Um Povo tem o Direito de continuar Existindo

Um Povo tem o Direito de continuar Existindo

Tradução Guilherme Fernandes / Resistência Sulista

Esteban Montenegro e Francisco Mazzucco, membros do Nomos, conversaram com a Agência Paco Urondo sobre a recente operação militar especial lançada pela Federação Russa com especial atenção ao embate geopolítico e existencial que está conduzindo contra as potências da OTAN e do globalismo. Abaixo reproduzimos a entrevista completa, realizada por Santiago Asorey, a quem agradecemos a gentileza.

APU: Quando as operações militares russas começaram, o filósofo russo Aleksandr Dugin  argumentou nas redes sociais que o conflito geopolítico entre o Ocidente e o Oriente expressava um “confronto em todos os níveis – geopolítico e ideológico. A Rússia rejeita tudo no globalismo – unipolaridade, atlantismo, liberalismo e anti-tradição.  Aponto isso porque às vezes a posição de todos os poderes parece ser unificada, como potências capitalistas que cometem diversos tipos de abusos de acordo com seus interesses. O que significa a este nível que vos consulte sobre este confronto de paradigmas?

Esteban Montenegro: Dugin vem apontando que desde a queda da URSS nos anos 1990, independentemente do tipo de regime de governo ou da ideologia que a Rússia professa, tanto por razões geopolíticas quanto por seu caráter, o povo russo sempre representará um ameaça ao Ocidente. Não apenas por razões estritamente geopolíticas (a doutrina militar da OTAN sempre tenta isolar a Rússia e eventualmente fragmentar seu território e fazer desaparecer sua condição de Estado), mas também porque o povo russo ainda tem fortes raízes em sua terra, sua religião, e faz sentido não apenas de patriotismo, mas de missão universal. Isso que as grandes potências históricas sempre têm: o fato de acreditarem que desempenham um papel determinante no destino da humanidade,

Em geral, as visões que tendem a equiparar todos os grandes países ou civilizações na mesma escala são ingênuas. É uma visão abstrata, de um humanismo que não se aplica à compreensão das relações de poder e que não respeita, neste caso, o imperialismo dos Estados Unidos e da OTAN.

Muito basicamente, a ideia de Dugin é que a Rússia encarna um tipo diferente e oposto de princípio de ordem e poder político daquele representado pela OTAN, uma “civilização da terra” que permanece enraizada não apenas em seu solo, mas na vasta extensão de uma território à escala continental, mas fundamentalmente às suas próprias tradições e que não está disposto a abdicar do seu modo de ser. Enquanto, ao contrário, o que seria a “civilização do mar”, ela é representada pelas potências atlanticistas como Estados Unidos e Inglaterra, potências de caráter marcadamente cosmopolita e obcecadas em controlar os fluxos de navegação, do comércio, da informação, das finanças, gravitando sobre as grandes cidades do Ocidente.

APU: Há necessidade desse confronto?

EM: Para os russos é uma necessidade imposta de fora e não responde apenas à sua própria história (eles sempre tentaram ser um império com certa centralidade sobre o espaço eurasiano). A OTAN procura destruir os russos, e não apenas destruir seu estado, mas também seu modo de ser. Todos nós vemos que, onde a OTAN chega, chega o progressismo. Esta ideia de que a família tradicional, a religião, deve necessariamente ser destruída, que todas as inclinações para a força, coragem, patriotismo, etc., devem ser abandonadas. Os russos não estão dispostos a desistir disso. Do ponto de vista ideológico, esses dois polos, o atlanticista e o eurasiano, representam dois polos diametralmente opostos em tudo o que significam e na forma como veem o mundo. Mas a “civilização do mar” comandada hoje pelos Estados Unidos, ou melhor,

No entanto, essa não é a afirmação que os russos têm hoje. Essa ideia de que a Rússia continua tendo as pretensões de impor uma visão única do mundo e impor a subordinação a Moscou como de alguma forma aconteceu no tempo da União Soviética vem um pouco arrastada. Ao contrário, hoje por trás da proposta do que é a visão de mundo alternativa da “civilização da terra”, a Rússia sustenta que é a multipolaridade. Portanto, verificamos que a Rússia não é sancionada pela China, não é sancionada pela Índia, não é sancionada pelo Paquistão, não é sancionada pelo Brasil e não é sancionada pela Argentina, poderíamos dizer também. Portanto, não é que a Rússia esteja isolada porque, de alguma forma, está tentando impor algo ao mundo. Pelo contrário, ele está simplesmente defendendo seu direito de existir.

