O tempo passou novamente na Rússia

O tempo passou novamente na Rússia

Por Alexandre Dugin

Tradução de Guilherme Fernandes / Resistência Sulista

A Operação Especial Z lançada pelo governo russo não se limita à desmilitarização e desnazificação da Ucrânia ou à proteção dos russos no Donbass e à defesa da soberania russa. É antes uma reafirmação da nossa essência e uma tentativa de retorno à Eternidade: somos a Terceira Roma, um Grande Império Cristão que tenta impedir que o mundo afunda no abismo.

A esfera de Florensky

A realidade pode ser observada de dois ângulos diferentes. Imaginemos uma esfera transparente que tem um relógio no meio: se olharmos para o relógio de baixo vemos como está dando as horas, mas se o vemos de cima parece que dá mais uma hora. Então, podemos nos perguntar, que horas o relógio está correndo? Os ponteiros do relógio vão para um lado ou dois? Padre Pavel Florensky usou este exemplo para ilustrar uma figura geométrica que explicaria a existência de “números imaginários” como io a raiz de -1. Foi a partir dessas operações matemáticas que Florensky deduziu a localização do inferno e a ascensão vertical de Dante (eu subestimei muito Florensky e lamento).

O mesmo ponteiro do relógio, visto de dois ângulos diferentes, pode se mover simultaneamente em duas direções diferentes. Portanto, o intelecto espiritual e o intelecto material vêem as coisas de ângulos completamente diferentes. Ambos podem observar a mesma coisa, mas seu quadro de referência é completamente diferente. Uma das duas maneiras de ver a realidade é verdadeira e a outra é imaginária (como o número i). No entanto, a realidade continua sendo uma.

Dois pontos de vista: uma realidade

A realidade é uma estrutura lógica que foi ordenada do ponto de vista espiritual, pois cada elemento tem um significado e um conteúdo intelectual que pode ser captado pela linguagem. Quando observamos as coisas usando a mente material, tudo parece invertido: o mundo se torna um conjunto indefinido que só faz sentido muito lentamente. A mente espiritual observa a realidade como uma sucessão de cadeias caóticas e fractais ou constelações aleatórias piscando e emergindo que oscilam sem sentido (um vazio negro). É um tipo de linguagem turva que pode ser facilmente confundida com intoxicação alcoólica ou uma nuvem escura criada pelo uso de narcóticos. Os oligofrênicos (e provavelmente os peixes) vivem em tal estado sem a necessidade de tomar drogas,

as manchas

A mente material apenas capta realidades falsas. Quando tenta penetrar na realidade, só vê pontos embaçados. A economia é a ciência por excelência das manchas, pois não analisa as causas reais e não explica a realidade das coisas. A única coisa que ele observa são fragmentos de objetos que se desintegram e se misturam caoticamente com o dinheiro. Posteriormente, a economia proclama essas “leis” de um universo em crise. A economia não é apenas um produto da imaginação, mas também não existe como ciência independente: é uma aberração resultante de um delírio nascido de um modo particular de ver as coisas.

Se queremos entender o quão dramáticos e extremamente preocupantes são os acontecimentos atuais, devemos olhar o mundo por outro ângulo, o que significa deixar de lado os fragmentos materiais e o imaginário criado por buracos negros como o materialismo e o economicismo. Só assim entenderemos o que realmente está acontecendo.

Como ficar sóbrio

Não há evento mais lógico e coerente do que a invasão russa da Ucrânia. No entanto, para compreender tal evento é necessário abandonar qualquer explicação semi materialista – materialista! – que tenta explicar uma realidade quebrada – através de opiáceos e drogas – que tentamos dar sentido através do preço do gás, o sistema SWIFT, aviões de carga, vazamentos de Galkin, o surgimento de laboratórios biológicos, o envenenamento de porcos por agentes da CIA ou a roubo de DNA de eslavos para experimentos questionáveis… Todas essas explicações são apenas fragmentos de uma realidade muito maior. Claro, isso não quer dizer que essas coisas não estejam acontecendo, mas individualmente elas não explicam o que está acontecendo agora: são apenas trechos sem conteúdo.

O problema está no fato de que, uma vez que a calmaria chega, não percebemos o quão fundo caímos e o quanto afundamos no meio da lama que nos cerca. No entanto, o mundo tornou-se bastante turbulento e é improvável que as coisas voltem a ser como eram antes. Portanto, chegou a hora de observar não apenas o mundo, mas também a história, os povos e os Estados a partir de um ponto de vista – não imaginário – da realidade.

