As Fontes Filosóficas do Pensamento de Putin

As Fontes Filosóficas do Pensamento de Putin

Por Etienne de Floirac

Tradução Guilherme Fernandes / Resistência Sulista

Um homem pragmático, Putin se recusa a se posicionar como defensor de uma única doutrina política, mas propõe uma síntese ideológica cujos slogans poderiam ser: patriotismo, ortodoxia e eurasianismo.

Em seu discurso de posse, o presidente da Federação Russa prometeu “preservar a soberania e a independência da Rússia”. Esta frase resume, em muitos aspectos, a política de Vladimir Putin e, de uma forma geral, sua filosofia. Um homem pragmático, ele se recusa a se posicionar como defensor de uma única doutrina política, mas propõe uma síntese ideológica cujos slogans poderiam ser: patriotismo, ortodoxia, eurismo.

Em 25 de março de 2017, o Le Monde foi manchete: Putinismo, aquele espectro que assusta a Europa: “Vladimir Putin continua sua política de desestabilizar a ordem continental que garante a paz na Europa Ocidental desde 1945”, “um regime muito autoritário, que mata seus oponentes; a violação das regras internacionais com a anexação da Crimeia; apoio ao regime sírio de Bashar Al-Assad, cujos crimes têm alimentado o terrorismo jihadista em maior medida do que os combateu; o retiro étnico-religioso, sobre o cristianismo branco, que incorporaria a verdadeira Europa em face de um Ocidente decadente”; estas são as frases que circulam na mídia para qualificar Vladimir Putin e a Rússia.

Nascido em 1952 em Leningrado, cidade de Pedro, o Grande e coração da Rússia czarista, ele foi um agente da KGB, um funcionário próximo de Anatoly Sobtchak, o prefeito liberal de São Petersburgo, primeiro-ministro em 1999, presidente interino após a saída de Boris Yeltsin e, finalmente, presidente em março de 2000. Se Vladimir Putin aparece, de acordo com a mídia e os círculos políticos, como inimigo do Ocidente e como chefe de Estado de tendências autoritárias, é importante entender que ele é, acima de tudo, um russo e um patriota. Marcado pela história de seu país e fascinado pelos heróis que iluminam seu passado, ele conheceu o totalitarismo soviético, a queda do Muro, a anarquia dos anos 90 e, hoje, um confronto, em muitos aspectos, com o Ocidente. A história lembrará, sem dúvida, que seus mandatos foram os da transição, os da passagem do totalitarismo para a democracia ou, pelo menos, para um regime que se assemelha a ele, e do retorno da Rússia ao concerto das nações. Desde sua reeleição em 2012, ele afirma e assume, com certeza, a filosofia que norteia sua ação política.

O pensamento filosopolítico de Vladimir Putin parece repousar em três pilares: patriotismo, ortodoxia e eurasismo. Este trílco combina história e geografia, temporal e espiritual, econômica e social. Em várias áreas, o que a memória coletiva manterá como putinismo mudou profundamente a Rússia, colocando-a, no entanto, de volta à sua história natural. É aí que reside o paradoxo: o putinismo, se parece uma ruptura com o passado próximo da Rússia, realoca um povo inteiro em seu substrato original, um elemento que vamos desvendar neste artigo.

Em janeiro de 2014, Vladimir Putin distribuiu três trabalhos para altos funcionários: L’inégalité de Nicolas Berdiaev, La justification du bien de Vladimir Soloviev e Nos missions d’Ivan Iline. Esses livros caracterizam o pensamento do presidente e explicam, em muitos aspectos, sua política. Como se para atualizar um passado glorioso esquecido, o putinismo reafirma o tríplico proclamado pelo Conde Ouvarov, Ministro da Educação com Nicolau I: “autocracia, ortodoxia, vida nacional (narodnost)”. É assim que Ouvarov descreve os fundamentos do regime czarista, em oposição fundamental ao lema da Revolução Francesa “liberdade, igualdade, fraternidade”.