FM: Eu poderia citar Samuel Huntington, deixando Dugin um pouco, já que ele marcou aquele choque de civilizações, embora sem descrever tanto como era a civilização que estava diante do império que ele defendia, que era o império anglo-saxão e hoje anglo-sionista. Obviamente o que estamos vendo é um choque entre a narrativa imperial, que é moralista, baseada em uma liberdade abstrata, em um crescimento ininterrupto de direitos para todos, e a exportação necessária daqueles valores que se acredita serem os únicos do planeta. Em certo sentido, é uma ofensiva, que eles não veem como uma ofensiva, mas como o desenvolvimento natural da história. Em outras palavras, que o mundo inteiro acabe sendo como a Califórnia ou Nova York, não é apenas algo que se espera, mas é algo desejável e quem fica no meio deve ser removido como um obstáculo.

Huntington vê que existem civilizações que se opõem a esse avanço. É o caso da civilização russa, que se vê obrigada a travar uma guerra de defesa no nível civilizacional, onde se move apenas por necessidade, necessidade que compõe a famosa “ Realpolitik ”. Poderíamos erroneamente e logo descrever isso como um ‘ser cínico’, usando conceitos como áreas de interesse, área de influência, necessidade de ter fronteiras protegidas, um espaço vital, não ser ‘balcanizado’, etc. E a Rússia sabe, desde a queda da URSS, que o objetivo final do império global é destruir todas as civilizações que podem se opor a ele, que o objetivo final é a fragmentação da Rússia.

A promessa feita na queda da URSS de que a OTAN não avançaria no antigo espaço soviético, que as ex-repúblicas socialistas não teriam permissão para entrar na aliança militar ou na Comunidade Européia, não foi cumprida. Sempre foi dito que essas coisas eram apenas ‘em palavras’, que não havia nenhuma obrigação real de cumpri-las, mas apenas alguns meses antes do ataque à Ucrânia, o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha confirmou que havia acordos secretos a esse respeito (Obviamente, todos os pontos de um tratado entre as potências nunca são totalmente divulgados), entre os quais o fato de não expandir a OTAN para países como Ucrânia, Bielorrússia ou Geórgia.

E esse é o objetivo da OTAN hoje, expandir, cercar a Rússia e depois fragmentá-la, negociar com pequenos estados vassalos russos que seriam muito mais fáceis de dominar do que uma civilização verdadeiramente grande. O que a Rússia vinha fazendo há décadas era uma luta de autodefesa tentando manter sua tradição, até que em um certo ponto eles tiveram que dizer ‘basta, se deixarmos mais território ser perdido, chegará um momento em que a derrota será insuperável ‘.

Por exemplo, o objetivo da OTAN é ter a Ucrânia, então eles iriam passar pela Bielorrússia através de uma revolução colorida, colocar a Geórgia, e ter a Rússia cercada do lado europeu, e então avançar pelos meios da cultura de hegemonia e quebrar sua valores de dentro. Algo que já fizeram na Ucrânia e que se vê claramente desde a Ucrânia pré-Maidan de 2014 ,  que se pode dizer que era mais tradicionalista, e que em poucos anos se tornou quase outro país ocidental, com a mesma visão de mundo cultural e até mesmo com a mesma autopercepção de ‘cidadão do mundo’ que pode habitar qualquer capital global.

Putin pôs um ponto final nisso e o colocou de uma maneira que me parece correta. Porque os freios que ele colocou antes, obviamente, não só não funcionaram como também permitiram o avanço do inimigo da Rússia com base na violação dos pactos, ou dizer ‘esse país não vai aderir à OTAN mas estamos cozinhando abaixo da mesa o entrada, estamos a colocá-los um a um na Comunidade Europeia”, que é como o passo anterior à OTAN. Porque é isso que se deve entender: se se permite que essas alianças se formem no nível formal e diplomático, está-se validando simultaneamente sua posterior passagem ao nível militar. Se um país assina que faz parte da OTAN, nesse momento é tarde demais para lutar contra ele, porque significaria lutar contra os Estados Unidos e todos os seus aliados.

A morte do mundo unipolar e o direito internacional na perspectiva do atlantismo

APU: As sanções contra a Rússia podem acelerar o perfil do mundo multipolar?

