Etnos, Povo, Nação como categorias Etnossociológicas

Etnos, Povo, Nação como categorias Etnossociológicas

Katehon think tank

Tradução Guilherme Fernandes

Etno, povo, nação: paralelos russo-alemães

O problema do uso dos termos “etnos”, “povo” e “nação” é extremamente complicado, pois historicamente eram usados ​​como sinônimos, ou como antônimos, ou como subcategorias um do outro, e nas configurações mais inesperadas. E nem se trata do “Sacro Império Romano da Nação Germânica”, ou “nações” na Europa Medieval. Na Transilvânia, por exemplo, apenas húngaros, secessionistas e alemães foram incluídos entre as “nações”; Os romenos ortodoxos não foram incluídos no status de “nação”. Na Comunidade Polaco-Lituana, a expressão Povo Rutenus, natione Polonus: origem rutena, nação polonesa.

Tomemos como exemplo a Rússia e a Alemanha nos séculos 19 e 20, onde os conceitos de “povo” (e seus derivados) e “nação” colidiram como sinônimos ou como antônimos. E vamos traçar como a presença dos dois conceitos “povo” e “nação” ajuda a entender a atual situação geopolítica.

O “narodnost” do conde SM Uvarov, por exemplo, é um derivado do francês Nationalite, mas através de uma referência à raiz russa, que “desativa” as conotações de liberalismo e constitucionalismo inerentes ao conceito francês. No entanto, Uvarov também escreveu sobre a “nacionalidade” russa. Nos eslavófilos, é possível encontrar uma compreensão do povo como uma categoria geral em que “a nação” é um caso particular. Para o colega de KP Pobedonostsev, SA Rachinsky, “nação” como um conceito ocidental e liberal se opõe diretamente à “nacionalidade” como um conceito russo e conservador. Em M. Katkov, que, embora conservador, era ocidental, a nação é, ao contrário, um conceito positivo[1].

Naquela época, os eslavófilos e Dostoiévski preferiam falar do “povo”, que tinha um duplo sentido, ou seja, tanto o povo simples, as camadas mais baixas, quanto o povo russo como um agregado de todas as camadas da sociedade e como o povo base de um império com uma história, tradição religiosa e cultura definidas. Para os monarquistas dos Cem Negros, era mais comum usar o termo “povo”[2]. Para os nacionalistas de tipo mais ocidentalizado, como MO Menshikov, o conceito-chave era o de “nação”, que também implicava uma reivindicação de poder em nome dessa nação.

Ou seja, para conservadores, monarquistas, eslavófilos e reacionários, o conceito de “povo” era preferível. Para os nacionalistas mais “europeus”, era a “nação”. Embora ambos pudessem usar os termos como sinônimos.

Na Grã-Bretanha e na França não houve essa confusão de termos, embora, como aponta Alain de Benoist, “a tradição contra-revolucionária, na medida em que está associada a uma característica aristocrática ou monárquica, se abstenha de exaltar a nação”[3]. Por outro lado, a situação na Alemanha é semelhante à da Rússia. Fichte escreve Discursos à Nação Alemã (Reden an die deutsche Nation). No entanto, mais tarde no século 19, surgiu o movimento Völkisch, para o qual a palavra estrangeira Nation era irrelevante[4]. Volk – povo – torna-se o marcador da “autenticidade”, do “populismo” (porque, como o narod russo, contém um duplo significado: tanto um simples “povo” quanto uma comunidade cultural e até de sangue unida por uma cultura, uma língua e história).

O Terceiro Reich e a URSS misturaram as noções arbitrariamente. Na URSS prevalecia a noção de “nacionalidade”, seja como comunidade puramente étnica, seja como reivindicação de participação política, seja como resquício da “nação” burguesa em uma sociedade socialista. Foi assim que surgiram na URSS as “nacionalidades” de uzbeques, tadjiques, ucranianos e azerbaijanos, e desapareceram os sarts, pequenos russos, tártaros ou turcos da Transcaucásia, respectivamente, que existiam antes da revolução. A situação foi complicada pela tese da formação de uma “nova comunidade histórica” ​​- o “povo soviético”. Esse “povo” desapareceu junto com a URSS, mas apareceu um “povo multinacional da Federação Russa”.