O amor dos pais pela terra como um meio de unir as pessoas ao redor de seu Presidente

Patriotismo e unidade: dois termos complementares na Rússia. Neste ponto, o putinismo parece ser baseado no pensamento de Iline, que prioriza conceitos como unidade, autoridade e liberdade. Sua filosofia promove, para começar, a unidade do corpo social que deve ser obra do chefe de Estado, como Platão já recomendou. Refletido nas próprias palavras do partido majoritário “Rússia Unida” e na popularidade do Presidente, esse princípio permanece central para a doutrina política expressa pelo Kremlin. Através do patriotismo, deve unir os cidadãos ao seu redor, à sua forma de um contrato social, ligando o povo ao seu representante supremo. Como ilustra a educação defendida pelo Kremlin, esta antropologia patriótica russa é apoiada e abraçada pelo próprio Vladimir Putin. Como herdeiro da União Soviética e como foi Yuri Andropov, muitas vezes comparado a Putin, o presidente manifesta seu apego à “terra dos pais” que, como iline disse: “A Rússia precisa de uma ditadura firme, nacional-patriótica inspirada na ideia liberal. Seu chefe deve ser guiado pela ideia do Todo e não por razões particulares, pessoais ou partidárias. […] Acertar o inimigo em vez de desperdiçar tempo, liderar o povo em vez de estar no pagamento de estrangeiros.” Esta frase ilustra muitos aspectos do putinismo: amor pela terra dos pais, autoridade e o bem comum. Três elementos inerentes à política de Vladimir Putin.

Sourkov, próximo do chefe de Estado, continua essa tese desenvolvendo o conceito, singularmente russo, de “democracia soberana”, corolário do de “vertical de poder”. Essa noção está ligada à doutrina do eurasianismo que considera que a Rússia tem uma especificidade política, econômica e social que é verdadeiramente sua. A necessidade de um poder forte e único diante da democracia liberal “para o Ocidente” é o único regime que pode permitir o bem comum na Rússia, uma vez que, como Catherine II lembrou em seu tempo, “um país de tal amplitude não pode ser governado de outra forma que não seja autoritário”. Junto com essa noção de autoridade, e como explica Soloviev, a noção de hierarquia é inerente ao bom funcionamento da Cidade. Amado pelo bom senso e pela ordem natural das coisas, permite o correto desenvolvimento da política, entendido como a organização da vida da Cidade, e a implementação de projetos para o futuro: tradução da política russa por vinte anos…

Outro exemplo dessa visibilidade do patriotismo: o exército. Esta instituição permite, de fato, transmitir os valores de raízes quase espirituais na terra dos antepassados e a inclinação à disciplina e à obediência. Iline, mais uma vez, parece inspirar esse ideal quando afirma que “o soldado representa a unidade nacional do povo, a vontade do Estado russo, força e honra”.

Em seu livro, Iline propõe um programa político real que Vladimir Putin parece perceber mais do que qualquer outro desde sua reeleição em 2012. Resumindo, uma frase permite expressar sua filosofia e coloca Vladimir Putin como um filho espiritual do pensador: “Sabemos qual é a principal tarefa da salvação e reconstrução nacional russa: a ascensão ao cume dos melhores, homens comprometidos com a Rússia, que sentem sua nação, que pensam em seu Estado, voluntários, criativos, eles oferecem ao povo não vingança e decadência, mas o espírito de libertação, justiça e unidade entre todas as classes. Se a eleição desses novos homens russos for um sucesso e for alcançada rapidamente, a Rússia se levantará e renascerá em alguns anos. Se este não for o caso, a Rússia cairá no caos revolucionário em um longo período de desmoralização pós-revolucionária, decadência e dependência do exterior.”