Esteban Montenegro: Temos que ver como a Rússia se sairá no médio prazo, como conseguirá passar pelas sanções e quão eficaz será na construção dessas redes alternativas de financiamento, produção, ideológicas e de informação. Antes, não o fazia com tanta força porque estava tentando ter boas relações com o Ocidente, mas se o Ocidente disser ‘não, vamos bloqueá-lo, vamos isolá-lo’, a Rússia agora é obrigada a construir um mundo multipolar. Tenderá a forjar alianças com a China, com a Índia, com o Paquistão e o mundo árabe. Este é o tiro na bunda que pode ir para os Estados Unidos e que pode redefinir a letra da suposta lei internacional que nunca é cumprida.

APU: Acabam empurrando mais para o mundo multipolar que eles queriam evitar…

EM: Porque até se fala em expulsar a Rússia das Nações Unidas, do Conselho de Segurança. Obviamente, acho que os Estados Unidos não vão concordar com isso, mas vamos colocar desta forma, o direito internacional não é uma desculpa para impedir a existência de um povo. Parece-me que essa perspectiva realista é o que a Rússia representa, ao contrário do que alguns daqui propõem: ‘defendemos o direito internacional, não devemos violar o princípio da integridade territorial’. São as posições politicamente corretas da diplomacia que, talvez para algum país adotar, é bom, porque é tudo o que um país fraco pode fazer. Mas há outras coisas em jogo.

APU: Que análise é feita sob a ótica de algumas posições que indicam que a Rússia compromete o princípio da integridade territorial, sob a ótica do direito internacional?

EM: Sempre tenho divergências com aqueles cuja visão está muito ligada a essa ideia de respeito irrestrito ao direito internacional. Há uma imagem muito bonita que diz que o direito internacional é como uma rede que só pega moscas, mas quando a águia passa, ela a quebra e faz o que quer. Em primeiro lugar, é preciso diferenciar o que poderia ser uma posição oficial e diplomática do que é a realidade política de como as fronteiras são constituídas e construídas. Como se forma uma fronteira? Qual é a fronteira de um poder político fora da questão formal? A fronteira sempre se estende até a coesão, consciência e vontade de um determinado povo, não de se expandir, mas de se fortalecer. Se um país se fortalece, suas fronteiras transbordam, de alguma forma, e constituem esferas de influência cada vez maiores. O que vou fazer é que, sem dúvida, estamos testemunhando uma ruptura da ordem internacional anterior. Este não é mais o mesmo mundo dos anos 1990, mas não porque o direito internacional tenha sido violado. Isso já aconteceu, os Estados Unidos e Israel sempre fazem. Eles fazem isso na Palestina, na Síria o tempo todo, e ninguém diz nada. Então, o problema não é que os princípios do direito internacional foram violados, mas que a Rússia fez isso: um poder que não é anglo-sionista, esse é o problema. E o problema é que redefine as relações de poder. Até agora, quem teve o privilégio de violar a Carta Magna das Nações Unidas foram Israel, Estados Unidos e Inglaterra, e até então, vamos parar de contar. Há uma ruptura nesse consenso, que é o Consenso de Washington, que tudo é possível para os Estados Unidos e seus aliados. Todos nós respeitamos enquanto aquele Consenso governava uma “lei internacional” diferente da escrita: que o que os Estados Unidos dizem e fazem é inapelável.

Do ponto de vista político, um militante deve saber que uma civilização, um povo, não pode negociar seu direito de existir com base no que está inscrito em uma lei moral universal ou na Carta Magna das Nações Unidas ou pelo que diz o Papa ou a Bíblia. Um povo tem o imperativo de continuar existindo porque se apega à própria existência, não quer deixar de ser quem é, não pode negociar isso, não se negocia em lugar nenhum do mundo. E em termos de defesa o que conta é o poder, as relações entre os Estados sempre foram geridas e são geridas em termos de poder. Já estamos avisados, e não tem desculpa, é assim que as coisas são.

Francisco Mazzucco: Como diria Nietzsche, vamos fazer uma genealogia da moralidade desse direito internacional tão citado, que se baseia basicamente em nada mais do que dois princípios: um, o da integridade territorial, e o outro, o direito à a autodeterminação dos povos. Essa autodeterminação funciona como o primeiro direito fundante, pois é depois que um povo se constitui em Estado-Nação e adquire seu território, que podemos defender sua integridade, integridade que teria um caráter quase sagrado pelo qual ninguém pode mexer. com sua própria terra, de cada uma das nações. Mas este direito fundador de autodeterminação não é universal nem a-histórico, tem uma data de criação.

