“Paz, pão e trabalho”: 40 anos após a mobilização que marcou o início do fim da ditadura

“Paz, pão e trabalho”: 40 anos após a mobilização que marcou o início do fim da ditadura

De Daniel Cecchini

Tradução Guilherme Fernandes

Em 30 de março de 1982 – três dias antes do desembarque das tropas argentinas nas Ilhas Malvinas – dezenas de milhares de pessoas se mobilizaram contra a ditadura e foram brutalmente reprimidas. Houve uma morte em Mendoza, centenas de feridos e milhares de detidos. A memória dos protagonistas da marcha e a definição feita pelo líder que a liderou, Saúl Ubaldini.

Aqueles que participaram da mobilização de 30 de março de 1982 em Buenos Aires coincidem em uma memória dinâmica, cheia de movimento. A seqüência se repetia várias vezes: as colunas que tentavam marchar em direção à Plaza de Mayo, cercada e cercada por carros de assalto, a repressão cada vez mais violenta da polícia que os dispersou e o reagrupamento dos manifestantes para marchar novamente de ruas diferentes e tentar convergir na praça.

Esse dia, quarenta anos atrás, não aconteceu apenas em Buenos Aires, mas em muitas grandes cidades, como Rosário, Mendoza, Neuquén e Mar del Plata. Em quase todo o país, centenas de milhares de pessoas saíram às ruas sob o mesmo lema, “Pão, Paz e Trabalho” , que sintetizava as reivindicações mais fortes de uma sociedade cansada de se calar depois de seis anos de vida esmagada sob as botas de a ditadura

Por isso, sob o guarda-chuva das três demandas da convocação lançada pelo secretário-geral da CGT Brasil, Saúl Ubaldini , outro slogan se multiplicou nas gargantas dos manifestantes até se consubstanciar em um grito que desafiou o trovão das balas da repressão:”Vai acabar, vai acabar, a ditadura militar!”

Em Buenos Aires, após seis horas de confrontos nas ruas, o saldo foi medido em centenas de feridos e mais de mil presos. Em Mendoza, a repressão policial causou uma morte ; Em outras cidades do país, dezenas de feridos e detidos somaram-se ao número de vítimas da repressão.

No final das contas, o que os dirigentes da ditadura, os dirigentes sindicais e políticos que convocaram a marcha, nem os manifestantes imaginavam, era que este dia se tornaria uma data crucial na história argentina: o início do fim do último ditadura.

Muitos anos depois, em entrevista ao jornalista Diego Genoud , Saúl Ubaldini se lembraria assim: “O dia mais maravilhoso para mim foi 30 de março de 1982, antes das Malvinas, quando saímos para a rua e fomos presos. Mas foi uma mobilização massiva, com apenas uma tristeza: a morte do camarada Benedicto Ortiz. Depois foram as pessoas que reagiram. Das varandas jogaram potes na polícia, tudo.Acho que acelerou o caminho para a democracia. Foi um dia maravilhoso, não teve o brilho de 17 de outubro, mas acho que teve a mesma coragem de 17 de outubro”.

Três dias depois dessa mobilização histórica, o desembarque de tropas argentinas nas Ilhas Malvinas pareceu interromper – e até reverter – a contagem regressiva para aquele fim. Foi a última miragem de uma ditadura que em sua fuga não hesitou em sacrificar mais vidas para evitar sua queda inevitável.

Ditadura e sindicatos

Uma das primeiras medidas da ditadura instalada em 24 de março de 1976 foi intervir na maioria dos sindicatos e prender muitos de seus dirigentes. Para outros, diretamente, os fez desaparecer.

Com a CGT dissolvida e os sindicatos com interventores militares, os trabalhadores se organizaram em diferentes nucleações, diferenciadas entre si por suas posições conciliatórias ou combativas contra a ditadura. Saúl Ubaldini juntou-se ao setor mais resistente, a Comissão dos 25 sindicatos peronistas, que incluía também, entre outros, Raúl Ravitti, do Sindicato Ferroviário; Roberto García, de Taxistas; José Rodríguez, de Smata; Fernando Donaires, da Paper, e Osvaldo Borda, da Rubber.

A posição dos “25” endureceu ainda mais em março de 1979, quando o ministro do Trabalho de Videla, general Llamil Reston , anunciou uma reforma da Lei de Associações Profissionais que reduziria ainda mais os direitos dos trabalhadores.

Em 21 de abril daquele ano, a Comissão dos “25” lançou uma convocação para um Dia Nacional de Protesto para o dia 27 de abril , quando demonstrariam pela restituição do poder aquisitivo dos salários, a plena vigência da Lei dos Acordos Coletivos de Trabalho e a normalização dos sindicatos.

