O Gaúcho e sua (nossa) Origem

O Gaúcho e sua (nossa) Origem

Por Evaldo Muñoz Braz / Do antigo RS Livre

Por volta de 1580, os cavalos abandonados na região do Prata em 1536 tinham se multiplicado aos milhares. Por volta de 1600 não podem ser mais contados em suas gigantescas manadas. Os Pampas do Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina estavam povoados de cavalos chimarrões (chimarrões/selvagens) e o povo que vivia nessa região unida pela semelhança   ambiental se tornaria um povo cavaleiro.

A posterior introdução do gado, que por sua vez torna-se também abundante e chimarrão e também formando rebanhos que chegaram a atingir (somando Rio Grande, Uruguai e Argentina) 40.000.000 de cabeças, sedimenta esta cultura. Agora haverá gado solto e sem dono em abundância para ser caçado   com o laço por aqueles que não querem outra vida com liberdade tão incomparável. O gado chimarrão é a base da alimentação e origem de produtos que serão comercializados e/ou contrabandeados (na época uma rebeldia contra os pesados impostos).

Mas na origem da formação do gaúcho deve ser lembrado, os índios pampeanos (nossos charruas e minuanos) que logo se adaptaram magnificamente ao cavalo (por volta de 1607). A miscigenação do europeu com o índio, fundindo a cultura ibérica com a americana.  A escolha do abandono da civilização pelos “mozos perdidos” (homens de hábitos nômades que optaram pela vida na pampa sem fim) sendo o primeiro registro em 1617, já com chiripá, poncho e bota de garrão de potro (tendo esta indumentária uma evolução gradual e natural até por volta de 1865 (com a substituição do chiripá pela bombacha), tendo se estabilizado relativamente até agora.       

Índios, mozos perdidos, vagabundos do campo (1642), changueadores (1700) e gaudérios são seus antecessores e de origem e comportamento bem semelhantes. Em que momento começa a existência gaúcho?  É impossível passar a faca sobre este variado mosaico e separar as partes que em muitos momentos se sobrepõe.

A palavra gaúcho, entretanto, só aparece em crônicas de viajantes na América do Sul por volta de 1770 ou um pouco antes. Demonstra uma nova adaptação ou melhor, culminação dos tipos anteriores.  Normalmente quando um padrão está determinado é porque sua existência é bem anterior. O gaúcho aparece simultaneamente (isto é importante frisar) na Banda Oriental (Rio Grande do Sul e Uruguai) e Argentina.

O viajante francês Dreys (em observações entre 1817 e1825 aqui no Rio Grande) assegura:

Todos os exercícios de manejo e picaria dos mestres de equitação da Europa são familiares ao gaúcho, e alguns dos exercícios mais difíceis são mesmo entre eles divertimentos de crianças.

Os hábitos dos antigos gaúchos, sejam alimentares, roupagem, aperos e arreios dos cavalos, forma de doma dos cavalos, forma de laçar ou bolear, maneira figurada de falar, palavras utilizadas e música, etc. passam a ser assimilados pelas novas ondas de colonização que sofreu a província de São Pedro do Rio Grande do Sul com os açorianos em 1752. A cultura de fora se rende a cultura local e adapta-se, transforma-se ou desaparece.

Neste período, muitos gaúchos são Vaqueanos (que conhecem a região como um mapa impresso em sua cabeça nos seus mais mínimos detalhes), e guiam viajantes e exércitos pela pampa. Outros tocam infindáveis tropas de gado por léguas sem fim, outros carreteiros transportando produtos, e desbravando a região de todas as maneiras. Os antigos e primeiros gaúchos nômades (antes injustamente chamados de ladrões  no período do gado chimarrão, dizemos injustamente  pois se concordarmos com o epíteto, estaremos  assumindo o lado do mais forte, pois na realidade havia um enfrentamento de forças pela posse de um produto sem dono: o gado) agora trabalham em fazendas sazonalmente (são talhados para este trabalho pois são exímios laçadores, boleadores, carneadores e guasqueiros (artesões de produtos de couro necessários a montaria e no dia a dia), são pouco exigentes e parecem se divertir no trabalho mais duro), influenciando de forma espantosa os filhos dos colonos na campanha ou povoados por que passam. Os gaúchos influenciaram o comportamento de toda região. Sessenta anos após a chegada dos açorianos, Saint-Hilaire anota em seu diário que seus descendentes não querem outro modo de vida para, às vezes, contrariedade dos pais. Todos querem ser como os gaúchos. Nota-se traços deste fato mesmo na rígida colônia alemã já em 1858, anotado por Avé-Lallemant (para Avé-Lallemant, esses alemães demonstram nos campos, traços de gaucharia, que se destaca no manejo do laço, condução da tropa e pelo modo de montar e destaca alemães aparecerem montados a cavalo, com elegantes ponchos listrados).