Ortodoxia: um meio de afirmação do conservadorismo e objeto de oposição ao Ocidente

A queda da URSS permite uma verdadeira renovação religiosa que, hoje, coloca o patriarca no lugar mais próximo do poder político. O conservadorismo, entendido sobretudo como a preservação e promoção dos valores espirituais e políticos tradicionais, é um vetor do renascimento da ortodoxia na Rússia. É aqui que Berdiaev intervém quando defende o conservadorismo como um “movimento para a frente”. Baseado em uma visão gloriosa e respeitosa da história, o putinismo está ligado ao passado e o usa para entender melhor o presente. O filósofo também apresenta a noção de liberdade, um valor cristão por excelência, e ataca o igualitarismo e a ideologia socialista de frente. Ele escreve que “a cultura ocidental é uma cultura de progresso. O povo russo, no entanto, são o povo do fim.” Embora possa não parecer e, ao contrário de todas as formas de imperialismo, o putinismo é baseado em um corpus de valores com sotaque religioso e conservador.

Soloviev se apresenta como a segunda fonte do putinismo. Confronta o utilitarismo que se baseia apenas no acúmulo de bens e prazeres materiais, e certifica que o bem deve ser baseado na honra, caridade e piedade. A liberdade humana, entendida aqui em seu sentido cristão, é o “princípio primordial e central na pessoa”. Soloviev refere-se a Iline quando afirma: “Quem ama a Rússia deve desejar sua liberdade, em primeiro lugar, liberdade para a própria Rússia, por sua independência internacional e autonomia, liberdade para a Rússia como uma unidade de russos e todas as outras culturas nacionais. E, finalmente, liberdade para os russos, liberdade para todos nós, liberdade da fé, da busca da verdade da criação, do trabalho e da propriedade.” Na Rússia, a liberdade é concebida como um meio de ser orientada para o bem, de rejeitar inequivocamente o que se opõe a ela e, mais praticamente, de distanciar da Rússia qualquer forma de influência estrangeira.

Como Soloviev e Vladimir Putin afirmaram hoje, a Revolução só criou homens serviles e levou, por esse fato, ao nada. No entanto, o Ocidente é uma criança da Revolução e do Iluminismo, ambos confundindo o bem e o mal, a verdade e as mentiras. O conservadorismo, que liga o futuro ao passado, é entendido, ao contrário do espírito revolucionário da ficha limpa, como um meio de manter tradições e transmitir conhecimentos, conhecimentos e costumes não racionais através da história, que forjam civilizações. Vamos citar Vladimir Putin (Conselho da Federação, 12 de dezembro de 2013): “Hoje, em muitos países, as normas de moralidade e costumes são reexaminadas, as tradições nacionais apagadas, bem como a distinção entre nações e culturas. A sociedade não exige mais apenas o reconhecimento direto do direito de cada um à liberdade de consciência, opiniões políticas e vida privada, mas o reconhecimento obrigatório da equivalência, embora possa parecer estranho, do bem e do mal, que são opostos em sua essência”.

O chefe do Kremlin também se refere a Konstantin Leontiev que, à imagem de Carl Schmitt na Alemanha, defende a “revolução conservadora”. Crítico da democracia, do liberalismo, da igualdade e da secularização, Leontiev promove uma Rússia que, voltando aos valores que a impulsionaram, é e permanece propriamente russa. Desenvolve, assim, a ideia de um Estado imune a qualquer forma de influência externa. Vladimir Putin retoma essas considerações em inúmeras ocasiões, lembrando que a doutrina conservadora russa permite que o pensamento ocidental seja contido. Em suma, propõe uma nova filosofia que não necessariamente responde aos padrões de um novo mundo liberal globalizado padronizado sob a tutela de uma ideologia atlântica mortal, se você ouvir os assistentes mais radicais do chefe de Estado. Como um conservador iliberal, Leontiev afirma que “liberdade, igualdade, prosperidade são aceitos como dogmas, considerados racionais e científicos. Mas quem nos diz que essas são verdades?”