O ministro Reston convocou as lideranças, entre elas Ubaldini, para uma reunião na sede do Ministério do Trabalho. Eles decidiram ir, embora previssem que poderiam ser presos, então organizaram uma Comissão de Greve para que o dia de protesto acontecesse o mesmo, mesmo que eles não estivessem lá.

Ao saírem da reunião, Ubaldini e seus companheiros foram detidos um a um pela polícia . Mas o Comitê de Greve cumpriu sua missão: em 27 de abril de 1979, todas as fábricas do cinturão industrial da Grande Buenos Aires e do interior, as ferrovias Sarmiento, Roca e Mitre, pararam.

Foi a primeira greve contra a ditadura. Ubaldini a seguiu desde sua cela e só foi solto em meados de julho.

A ofensiva sindical

A greve de 27 de abril de 1979 fortaleceu a resistência sindical à ditadura.“Devemos nos empenhar até a última gota de nosso sangue para evitar a repetição de outra ditadura que, como esta, acrescenta ao país a desgraça, a miséria, a fome e a dor de perder seus melhores filhos; e a democracia é o único meio conhecido pelos povos livres para realizar suas revoluções em paz”.disse Ubaldini em um discurso que marcou a mudança de época.

Já ocupava a secretaria geral da CGT. Em 1980, quando a central sindical foi dividida entre a CGT Azopardo -conciliatória- e a CGT Brasil -combativa- , Ubaldini se juntou à segunda, junto com Diego Ibáñez, Lorenzo Miguel e todo o setor de “Los 25”. Em dezembro daquele ano foi eleito secretário-geral.

Em 7 de novembro de 1981, a CGT Brasil convocou uma marcha até a Igreja de São Cayetano, com a exigência de “Pão, paz e trabalho”. A mobilização, liderada por Ubaldini, reuniu mais de dez mil trabalhadores, que foram duramente reprimidos.

Foi a primeira mobilização massiva desde 24 de março de 1976; também o embrião da marcha que, quase sem meses depois, mudaria a história.

30 de março de março

Em 24 de março de 1982, a ditadura, agora chefiada por Leopoldo Fortunato Galtieri na cadeira presidencial, completava seis anos e seu desgaste era evidente, embora seu fim ainda não estivesse à vista.

A marcha convocada pela CGT Brasil para 30 de março sob o mesmo lema da mobilização para San Cayetano no ano anterior ameaçava multiplicar o número de manifestantes e a ditadura tentou impedi-la por todos os meios.

Do Ministério do Interior tentaram pressionar os sindicalistas, argumentando que a CGT não havia solicitado autorização para realizar o ato e que seus dirigentes poderiam ser acusados ​​de perturbação da ordem pública. Além disso, eles foram lembrados de que seis dos organizadores, incluindo Ubaldini, estavam sendo processados ​​por chamar greves anteriores, uma atividade proibida.

As ameaças não surtiram efeito e a convocação da marcha permaneceu de pé.

Em 30 de abril, o centro de Buenos Aires acordou povoado por carros de assalto, carros de hidrantes, carros de patrulha, policiais a cavalo e até soldados em uniformes, armas longas e curtas. Para evitar que os manifestantes chegassem à Plaza de Mayo e entregassem uma petição à Casa Rosada, foram instalados cordões policiais nas avenidas 9 de Julio, Santa Fe, Leandro N. Alem, Paseo Colón e Belgrano. A ponte Pueyrredón também foi cortada para impedir o acesso do Conurbano Sur , de onde se esperava que a maioria das colunas chegasse.

A operação foi gigantesca, mas os manifestantes ultrapassaram os quarenta mil. Não havia apenas trabalhadores convocados pelos sindicatos da CGT Brasil, a eles se juntavam colunas e grupos de organizações estudantis, de direitos humanos, grupos políticos e pessoas soltas, muitas pessoas soltas dispostas a repudiar a ditadura com slogans como “Lutem que eles vão embora”, “Vai acabar, vai acabar, a ditadura militar” e “O povo unido nunca será derrotado”.

A repressão foi imediata: a polícia começou a bater, atirar gás lacrimogêneo e atropelar com seus veículos todos aqueles que tentavam avançar em direção à Plaza de Mayo.

Memórias, 40 anos depois

O escritor Alejandro Horowicz percebeu que a marcha seria reprimida enquanto estava em Tortoni com três outros jornalistas, dois do The Buenos Aires Herald e Alcadio Oña que, como ele, trabalhavam no Clarín.

