O conflito ucraniano como o primeiro passo para a desunidade/desomissoização do mundo

O conflito ucraniano como o primeiro passo para a desunidade/desomissoização do mundo

Por Katechon

Tradução de Guilherme Fernandes

A falta de autonomia da Europa

Do ponto de vista geográfico, a guerra na Ucrânia está sendo travada na Europa. Mas, por outro lado, esta guerra é um fracasso estratégico da OTAN, especialmente porque nunca levou em conta as preocupações e exigências de segurança da Rússia (não expandir a OTAN para o Oriente, sem incluir a Ucrânia dentro de sua organização, cortando todos os laços com o regime russofóbico em Kiev, abandonando qualquer tentativa de criar uma espécie de “Anti-Rússia” da Ucrânia). Além disso, os países europeus não fizeram nada para diminuir as chances de conflito. Na época em que a Rússia pediu aos países europeus que não incluíssem a Ucrânia na OTAN e restringissem os planos de expansão dos EUA para o Oriente, eles simplesmente não podiam ou não fariam nada. Agora, a UE e a OTAN (com exceção da Hungria) estão fazendo tudo o que podem para alimentar este conflito que, sem dúvida, terá proporções catastróficas para a Europa.

Na verdade, a guerra já está afetando a Europa: os países da UE estão sobrecarregados com os milhões de refugiados que chegam à sua porta. Josep Borrell, chefe do corpo diplomático da UE, diz que só é possível receber 5 milhões de refugiados. No entanto, a partir de 7 de março de 2022, pelo menos 1.735.068 refugiados ucranianos chegaram à Europa Central e Oriental, de acordo com relatórios da ONU (1).

Por outro lado, a quebra dos laços diplomáticos com a Rússia afetará principalmente os países europeus, uma vez que o aumento dos preços dos alimentos, da energia e da inflação é sentido em toda a Europa. Muitos analistas afirmam que a UE perderá centenas de bilhões de euros devido a sanções e contra-sanções contra a Rússia. Enquanto isso, os EUA pressionam a UE a impor restrições ainda mais radicais, sabendo muito bem que os europeus sofrerão mais. É claro que uma Europa fraca será muito mais fácil de manipular.

Finalmente, o fato de os países europeus serem atraídos para este conflito, que ameaça se transformar em uma guerra nuclear que afeta principalmente o flanco oriental da OTAN, deixa muito a desejar. No entanto, foram os países orientais da OTAN que mais defendem uma política linha-dura contra a Rússia.

Esta crise deve-se, em grande parte, à falta de autonomia da UE. Na verdade, podemos dizer que a Europa tornou-se uma mera ferramenta a serviço dos Estados Unidos. O aumento da presença dos EUA na Europa só continuará a minar a força da economia europeia, enquanto a guerra é usada como pretexto para perseguir todos os dissidentes do continente – particularmente essas forças, movimentos e pensadores que defendem um euro-continentalismo pragmático. Isso visa impedir que a Europa tenha recursos morais, intelectuais, militares e materiais para se tornar autônoma.

O euro-atlântico é a ideologia que impede a autonomia da Europa. As elites europeias estão completamente ao seu serviço, sem mencionar que as redes de influência americanas na Europa o usam à sua conveniência. A Europa é um dos futuros polos do mundo multipolar, mas parece que isso terá que esperar.

O Terceiro Mundo: da neutralidade pacífica à neutralidade armada

Um dos lugares onde uma batalha diplomática mais feroz foi travada é o “Terceiro Mundo”. Os Estados Unidos tentaram impor sua interpretação dos fatos tanto em pequenos países quanto em potências regionais (Paquistão) e mundiais (China). No entanto, isso destaca a crescente importância dos países não europeus e, em geral, dos países não ocidentais, dentro do sistema internacional atual. Então, mais e mais coisas dependem deles.

Alguns países optaram por não impor sanções para preservar sua soberania, mantendo uma espécie de neutralidade estratégica praticada por muitos países da Ásia, África e América Latina. A maioria está limitada apenas a condenações verbais que não têm muito efeito sobre a Rússia. Este fato mostra que o mundo não é mais unipolar, mas que novos centros de decisão apareceram em todo o mundo.

O primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, respondeu às tentativas de nós e da UE de impor sanções à Rússia: “Ainda somos escravos para saber como devemos agir?” (2). Esta reação do presidente de um país sul-asiático às potências ocidentais é sintomática. A Índia também não tem sido muito entusiasmada com a imposição de sanções à Rússia.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian, disse em 10 de março que Pequim responderia duramente a qualquer tentativa de Washington de punir empresas chinesas que continuam a servir moscou. De acordo com a agência de notícias TASS, Lijan disse que “os Estados Unidos não têm o direito de aplicar sanções contra empresas e funcionários chineses, nem pode dizer à China que tipo de acordos pode fazer com a Rússia. Se tentarem impor sanções à China, seremos forçados a responder” (3).

