Etnossociologia da Ucrânia no Contexto da Operação Militar

Etnossociologia da Ucrânia no Contexto da Operação Militar

Por Alexander Dugin

Tradução Guilherme Fernandes

A plena compreensão da operação militar especial na Ucrânia exige uma explicação prévia: do que se trata, no sentido mais amplo da palavra? Os conceitos de “nação”, “nacionalidade”, “povo”, “etnia” são totalmente confusos e, portanto, os de “russos”, “ucranianos”, “pequenos russos”, etc. Em primeiro lugar, devemos dar um mapa etnossociológico e distribuir os conceitos com os quais operamos na análise desse conflito.

Principais categorias etnossociológicas

Recordemos os principais pontos da etnossociologia. A etnossociologia opera com os seguintes conceitos:

– etnia,

– povo,

– nação,

– sociedade civil.

Correspondem a diferentes tipos de empresas. O ethnos é o modo de vida mais arcaico, característico de comunidades pequenas, agrárias ou pastoris, nas quais não há divisão social ou vertical de classes. As relações dentro de um grupo étnico são estritamente horizontais e sua mentalidade é baseada em mitos. É uma sociedade arcaica com uma identidade coletiva.

Um povo é um grupo étnico que embarcou no caminho da história, construiu um Estado, fundou uma religião ou uma cultura própria. Quase sempre, um povo é formado por dois ou mais grupos étnicos, que se unem em uma estrutura abstrata. O povo tem uma divisão de classes e uma hierarquia, uma vertical de poder. É uma sociedade tradicional. A identidade aqui é coletiva e distingue-se pelos espólios. A maior conquista histórica de um povo é a criação de um Império.

A nação só surge nos tempos modernos na sociedade burguesa. Uma nação é uma comunidade artificial baseada na identidade individual. As nações surgiram na Europa nos tempos modernos. Aqui a hierarquia social é baseada no princípio da riqueza material. Este é o tipo de sociedade característico da primeira modernidade.

A sociedade civil emerge à medida que a nação transita para o Mundo Único e Governo Mundial. A sociedade civil manifesta-se plenamente no globalismo. Tem a mesma identidade individual que uma nação, mas sem fronteiras nacionais. A sociedade civil toma forma dentro das nações e estados burgueses, mas gradualmente supera sua estrutura e adquire um caráter global. Aqui a identidade nacional artificial é suprimida e o individualismo torna-se global. Historicamente, a sociedade civil é característica da era moderna tardia e pós-moderna.

Os eslavos orientais tornam-se um povo

Agora vamos aplicar esse aparato conceitual ao conflito ucraniano.

Quem são os russos? Essa pergunta não é tão simples quanto parece à primeira vista. Também requer esclarecimentos do ponto de vista etnossociológico.

Os eslavos orientais eram aquelas tribos que estavam em status étnico, que foram integradas à antiga Rússia sob a liderança de uma elite principesca militante. Na realidade, essa elite propriamente dita, de origem varego-sármata, foi chamada de “Rus”, embora não se possa descartar a presença de famílias principescas e aristocráticas dos eslavos polabianos (Bodrichi e Lutichi). Os eslavos orientais tornaram-se a principal população da antiga Rus: daí o nome “russos” e também “russos”. Da mesma forma, os gauleses romanizados, conquistados pela tribo germânica dos francos, começaram a se chamar “franceses”.

Uma cidade é formada no antigo estado da Rus’ com seu centro em Kiev. A elite que a compõe mantém sua identidade, mas adota a língua da maioria da população, composta por eslavos orientais. O grupo étnico (tribos eslavas orientais) torna-se um povo.

É característico que, junto com o povo, Kievan Rus adquira outros atributos:

– Estado,

– religião (no início – por um curto período – paganismo reformado, depois – de forma constante – ortodoxia),

– cultura (escrita, crônica, educação, etc.).

Os eslavos orientais ficam na história.

A divisão dos eslavos orientais

Isto é seguido por toda uma série de processos históricos no decorrer dos quais a própria Rússia de Kiev perde sua unidade. Os eslavos orientais são divididos, mas não por tribos, mas por territórios, que muitas vezes têm destinos diferentes. Não se trata de uma desintegração em formações étnicas pré-estatais, mas da divisão de um povo já unido, o de Kiev. O destino desses ramos é determinado pelo destino das lutas principescas e processos políticos em torno da Rus’.