Quando o inglês Luccock esteve no Rio grande em 1808 (quase 200 anos atrás!), a região está no interior completamente acrioulada (ou agauchada). Todos andam a cavalo na região, sejam índios, soldados, escravos, peões, estancieiros, comerciantes, viajantes ou crianças.

Logo todos serão unicamente um povo: o gaúcho platino.

Um documento impressionante é o escrito pelo belga A. Baguet em 1845 em Viagem ao Rio Grande do Sul. Fala de crianças  com poucos anos cavalgando sem sela a toda  velocidade, na forma como montam colocando o  pé descalço  no joelho do cavalo;  a provação dos ventos da pradaria; a bravura nas guerras; o costume da hospitalidade mesmo entre os mais pobres; a confiança  humana nos vaqueanos; os costumes principais como o do mate (e suas propriedades) e churrasco os quais descreve em detalhes; a exibição dos arreios com prata mesmo dos vaqueanos mais simples (como o seu próprio guia); o impacto da imagem do pampa; a habilidade do gaúcho nas boleadeiras e  principalmente  no cavalo. Menciona à exaustão com preciosas descrições a habilidade do gaúcho com o cavalo, o qual considera o melhor cavaleiro do mundo junto aos índios.

Vejamos algumas observações de Dreys (1817-1825) sobre os rio-grandenses:

Independente dessas armas comuns aos militares, o rio-grandense traz consigo duas armas auxiliares peculiares, que somente os homens desta parte da América sabem manejar com habilidade: queremos falar do laço e das boleadeiras.

Tem o rio-grandense contraído uma espécie de aliança com o cavalo, em virtude da qual é feito auxiliar indispensável da vida do homem, o cooperador assíduo de quase todos os seus movimentos. O rio-grandense folga em percorrer suas imensas planícies a cavalo. (…) A predileção que manifesta por seu cavalo não se contenta a admiti-lo como companheiro inseparável; ele se ocupa também em adorná-lo(…).

(…) as guerrilhas do Rio Grande empregadas contra o estrangeiro nessas guerras, adquiriram uma reputação de firmeza e de coragem que o inimigo não desconheceu. A coragem do rio-grandense é fria e perseverante(…).

Fazendo um parêntesis, é bom lembrar que estes gaúchos (considerando além do Rio Grande, os gaúchos do Uruguai e Argentina) são a base utilizada na guerra em seus respectivos países, os quais lhes devem seja a independência, seja a manutenção das fronteiras (sem os gaúchos, basicamente rio-grandenses, Rosas, na Argentina, não teria caído por exemplo). No Brasil o caso é exemplar. Quem manteve as fronteiras ou lutou nas guerras foram desta província. Pena que isto não seja lembrado nos livros de história.

Sobre a honra diria ainda Dreys:

Sua palavra (dos rio-grandenses) é inviolável.   

Vários comentaram sobre a hospitalidade do rio-grandense/gaúcho, entre os quais Arsène Isabelle (1833):

A hospitalidade é ainda, entre a maioria, uma virtude que se pratica com generosidade.

No seu comportamento o gaúcho antigo e o acrioulado trazem   um respeito para quem os trata com respeito, tem uma base ética, mesmo que rudimentar; são impetuosos; são peleadores quando necessário; tem certa atração pela guerra desde que seja a cavalo (jamais a pé); atração pela montaria que se manifesta em enfeites muitos até de prata; tradição na indumentária e principalmente na forma de arreiar os cavalos.  

A maneira de falar do gaúcho antigo chegou de forma impressionante até nossos dias. Mesmo nos maiores centros urbanos do estado, dezenas de palavras oriundas da lida campeira continuam sendo usadas   com significado paralelo ao original (apesar de que a quase totalidade das pessoas que as utilizam desconheçam esta origem).

Chegaram até nossos dias também, a música, os payadores, a poesia gaúcha (culta sim, mas derivada do canto homens do campo do passado). Simões Lopes Neto no seu Cancioneiro Guasca, antologia da música popular gaúcha do passado nos mostra a atenção que os habitantes do interior tinham pelo gaúcho. Hoje ainda, muitas pessoas do interior, ligadas diretamente ou mesmo indiretamente ao campo, compõe música e fazem poesia, ou trovas a maneira ou lembrando a vida do gaúcho. Centenas de músicos de qualidade compõe letras e músicas campeiras (nem sempre com apoio da mídia local). Festas que lembram as habilidades do gaúcho (doma e laço principalmente) são atração sempre que acontecem, mesmo nas zonas mais metropolitanas. Pesquisadores como Paixão Côrtes e Barbosa Lessa conseguiram recuperar muito da dança gaúcha.

Chegou-nos também uma espécie de reminiscência da campanha e um sentimento de épico. Veneramos a planície.