Foi criado por estados que se vendiam, como hoje, como democracias liberais, mas na época se encarnavam na Inglaterra, uma monarquia constitucional, e pelos Estados Unidos de fora, que a criaram como arma para destruir os impérios centrais. da época: Rússia, Áustria-Hungria e Alemanha. O alvo principal era a Austro-Hungria, que era um império multiétnico, multicultural, multi-religioso, tudo o que hoje se fala como a panacéia pós-moderna, e que a Austro-Hungria já era em seu tempo. A maneira de destruir um império tão multicultural era apresentar esse princípio de determinação dos povos, que foi o que levou à Primeira Guerra, porque um dos membros daquele povo, um sérvio, considerou que ‘em busca da minha pátria, o sérvio ,

APU: O início da balcanização dos Balcãs…

FM: Sim, literalmente o que chamamos de balcanização nos Balcãs foi criado naquela época. Em outras palavras, a Iugoslávia era um lugar onde diziam ser permitido o uso desse direito à autodeterminação dos povos e à integridade territorial. Mas, imediatamente, essa criação de uma nova lei, de um novo princípio abstrato e universal que deveria ser sempre aplicado, trouxe-lhes problemas imediatos porque os alemães queriam ter autodeterminação para seu próprio povo e diziam que há alemães na Tchecoslováquia, hoje a República Tcheca. , há alemães na Polônia, há alemães na Áustria e queremos nos unir a eles.

Obviamente, quando o Terceiro Reich fez isso, as nações anglo-saxônicas disseram ‘isso é muito ruim, isso é o avanço de algo sombrio’, mas quando o fizeram, foi muito bom. Mais tarde acontece a mesma coisa, indo mais para a modernidade, quando a Iugoslávia é destruída. A desculpa de destruir a Iugoslávia, que era acima de tudo um país que eles criaram com essa metodologia para destruir a Austro-Hungria, depois eles queriam desarmar a Iugoslávia com o princípio da autodeterminação das nações novamente. Se você tiver croatas de um lado, eslovenos do outro, albaneses do outro, separem e não restará nada da Iugoslávia.

Mas mais tarde, quando a Rússia quer fazer o mesmo e diz que há cidadãos russos na Ucrânia, ‘respeite-os’, eles dizem ‘não, lá também não conta’. Quando é aplicado em demasia, leva como consequência a ser aplicado por pessoas que não deveriam aplicá-lo, como a Alemanha na década de 1930. E agora foi aplicado demais na zona iugoslava e na Líbia, por exemplo, e isso leva a Rússia a dizer ‘se cada povo tiver um espaço de interesse e responder a quem quer que esse povo queira e com quem esse povo se identifique, isso também é verdade dentro da Crimeia, dentro de Donbas’. Mas a resposta é ‘não, não, é só isso que vamos’.

Essa e a coisa. Cuidado com o princípio da autodeterminação das nações porque as nações estão sempre querendo formar um território, um Estado, e nunca lhes é dado um microfone. O microfone abaixa para certas ocasiões que são muito claras, se você as vê, e então você volta para o campo abstrato de ‘bem, que pena que você não presta atenção a elas e elas te bombardeiam todos os dias e elas não deixe você falar russo ‘, como neste caso.

APU: O uso geopolítico do direito internacional pelo imperialismo…

FM: É literalmente porque os princípios abstratos, os princípios morais, também são princípios demasiado humanos .como diria Nietzsche, e têm um objetivo muito material e muito concreto: a expansão política do império que hoje chamamos de globalização, porque já não tem sede em nenhum Estado em particular. Era conveniente para eles usar este cartão para desarmar a Jugoslávia e dizer, por exemplo, “podemos entrar num conflito interno” entre dois lados de um país, o que equivaleria a uma guerra civil, e pressionar para que uma das partes vencer, o que seria contra o direito internacional não se intrometer em guerras civis. Porque, se entrarmos em guerras civis, na verdade travamos uma guerra interna contra os países vizinhos, violando sua integridade territorial, e no final acabamos travando uma guerra civil contra o mundo inteiro. Eles violaram isso e mais tarde, quando a Rússia fizer a mesma coisa de entrar na guerra civil entre Donbas e Ucrânia,

A posição da Argentina antes do conflito

APU: Por um lado, como você analisa a posição diplomática da Argentina em relação ao conflito? Em segundo lugar, de uma perspectiva militante, por que nós, como latino-americanos, deveríamos ter empatia com a Rússia, que moldou grande parte de sua história como império?