Assim, pouco a pouco, os grandes russos do ramo oriental dos eslavos orientais são formados. Eles são os russos dos principados orientais – Vladimir, Ryazan, etc. Ao mesmo tempo, eles também incluem vários grupos fino-úgricos e turcos. Os príncipes de Vladimir competem ferozmente com os ocidentais pelo trono do Grão-Duque de Kiev (!), e em algum momento eles conseguem. Mais tarde, eles transferem o trono para Vladimir e depois para Moscou. Gradualmente, na parte oriental da Rússia (também na antiga periferia nordeste!) e no norte russo, está se formando um dos ramos dos eslavos orientais, ou seja, o povo da Rússia de Kiev. Eles às vezes são chamados vagamente de “russos”, embora seja mais preciso usar o termo “grandes russos”,

Esta parte ocidental dos eslavos orientais, ou seja, o único povo russo ortodoxo do Grão-Ducado de Kiev, é dividida em dois ramos: noroeste e sudoeste. Os russos do noroeste tornam-se bielorrussos, pois essa parte da Rússia foi chamada de Belaya (branca). Os russos do sudoeste serão mais tarde chamados de pequenos russos, embora este termo seja entendido tanto de forma ampla (incluindo as terras galegas-Volyn) quanto de forma restrita (em relação à Ucrânia central). É importante notar que não são tribos, mas partes de um único povo, divididas segundo critérios políticos e históricos.

Gradualmente, os três ramos dos eslavos orientais (os futuros grandes russos, pequenos russos e bielorrussos) perdem a soberania (um poder principesco independente, sempre reconhecendo a antiguidade dos grão-duques) e se encontram dentro de outras entidades políticas mais fortes.

Os futuros bielorrussos, e depois os pequenos russos, encontram-se na estrutura do Grão-Ducado da Lituânia e após a união – como parte do reino polaco-lituano.

Aqueles que serão chamados de grão-russos mantêm o status de grão-ducal em Vladimir, e mais tarde em Moscou, e são diretamente subservientes à Horda Dourada.

Aqui começa uma séria divisão do destino dos eslavos orientais. Três ramos do mesmo povo (não um grupo étnico!) estão em sistemas políticos diferentes.

Diferença de destinos e perda do status de Estado

Os Grandes Russos mantêm o poder dos Grão-Duques e a identidade ortodoxa, que os Khans da Horda Dourada, fiéis ao princípio da tolerância religiosa de Genghis Khan, não invadem.

Bielorrussos e pequenos russos se encontram no estado católico europeu, o que coloca os ortodoxos em pé de igualdade. Assim, a elite principesca e militar é gradualmente integrada à nobreza polonesa, e a população rural permanece na posição de “cismáticos orientais”. A parte ocidental dos eslavos orientais está perdendo a condição de Estado, mas mantém ferozmente a fé, a língua e a cultura ortodoxas.

E embora os pequenos russos e os bielorrussos façam parte de um único povo – Kiev (!) -, eles são privados do sinal mais importante do povo: a condição de Estado. Isso torna sua posição no estado polaco-lituano próxima à de um grupo étnico oprimido.

Mais tarde, parte dos eslavos do sudeste ficou sob o domínio do Império Otomano e do Estado dos Habsburgos (Império Austríaco). Isso obscurece ainda mais a identidade das pessoas e as divide, reduzindo-as ao status de um grupo étnico.

A política desses estados, que incluíam a parte ocidental dos eslavos orientais, era diferente de acordo com os países e épocas. O Grão-Ducado da Lituânia, antes da união com a Polônia católica, era pagão e vários príncipes eram muito ortodoxos. Assim, os príncipes e boiardos da Rússia Ocidental, e a população rural, não foram submetidos a nenhuma pressão e se sentiram como se estivessem em seu próprio estado, onde os eslavos ortodoxos constituíam a grande maioria da população e uma parte significativa da população. população. elite. Em algum momento, a balança pode se inclinar para a adoção da Ortodoxia pela nobreza lituana. Assim, os russos ocidentais poderiam se tornar o povo axial do estado báltico-eslavo.

