A Europa é o campo de batalha entre duas visões de Mundos: Entrevista com Daria Platonova

A Europa é o campo de batalha entre duas visões de Mundos: Entrevista com Daria Platonova

Por Lorenzo Maria Pacini

Tradução Guilherme Fernandes

Entrevistamos, com exclusividade, Darya Platonova Dugina, uma filósofa formada pela Universidade Estatal de Moscou, especializada em Neoplatonismo, uma hábil comentarista política e filha do professor Aleksandr Dugin. A entrevista foi realizada em dois idiomas, a fim de ser disseminada ao público de língua russa.

Entrevistamos, com exclusividade, Darya Platonova Dugina, uma filósofa formada pela Universidade Estatal de Moscou, especializada em Neoplatonismo, uma hábil comentarista política e filha do professor Aleksandr Dugin. A entrevista foi realizada em dois idiomas, a fim de ser disseminada ao público de língua russa.

Daria, em primeiro lugar, obrigado por aceitar nossa entrevista. A situação geopolítica em constante mudança está se voltando para uma nova ordem mundial multipolar, que contrasta com a nova ordem mundial globalista, o Grande Reset, as oligarquias financeiras e o poder oculto. A Rússia é atualmente o país que lidera o “choque de civilizações”: qual você acha que é o papel da Europa?

A Europa é um campo de batalha de duas visões de mundo: o globalista e o antiglo-globalista. Isso agora é evidente em todos os países. As eleições presidenciais francesas foram realizadas recentemente e, ao analisá-las, podemos ver claramente a existência de dois blocos: um representando o povo e outro representando as elites transnacionais. Le Pen, e com seu Melanchon, eram anti-globalização em seus programas, o principal objetivo de suas campanhas era aumentar o poder aquisitivo dos franceses, e reforçar a soberania do Estado francês (pode-se chamar isso até certo ponto de uma estratégia gaullista no caso de Le Pen, e uma posição não alinhada no caso de Melanchon). Hoje, a Europa é um campo político subordinado à ditadura da hegemonia americana. Infelizmente, as elites europeias seguem cegamente as ordens dos EUA. Mas a crise, que já teve um grande impacto na Europa, mostra suficientemente as consequências negativas dessas políticas, e isso é apenas no aspecto econômico. Há muitos sinais, vozes e manifestações políticas da abordagem alternativa que emergem diante de nossos olhos: há forças na Europa que querem multipolaridade. Estes são os movimentos anti-globalização. São o futuro da Europa, o globalismo e as elites da UE são o seu passado. Tudo aponta para o “declínio da Europa” – a crescente tirania também foi destacada por Spengler como uma característica fundamental do fim da “cultura”, assim como os governos tecnocráticos e o domínio do dinheiro como valor. As elites da UE seguem uma política constante de destruição dos países europeus. No entanto, devemos levar em conta a resistência que existe por parte dos povos, a resistência à morte de suas próprias culturas. Ainda não foi mostrado.

Na Itália, as pessoas aplaudiram a Rússia e Putin até alguns meses atrás, hoje uma grande parte da população se acotoram pela OTAN e aponta o dedo para Moscou. A desinformação generalizada e a ignorância na ciência política levaram a um clima alarmante e perigoso de ódio ideológico. No entanto, a Itália é a sede da Primeira Roma, é a fonte da arte, filosofia, ciência e beleza há séculos e séculos, mas parece ter cochilado e esquecido suas próprias origens e sua grandeza.

Como você acha que pode haver um despertar dos Logos Itálicos e um retorno à grandeza desse povo?

Em primeiro lugar, penso que é necessário perceber que o sistema de propaganda midiática visa fortalecer a influência americana no continente europeu. A propósito, na Itália isso é frequentemente falado. É muito importante entender que hoje o regime de Kiev é um baluarte de uma ideologia globalista destrutiva com ideias de xenofobia, ódio radical e tirania.

Muitas pessoas na Itália, mas em geral em todo o continente europeu, não olham favoravelmente para a Rússia, apesar de serem contra a OTAN e o imperialismo dos EUA. Há uma percepção do risco de passar de ser subjugado por um império para outro. O que acha disso?

Claro, é um grande risco. No entanto, existem diferentes nuances de aprovação. Uma operação militar especial da Federação Russa pode ser reprovada, mas abster-se de fornecer armas para Kiev. Esta também é uma posição. A Europa tem todo o direito de ser ‘neutra’; geopoliticamente é um polo independente que não pertence nem à civilização do mar nem à da terra. Este status intermediário implica uma certa neutralidade. Hoje, os processos que vemos são a subordinação dos países da UE à vontade dos EUA, ou seja, subordinação total às regras e imperativos da civilização do mar. Este é o imperialismo 2.0, e passa pela cultura. Gramsci foi muito preciso ao dizer que, no mundo moderno, a apreensão do poder ocorre através da cultura. Quem controla a cultura (assim como a mídia) controla o país politicamente e economicamente. Hoje, a cultura na Europa é, infelizmente, controlada por estruturas pró-americanas.