EM: Parece-me muito importante fazer essa distinção de tomadas. Num plano de realismo estritamente político ou de análise internacional, pode-se dizer que a posição do Estado argentino é bastante adequada. Uma condenação das ações bélicas em abstrato que não implica uma sanção à Rússia, ou a Putin, ou às exigências de segurança que o Estado da Federação Russa impõe. Só com isso se distancia da posição dos Estados Unidos e de seu bloco, que são sinalizados nesse conflito com uma posição marcadamente ideológica. De uma posição diplomática, poderíamos dizer que é a posição correta, embora na Assembleia Geral das Nações Unidas, a Argentina tenha votado com os Estados Unidos e a OTAN, ao contrário da China, Brasil e outros países que se abstiveram. Poderia ter havido um gesto de dignidade um pouco mais.

Mas visto e considerando a situação da Argentina, que opta por se sujeitar ao Fundo Monetário, não se pode esperar mais. Agora, qual é a posição que, na minha opinião, os militantes deveriam ter? Acredito que se estivermos cientes de nossa própria história, de nossos próprios conflitos geopolíticos, não há como não ter empatia com o povo russo que está enfrentando uma ameaça existencial da OTAN. Semelhante ao que enfrentamos, pois temos uma base militar da OTAN bem em frente às nossas costas, por onde passam submarinos nucleares. Plantam petroleiras em frente ao nosso território, extraem nossos recursos. Parece-me que não há como não simpatizar com o inimigo do seu inimigo.

Do ponto de vista mais distante que se pode ter em relação à Rússia, ela ainda é inimiga do seu inimigo. Isso vale até não só para os militantes, mas também para os militares, para as Forças Armadas Argentinas. Como podemos continuar repetindo como papagaios a doutrina militar e geopolítica dos Estados Unidos quando nossa hipótese de conflito é com a OTAN? Devemos começar a ver o que acontece na Rússia e como esse país se posiciona, como um verdadeiro poder responde, como um país verdadeiramente soberano age. Não proponho imitá-lo exteriormente, mas inspirar-me um pouco e observar como age um verdadeiro estadista, um verdadeiro povo soberano, como pensa a seu favor, como é escolher a si mesmo em vez de se preocupar – como alguns – para ficar bem, para se parecer com a vítima. Parece que se fez um esporte de dizer ‘os únicos que fazem política são os maus impérios’ e como, segundo isso, somos as vítimas, temos razão, mas ‘não podemos fazer nada’. É uma falsa consciência porque aqueles que apóiam isso quando vão fazer política a sério fazem o que o império manda, mas quando o império provoca guerras eles rasgam a roupa e dizem ‘não, que horror’. A situação em que isso nos coloca é muito ruim, é um horror. Tudo permanece em uma nebulosa de lágrimas. Moralina, poderíamos dizer, para as câmeras. Para justificar a própria claudicação interior. Nós, militantes que não queremos desistir, devemos nos inspirar no exemplo do povo russo. somos as vítimas, temos razão, mas ‘não podemos fazer nada’. É uma falsa consciência porque aqueles que apóiam isso quando vão fazer política a sério fazem o que o império manda, mas quando o império provoca guerras eles rasgam a roupa e dizem ‘não, que horror’. A situação em que isso nos coloca é muito ruim, é um horror. Tudo permanece em uma nebulosa de lágrimas. Moralina, poderíamos dizer, para as câmeras. Para justificar a própria claudicação interior. Nós, militantes que não queremos desistir, devemos nos inspirar no exemplo do povo russo. somos as vítimas, temos razão, mas ‘não podemos fazer nada’. É uma falsa consciência porque aqueles que apóiam isso quando vão fazer política a sério fazem o que o império manda, mas quando o império provoca guerras eles rasgam a roupa e dizem ‘não, que horror’. A situação em que isso nos coloca é muito ruim, é um horror. Tudo permanece em uma nebulosa de lágrimas. Moralina, poderíamos dizer, para as câmeras. Para justificar a própria claudicação interior. Os militantes que não querem desistir, temos que nos inspirar no exemplo do povo russo. que horror’. A situação em que isso nos coloca é muito ruim, é um horror. Tudo permanece em uma nebulosa de lágrimas. Moralina, poderíamos dizer, para as câmeras. Para justificar a própria claudicação interior. Nós, militantes que não queremos desistir, devemos nos inspirar no exemplo do povo russo. que horror’. A situação em que isso nos coloca é muito ruim, é um horror. Tudo permanece em uma nebulosa de lágrimas. Moralina, poderíamos dizer, para as câmeras. Para justificar a própria claudicação interior. Nós, militantes que não queremos desistir, devemos nos inspirar no exemplo do povo russo.