A ideia da Rússia e dos ciclos cósmicos

De uma perspectiva espiritual (ou seja, olhando a realidade de cima), podemos dizer que a Rússia é um fenômeno imaterial e intelectual. A Rússia é uma Ideia e, após o fim do comunismo – no final do século 20 – vimos como o renascimento da Rússia Eterna nada mais foi do que uma tentativa de transformar espiritualmente o mundo e superar o materialismo. É claro que o destino da Rússia é cumprir um dos papéis mais importantes da história sagrada: ser o “katechon”, o Retentor (τό κατέχον). Esse papel de ser o “Guardião” (ὀ κατέχων), o Sustentador do mundo, não foi preenchido por mais ninguém, ou melhor, sempre nos foi reservado (“o trono sempre foi preparado”, edmásia). Era necessário que o Homem do Destino reparasse a Arca Russa e nos conduzisse à Última Batalha. Nosso país foi criado para participar desta Última Batalha e todas as nossas guerras e vitórias ao longo da história não passam de preparativos para isso. Claro, essa luta envolve o seguinte:

  • Romper completamente com o Ocidente, pois é a civilização do Inimigo, do Enganador, do Anticristo;
  • Retorno aos valores russos e à sagrada missão da Rússia;
  • Criar um estado autônomo e soberano que não tenha nada a ver com o Ocidente (capitalismo, democracia, parlamentarismo, direitos humanos, tecnologia cibernética, ideologia de gênero etc.)
  • Construir uma sociedade baseada na Quarta Teoria Política (4PT) que gira em torno da Igreja, do Império, do Povo e da Justiça.

Agora que a Rússia recuperou sua essência após o fim do comunismo, não podemos negar que somos um estado continental e um império que deve ser unificado através do eurasianismo. A Providência nunca quis que fôssemos uma república liberal. No entanto, devemos assumir a missão para a qual Deus nos criou. O demônio estava sempre nos observando, atento e pronto para nos desviar do nosso caminho.

Mas agora que estamos de pé novamente (primeiro espiritualmente e depois materialmente), somos mais uma vez confrontados com o Ocidente (a “civilização do Anticristo”) que se tornou cada vez mais abertamente satânico: destruição de gênero e família, dominação total de Inteligência, degeneração moral, ascensão de filosofias perversas como o Pós-modernismo ou a Ontologia Orientada a Objetos, etc. e artistas que vivem em nossa terra natal desde o nosso nascimento. Nosso dever é seguir esse caminho, especialmente agora que os ponteiros do relógio começaram a girar novamente.

O fracasso da guerra contra a Rússia

No entanto, não só perdemos o rumo, como acabamos desmoronando, caindo muito baixo e afundando nas entranhas de uma sub-realidade difusa. Mas agora nos recuperamos: começamos a ascender, embora ainda estejamos presos no mundo imaginário que o materialismo criou.

Durante muito tempo fomos cativados pelo Ocidente e tudo o que fazíamos era copiar e cultuar servilmente tudo o que vinha de lá (liberalismo, reformismo, Yeltsin, década de 1990). Naquela época, nos recusamos a voltar às nossas raízes e tentamos preencher esse vazio abraçando o cosmopolitismo e a russofobia. Tudo o que era autenticamente russo era rotulado de “marrom vermelho”, enquanto o liberalismo, o pós-modernismo e a “modernização” eram exaltados (o Ocidente era considerado o pináculo da Modernidade).

Após a queda do comunismo, adiamos a construção de um Estado soberano e tentamos nos integrar ao Ocidente. Com isso, lamentavelmente, renunciamos à nossa independência em favor de sermos dominados por potências estrangeiras. Tudo isso levou à destruição das melhores realizações da sociedade soviética, à pilhagem indiscriminada de nossos recursos e à imitação acrítica do sistema político, social, econômico e cultural ocidental.

O colapso da URSS não levou ao renascimento da Rússia-Eurásia como um único Estado e um Grande Império dentro de um mundo multipolar, mas à construção de imitações horríveis da sociedade ocidental. Enquanto isso, o Ocidente apoiou todos os tipos de movimentos nacionalistas e até nazistas no espaço pós-soviético, com exceção da Rússia, onde não havia identidade nacional, mas imperial. Todos esses nacionalismos (que também existiam na Rússia, embora em menor número) faziam parte da estratégia ocidental de destruir a unidade eurasiana (imperial) de nosso continente por dentro.

O problema foi que fizemos tudo o que não deveríamos fazer. Deixamos de lado o Espírito, reduzimos a realidade a simples manifestações materiais e até acabamos capitulando diante das corruptas potências ocidentais para conseguir algumas migalhas. A Rússia foi governada pelo diabo durante a década de 1990, nos tornamos a Anti-Rússia: tudo o que não deveríamos ter sido. E o espaço pós-soviético tornou-se anti-russo (não apenas a Ucrânia, mas também a Federação Russa).