A base do comportamento do gaúcho (seu ethos) de forma geral chegou até nós e nos influenciou, isto é um fato.  Pelo menos até 20 ou 30 anos atrás. Entretanto, a massificação proporcionada pela televisão e globalização (além de um antigo preconceito local a influência gaúcha) ameaçam esta antiga homogeneidade de povo. O ser-gaúcho, ou seja, a manutenção de características mínimas que nos identifiquem, tais como gosto pela música nativa, pela literatura regional ou manutenção do comportamental básico (combatividade era uma das características) passa a ser visto por intelectuais (rio-grandenses, pasmem!)  como negativa e atrasada. Estes intelectuais (com marca da visão etnocêntrica) não consideram que expressam seu modo urbano (ou globalizado?) de ver.   Contraditoriamente, estes mesmos intelectuais, entretanto concordam que deve ser respeitada as culturas regionais de outros locais (menos no Rio Grande).

No mundo inteiro, incluindo sobremaneira os Estados Unidos e certas regiões alinhadas com o globalismo, festas regionais reforçam suas certezas sobre suas origens, como comportar-se frente a adversidade e planejar o futuro. Saberem quem são. Este é o sentido de conhecer-se o passado. Afinal, é tão grave esquecer-se no passado, como esquecer o passado. Nos dois casos desaparece a possibilidade de história.

Bibliografia básica consultada

AMARAL, ANSELMO F. As Origens do Gaúcho na Temática de Martin Fierro. Martins Livreiro Editor. Porto Alegre. 1988.

AVÉ-LALLEMANT, Robert. Viagem pela Província do Rio Grande do Sul (1858). São Paulo. E. Universidade de São Paulo, 1980.

ASSUNÇÃO, Fernando.  O. El Gaucho, su espacio y su tiempo. Bolsilivros Arca. Montevideo. 1969.

BAGUET, A. Viagem ao Rio Grande do Sul. Editora Paraula. EDUNISC. Santa Cruz do Sul. 1997.

BRAZ, E. M. Manifesto Gaúcho. Martins Livreiro – Editor. Porto Alegre. 2000.

CEEE. História Ilustrada do Rio Grande do Sul. Já Editores. Porto Alegre. 1998.

CEZIMBRA JACQUES, João. Costumes do Rio Grande do Sul. Martins Livreiro. Porto Alegre. 1997.

CONDE D’EU. Viagem Militar ao Rio Grande do Sul (agosto-setembro 1865). Companhia Editora Nacional. São Paulo. 1936.

DANTE DE MORAES, Carlos. Figuras e Ciclos da História Rio-grandense. Coleção Província. Editora Globo. Porto Alegre. 1959.

DREYS, Nicolau. Notícia Descritiva da Província de Rio Grande de São Pedro do Sul. Porto Alegre: Nova Dimensão, 1980.

DUMAS, Alexandre. Memórias de Garibaldi. L&PM Editores S/A. Porto Alegre. 1998.

FAGUDES, Antônio Augusto. Indumentária Gaúcha. Martins Livreiro Editor. 7ª edição. Porto Alegre. 1996.

FLORES, Hilda Agnes. Alemães na Guerra dos Farrapos. Coleção História. EDIPUCRS. Porto Alegre. 1995.

FLORES, Moacir. História do Rio Grande do Sul. Nova Dimensão. Porto Alegre. 1ª edição. 1988.

GOMES, Roberto. Crítica da Razão Tupiniquim. FTD. 1990.

GONÇALVES, Raul Annes. Mala de Garupa (costumes campeiros). Martins Livreiro Editor. Porto Alegre. 1984.

ISABELLE, Arsène. Viagem ao Rio da Prata e ao Rio Grande do Sul. Editora Zélio Valverde.  Rio de Janeiro. 1949.

LESSA, Barbosa. Rio Grande do Sul, prazer em conhecê-lo. Editora Globo. 1984.

LOVE. Joseph L. O Regionalismo Gaúcho e as Origens da Revolução de 1930. Editora Perspectiva. São Paulo. 1975.

LUCCOCK, John. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil. Coleção Reconquista do Brasil. Vol.21. Editora da Universidade de São Paulo. São paulo. 1975.

REPÚN, Graciela. Los Cantos del Payador. Antologia de Poesia Gauchesca. Clásicos de Bolsillo. Longseller. Buenos Aires. 1999.

REVERBEL, Carlos. O Gaúcho. L&PM Pocket. Porto Alegre. 1997.

RODRIGUEZ MOLAS, Ricardo E. História Social del Gaucho/1. Biblioteca Básica Argentina. Centro Editor de América Latina S. A. Buenos Aires. 1994.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem ao Rio Grande do Sul. Martins Livreiro Editor. Porto Alegre. 1987.

SARMIENTO, Domingo Faustino. Facundo – Civilización y Barbarie. 2a ed. Buenos Aires, Colihue, Col. Literaria LYC. 1983

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.