Você é um especialista e apaixonado pela filosofia e política francesa. A França, como todos sabemos, é uma das nações mais fortes da União Europeia e desempenha um papel fundamental nas relações com a Rússia e além. Que cenários você prevê para as próximas eleições presidenciais francesas? Como as relações da UE com a Rússia mudariam se Macron tivesse perdido?

As eleições presidenciais mostraram que as estruturas globalistas fizeram todo o possível para manter seu protegido, Emmanuel Macron, que representa os interesses do capital financeiro global. Seu mentor, o economista francês Jacques Attali, escreveu sobre a importância da globalização e a criação de uma “nova elite nômade”, totalmente desvinculada de suas raízes nacionais. Em tal mundo, todas as diferenças entre culturas, povos, tradições e tudo se tornam universais. Esta agenda é uma ameaça à multiplicidade de identidades europeias. Apesar da política anti-povo do plano de cinco anos de Macron, todo o mecanismo do sistema globalista estava destinado à continuação artificial de seu mandato. Deve-se notar que a situação é revolucionária: à frente do país há um candidato que não tem o apoio da maioria da população. Ele poderia ser chamado de candidato niilista, porque sua vitória é totalmente negativa.

Mesmo dois dias antes do segundo turno das eleições, Macron anunciou que a França havia enviado unidades de artilharia autopropulsionadas e sistemas de mísseis anti-tanque para Kiev. A partir do apaziguamento, Macron passou a apoiar ativamente o regime de Kiev. Em uma conversa telefônica realizada em 30 de abril de 2022, Macron discutiu com Zelensky planos para o apoio francês à Ucrânia e disse que aumentaria o apoio militar a Kiev.

Se Marine Le Pen tivesse conseguido chegar ao poder, a situação teria mudado radicalmente. Foi uma crítica aberta à OTAN em relação ao conflito ucraniano. Sua posição tem uma base anti-globalização. Se vencer, a França pode se tornar um país com o qual a Rússia poderia dialogar. Ele afirmou repetidamente que a França sofre com as sanções anti-russas impostas, chamando-as de “harakiri” para o país. Infelizmente, a França tornou-se refém dos interesses das elites globalistas.

Como pergunta final, da geopolítica, passamos para a filosofia. Quem são seus filósofos favoritos? E que pensadores você acha que deve ser redescoberto neste momento histórico, para colaborar no grande despertar que está acontecendo?

Na minha opinião, é absolutamente necessário conhecer as obras de Platão e dos Neoplatonistas, são autores fundamentais que, entre outras coisas, podem nos dar pistas sobre os acontecimentos que estão acontecendo hoje. No platonismo, a ideia básica era a da hierarquia, que se manifesta tanto na alma (os três princípios da alma) quanto no Estado. Quando a ordem e a hierarquia são alteradas, o princípio material-luxúria torna-se a cabeça, a justiça deixa a alma e o Estado, um reinado de tirania começa (o que vemos hoje no Ocidente). Também é fundamental se referir aos escritos de Gramsci – e suas ideias de “hegemonia” – isso é importante para descrever o processo de subjugação do espaço europeu ao globalismo. A batalha principal de hoje não é tanto militar como cultural. Portanto, é fundamental compreender a nova missão da cultura, que carrega a semântica da civilização. Na Europa, uma cultura que está se espalhando como uma epidemia é a cultura do globalismo (podemos distinguir diferentes tendências – a ciborgueização da arte, o fascínio pelas ontologias orientadas a objetos e muitas outras).

Baudrillard, com sua ideia de morte na modernidade, é mais relevante do que nunca, na minha opinião. Em suma, ele ressalta que a sociedade moderna se esforça para abolir a morte. Ao abolir essa negação da morte, inunda tudo, subordina todos os processos. Se analisarmos, por exemplo, a política francesa do ponto de vista da doatologia, essa atitude moderna com a “negação da morte” pode ser vista na figura de Macron. Seu compromisso com a virtualidade (uma sala pré-eleitoral no jogo Meinkraft), seu apelo ao futuro (e não ao passado), sua biohacking a serviço de seus mentores ideológicos (Bernard-Henri Lévy) são provas da ideologia de tentar superar a morte, que na verdade está inserida na ideologia do próprio globalismo.

Se tentarmos recorrer à análise existencial, acho extremamente importante seguir a filosofia de Heidegger, que descreveu brilhantemente a experiência do confronto do homem com o ser. A experiência de guerra e conflito é uma oportunidade para o homem ver o “autêntico”, uma oportunidade de alcançar sua base “sagrada”.

Fonte: https://www.ideeazione.com/leuropa-e-il-campo-di-battaglia-fra-due-visioni-del-mondo-intervista-a-daria-platonova/

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.