Após a união com a Polônia e uma forte virada para o catolicismo, a situação começou a se deteriorar gradualmente. Os russos perderam sua posição na elite, sua superioridade numérica e sua liberdade de religião. Tornaram-se parte de um povo diferente, o polaco-lituano, com uma orientação católica e europeia diferente. Nesse período, surgiu o uniatismo, ou seja, as tentativas de unir os ortodoxos aos católicos, mantendo o rito e reconhecendo a primazia do Papa. Isso permitiu que os eslavos orientais do reino polaco-lituano se integrassem mais plenamente ao estado. A conversão direta ao catolicismo era ainda mais preferível para este propósito. Mas a grande maioria dos ancestrais dos pequenos russos e bielorrussos permaneceram fiéis à ortodoxia, firmemente a sua identidade religiosa e cultural. Nisso, eles permaneceram fiéis à escolha única de todos os eslavos orientais no momento do batismo da Rússia pelo santo grão-duque Vladimir.

No entanto, a Ortodoxia na Rússia Ocidental, em contraste com a Rússia moscovita, estava em uma condição diferente. A proximidade com os católicos e sua política agressiva de proselitismo não poderia deixar de influenciar a religião ortodoxa, que aos poucos absorveu as influências ocidentais. Além disso, a Ortodoxia tornou-se parte da cultura camponesa, tendo absorvido muitos elementos folclóricos locais. Em geral, a identidade religiosa dos grandes russos, por um lado, e dos pequenos russos e bielorrussos, por outro, tendo permanecido em seu núcleo, começou a diferir um pouco.

De qualquer forma, os pequenos russos e bielorrussos se viram fora de seu estado e, sob o domínio de outros governantes, tornaram-se uma minoria étnica e religiosa, a menos, é claro, que optassem por mudar sua identidade em favor do catolicismo.

Os Grandes Russos criam um Império e retomam a Rússia de Kiev do Ocidente

O destino dos grandes russos assume uma forma diferente. Quando a Horda Dourada enfraqueceu, eles novamente fortaleceram sua independência e começaram a construir um estado soberano, começando por manter o status de grão-ducal de Moscou, para onde a cadeira dos metropolitanos de Kiev (ou seja, o centro da religião) foi transferida de Vladimir, e antes de Kiev. Assim, os grandes russos começaram a construir a Rus moscovita, incluindo, à medida que se fortalecia, novos grupos étnicos e fragmentos dos povos da Horda Dourada.

No final, os Grandes Russos tornaram-se um Império Mundial de pleno direito.

À medida que se fortaleceu, o reino moscovita começou a conquistar os territórios da Rússia de Kiev do reino polaco-lituano. Assim, os grupos separados da parte ocidental dos eslavos orientais retornaram a um estado russo de pleno direito. Mantiveram suas línguas e seus antigos padrões culturais, bem como alguns traços adquiridos durante o tempo de vida “sob os católicos”, embora em geral mantivessem a Ortodoxia e, por isso, começaram a ser percebidos como algo diferente dos grandes russos . Mas no estado moscovita eles receberam um novo status de grupos étnicos, que podiam se unir livremente ao povo ou manter suas próprias características. Os próprios grandes russos eram comunidades agrárias, enquanto a elite era qualitativamente diferente deles. Portanto, bielorrussos comuns e pequenos russos tornaram-se a mesma população rural que o campesinato da Grande Rússia. E a alta burguesia (aristocracia militar) veio para servir o czar russo.

Um caso especial foram as comunidades cossacas do sul da Rússia, que preservaram a maneira dos povos nômades militares da estepe.

A Rússia moscovita, nas campanhas ocidentais, começou a unir todos os eslavos orientais em um único estado, restaurando assim, territorial e etnicamente, a Rússia de Kiev, apenas significativamente suplementada pelas terras orientais conquistadas por Moscou.

Libertação da Ucrânia: etapas

No século XVII, o Kozakdom Zaporozhian, sob a liderança de Hetman Bogdan Khmelnitsky, revoltou-se contra os poloneses e, na Pereyaslavl Rada (1654), decidiu se juntar ao reino moscovita.