FM: O que eu queria enfatizar, acima de tudo, é que há um choque aqui entre uma posição realista, que é o que devemos ter e é o que qualquer homem racional deve ter, e uma posição que é moralista, e que basicamente é uma mera história fantasiosa. Se olharmos a partir de uma análise gramsciana, há uma estrutura que é o realista e em cima disso há uma pátina de boas intenções, de boas palavras, uma superestrutura moral que é simplesmente posta para convencer aqueles que querem ser convencidos e que querem usá-lo mais tarde, para auto-justificar suas ações. A história fantasiosa e moralista de que “eles são os bons” basicamente só leva a que essa pessoa que acreditava ser moral seja a coisa menos moral que existe. Porque para ser moral é preciso ter autonomia moral, Para ter autonomia moral, você precisa ser independente e ter seus próprios critérios. Se nosso próprio critério é colocar a bandeira da moda do momento, isso obviamente não é autonomia.

O critério deve ser um critério realista, assim como o critério geopolítico. Se eu lhe dissesse que existe um país que no século 19 estava formalmente em conflito conosco, que quando houve uma guerra com nosso vizinho, um navio nos afundou, que depois lutou conosco no século 20 e depois nos ajudou, Eles nos venderam matéria-prima e nós os ajudamos na guerra, que país é esse que recebeu tantos golpes e depois ajudou?

APU: De qual país estamos falando?

FM: Esse país é a Rússia. Porque a Argentina após a guerra de independência não foi reconhecida pelos russos devido a uma questão de alianças entre os estados centrais. Eles não nos reconheceram e houve uma inimizade formal que não nos afetou porque era à distância, não tínhamos contato real com eles. Mais tarde, na guerra russo-japonesa, a Argentina até atacou um navio russo. O Japão nos agradeceu por isso, não éramos aliados nem nada, mas materialmente tivemos um conflito com os russos lá. E os russos não se importaram, porque eles se movem geopoliticamente. Como não se importaram mais tarde em nos ajudar na guerra das Malvinas, sendo a URSS um dos países que nos ofereceram armas na época. Porque eles têm uma posição racional onde eles dizem ‘bom, isso é um aliado, no momento que funciona para mim, eu trabalho com eles’.

A Argentina tem que fazer o mesmo. Não pode ser que eu assuma a posição irracional de dizer que, como a Rússia está “em desacordo com o mundo”, porque hoje foi literalmente cancelada do mundo livre, então não podemos ser aliados. Quando se vê a posição real, racionalista, é “ser aliado de quem quer ser aliado”. Assim como na guerra das Malvinas, a Rússia queria estar do nosso lado, apesar da ditadura não querer isso, e não aceitar muito da ajuda russa para não alienar os Estados Unidos. Por sua vez, do outro lado está a OTAN, que era nosso inimigo, a Inglaterra era (e é) a OTAN.

Estávamos em desacordo com a OTAN, estávamos em desacordo com todo o continente europeu, a Espanha estava contra nós, a França, a Itália. Eles apreenderam nossas armas, a França teve que nos vender armas por contrato. Em outras palavras, ali o sacrossanto contrato liberal é quebrado porque eles não podem vender armas para aquele que está atacando ‘meu aliado inglês’. Os espanhóis também nos embargaram, nossa pátria. Aqueles que sempre se cita como quem olhar, como Europa, Espanha, a realidade é que tiveram um desempenho pior conosco do que a Rússia, que está longe e não teve tanto a ganhar. Pelo simples fato de ter uma posição racional e geopolítica que lhes era conveniente: somos um país produtor de matérias-primas e, naquela época, quando foi imposto um embargo comercial, a Argentina vendia trigo para a Rússia.