Saindo da lama que nos cobriu

Foi nesse momento que Putin emergiu das profundezas da Anti-Rússia, porque era necessário que alguém como ele corrigisse o desvio histórico que estávamos vivenciando (o aparecimento do Katechon , o Retentor, o Homem do Destino). Claro, sua aparência não pode ser explicada pelo materialismo, especialmente se levarmos em conta que naquela época a sociedade e o governo eram dominados por influenciadores ocidentais, oligarcas corruptos e oportunistas degenerados, que eram o núcleo duro da elite russa. hoje todos eles continuam a ocupar cargos relevantes no governo russo). No entanto, Putin emergiu entre eles como uma espécie de tábua de salvação.

Foi a partir daí que começamos a sair do pântano que nos engoliu (embora parecesse que nada se movia, na verdade tudo mudava). A Rússia continuou a flertar com o liberalismo, o capitalismo, tentamos entrar na OMC, modernizar, implantar as redes de influência ocidental e até aceitar a cultura digital e pós-moderna. Em uma palavra, imitamos o Ocidente em tudo. O diabo governou a Rússia na década de 1990.

Putin aceitou que a Rússia era governada pelo diabo, mas com uma condição: a defesa da soberania. Foi uma contradição interna que acabou explodindo: os globalistas queriam que a soberania nacional diminuísse e não se fortalecesse. Assim começou um confronto que teve várias etapas: o discurso de Munique em 2007, a guerra do Cáucaso em 2008, Crimeia e Donbass em 2014 e, finalmente, a operação especial russa na Ucrânia em 2022.

operação especial Z

A operação militar especial na Ucrânia mais uma vez colocou a história em movimento. Putin vem restaurando o poder da Rússia, restaurando sua antiga grandeza. A soberania foi uma espécie de fio de Ariadne que Putin seguiu para sair do labirinto em que estávamos e é por isso que ele tem enfrentado cada vez mais o Ocidente. Enquanto a Rússia era governada pelo diabo, ninguém a levava a sério. Mas os eventos atuais mudaram essa percepção das coisas.

A Rússia escolheu um caminho nefasto em 1991 e todos os estados, culturas e povos sofreram por isso. Agora, muitas pessoas estão morrendo na Ucrânia porque a Rússia tomou uma decisão ruim em 1991. No entanto, as coisas começaram a mudar de forma abrupta e desesperada. O que estamos vendo nada mais é do que uma continuação da geopolítica e as consequências catastróficas de ignorá-la. É muito fácil tropeçar e cair como uma pedra, mas muito difícil levantar e voar como um pássaro. E é ainda muito mais difícil se tornar um anjo.

Levamos 22 anos para nos erguermos novamente. Estamos apenas começando a contemplar a esfera de Florensky, mas nossa consciência ainda está presa na prisão que o diabo construiu para nós: a Internet, o progresso, o desenvolvimento tecnológico, os preços do petróleo e do gás, as sanções, o liberalismo nas relações internacionais, o liberalismo e o capitalismo dogmas, etc… O Leviatã, furioso, começou a arrebatar seus presentes: Twitter, TikTok, Facebook, YouTube, marcas e acesso a sistemas de turismo, o fechamento de nossos gasodutos e o fechamento de nossos sistemas de pagamento, além de confiscar propriedades e capital detido por oligarcas pró-ocidentais no exterior. Os liberais acreditam que não poderemos continuar vivendo porque tudo isso nos foi tirado. Mas chegou a hora de darmos um passo adiante e olharmos a esfera de Florensky de cima. Qualquer tentativa de reproduzir na Rússia a diabólica civilização ocidental levará ao fracasso mais cedo ou mais tarde. É hora de nossa defesa da soberania se tornar uma defesa da civilização. Conseguimos sair do labirinto, mas nossa missão não acabou.

Sem a defesa da civilização, qualquer tentativa de defender a soberania falhará. Tentar criar uma réplica da civilização ocidental em um sexto da superfície do planeta (hoje seria ainda menos) é uma causa perdida. Tais tentativas nos levarão à derrota e nada mais são do que um truque malicioso do diabo. A soberania serviu-nos até agora para nos defendermos e foi a garantia da nossa independência. No entanto, é hora de continuar nosso caminho e deixar de lado, de uma vez por todas, a lama em que afundamos.

O que estamos vendo agora é o que tinha que acontecer: é o começo da Última Batalha entre Luz e Trevas, entre Eurásia e Atlântida, entre nós e eles. E essa luta não terminará com o fim da guerra na Ucrânia, pelo contrário, está apenas começando.

Talvez não seja bom antecipar eventos, mas a verdade é que o futuro sempre vem em primeiro lugar em nossas mentes. Só então os ponteiros do relógio darão a hora correta e veremos os ponteiros do relógio Florensky de cima.

Fonte: https://rebelioncontraelmundomoderno.wordpress.com/2022/03/15/el-tiempo-ha-vuelto-a-transcurrir-en-rusia/

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.