente. É importante observar que os países em desenvolvimento devem buscar uma solução através da cooperação financeira e comercial”, escreveu um repórter para o Global Times da China. Estes são processos geopolíticos muito interessantes. Portanto, a Rússia não foi vítima do isolamento, foi pioneira de uma ordem mundial multipolar.

Como a população russa está reagindo a esta guerra, que obviamente já resultou em muitas perdas para o lado russo?

Qualquer operação militar sempre envolve perdas. Deve-se notar que os números fornecidos por fontes ucranianas (e estes são os que são transmitidos na mídia ocidental) não são corretos e precisam ser verificados. Estamos diante de uma situação de guerra de informações em que tudo, desde relatórios militares até números, é politizado. Na mídia ocidental, infelizmente, não há praticamente nenhuma visão alternativa dos eventos. A Ofpra produziu um dossiê em 2016 sobre o Pravy Sektor (“Setor Direito”), um grupo ultra ucraniano: “O Pravy Sektor está sujeito a alegações de antissemitismo e xenofobia, manifestações homofóbicas, detenções ilegais e outros abusos de poder. Ela cria uma milícia armada, o Corpo de Voluntários Ucranianos, envolvida no conflito com os separatistas pró-russos no Donbass. As tensões entre o Corpo de Voluntários Ucranianos e as autoridades continuaram até que o Corpo se tornou uma parte inquieta das forças armadas regulares”. Em 2022, aqueles que foram considerados com suspeita em 2016 tornam-se heróis, pois as esposas dos combatentes de Azov (um grupo responsável pelas cruéis mortes de russos no Donbass) se encontram com o Papa no Vaticano. É muito estranho que algo que parecia proibido há apenas dois anos se tenha tornado comum na Europa. Ou a reunião de BHL com o ex-chefe do batalhão radical russófobo e xenófobo Aydar (uma organização terrorista banida na Rússia) Marchenko. Hoje, o liberalismo anda de mãos dadas com a xenofobia e o nazismo. Isto é um paradoxo. Mas isso pode ser explicado se entendermos a “natureza totalitária” do liberalismo moderno. Este é o tema da manipulação de informações e números.

Quanto à reação dos russos, a esmagadora maioria apoia a operação militar especial. Aos seus olhos, é uma defesa compreensível dos interesses geopolíticos da Rússia e uma luta contra a russofobia, pois foi formado um regime em Kiev que nega aos russos o direito à autodeterminação (língua, cultura, identidade) e à existência. Alguns elementos da sociedade deixaram imediatamente o país após o início das hostilidades – eles foram para os EUA, Europa e Israel. Significativamente, Anatoly Chubais, ex-chefe do governo presidencial russo e um dos ideólogos e líderes das reformas econômicas na Rússia nos anos 90, deixou o país. Nos anos 90, a Frente Patriótica o chamou de “traidor” e responsável pelas dificuldades econômicas da Rússia. Isto é simbólico. Há casos assim, com certeza.

Todos ao meu redor apoiam a operação militar especial não apenas em palavras, mas também, para muitos, em ações, fornecendo ajuda humanitária aos refugiados e à região. Além disso, eles não têm feito isso nos últimos meses, mas por muitos anos. Os mesmos oito anos de que o Ocidente sabia tão pouco.

Como jornalista, o que você acha da censura da RT na União Europeia ou Sputnik, e do silêncio (se não aprovação) de uma maioria de jornalistas europeus?

Este é um caso sem precedentes de violação da “liberdade de expressão”. A liberdade de expressão implica a possibilidade de pontos de vista diferentes, às vezes desagradáveis para as autoridades. RT e Sputnik não eram instrumentos de propaganda russa, mas plataformas de discussão. Assisti a muitos programas da RT France e eles foram interessantes porque incluíam especialistas com um ponto de vista alternativo ao da mídia do sistema. O fato de os jornalistas na Europa não terem reagido de forma alguma a esses bloqueios mostra a natureza “totalitária” de todo o mundo da mídia ocidental. Isto é muito triste. Esperemos que os meios de reforço permaneçam ativos e prolonguem a destruição do bloco de desinformação.

Na França, as consequências econômicas já estão sendo sentidas (por exemplo, o aumento dos preços da gasolina). Como se pode evitar um círculo vicioso?

As sanções antirrussas estão começando a drenar a economia europeia. Le Pen, no debate com Macron, chamou-os com razão de “harakiri” para a economia francesa. Mas vamos pensar, quem precisa de uma Europa enfraquecida? Atingida após a COVID, enfraquecida pelas sanções antirrussas, a Europa terá que concentrar todas as suas forças na questão do resgate de sua própria economia, em tal situação os beneficiários são os EUA, que conseguem estabelecer seu controle sobre o continente. Uma Rimland independente é inaceitável para a civilização anglo-saxônica, o crescente sentimento antiamericano e anti-NATO (na França, nota, Mélenchon, Le Pen, Zemmour e muitos outros candidatos criticaram ativamente a adesão da França à OTAN e pediram um cenário quase gaullista de 1966) é uma ameaça ao domínio global dos EUA. Portanto, a ideia de sanções antirrussas foi implementada com o objetivo de enfraquecer a região. As elites da UE atuaram como intermediários, procuradores dos globalistas neste esforço, e deram um golpe no bem-estar dos povos e populações europeias.

A palavra final?

Peço a todos os leitores que pensem criticamente e questionem as reportagens da mídia. Se as elites liberais ocidentais insistem tanto em apoiar Kiev e demonizar Moscou, há um motivo de lucro por trás de tudo isso. Tudo tem que ser questionado. Este é um princípio importante que nos permite manter um olhar sóbrio. Em uma sociedade de espetáculo, propaganda e da natureza totalitária dos sistemas ocidentais, a dúvida é um passo fundamental para sair da caverna…

Fonte: Darya Platonova: The War in Ukraine a Clash of Globalist and Eurasian Civilizations | Geopolitica.RU (geopolitika.ru)

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.