Hoje a Rússia é autossuficiente, é o primeiro exportador de trigo do mundo, então não precisa mais dele. Aí mostra que existem relações que devem sempre ser feitas, levando em conta não só o interesse nacional, mas também as relações com outros povos. Não a moralidade do momento, não o que a mídia diz, não o que o jornalista diz. A Argentina deve fazer sua política internacional com esse interesse e deve fazê-lo porque tem que ter autonomia própria. Se tiver autonomia, seremos um país com moral. E isso não vai acontecer se acreditarmos que a moralidade é repetir o que a mídia diz, e nossos jornais copiam e colam o que a mídia estrangeira diz. Por exemplo, a Infobae, que comprou diretamente a linha do Washington Post porque quer economizar com os jornalistas, então sua linha editorial é traduzir o que eles mandam de fora. Há vários que fazem o mesmo, pegam de agências internacionais como a Reuters ou a BBC e colocam as mesmas notícias em espanhol, para o que o que hoje se chama de opinião pública na Argentina é basicamente a opinião pública dos países centrais. Que por sua vez está nas mãos de poucos, não é nem mesmo a opinião pública do povo americano que se opõe à Rússia, mas a das minorias dominantes. Sabemos muito bem que, se perguntarmos a um americano, ele não saberá nem localizará a Rússia ou a Ucrânia no mapa. E tudo bem porque o homem comum não precisa se interessar por isso. Que por sua vez está nas mãos de poucos, não é nem mesmo a opinião pública do povo americano que se opõe à Rússia, mas a das minorias dominantes. Sabemos muito bem que, se perguntarmos a um americano, ele não saberá nem localizará a Rússia ou a Ucrânia no mapa. E tudo bem porque o homem comum não precisa se interessar por isso. Que por sua vez está nas mãos de poucos, não é nem mesmo a opinião pública do povo americano que se opõe à Rússia, mas a das minorias dominantes. Sabemos muito bem que, se perguntarmos a um americano, ele não saberá nem localizará a Rússia ou a Ucrânia no mapa. E tudo bem porque o homem comum não precisa se interessar por isso.

O especialista tem que lidar com isso, que tem que ser racional e não se deixar levar pelos sentimentos e menos pela capa dos jornais. A posição argentina é a correta para hoje e pegar uma posição de ‘cão que late mas não morde’ é excelente porque é o melhor que podemos fazer. Não ir visivelmente contra quem pode pisar em nós com as botas, mas ao mesmo tempo ter dignidade e saber colocar um limite. Dizer ‘entrego porque é o momento histórico, mas mostro que estou do outro lado’. Essa tensão, hoje, já representa uma tremenda tomada de posição. E baixar a linha também por dentro, tentar brigar um pouco com a mídia, onde parece que se não colocarmos a bandeira ucraniana, somos a favor de ‘matar crianças em kyiv’, e perceber que o discurso da moralidade não é moral,

América em crise interna?

APU: Como você analisa a situação interna dos Estados Unidos diante desse conflito? Existe fragilidade de Biden?

EM: Independentemente da questão da política externa, podemos dizer que neste momento o governo Biden não tem a maior popularidade que um governo americano teve. Muito pelo contrário, cheguei ao poder com eleições que, se não eram fraudulentas, eram no mínimo duvidosas, muito questionadas por Trump e seus seguidores, que atingem 40% da população americana. E ele também é um presidente que chega com uma doutrina antiterrorista que começa a ser aplicada aos próprios habitantes da América do Norte. É a ideia de “terrorismo doméstico”. E cuidado porque agora, sob o pretexto de perseguições e sanções contra a Rússia, ambas as doutrinas começam a se misturar e servirão de desculpa para um governo fraco, questionado e frágil.

É um novo macarthismo, que servirá de desculpa para reprimir a dissidência. Isso também está sendo visto na Europa. Por exemplo, em países como a República Tcheca e a Eslováquia, já existem penas de prisão por defender o ponto de vista russo nas redes e com penas longas, três anos, cinco anos, dez anos. E já há alguns prisioneiros. Então você tem que ter cuidado com isso. Essa é a famosa liberdade ocidental. É claro que, quando seus meios de comunicação são atacados, eles se escondem atrás da liberdade de imprensa, mas não dizem nada quando os meios de comunicação são russos. Sputnik, RT, a mídia oficial russa foi bloqueada, e o site geopolitica.ru de Dugin e toda uma rede de canais de informação alternativos semelhantes acaba de ser sancionado.

Isso mostra que os Estados Unidos não têm mais o consenso ideológico interno que já tiveram. Há uma ruptura em torno do que significa o “ modo de vida americano ”. Não está claro que haja uma coesão ideológica interna, o que nos permite dizer que os Estados Unidos e a Europa estão entrincheirados, têm um projeto e que é muito difícil cair. O que vemos é que eles caem economicamente e caem não apenas culturalmente, mas também ideologicamente. É por isso que eles são rachados politicamente também. A guerra só permite que ele feche o discurso e diga ‘essa é a posição oficial, se você não seguir a visão de Biden você é pró-Rússia, você é antivacina, você é um terrorista doméstico e vamos colocá-lo em cadeia’.