Em 1667, o czar Alexei Mikhailovich conclui a Trégua de Andrusovo com a Comunidade Polaco-Lituana. A Rússia recebe a Ucrânia da margem esquerda. A “Paz Eterna” de 1686 atribui esses territórios à Rússia, bem como a cidadania do Exército Zaporizhiano. Além disso, Moscou resgata Kiev, que as tropas russas mantêm desde 1654.

Mais tarde, durante as guerras russo-turcas, a Rússia, já com o status de Império, conquista os vastos territórios do atual sul da Ucrânia e da Crimeia. Essas terras recém-adquiridas são chamadas de Novorossiya. Cada nova guerra com a Turquia amplia o território do Mar Negro sob o controle da Rússia. Uma parte significativa da terra é colonizada por camponeses da Grande Rússia das regiões centrais da Rússia.

Em 1775, o exército saporiferiano localizado na região do Baixo Dnieper é liquidado. Uma parte dos cossacos dirigiu-se para a Turquia e a outra foi transferida para o norte do Cáucaso, tornando-se a base do exército cossaco de Kuban. As antigas terras militares ainda são povoadas por camponeses da Pequena Rússia e da Grande Rússia. As cidades fundadas pelos czares russos nos novos territórios: Mariupol, Yekaterinoslav (Dnepropetrovsk), Odessa, etc. eles são povoados por representantes de diferentes grupos étnicos do Império.

Em 1793, durante a segunda divisão da Comunidade Polaco-Lituana (Estado Polonês), a Rússia integrou a Ucrânia da margem direita e a Podolia em seus territórios. Na terceira partição -em 1795- Volyn. Apenas a Galiza e a Rus subcarpática permanecem fora da Rússia. Assim, a maior parte do ramo sudoeste dos eslavos orientais está em um único estado, juntamente com os grandes russos e os bielorrussos, também incluídos na Rússia quando a Lituânia foi capturada e depois na Polônia.

Ao mesmo tempo, durante esses períodos, o estado da Bielorrússia e da Ucrânia não existia. Os principados medievais da Rússia ocidental foram incapazes de manter sua independência e foram subjugados e dissolvidos pelos lituanos, poloneses e húngaros. Eles foram preservados no status de um grupo étnico no contexto de outros povos. A Rússia devolveu a eles um estado soberano eslavo oriental (russo no sentido amplo da palavra) com uma religião ortodoxa e vastos territórios. Eles poderiam permanecer grupos étnicos ou fundir-se com o povo unido do Império.

Isso colocou os bielorrussos e os pequenos russos diante de uma escolha que permaneceu e permanece em aberto até hoje. Alguns podem aceitar e se fundir com a identidade totalmente russa (estatal, imperial), enquanto outros podem optar por manter sua identidade étnica, incluindo os dialetos linguísticos comuns na Rússia Ocidental. As comunidades camponesas costumavam fazer isso, embora também tivessem acesso total aos vastos territórios da Rússia (na medida em que os camponeses eram livres em todo o estado russo e seu status mudava em diferentes momentos). De qualquer forma, havia muitos colonos não russos na Rússia central e no sul da Sibéria, que na época czarista era chamada de “Ucrânia Cinzenta”, onde uma parte significativa da população tinha raízes não russas.

Os territórios da Galiza, Bucovina do Norte e Rus dos Cárpatos permaneceram por mais tempo fora do contexto totalmente russo. Os dois primeiros, até 1918, foram incluídos na parte austríaca da Áustria-Hungria (Cisleitânia). Transcarpathia era terra da coroa húngara (Transleitânia). Após a Primeira Guerra Mundial, a Galícia e a Volínia, que eram russas desde o final do século XVIII, tornaram-se parte da Polônia renascida. O norte da Bucovina tornou-se parte da Romênia e a Transcarpácia entrou na Tchecoslováquia.

Essas terras (exceto a Transcarpácia) foram reunidas com o resto da Rússia apenas antes da Grande Guerra Patriótica e a Transcarpácia em 1945. Então, na própria Rússia havia um regime bolchevique. Portanto, os ocidentais ucranianos modernos conheciam apenas uma Rússia, a soviética, cuja atitude em relação a ela – devido às características totalitárias do regime bolchevique – era ambígua e às vezes até diretamente negativa.