A Alemanha de Hitler falava de uma “nação”, baseada em um povo (Volk) e uma “sociedade popular” (Volksgemeinschaft). A derrota do Terceiro Reich não trouxe clareza ao uso dos termos “povo” e “nação”.

Três estados – duas nações – uma nação? (Drei Staaten – zwei Nationen – ein Volk?) foi o título de um ensaio publicado em 1985 pelo historiador kieliano Karl Dietrich Erdmann, tratando da República Federal da Alemanha, da RDA e da Áustria[5]. Aqui também encontramos um uso interessante dos conceitos em questão. A RFA e a RDA são estados separados. Mas uma “nação”. A Áustria e a Alemanha são duas nações, mas um só povo. Os austríacos, é claro, expressaram indignação, mas este exemplo é típico.

E até hoje, na Alemanha o Volk é algo arcaico, populista, cultural, mais “fechado”, que acaba por apelar para uma história comum, e a Nação é liberal, progressista e alinhada com o quadro político do Estado liberal moderno, seus cidadãos e eleitores. Aqui, por exemplo, é como a Agência Federal Alemã de Educação Política (Bundeszentrale für politische Bildung) explica às crianças alemãs a diferença entre “nação” e “povo”:

“Muitas vezes, quando as pessoas falam de uma ‘nação’, querem dizer um grupo de pessoas que têm origens semelhantes, compartilham costumes comuns, falam a mesma língua ou têm semelhanças culturais. Algumas pessoas que têm essa ideia de ‘povo’ querem distinguir ou diferenciar “seu” povo de outros povos. Basicamente, eles acreditam que seu povo é melhor do que outros povos. Há políticos e outros que afirmam que vivem muitas pessoas na Alemanha que supostamente não pertencem ao povo alemão. Porque essas pessoas fazem não têm a mesma origem, cultura e língua que a maioria dos alemães, supostamente não pertencem a lá. Essas pessoas são então excluídas da sociedade e os preconceitos são levantados contra elas.

E depois há aqueles que falam de pessoas “comuns” e, portanto, fazem uma distinção entre pessoas supostamente comuns e pessoas ricas e influentes. Os populistas, em particular, querem semear assim a inimizade entre o povo e, posteriormente, alcançar seus objetivos políticos.”[6] Em uma palavra, neste contexto “o povo” parece muito desconfiado: ou eles não gostam ou os ricos. É a “nação” da moda e jovem de onde saiu tudo, exceto o amor à democracia na RFA:

“Hoje, muitas pessoas falam de ‘nação’ em vez de ‘povo’. São pessoas que vivem na Alemanha e se sentem apegadas a este país e suas regras democráticas.”

A tarefa de ordenar os conceitos

Os etnossociólogos russos e alemães se depararam com a questão de como construir uma nomenclatura mais ordenada, em que os termos “etnos”, “povo” e “nação” pudessem ser separados de alguma forma, sem o uso usual de sinônimos na fala cotidiana. declarações de políticos.

Isso já é característico de Max Weber, que introduz o conceito de unidades étnicas, onde a “nação” é uma unidade maior cujas subdivisões são chamadas de “tribo” ou “etnos”, e, segundo Weber, até mesmo uma etnos pode ser uma subdivisão de uma tribo e vice-versa. Para a polis grega, ele aponta que os subgrupos que existiam antes da polis e estavam unidos nela eram chamados de ethne, não de phylai. A nação e o sentido nacional, para Weber, são produto da identificação com o Estado, geralmente a partir de uma linguagem comum, e com a política de poder desses Estados[7].

Wilhelm Müllmann -um dos maiores etnossociólogos alemães do século XX- foi guiado pelos conceitos do etnólogo russo SM Shirokogorov, que introduziu o conceito de “etnos” como “um grupo de pessoas que falam uma língua, que reconhecem sua origem comum e que possuem um conjunto de costumes, um modo de vida, preservado e santificado pela tradição e diferenciado dos costumes de outros grupos”[8].