“Naquela hora, a polícia avisou os donos das grades se eles iriam reprimir para que abaixassem as cortinas, e ao meio-dia o Tortoni começou a abaixar. Se você quisesse, podia ficar dentro, mas não deixam mais ninguém entrar. Foi quando percebemos que haveria repressão– conta –. Saímos e a primeira coisa que fizemos foi pensar onde cortar, praticamente antes de entrar no ringue. Era uma medida a que estávamos habituados. Curiosamente, as pessoas andavam sem muito medo, mas quando nos aproximamos da praça os estrondos começaram a soar e foi uma das primeiras vezes que vi a polícia agir em motocicletas. Ao mesmo tempo, os lançadores de gás começaram a funcionar de forma relativamente rápida. Nós aceleramos, fomos ao diário e descobrimos ao longo do caminho o terrível nível de medo que havia sido gerado. O povo da redação temia o pior e não era simplesmente o pior pelo que aconteceu com quem se mobilizou, mas o pior no sentido de que mobilizar para enfrentar a ditadura era uma situação que só poderia terminar da mesma forma naquela havia começado, com mais mortes.

Uma barra no toldo

O advogado de direitos humanos e escritor Rodolfo Yanzón tinha 21 anos, ainda estudava Direito na UBA e trabalhava em um Tribunal de Instrução Criminal. Depois de trabalhar na Justiça, juntou-se à marcha com o irmão e um amigo.

“Era no ar que o fusível se acenderia a qualquer momento. E veio com um golpe de facão limpo, com ataques de cavalos contra os manifestantes, gás lacrimogêneo e golpes de todos os tipos. Era o caos e as pessoas tentavam salvar suas peles como podiam. Das varandas jogaram tudo na polícia. Enquanto gritávamos ‘vai acabar’ na 9 de Julio e na Avenida de Mayo, meu irmão e meu amigo foram cercados pela multidão sob o toldo de metal de um bar. Eles se encontraram de costas na cortina fechada do negócio tentando evitar os golpes da polícia. A certa altura, um cavaleiro desembainhou a espada e meu irmão se abaixou para evitar o golpe de sabre, mas quando ele ergueu a espada para dar o bote, a bengala a empalou no toldo. Enquanto lutava com sua espada, os dois descarregaram uma bateria de socos na fera e no cavalo, ele tropeçou de tal forma que o soldado quase caiu de bunda no chão. Alguns segundos se passaram antes que uma horda de homens uniformizados corresse para eles e os atingisse com força. Minha última imagem foi vê-los algemados, espancados e sem sangue, enfiados no celular”, lembra.

Naquela mesma noite, ele entrou com um habeas corpus para eles na Justiça Federal. Ele não sabia onde eles estavam detidos ou se algo pior havia acontecido com eles.

A tática dos fotojornalistas

“Naquela época, a forma de trabalhar nas manifestações era de todos juntos, porque quando nos separávamos ganhamos”, diz o fotojornalista Alejandro Amdan , que estava no cargo há três anos quando foi cobrir a marcha em abril 30, 1982.

Naquele dia, mais do que as fotos, ele se lembra da manobra de resgate de um colega. “Um de nossos caras se separou após uma situação em que alguém estava sendo espancado até cagar e vários deles o levaram e corremos em direção a ele para tirá-lo da prisão, que estava de uniforme, com o qual poderíamos libertá-lo mais facilmente . Essa manifestação foi terrivelmente reprimida, nunca se concretizou porque eles a reprimiram, mas as pessoas sempre voltavam, se reagrupavam e voltavam. Tudo passava pela Avenida de Mayo e pelas diagonais, a Praça nunca foi alcançada. Eles também nos atingiram, mas foi como a primeira grande luta e protesto massivo que foi feito. Para mim, naquela época, tirar fotos era tentar mostrar o que ninguém estava mostrando e naquela época os jornais publicavam porque a ditadura começava a perder força na mídia”, diz.

Flashes de uma demonstração

Em 1982, Estela Pereyra tinha 26 anos, estava grávida de oito meses e não sonhava em ser escritora. Em 30 de março, ele não achava que “a barriga” fosse um impedimento para ir à marcha.

“Quando começaram os gases, os cavalos e as touradas, alguns trabalhadores vestidos de macacão me arrastaram até o estribo de um ônibus, calculo que fosse um 146, por causa de suas cores azul claro e branco. Mas minha barriga era enorme, era difícil pular e subir às pressas no meio da parafernália de paus e gases. Na correria, três deles me deram um empurrão para me tirar de lá me empurrando, direto da fila… Sempre lembro daquele gesto de agradecimento, talvez tenham salvado minha vida”, diz.