Nacionalismo ucraniano como uma construção artificial

Passemos agora aos tempos mais modernos, quando começa a formação das nações políticas na Europa. Esse processo na Europa Oriental, e mais ainda na Rússia, ocorreu com um atraso significativo, assim como as reformas burguesas em geral. A criação de coletivos políticos com uma identidade fictícia baseada na cidadania individual ocorreu muito mais lentamente do que na Europa. Na Rússia havia um Império e um povo, assim como numerosos grupos étnicos que preferiam não se integrar plenamente ao povo e preservar suas estruturas mais arcaicas. Este foi o caso não apenas dos povos da Sibéria ou do Norte, mas também do Cáucaso, da Ásia Central e até das regiões ocidentais dos eslavos orientais. No entanto, o modo de vida étnico foi amplamente preservado pelas comunidades camponesas da Grande Rússia,

Dadas as contradições políticas entre o Império Russo e a Europa Ocidental, o processo de construção artificial da nação tornou-se uma ferramenta política. De acordo com esse princípio, as potências ocidentais, elas próprias nações, destruíram seus oponentes: a Turquia otomana, a Áustria-Hungria e o Império Russo. Assim, o nacionalismo surgiu no contexto da Rússia. Mas suas várias formas em diferentes contextos étnicos e territoriais eram qualitativamente diferentes. Assim, a Polônia tentou se tornar independente com base em sua história: afinal, uma vez que não era apenas independente da Rússia, mas estava em seu nível, e até a superou, até a captura de Moscou pelos poloneses nos Tempos Difíceis. O nacionalismo polonês foi baseado em uma fase histórica em que os poloneses eram um povo de pleno direito – eslavo ocidental e católico – (estritamente no sentido etnossociológico). O nacionalismo dos grupos étnicos turcos, muito menos educados que os poloneses, atraía a Horda Dourada e os fabulosos heróis das potências da estepe.

Mas o nacionalismo ucraniano que surgiu no final do século 19 era ainda mais artificial e infundado do que outras versões dentro do Império Russo. Foi promovido principalmente pelos poloneses, na esperança de colocar os ucranianos contra os grandes russos, ganhar um aliado na luta contra a Rússia e, a longo prazo, restaurar seu domínio sobre a Rússia ocidental. Os poloneses participaram ativamente na criação de uma “língua ucraniana” igualmente artificial, saturada de polonismos. Ao mesmo tempo, na ausência de pelo menos algum análogo do estado político dos eslavos ocidentais na história, a nação foi inventada do zero com base não na cultura real da Pequena Rússia, mas em invenções completamente ridículas.

As autoridades da Áustria-Hungria também contribuíram para a criação do nacionalismo ucraniano, tentando usá-lo, por um lado, contra os poloneses da Galiza e, por outro, contra a Rússia.

O nacionalismo ucraniano rapidamente começou a tomar forma na época do colapso do Império Russo, mas esses foram os primeiros passos, incomparáveis ​​com o nacionalismo polonês. Em certo sentido, a “identidade ucraniana” nada mais era do que uma ferramenta do nacionalismo polonês em sua luta contra a Rússia. No confronto geopolítico entre a Rússia e o Ocidente, esse nacionalismo e, consequentemente, o projeto de criação de uma “nação ucraniana” foi envolvido, entre outros, pelo Império Britânico durante a Guerra Civil, quando Halford Mackinder, o fundador da geopolítica, foi o Alto Comissário da Entente para a Ucrânia.

O lugar da “nação” no dogma bolchevique

A tomada do poder pelos bolcheviques na Rússia e a expansão de seu poder sobre quase todos os seus territórios, incluindo a Ucrânia, colocaram a questão da “nação” em um novo contexto teórico.

Na teoria marxista, a era das nações burguesas deveria ser substituída por um sistema capitalista unido e uma sociedade civil global correspondente às suas fases avançadas. Isso criou as condições para o internacionalismo. Mas, ao contrário dos liberais, os marxistas acreditavam que, após o triunfo do globalismo capitalista, chegaria a era das revoluções proletárias, quando a classe trabalhadora internacional derrubaria o poder igualmente internacional do capital. Marx concebeu o comunismo como a próxima fase após a era em que a sociedade civil se tornaria global e não deveria haver mais grupos étnicos, povos e nações. Assim foi na teoria.