O próprio Mühlmann, em diferentes períodos, tenta separar “etnos”, “povo” e “nação”. Em sua opinião, o “ethnos” é a forma mais simples de sociedade. Uma nação é uma forma mais complexa (como no caso de Weber), o auge do desenvolvimento cultural e espiritual. Mühlmann não considera povos para as comunidades que chamamos de “grupos étnicos”, muitas vezes também “povos primitivos”, entendendo-os como grupos étnicos. Finalmente, no final de sua vida, Mühlmann separou “ethnos” (grupo étnico), “demos” e “povo”. “Demos” refere-se à moderna democracia de massas, à qual já não se aplica o conceito de “povo”, correspondendo ao uso moderno de Nação. “Povo” refere-se ao que surgiu na Europa após o colapso do Império Romano, ou seja,

Bromley, o líder da etnologia soviética, diz algo semelhante: as tribos correspondem à formação comunal primitiva, as nacionalidades à formação feudal e as nações à formação capitalista[10].

Ethnos, povo e nação de acordo com Alexander Dugin

Se levados em conta o exposto, o conceito etnossociológico de AG Dugin, no qual as noções de “ethnos”, “povo” e “nação” são divorciadas[11], aparece como o sucessor mais coerente das tradições etnossociológica alemã e alemã. e a especificidade dos “cientistas do solo” russos e alemães no tratamento dos termos “nação” e “povo”.

etnia

Seguindo Weber e Müllmann, Dugin define ethnos como a forma mais simples e, ao mesmo tempo, a raiz da sociedade na base de todas as outras, limitando o uso do termo às comunidades arcaicas ou à dimensão arcaica da vida. estruturas.

Pessoas

A cidade neste esquema é a primeira derivada de ethnos. Grupos étnicos ou, mais precisamente, grupos étnicos diversos, ao entrarem na história (um grupo étnico inserido – esperam intensa interação com os outros, conquistas e alianças, formação de políticas), saem do estado de equilíbrio e “eterno retorno” que caracteriza a sociedade arcaica , e formam estruturas complexas: estatais, religiosas, filosóficas, sociais (diferenciação de classe). É assim que surge uma nação. Muitas vezes a elite é em grande parte, se não toda, alogênica, representando originalmente uma etnia diferente das classes mais baixas de uma sociedade, criando assim o diferencial necessário para governar, a separação dos governantes dos subordinados. A forma política mais elevada de ser de um povo é um império, no qual as pessoas não só vivem na história, mas eles têm uma missão histórica ou cósmica específica. No império cristão, é a ideia dos catecúmenos que impede o mundo da chegada do Anticristo[12].

O povo combina a diversidade étnica e o desejo de unidade. Diversidade – porque assim como a elite é reabastecida com membros de diferentes etnias, também existem diferentes etnias nos andares inferiores. No entanto, tanto dentro da elite quanto entre as comunidades camponesas subordinadas há processos de interação. Por fim, a mesma comunicação ocorre entre as bases e a liderança: a liderança assimila a linguagem e os elementos culturais da base, a base assimila os modelos normativos políticos e religiosos impostos de cima. O resultado é uma sociedade diversa e semelhante em suas características gerais e que alcança a unidade na diversidade.

Na Rússia, por exemplo, antes das reformas de Pedro I (e depois delas), havia uma integração básica das comunidades eslavas, fino-úgricas e outras etnias, dominadas pela eslava, ou seja, de origem russa. No topo, houve a integração da aristocracia varagana, eslava, lituana e tártara, de modo que todas acabaram se tornando também russas, formando o povo russo, unificado por uma percepção comum de origem, cultura e missão histórica.

Havia também uma conexão entre as classes altas e baixas russas, linguística e culturalmente, e para preencher a lacuna cultural depois que Pedro deu à Rússia Pushkin, Gogol, Tolstoy e Dostoiévski, Glinka, Mussorgsky, os eslavófilos e a filosofia religiosa russa, etc. Assim surgiu a grande Idade de Ouro e mais tarde de Prata da cultura russa.

Sempre houve a possibilidade de que alguns grupos étnicos (como os yakuts, os buryats ou os tártaros) coexistissem organicamente no Império, junto com o povo russo, girando em órbitas diferentes do núcleo cultural e estatal; e que alguns outros grupos étnicos foram russificados, adotando as normas de comportamento e até mesmo as tradições e a língua dominantes (como no Volga-Urais e no Norte da Rússia).

A nação

“Nação” no esquema de Dugin carece de qualquer significado positivo (exceto que é melhor do que uma sociedade civil global de pervertidos), porque todo esse significado positivo já está ligado ao conceito de “povo” como uma estrutura complexa da sociedade sagrada tradicional. Não faz sentido introduzir uma nova categoria para descrever essa realidade. Mas tudo muda quando se trata de modernidade.

