O Império contra-ataca? Entrevista de caliber.az com Alexander Dugin

O Império contra-ataca? Entrevista de caliber.az com Alexander Dugin

Por Matanat Nasibova
Tradução de Guilherme Fernandes

Entrevista com Alexander Dugin sobre a situação de guerra hibrida no Cazaquistão, pelo portal caliber.az

  • Alexander Dugin, você fez algumas declarações bastante duras sobre o Cazaquistão em uma entrevista recentemente feita a você no canal de televisão de Tsargrad (1), chegando mesmo a afirmar que “a Rússia é o garante da integridade territorial de todos os povos pós-soviéticos estados”, pois todas as ex-repúblicas soviéticas devem buscar o apoio da Rússia se não quiserem ser atacadas. Você está dizendo que os países que emergiram da URSS devem renunciar à sua soberania?
  • As ex-repúblicas soviéticas podem optar por manter sua soberania ou renunciar à sua integridade territorial. Acho que devemos mudar o conceito de soberania, pois vivemos em um mundo onde apenas Estados com enormes arsenais nucleares, grandes recursos demográficos ou naturais e vastos territórios podem ser soberanos. A soberania de outros estados muito menores depende inteiramente das relações que mantêm com os polos independentes, que são os únicos que têm soberania plena, livre e real. Hoje existem apenas três pólos independentes: os Estados Unidos e os países da OTAN (o Ocidente coletivo), a China (com seu poderio financeiro) e a Rússia (com seu poderio militar). Países como Irã, Paquistão e Índia estão lutando para se tornar polos independentes, mas nenhum conseguiu até agora. Os problemas que existem no espaço pós-soviético são realmente preocupantes e creio que chegámos à “hora da verdade”, ou seja, chegámos ao momento em que estas repúblicas têm de tomar uma decisão. A maioria dos estados que emergiram da URSS são estados falidos. Na realidade, todos eles emergiram dos restos fumegantes da União Soviética e, sob os auspícios do Ocidente, muitos começaram a perseguir uma política anti-russa. A Rússia continua sendo o principal inimigo geopolítico da civilização ocidental. É por isso que os estados pós-soviéticos seguem uma linha política esquizofrênica, onde ora olham para o Ocidente e ora para a Rússia. chegamos ao momento em que essas repúblicas têm de tomar uma decisão. A maioria dos estados que emergiram da URSS são estados falidos. Na realidade, todos eles emergiram dos restos fumegantes da União Soviética e, sob os auspícios do Ocidente, muitos começaram a perseguir uma política anti-russa. A Rússia continua sendo o principal inimigo geopolítico da civilização ocidental. É por isso que os estados pós-soviéticos seguem uma linha política esquizofrênica, onde ora olham para o Ocidente e ora para a Rússia. chegamos ao momento em que essas repúblicas têm de tomar uma decisão. A maioria dos estados que emergiram da URSS são estados falidos. Na realidade, todos eles emergiram dos restos fumegantes da União Soviética e, sob os auspícios do Ocidente, muitos começaram a perseguir uma política anti-russa. A Rússia continua sendo o principal inimigo geopolítico da civilização ocidental. É por isso que os estados pós-soviéticos seguem uma linha política esquizofrênica, onde ora olham para o Ocidente e ora para a Rússia. A Rússia continua sendo o principal inimigo geopolítico da civilização ocidental. É por isso que os estados pós-soviéticos seguem uma linha política esquizofrênica, onde ora olham para o Ocidente e ora para a Rússia. A Rússia continua sendo o principal inimigo geopolítico da civilização ocidental. É por isso que os estados pós-soviéticos seguem uma linha política esquizofrênica, onde ora olham para o Ocidente e ora para a Rússia.
  • A quais estados você se refere em particular?
  • Por favor, não me interrompa, estou tentando especificar a resposta para a pergunta. Tomemos o caso dos estados que compunham o bloco GUAM (Geórgia, Ucrânia, Moldávia e, inicialmente, Uzbequistão), todos eles abertamente pró-ocidentais. No entanto, as coisas começaram a mudar e o GUAM enfraqueceu, forçando os países da EAEC a gravitar em direção à Rússia. O problema foi que todos eles tentaram manter seus laços com o Ocidente por meio de uma política internacional multilateral que finalmente os levou a um beco sem saída. É hora dos atores que compõem o espaço pós-soviético decidirem. A China não é uma alternativa real à Rússia, porque ambos os países decidiram criar uma espécie de parceria estratégica que visa enfraquecer a influência do Ocidente. Rússia e China tornaram-se dois pólos antiocidentais e a verdadeira escolha está em ficar do lado da Rússia-China ou do Ocidente. Todos os estados do mundo enfrentam esse dilema. Os Estados que quiserem fazer parte da multipolaridade e seguir os passos da Rússia-China terão que fortalecer seus laços com esses polos em vez de tentar equilibrar influências tão díspares. Se um Estado quiser preservar sua soberania, terá que escolher o pólo para o qual deseja gravitar.