Adriana Pedrolo tinha 18 anos e estudava jornalismo. Aquele 30 de março foi sua primeira experiência em uma manifestação. “Estávamos indo com meu namorado por volta de 9 de julho e de repente vimos muitas pessoas andando em pequenos grupos, em duplas, e de repente começaram a se amontoar, e em dois minutos se formou uma coluna impressionante. Estávamos muito animados, era a primeira vez que participamos de uma grande marcha. Jamais esquecerei uma cena. Estávamos na Bartolomé Mitre e um homem de bermuda que estava na sacada jogou um sachê de leite em um carro de patrulha. A polícia foi procurá-lo subindo as escadas e toda uma farsa foi montada, porque eles queriam levá-lo embora e sua esposa queria detê-lo agarrando seu braço, enquanto as pessoas também defendiam o homem e gritavam com o cinza- homens cabeludos ‘filhos da puta'”, conta.

Para lamentar a igreja

Sasha Alco percorre a sequência de dispersões e reagrupamentos naquela tarde, uma após a outra, mas há uma cena que ela mantém viva em sua memória.

“Ainda hojeLembro-me da cara de um que acertou com uma bengala uma grávida e uma menina de uns 5 anos que segurava pela mão.Foi no cruzamento da Bartolomé Mitre com a Diagonal Norte, enfrentei o gordo e logo apareceu um porco hidrante, então comecei a correr pela Mitre em direção à 9 de Julio, mas quando cheguei a Maipú, entrou uma viatura na direcção oposta. Lá fui gaseado, mas naquela época eu era magro e já tinha muita prática de esquiva, então consegui escapar com a ajuda de alguns outros manifestantes. Acabei na igreja de São Miguel, que fica na Mitre e na Suipacha, quando entrei estava quase cheia de choro de ‘fiéis’ e com lenços, vários deles quebrados” , conta.

O desafio de “Polito”

Miguel Both tinha 17 anos, atuava na Federação da Juventude Comunista e foi à mobilização de Villa Devoto com um grupo de colegas do Colégio Nacional 19. Naquela tarde acabou preso na Quarta Delegacia da Polícia Federal junto com um deles , Cacho e outro camarada do FJC, depois que a polícia os encurralou dentro do elevador de um prédio da Corrientes, às 14h, onde o porteiro permitiu que se refugiassem.

Das escaramuças na rua , ele se lembra da imagem de seu amigo e colega de escola, Fabián Polosecki, desafiando a polícia. “Enquanto corríamos para o lado oposto de onde vinham os cavalos e a bengala, distribuindo golpes de sabre e nos cagando com paus,Fabian, com sua característica única, os enfrentou. Gritamos com ele ‘Polo, Polo, vem Polo, Rajá!’, mas ele continuou. Para mim aquele dia tem a ver com a imagem de Polo enfrentando a polícia e abrindo os braços, desafiando-a”, disse.conta.

Paradoxalmente, Ambos acabaram atrás das grades, embora o tenham libertado naquela mesma noite por ser menor de idade; Por outro lado, o futuro jornalista não poderia ser pego.

O começo do fim

Os jornais da manhã de 30 de abril de 1982 traziam um título na capa que não era um bom presságio para a Argentina. “A prontidão militar no Sul é reforçada”, podia ler-se uma delas, em toda a largura da capa. No dia seguinte, esse mesmo jornal dividiu sua capa em duas para dar duas notícias:

“Inúmeras prisões nos incidentes”, dizia na parte superior, e na parte inferior dizia: “Mais de mil detidos e inúmeros incidentes resultaram da concentração da CGT realizada ontem nesta capital, que foi rigorosamente controlada pelos militares e policiais .” . Entre os detidos estavam Saúl Ubaldini, cinco membros da Comissão Executiva da CGT Brasil, o Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel e um grupo de Mães da Plaza de Mayo.

Na parte inferior da capa, o outro título dizia: “Costa Méndez: ‘Não cederemos a nenhuma intimação’”, e acrescentava em letras menores que “a Grã-Bretanha ratificou sua soberania sobre as Malvinas”.

Sem dizer isso, o chanceler da ditadura prenunciou a guerra.

Fonte: https://www.infobae.com/sociedad/2022/03/30/paz-pan-y-trabajo-a-40-anos-de-la-movilizacion-que-marco-el-principio-del-fin-de-la-dictadura/

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Australis Regio. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.