O grande tabuleiro de xadrez geopolítico

APU: Em 1997, em um texto com o subtítulo “O mundo visto através do prisma geopolítico norte-americano”, o conselheiro de segurança nacional do governo Jimmy Carter, Zbigniew Brzezinski, argumentou que a consolidação de “uma Ucrânia soberana intimamente ligada à Europa central era a elemento central da política norte-americana”, na zona de influência da Eurásia. Por que a Ucrânia mantém esse valor histórico na geopolítica?

FM: Precisamente  porque a teoria geopolítica diz que há um centro do mundo,  há uma periferia e depois há uma ilha. O centro do mundo, se for controlado, pode ter mais influência no resto do planeta do que estar em um ponto. Este coração do mundo ou  Heartland  (coração continental) seria hoje ocupado pela Rússia, com o seu território europeu e asiático, ao qual se deve acrescentar também o Cazaquistão e o Cáucaso, e com o limite na Ucrânia, Bielorrússia e Estados Bálticos que são o lado oeste sai para East  Heartland.

Depois, há o que se chama de ilha do mundo , que é a América, pois está isolada de todo o resto e tem a desvantagem de ser difícil influenciar outros países porque tem que usar o mar. E a grande vantagem que em caso de guerra nunca atacarão esta “ilha” porque é difícil desembarcar nela. Seguindo aquela teoria que os norte-americanos desenvolveram para seu próprio benefício, com teóricos como Mackinder, eles se plantaram em sua ilha ( “América para os americanos” ) para sempre atacar quem detinha o centro do mundo de lá, e hoje a Rússia é seu objetivo. .

Brzezinski pensou a mesma coisa e afirmou em sua obra  O Grande Tabuleiro do Mundo : a maneira de manusear o tabuleiro, como se fosse um tabuleiro de xadrez, é dividir os países que estão no centro. Não importa o que sejam, pode ser a União Soviética, pode ser a Rússia. Se a Rússia for dividida em três amanhã, então eles vão tentar dividi-la em dez partes, porque essa área nunca pode ser unida uma com a outra, porque ela gera sua própria dinâmica. Se alguém fosse marxista, eu diria que ele gera materialmente sua própria estrutura de poder, dominando os meios de produção, a partir da união das matérias-primas daquela zona central, com a população que vem da Ásia e a indústria que vem de lá. Europa. .

A política norte-americana foi construída com base em parar aquele centro do mundo. Eles queriam lutar por aquele centro do mundo na Segunda Guerra Mundial, a Alemanha com sua expansão para o Leste e a União Soviética. Neste momento isso se repete e se alguém perguntar por que a Ucrânia em particular ocupa esse papel, é porque é a chave que dá a saída geopolítica ao país que ocupa o território do coração continental. Neste caso, a Rússia. A saída da Rússia é para a Ásia ou para a Europa. Se for cercado e eles colocarem uma Ucrânia anti-russa, Bielorrússia e Estados Bálticos, a Rússia não terá mais uma saída política para esse lado e será forçada a fazê-lo em direção a outro. Forçado também significa fazer guerras, fazer expansão territorial onde quer que haja espaço.

Os poderes sempre tendem a se expandir e, se você controlar onde conectar a expansão, ela seguirá do jeito que você deseja. Obviamente, o sentido estratégico dos Estados Unidos é bloquear a Rússia de todos os lados para que não haja expansão possível. Bem, quando não há expansão possível, a expansão necessariamente ocorrerá para dentro na forma de guerra civil. As forças centrífugas de expansão tornam-se centrípetas, vão para dentro, brigam com o poder central e o rompem para que haja mais poder – agora fragmentado – para distribuir entre os atores da própria população que tende a se expandir.

Os Estados Unidos leram bem esse tabuleiro de xadrez geopolítico e sabiam que a maneira de deter a União Soviética e a Rússia era fragmentar a Europa Oriental. Todos os antigos países da Cortina de Ferro assimilados ao Ocidente como uma almofada geopolítica para deter a Rússia. Falamos principalmente da Polônia, Hungria, Tchecoslováquia e Estados Bálticos, e Geórgia (que foi o primeiro país a passar da órbita soviética para a ocidental) como um estado-tampão no Cáucaso. E agora os objetivos eram somar a Ucrânia e a Bielorrússia. A Ucrânia já havia passado pela revolução colorida em 2014, e a Bielorrússia já havia tentado várias vezes “revolucioná-la” ., o último ano passado. Pois bem, a Rússia também sabia ler o tabuleiro de xadrez geopolítico e por isso decidiu “abrir o jogo” contra o globalismo, mas agora em seus próprios termos.

Fonte: https://nomos.com.ar/2022/03/18/un-pueblo-tiene-el-imperativo-de-seguir-existiendo/

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.