Agora, respondendo à última pergunta, podemos dizer que tanto a Geórgia quanto a Ucrânia tentaram preservar sua soberania mantendo relações com o Ocidente e ambas acabaram sofrendo enormes perdas territoriais.

  • Isso nos leva ao seguinte, por que a Rússia nunca apoiou o Azerbaijão nos últimos trinta anos? Durante todo esse período de tempo, a Armênia ocupou os territórios do Azerbaijão e a integridade territorial de nosso país foi violada repetidamente de acordo com os padrões do direito internacional.
  • Não gosto do jeito que você me faz essa pergunta, mas vou responder assim mesmo. A Armênia perdeu o controle de Karabakh porque decidiu se aproximar do Ocidente e, por essa razão, a Rússia deu luz verde para o Azerbaijão restaurar sua integridade territorial.

A Rússia sempre foi aliada de Baku e durante todos esses anos apoiou a integridade territorial do Azerbaijão. Claro que muitas coisas mudaram. Durante a década de 1990, a Rússia era governada pelos capangas de Yeltsin e naquela época seguíamos aqueles que nos contavam do exterior. Em vez disso, Putin fortaleceu nossa soberania e isso nos permite ter uma política externa coerente onde ajudamos nossos aliados e punimos nossos inimigos. Essa política em favor de nossos aliados se expressou, no caso do Azerbaijão, no fato de Putin apoiar a restauração da integridade territorial de seu país. Em vez disso, o governo de Nikol Pashinián foi punido. A Geórgia foi punida em 2008 e a Ucrânia em 2014.

O que realmente importa é que o ritmo desses eventos se acelerou. Putin começou a mudar e está farto de todos vacilarem. De fato, Putin disse a Lukashenko e Tokáev que “se vocês são nossos aliados, seguiremos esse caminho, mas se estiverem indecisos, digam agora. Teremos que chamá-los de outra coisa e vamos tratá-lo de maneira diferente”. Isso se aplica a todos os países ex-soviéticos. Todos aqueles que flertam com a OTAN e desejam se integrar ao Ocidente, deixando sua economia para ser dominada pelos britânicos e anglo-saxões, terão que enfrentar as consequências.

Considero o Azerbaijão um aliado estratégico muito importante para a Rússia e isso se expressa nas excelentes relações entre Aliyev e Putin, uma vez que nunca esfriaram. Agora chegou a hora de o Azerbaijão decidir se vai aderir às estruturas eurasianas, mas acho que Baku já tomou uma decisão. Este último é a minha opinião pessoal.