“Nação” neste caso é entendida como uma forma etnossociológica que surge na destruição das sociedades tradicionais e na transição do paradigma da Pré-modernidade para a Modernidade, ou seja, como resultado dos processos de dessacralização, secularização, liquidação do tradicional a divisão de classes e sua substituição pela divisão de classes, o aparecimento das revoluções burguesas, etc. Aqui a posição crítica dos construtivistas E. Gellner, B. Anderson e E. Hobsbawm, para quem a “nação” é a construção burguesa da era moderna, é amplamente aceita.

A “nação” exige maior homogeneidade que o “povo”, baseia-se na identidade individual e não na coletiva, e no ideal jacobino exige a assimilação de todas as etnias ao seu alcance.

A “nação” é uma “comunidade imaginada”, ou seja, uma sociedade complexa que se apresenta como supostamente simples, unida pela solidariedade ao nível da “etnos” (a comunidade arcaica), mas com uma difusão dos conceitos de “humanidade direitos”. ” e o individualismo emprestado da aristocracia. Falando em nome da “nação” na época das revoluções maçônicas burguesas na Europa, os portadores de um tipo antropológico especial – os burgueses – justificam suas pretensões ao poder: não são heróicos aristocratas ou camponeses trabalhadores, mas outra coisa, comerciantes , advogados “empresários”, etc. Na terminologia de KV Malofeev, “nação” é Canaã e “povo” é o Império[13].

A nação reivindica a soberania disputando-a com o monarca sacro que recebe de Deus. Em geral, é um produto da “simplificação secundária”, para usar a linguagem de KN Leontiev, e da apostasia. A nação busca restaurar ou mesmo fortalecer a solidariedade social em uma sociedade em que a burguesia já minou os antigos pilares da solidariedade – religiosidade, fidelidade ao monarca e à Igreja, sua comunidade rural ou a corporação aristocrática – politizando o apelo a uma dimensão étnica e histórica (nacionalismo). Isso pode provocar discórdia e intolerância e, em resposta, antinacionalismo de outros grupos. Em última análise, porém, porque a nação fomenta o individualismo e é geralmente, nas palavras de Louis Dumont, uma projeção do eu individual no eu coletivo[14].

No Ocidente, a transição de povos para nações está quase completa (embora certos elementos da consciência arcaica, chamada “étnica”, e tradicional, chamada “folclórica” ​​ainda sejam evidentes tanto na vida cotidiana quanto na cultura). No Oriente e na Rússia, devido ao fenômeno arqueo-moderno, é difícil falar de uma “nação” nesse sentido. Os contornos da sociedade tradicional e do império podem ser vistos por trás da fachada modernista.

As consequências da introdução da tricotomia “etnos”, “povo” e “nação” para a ciência e o discurso político

Apontemos as vantagens de tal divisão (sobretudo do povo e da nação):

1. Leva-se em conta a distinção entre estrutura social e psicologia coletiva, a percepção das pessoas sobre a sociedade tradicional e a sociedade moderna, que se perde na abordagem etno-simbólica de E. Smith e no conceito de “nações”. Antes do Nacionalismo” por J. Armstrong. Por exemplo, se tomarmos a definição de Smith de uma nação como “uma comunidade humana sem nome e autodefinida cujos membros compartilham e mantêm mitos, memórias, símbolos, valores e tradições comuns, vivem e se identificam com um território definido, criam e espalham uma certa cultura pública e observar direitos e leis comuns”[15], é óbvio que a única diferença da definição de etnia de Shirokoghirov é a indicação da “publicidade” da cultura e “direitos e leis”. Mas,

Não devemos fingir que a Reforma, o Renascimento, o Iluminismo etc. significar nada e não mudar nada nas estruturas sociais e na percepção do homem de si mesmo e do mundo, e trazer o conceito de “nação” em sua compreensão na sociedade ocidental moderna de volta ao século IX, por exemplo. Separar a Tradição Moderna da Pré-moderna e dar um nome correto ao conteúdo etnossociológico da Tradição é mais científico.

