19 de Abril – Dia do Índio

19 de Abril – Dia do Índio

No Dia do Índio não esqueçamos que o Gaúcho é, antes de tudo, um Índio! E por supuesto, devemos sempre recordar!!

Na formação do estilo gaúcho as nações indígenas Pampeanas foram as que mais se destacaram, eram formadas pelos grupos indígenas Charruas, Minuanos, Arachanes, Guenoas, Carijós conhecidos também como Kaingangs, os Tapes missioneiros que são os Guaranis e os coroados. Pesquisadores uruguaios e rio-grandenses indicam que aqui no Rio Grande do Sul era constante a presença dos índios minuanos, na região de SÃO GABRIEL-RS eles encontraram recentemente 3 CERRITOS.

Os cerritos podem ser identificados como montes de terra com formato elíptico ou circular com 30 a 40 metros de diâmetro e até 7 metros de altura e por isso diferem das formas naturais da paisagem. Nesses locais os índios se estabeleciam por algum período, geralmente próximo de banhados e áreas úmidas onde montavam suas tolderias. Depois, quando migravam deixavam para trás restos e pertences do seu dia a dia que hoje podem ser encontrados nesses cerritos.

Com a chegada do cavalo e do gado soltos pelos campos, os hábitos desses índios mudaram, e a partir daí começa a formação do gaúcho. Apesar de muitos terem sido extintos como tribo, seguem vivos no sangue dos gaúchos platinos.

Nos días atuais haja vista o desprezo pelos elementos indígenas por parte de viventes de origem mestiça crioula, que agem como se fossem europeus recém-paridos do tejo indica que eles não passam de uns fetichistas ressentidos. Se acham pagãos europeus de sangue puro e gozam com imagens parciais.

O índio é uma elipse pesada e sombria que estes reacionários internautas tentam fingir que não está nele, seja no sangue (biologia – gaúcho etnico), seja na alma (cultura e conversão). Quem se auto renega não pode se constituir uma pessoa natural, sendo um eterno vir-a-ser, um projeto de gente.

De fato, existe uma supervalorização do “africano/negro” e do “branco/europeu”, mas ninguém tem coragem de assumir o sangue de seus ancestrais indígenas. Todo mundo só quer ser preto macumbeiro ou branco hipster.

Portanto, o dia 19 de abril e o 9 de agosto não comemoramos apenas um dia do Índio, mas principalmente o marco do legado de luta e resistência dos povos indígenas pampeanos levado a cabo nas lutas de Sepé Tiaraju, Andresito e Guairacá e de todas os povos das índias ocidentais. Honramos uma de nossas ancestralidades, através das nações originárias que já viviam nessas terras americanas antes da chegada dos Ibéricos. Salve esse povo de grande sabedoria! Sabedoria das matas, da medicina da floresta e de toda a prosperidade da fauna e da flora. Povo sábio que hoje se faz presente como resistência em tempos atuais, em nome de sua cultura e seus ideais. Cuja genética guerreira reside eternamente no sangue de todos os gaúchos e curitibanos. Toda a nossa honra e gratidão aos primeiros povos dessas terras austrais!

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.