É também no campo da moralidade que Vladimir Putin aumenta a distância que o separa de seus vizinhos europeus. Durante uma reunião no Clube Valdaï em 19 de setembro de 2013, ele afirmou que “os países euro-atlânticos rejeitam princípios éticos e identidade tradicional: nacional, cultural, religiosa ou mesmo sexual. Eles carregam uma política que coloca uma grande família e um casal do mesmo sexo no mesmo nível, fé em Deus e fé em Satanás. Os excessos de correção política levam a uma séria consideração de autorizar um partido que visa a propaganda da pedofilia. As pessoas, em muitos países europeus, sentem vergonha e medo de falar sobre seu pertencimento religioso.” Querendo ser o arauto de uma Rússia conservadora e tradicional, o Putinismo se manifesta como uma cidadela sitiada ou como o último bastião contra a “decadência” ocidental. Diante dos ocidentais individualistas, o putinismo aqui reflete a filosofia de Yakunin que entendeu unir o temporal com o espiritual, a fim de favorecer a implementação de uma política cristã. Sem procurar construir uma forma de sacerdotismo no coração do poder, propõe um renascimento moral e religioso na Rússia. Cesaropapismo por parte de Vladimir Putin, quem usaria a Igreja para fins políticos? A verdadeira aliança do Trono e do Altar com o objetivo de reviver a Santa Rússia?

Eurasianismo: entre o retorno da Rússia ao cenário internacional e o despertar das ambições imperiais

Em seu trabalho La Russie et l’Europe (1871), Danilesvski afirma que “a luta contra o Ocidente é o único meio de salvação para a cura de nossa cultura russa”. Neste conflito ideológico que se opõe ao campo atlântico à Rússia, o eurasianismo e o pan-eslavismo são promovidos a construir um espaço de resistência contra todas as formas de hegemonia ocidental.

Khomiakov, Kireïevsky e Danilesvsky afirmaram que os eslavos formam um “povo solteiro” com seus próprios “códigos culturais” e, com base neles, Vladimir Putin defende o eurrasismo, uma tradução geopolítica da Eslavofilia. Essas duas noções correspondem ao conceito de unificação e reunião dos eslavos, destinados a se reagrupar em um espaço econômico ou político comum, devido às suas semelhanças culturais, religiosas, linguísticas e históricas. Em um discurso de 2013, o chefe de Estado afirmou que “a Rússia, como o filósofo Leontiev tão claramente disse, sempre se desenvolveu como uma complexidade florescente, como uma civilização de Estado baseada no povo russo, na língua russa, na cultura russa, na Igreja Ortodoxa Russa e nas outras religiões tradicionais da Rússia”. A União Econômica Eurasiana, criada em 2015 e que se estende hoje à Sérvia, é uma realização de tudo isso.

Alexander Dugin, próximo do presidente, retoma essa ideia quando promove a criação de um continente entre a Europa e a Ásia, uma ponte entre o Ocidente e o Oriente, como diz Berdiaev: “A Rússia está no centro do Ocidente e do Oriente, une os dois mundos”. Como chefe de Estado durante o Conselho de Cultura e Arte em 25 de novembro de 2003: “A Rússia, como um país eurasiano, é um exemplo único onde o diálogo de culturas e civilizações tornou-se praticamente uma tradição na vida do Estado e da sociedade”. O putinismo quer estar à frente de um novo espaço que contrabalança a cultura ocidental, mas, também e acima de tudo, que reúne os povos destinados a viver em harmonia. Grande parte da estratégia russa na Ucrânia baseia-se nessa ideia.