Quanto aos casos da Inglaterra, França e Escócia, onde os etnossociólogos encontram algo semelhante às nações do século XIV, descrevendo “nações” por meio de categorias de identidade coletiva entre as elites, o nome próprio comum, noções de ancestralidade e parentesco, memórias compartilhadas e tradições, a separação dos “deles” dos “de fora” não é convincente. Encontramos o mesmo em “ethnos” e “people”. A compreensão da nação como “etnia com um Estado e uma cultura desenvolvida” padece do mesmo defeito: misturar acidental ou deliberadamente dois tipos e estados opostos de sociedade: o pré-moderno e o moderno.

2. A introdução do conceito de “nação” desativa o potencial destrutivo da abordagem construtivista (Gellner e companhia). As nações como algo que surge no lugar dos povos da sociedade tradicional se enquadram nessa crítica, as nações não. Se os construtivistas (E. Hobsbawm) tendem a acreditar que não apenas as nações, mas também categorias como “antiguidade” e “Tradição” ou mesmo “etnias” foram inventadas pela burguesia para justificar sua dominação na Modernidade, então a separação de “etnicidade” , “povo” e “nação” evitam tais extremos, uma transferência inadequada do paradigma moderno para a sociedade tradicional e arcaica.

Assim, a noção de “povo” pode servir de ponte para os pensadores de esquerda e pós-esquerda mais adequados, conscientes dos problemas associados ao conceito de “nação”, mas que procuram resistir ao globalismo liberal sem identidade nas construções da esquerda radical (por exemplo, Alain Soral na França).

3. O apelo ao “povo” desativa o perigo de um “nacionalismo” modernista e construtivista, sempre possível ao apelar à “nação”. Desde que as obras dos construtivistas ganharam popularidade, a direita jovem, influenciada por Anderson e outros, começa a construir o nacionalismo ao longo de suas linhas, com inevitáveis ​​referências à sociedade civil, à construção da nação, à demanda por mais modernidade e à zombaria da tradição como algo arcaico. O resultado é um discurso no espírito do “pós-humanismo fala russo” e uma ampliação do horizonte do transumanismo (como é claramente evidente no caso de E. Prosvirnin).

4. Ao mesmo tempo, a componente liberal do apelo à “nação” é desactivada quando outra parte dos “nacionalistas” acredita que sendo a favor do “estado-nação”, deveriam ser a favor da democracia , progresso, “parlamentarismo”, “eleições livres” e um Navalny preso, isto é, a favor do colapso da Rússia. Isso cria uma oportunidade para aqueles que se consideram “nacionalistas”, mas na verdade são conservadores e tradicionalistas, repensarem sua posição e defenderem uma identidade étnica e histórica (“povo”) que nada tem a ver com a visão de mundo liberal cananéia.

5. O Império não aparece como um conglomerado de uma multidão de grupos étnicos e de classe desprovidos de solidariedade social real e vinculante, ou mesmo de “nações” privilegiadas (o perigo do que a direita chama de “multinacionalismo”), mas como um forma de solidariedade simultaneamente diferenciada e etnossociológica: o povo. O povo e o império não se relacionam como uma adesão e uma substância: ambos são essencialmente criados e recriados. O império molda o povo em suas principais características, mas o povo também molda a forma única do império, pelo menos no caso russo.

Os próprios impérios podem ser historicamente diferentes uns dos outros: podem ser multiétnicos, mas gravitam em torno de uma única cultura com uma clara identidade étnica e visão de missão histórica, ou seja, baseados em um único “povo” (Han Chineses ou Russos na Rússia) ).

OME e etnossociologia

Pode-se fazer uma análise geral da etnossociologia da Operação Militar Especial, a partir do conceito esboçado acima. Para a Rússia, trata-se do retorno ao espaço comum de uma parte do povo russo. No quadro da triconomia etno-nacional, a abordagem de V. Putin é bem explicada. A abordagem de Putin, na qual russos e ucranianos são caracterizados como “um só povo”, é bem explicada.

Putin não confirma acidentalmente esta tese apelando para a “unidade histórica”[16]. É esse fator – uma única história e uma única missão histórica – que é mais essencial para a noção de “povo”. No decorrer desse retorno, a própria Rússia é lembrada de que é um Império – cumpre a missão de Katechon ao confrontar o mal escatológico do Ocidente. Os grupos étnicos da Rússia e os russos participam da causa comum da libertação da Novorossia e da Ucrânia, unindo-se, mas não à custa da perda da identidade étnica ou da identidade (não assimilação em uma “nação”).