Na prática, os bolcheviques tomaram o poder em um império pré-capitalista, quase medieval, onde o principal era o povo russo (no sentido etnossociológico), com inúmeras etnias com uma visão de mundo arcaica e uma religião profundamente enraizada. Ninguém tinha uma nação. E a modernização e europeização da elite imperial foi superficial e superficial. As transformações capitalistas também foram fragmentárias e a grande maioria da população era camponesa. Assim, Marx descartou a possibilidade de uma revolução proletária na Rússia: ela não se tornou um país suficientemente capitalista e, além disso, o capitalismo não revelou plenamente seu potencial global. Mas os bolcheviques, apesar de tudo, tomaram o poder e tentaram mantê-lo a qualquer custo. Isso os obrigou a optar por construções teóricas extravagantes.

Os bolcheviques e a questão ucraniana

Numa primeira fase, os bolcheviques apoiaram o nacionalismo ucraniano, vendo-o como um aliado natural na luta contra o Império, contra o “tsarismo”. Isso estava de acordo com a parte do marxismo que sustentava que todas as sociedades deveriam passar pela fase capitalista e formar nações e depois superá-las. Os ucranianos não eram uma nação, nem uma sociedade capitalista, nem um estado, mas faziam parte do povo do Império Russo, preservando traços culturais étnicos em alguns setores. Portanto, os bolcheviques tiveram que inventar a Ucrânia para inseri-la com grande exagero em sua teoria do progresso socioeconômico.

Depois de tomar o poder, os bolcheviques mudaram radicalmente sua atitude em relação à Ucrânia. Agora, a presença de um estado ucraniano ia contra os interesses dos bolcheviques. Assim, eles anunciaram que o capitalismo já havia sido construído na Ucrânia, a nação ucraniana havia sido criada, vivera o suficiente e agora estava pronta para entrar conscientemente na era pós-nacional do internacionalismo proletário. No entanto, por algum tempo nas décadas de 1920 e 1930, o discurso internacionalista foi combinado com a “ucranização”, ou seja, a imposição forçada da língua e da cultura ucraniana a toda a população que estava no quadro da Ucrânia soviética. Foi assim que surgiu o território da Ucrânia moderna,

A RSS ucraniana e seus componentes

Lenin uniu-se na República Socialista Soviética da Ucrânia

– o território do cossaco Hetmania, que jurou fidelidade ao reino russo em 1654;

– as regiões de Kiev e Chernihiv, conquistadas aos poloneses por Alexei Mikhailovich em 1667, que se tornaram parte do Hetmanato autônomo (Pequena Rússia) dentro da Rússia;

– Nova Rússia (de Zaporozhye a Odessa), conquistada ao Império Otomano por Catarina, a Grande;

– Ucrânia na margem direita, integrada ao Império Russo pela própria Catarina após as partições da Polônia;

– Terras principalmente russas (povoadas por grandes russos e pequenos russos): Slobozhanshchina (Kharkov) e Donbass.

Na véspera da Grande Guerra Patriótica, a URSS integrou Volyn Ucrânia e Galícia, norte da Bucovina, norte da Bessarábia e sul da Bessarábia (estas últimas fizeram parte do Império Russo de 1812 até seu colapso). Em 1945, o território da Rus Subcarpathian também foi adicionado, habitado por outro ramo dos eslavos orientais – os russos.

Mais tarde, em 1954, Khrushchev acrescentou a Crimeia.

Como ninguém iria construir uma nação de pleno direito na Ucrânia socialista (de acordo com a ideologia dos bolcheviques, foi no passado capitalista – embora não por muito tempo), toda a população era considerada uma seção padrão de um único povo .Soviético. Os bolcheviques lutaram implacavelmente contra o “nacionalismo burguês”.

Fonte: https://www.geopolitica.ru/es/article/etnosociologia-de-ucrania-en-el-contexto-de-la-operacion-militar

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.