A filosofia de Goumiliov também contém essa doutrina: a geografia cria grupos humanos diferentes uns dos outros, os eslavos têm uma “energia vital” devido ao seu clima rigoroso, um temperamento que lhes dá uma especificidade cultural única e, por esse fato, sua própria maneira de desenvolvimento. Nessa consideração está baseado o Putinismo, que se move na fronteira entre liberalismo e autoritarismo (embora um termo exclua à força o outro). O regime político russo seria, portanto, específico e único e, portanto, indefinível. Para os defensores do liberalismo, esta é uma forma fatalmente desastrosa de governo.

A Eurásia será, para Moscou, como seu “estrangeiro próximo”, um espaço de interesses privilegiados no qual toda a intervenção estrangeira será combatida. É por isso que a Rússia sempre temeu o desmantelamento do Estado e a desestabilização de suas fronteiras. É nessa perspectiva que Vladimir Putin se apega à preservação da integridade de seu país e do espaço que o cerca, uma questão que o Ocidente tem dificuldade em entender. A “guerra humanitária” no Kosovo em 1999, na qual os russos ficaram indignados ao dizer “hoje Belgrado, amanhã Moscou” ilustra emblematicamente esse espírito que se resume nesta frase: a união dos eslavos contra o atlântico. Essa doutrina geopolítica também é afirmada no discurso de Munique de 2007, onde Vladimir Putin refuta “a unpolaridade do mundo” e a hegemonia americana. A Rússia está a caminho de se tornar uma superpotência e deve “reunir as terras russas”, uma expressão que toma conta da doutrina eurasiana.

Conclusão

Em suma, Vladimir Putin pretende colocar em prática a expressão de Pedro Stolypin, o último primeiro-ministro de Nicolau II, que disse que “eles querem a grande bagunça, queremos uma grande Rússia”. Insondável em muitos aspectos, o putinismo é bastante compreensível e inteligível em algumas de suas concreções. Alegando que “o liberalismo é uma ideia obsoleta”, Vladimir Putin defende uma filosofia propriamente russa contra a maré de qualquer forma de postulado especificamente ocidental.

Por patriotismo, ortodoxia e eurrasismo, Moscou parece determinada a recuperar sua qualificatória da Terceira Roma. Após Dostoievsky, que ficou indignado com a decadência moderna em suas obras, o putinismo entende-se ser o precursor de uma nova filosofia conservadora. Mas é principalmente depois de Solzhenitsyn e seu discurso O Declínio da Coragem, proferido em Harvard em 1978, que Vladimir Putin parece anti-totalitário ao rejeitar qualquer forma de ideologia que interprete a realidade baseada em ideias preconcebidas. De fato, o putinismo é pragmático, mas acima de tudo está determinado a colocar a Rússia de volta em seu substrato histórico e cultural original. Solzhenitsyn vem resumir o que o putinismo se opõe: uma sociedade ocidental onde “a noção de liberdade foi desviada para uma falta de controle desencadeada das paixões do lado do mal. Os direitos humanos foram colocados em um lugar tão alto que esmagam os direitos da sociedade e os destroem. A ideologia reinante que coloca acima de tudo o acúmulo de bens materiais e a busca do conforto, leva o Ocidente ao abrandamento do caráter humano, ao declínio maciço da coragem e à vontade de se defender.”

Estamos indo em direção a uma doutrina oficial do Estado na Rússia? De certa forma, e em vista da popularidade do Presidente, o putinismo tornou-se, de fato, a nova filosofia na Rússia. Mas não há realmente um consenso civil forçado, embora alguns meios de comunicação critiquem a política russa que seria baseada na propaganda e na repressão que são, por outro lado, os portadores do totalitarismo que Vladimir Putin rejeita indiscutivelmente. Ao inscrever sua ação a longo prazo e se ver como um representante de uma forma de missão divina, o putinismo permanecerá como a marca de seu depositário atual, mas será a doutrina que participa do retorno da nova Rússia, colocando-a em um substrato filosófico tradicional e claramente direcionada para o bem comum.

Fonte: As fontes filosóficas do pensamento de Putin | O Manifesto (elmanifiesto.com)

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Australis Regio. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.