A resposta da China aos Estados Unidos demonstra o desamparo da Casa Branca diante de um mundo cada vez mais diversificado. Podemos dizer que os Estados Unidos enfrentam uma situação desesperadora: se quer isolar a Rússia, então deve reconhecer a existência de outros centros de poder em todo o mundo. Os Estados Unidos são forçados a negociar com os “cinco reis” dos quais Fala Bernard Henri-Levy (um dos principais teóricos do liberalismo de hoje), mas em troca de ceder parte da hegemonia do mundo ocidental a outros atores.

No entanto, os Estados Unidos tentaram negociar com a Arábia Saudita vários tratados a fim de mitigar as consequências negativas da dependência europeia do petróleo russo. No entanto, as relações dos EUA com a Arábia Saudita deterioraram-se tremendamente desde que Joe Biden chegou à Casa Branca. Os Estados Unidos também tentaram entrar em contato com países como Irã, Índia, Turquia e até mesmo a Venezuela (que agora é vista como um ator legítimo), mas só falhou. Muitos desses países entendem que, uma vez derrotados pela Rússia, serão os próximos da lista.

As declarações da China, bem como das de vários países da Ásia, África e América Latina, mostram que nenhum deles está disposto a desistir de suas posições. Isso significa que eles assumiram uma espécie de neutralidade armada muito semelhante à assumida pela Rússia e outros países europeus durante a Guerra da Independência americana no final do século XVIII. A Rússia rejeitou o bloqueio econômico que a Grã-Bretanha, a potência marítima da época, tentou impor aos Estados Unidos. Agora, os Estados Unidos, que é o herdeiro do “poder do mar” britânico, está experimentando outro tipo de “neutralidade armada” muito parecido com o que uma vez salvou sua vida.

Rumo à multipolaridade

A neutralidade estratégica que muitos países asiáticos assumiram em relação à Rússia é favorável para eles, uma vez que permite que eles aproveitem as sanções que os países ocidentais impõem à economia russa. Provavelmente, grande parte do comércio que os países ocidentais tiveram diretamente com a Rússia (como, por exemplo, petróleo) e as importações que fizeram agora passam por eles antes de chegarem ao seu destino. O petróleo pode ser negociado através da Turquia, como aponta o cientista político russo Ivan Starodubtsev (4).

Quanto mais os países da América Latina, Ásia e África resistirem às tentativas dos EUA de impor sanções, mais atraentes serão para a Rússia do ponto de vista econômico: isso envolve tanto o investimento direto da Rússia nesses países (especialmente no que diz respeito às indústrias que não existem na Rússia) quanto a entrada no mercado russo de muitos deles, especialmente porque muitas empresas americanas e europeias estão deixando a Rússia.

É claro que tudo isso implica um aumento da interdependência entre esses econômicos com a Rússia e as ameaças que os Estados Unidos lançarão contra os novos parceiros do país eurasiano. No entanto, os Estados Unidos só conseguirão subjugá-los em pequenos e sem importância. O maior e mais autônomo permanecerá independente e fortalecerá seus laços políticos com a Rússia diante da incapacidade dos EUA de desconectar todos eles de seu sistema econômico sem destruir os deles. Tudo isso poderia impulsionar o nascimento de um mundo multipolar.

A Europa também é chamada a se tornar uma potência soberana, mas isso será impossível enquanto permanecer dominada pela atual elite atlântica. No entanto, essas mudanças não dependem apenas de aspectos materiais: o Ocidente perdeu a confiança da maioria dos países do mundo. A Ucrânia foi um país que apostou no Ocidente e perdeu, tornando-se uma simples ferramenta nas mãos de potências externas e um campo de batalha entre potências nucleares. Isso, sem dúvida, levará muitos países a reavaliar suas próprias relações com os Estados Unidos.

O fato de a Europa estar cada vez mais à beira da guerra demonstra a recusa do Ocidente liberal e democrático de ouvir os argumentos e temores que os outros (Rússia) têm. Essa falta de diálogo levou a um conflito aberto. Da mesma forma, é a falta de diálogo que impede os Estados Unidos e a Europa de resolver esta situação, porque acreditam que se cederem, destruirão a imagem de grandeza que têm diante do resto das nações do planeta. Acreditar que o caminho do desenvolvimento e do progresso que o Ocidente seguiu é o parâmetro por excelência da evolução humana para alcançar a paz e a prosperidade (ao custo de abandonar as tradições de nossos povos) nada mais é do que uma mentira. O Ocidente não pode ser um ponto de referência moral e ético para nós, o que se torna cada vez mais claro quando vemos Washington ameaçando o resto do mundo a fim de isolar Moscou. Quanto mais o Ocidente pressiona outros países, maior a resistência que encontra.

Anotações:

1. https://www.rbc.ru/rbcfreenews/622617139a7947c327f07f24?utm_source=yxnews&utm_medium=desktop

2. https://www.firstpost.com/world/is-islamabad-their-slave-pm-imran-khan-slams-eu-for-asking-pakistan-to-vote-against-russia-10437271.html

3. https://tass.ru/mezhdunarodnaya-panorama/14019401

4. https://t.me/turkey_is/1624

Fonte: https://katehon.com/ru/article/konflikt-na-ukraine-i-de-evropeizaciya-de-vesternizaciya-mira

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Australis Regio. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.