Nesse contexto, o povo russo tem tanto um componente étnico (bastante diverso, especialmente considerando a conceituação dos pequenos russos como “ucranianos” quanto como russos) e histórico. Não é por acaso que caucasianos, buriates, tuvinianos e representantes de outros grupos étnicos na Rússia também se declaram cada vez mais russos. Os “ucranianos”-malorossianos, juntando-se ao Império e percebendo-se como parte do povo russo, não perderão seu componente étnico, mas apenas adquirirão uma dimensão adicional de identidade, imperial e universal.

O “ucraniano” -como identidade oposta à Rússia- parece ser uma aplicação absoluta de conceitos construtivistas sobre a natureza artificial da nação (o nacionalismo aparece primeiro e depois a nação). Até o próprio politônimo “ucranianos” é obra dos círculos de intelligentsia, que no século XIX adotaram um termo ultrapassado e livresco, preenchendo-o primeiro com conteúdo puramente geográfico e depois puramente “nacionalista”, estabelecendo-o como um nome próprio somente após o Ucranização soviética[17]. Aqui é precisamente uma “nação” criada de raiz, com o consequente nacionalismo.

A OME na Ucrânia é uma luta entre a grande nação russa e a artificial “nação ucraniana”, entre Tradição e Modernidade passando à Pós-modernidade, entre o Império e o Estado-Nação como trampolim para a dissolução na sociedade global.

[1] А.И. Moleiro. «Нация» e «народность» в России XIX века URL” https://polit.ru/article/2008/12/29/nation/

[2] А.И. Moleiro. «Нация» e «народность» в России XIX века URL” https://polit.ru/article/2008/12/29/nation/

[3] БенуаА. Идея Империи/Против либерализма: (К Четвёртой политической теории). – Spb.: Ânfora, 2009. С.441

[4] Ernst Wilhelm Müller.Der Begriff ‚Volk’in der Ethnologie URL: https://download.uni-mainz.de/fb07-ifeas/Mueller/Volk.pdf

[5] “Drei Staaten, zwei Nationen, ein Volk“Ein Konzept “fürs Museum”? URL: https://www.bpb.de/themen/deutschlandarchiv/247587/drei-staaten-zwei-nat …

[6] URL Volk/Nation: https://www.hanisauland.de/node/2540

[7] Ernst Wilhelm Müller.Der Begriff ‚Volk’in der Ethnologie URL: https://download.uni-mainz.de/fb07-ifeas/Mueller/Volk.pdf

[8] Shirokogorov S.M. etnia. Исследование основных принципов изменения этнических e этнографических явлений. Кафедра Социологии Международных Отношений социологического факультета МГУ им М.В. Lomonosova. Moscou, 2010. С.16.

[9] Ernst Wilhelm Müller.Der Begriff ‚Volk’in der Ethnologie URL: https://download.uni-mainz.de/fb07-ifeas/Mueller/Volk.pdf

[10] Etnografia: Учебник / Под ред. Ю. В. Бромлея e Г. Е. Markova. — М.: Высш. shkola,

1982. С.4-5

[11] См. Дугин А.Г. Etnosotsiologia. – M.: Академический проект, 2011

[12] См. также Дугин А.Г. Антикейменос. Эристемиологические войны. Боги чумы. Великое пробуждение. M.: Академический Проект, 2022.

[13] См. Малофеев К.В. Império. Книга первая. – М.: Издательство АСТ, 2022.

[14] Цит по. Бенуа А. Идея Империи/Против либерализма: (К Четвёртой политической теории). – Spb.:amphora, 2009. S.451

[15] Smith AD Fundações Culturais das Nações: Hierarquia, Aliança e República. L.: Blackwell Publishing, 2008, p. 19.

[16] Статья Владимира Путина “Об историческом единстве русских и украинцев” URL: http://kremlin.ru/events/president/news/66181

[17] Ф.А. Гайда. Историческая справка о происхождении и употреблении слова «украинцы» URL: https://rusidea.org/250929916

Fonte: https://www.geopolitika.ru/es/article/ethnos-pueblo-nacion-como-categorias-etnosociologicas

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.