  • Sejamos claros, a Rússia convidou repetidamente o Azerbaijão para se juntar à UEE e ao CSTO.
  • Sim, é algo sobre o qual tem havido muito diálogo. Em muitas das reuniões diplomáticas russo-azeris foi afirmado mais de uma vez que Karabakh era o obstáculo que impedia nossa integração, mas esse problema já foi resolvido. Acredito que chegou a hora de nossos líderes decidirem em que condições, formas e sistemas essa integração ocorrerá. Havia muitas pessoas que temiam, começando pelos russos e pelos azeris, que a Armênia interferisse nesse processo. Mas os armênios aprenderam a lição depois do que aconteceu em Karabakh e finalmente entenderam que não podem ignorar a Rússia, pois isso acarreta grandes custos monetários. Pashinian aprendeu a lição e a partir de agora vai se comportar, especialmente porque ninguém quer uma guerra entre Armênia, Rússia, Azerbaijão ou Turquia.
  • Este último me lembra o ditado soviético “Tudo pela paz mundial”.
  • Para nada. Não queremos a paz mundial, pois ela é abstrata demais para se tornar realidade. O objetivo da Rússia é apenas garantir a paz no espaço pós-soviético.
  • Acho que você deixou esse ponto claro. Você ataca constantemente a política dos Estados Unidos e a maneira como ela opera no Cazaquistão, etc. No entanto, ele afirmou que “se a elite cazaque se recusar a realizar a integração eurasiana e seguir o mesmo curso de antes, as coisas só vão piorar”. Isso é uma ameaça ou um “aviso amigável”?
  • Acho que isso não se aplica apenas ao espaço pós-soviético, já que a Rússia é um polo soberano no mundo. A Rússia pune seus inimigos e apoia seus aliados, isso faz parte da criação do cinto de segurança. Vivemos todo esse tempo sob a unipolaridade americana, mas agora estamos caminhando para um mundo multipolar e a hegemonia e a influência dos Estados Unidos começaram a enfraquecer. No entanto, os Estados Unidos continuam a ser a força dominante em certas partes do mundo. Por exemplo, no Oriente Médio, e especialmente na Síria, os Estados Unidos tentaram desintegrar vários países, mas a Rússia se opôs a esse processo destrutivo e conseguiu detê-lo. A Rússia pode impedir ou permitir o colapso de muitos territórios. Ainda assim, existem muitas tendências desintegrantes e caóticas dentro de qualquer sociedade.
  • Como, por exemplo, na Armênia?
  • Sim, mas há outros casos. É necessário que a partir de agora se crie uma “estratégia racional” que seja capaz de levar em conta os interesses dos três polos independentes que existem. Neste momento, a China está se aproximando cada vez mais da Rússia, e isso é perfeitamente compreensível. Poderíamos dizer que hoje existe um pólo dual sino-russo que se opõe à unipolaridade e que aos poucos está dando origem à multipolaridade.
  • Você acha que a Rússia e a China serão capazes de desafiar os Estados Unidos e os países da OTAN?
  • Isso já é um fato. Por exemplo, quando os turcos derrubaram um avião russo na Síria, uma guerra quase estourou. Além disso, a integridade territorial da Turquia e o destino da população curda estão em nossa agenda geopolítica. E isso ficou claro quando os americanos tentaram derrubar Erdogan. A Rússia apoiou Erdogan e depois os Estados Unidos começaram a ajudar os separatistas curdos no norte do Iraque, Síria e Turquia. Metade da Turquia é habitada por curdos e isso ameaça a integridade territorial de todo o país. Enquanto Ancara for um aliado de Moscou, os turcos não têm nada a temer, pois juntos podemos contrariar os planos americanos de usar o separatismo curdo a seu favor. No entanto, se Ancara decidir lutar contra Moscou, tudo pode mudar.
  • Não é segredo que a Rússia quer que a Turquia faça parte da UEE. No entanto, não está claro se os turcos querem fazer parte disso.
  • A Turquia está interessada neste projeto e eu sei disso porque estou em contato com vários líderes turcos que estão procurando novas alternativas. Erdogan cortou todos os seus laços com o Ocidente e percebeu que a Europa está morrendo, tem cada vez menos poder e exerce uma influência desastrosa sobre os outros. É por isso que tenho muita esperança no mundo turco.
  • Voltando ao que você disse sobre o Cazaquistão “caso a elite cazaque se recuse a realizar a integração eurasiana e siga o mesmo curso de antes, as coisas só vão piorar”, isso é um aviso ou um ultimato?
  • Depende. Para ser mais preciso, este é um aviso. Conheço pessoalmente Nursultán Äbişulı Nazarbáyev e até escrevi um livro sobre ele. Nazarbayev era um defensor de longa data do eurasianismo e entendia muito bem que a única maneira de o Cazaquistão manter sua independência era manter boas relações com a Rússia e a China. Infelizmente, Nazarbayev, e especialmente sua comitiva, abandonou essa orientação pró-russa e preferiu tomar partido dos anglo-saxões, em particular os britânicos, chegando ao ponto de substituir o ensino de russo pelo inglês nas escolas e sabotar a integração econômica russa -kazaja como meu amigo Sergei Glaziev mostrou muito bem. A crise desencadeada no Cazaquistão é o resultado de Nazarbayev abandonar o eurasianismo, deixem de ser pró-russos e se recusem a criar um bloco eslavo-turco. Se o Cazaquistão quiser evitar que esses eventos trágicos se repitam, eles devem se livrar dos britânicos e parar de impedir a unificação econômica.
  • Você acha que o presidente do Cazaquistão, Tokáev, está disposto a fazer algo semelhante?
  • Acho que Tokáev entende que a única alternativa que resta é retornar ao caminho que Nazarbayev deixou para trás, já que as elites pró-ocidentais corruptas preferiram desestabilizar o país. A política multilateral do Cazaquistão os levou a um beco sem saída. Isso não é um ultimato, mas uma realidade política.

Nazarbayev foi o governante que melhor entendeu a lógica do mundo pós-soviético, até de uma forma muito mais lúcida do que Putin: seus artigos e discursos estavam repletos de ideias brilhantes sobre o Grande Jogo, geopolítica e multipolaridade. É por isso que o curso que seguiu nos últimos dez anos me é muito estranho. Suponho que tal mudança se deveu à corrupção que o cercava e que de alguma forma as agências de inteligência americanas, britânicas e europeias o chantagearam com a revelação de evidências comprometedoras sobre seus associados próximos. Talvez por isso tenha começado a sabotar o processo de integração que ele mesmo havia iniciado. De qualquer forma, o governo cazaque é o culpado por tudo o que aconteceu.

  • Então não há alternativas: só podemos prosperar com o apoio da Rússia e é por isso que devemos nos livrar de agentes estrangeiros …
  • O verdadeiro problema está no fato de que o Ocidente não deve influenciar geopoliticamente o Cazaquistão e o fato de que neste país o ensino de russo foi abandonado em favor do ensino de inglês fala muito sobre isso. Isso tem de acabar de uma vez por todas e para isso todos os bens que estão nas mãos dos britânicos têm de ser confiscados. É fisicamente impossível sentar em duas cadeiras ao mesmo tempo, e o que aconteceu com Poroshenko na Ucrânia é um bom exemplo. É uma escolha para todos os líderes dos países pós-soviéticos: chegou a hora de escolher a cadeira em que se sentarão. Caso você escolha a cadeira que nós, russos, oferecemos a você, nós o apoiaremos em tudo. Se a Rússia fosse responsável por tudo o que aconteceu no Cazaquistão, tudo seria muito diferente. mas não fomos nós e, em vez disso, tentamos resolver o problema. O melhor seria analisar aqueles que causaram o que aconteceu.
  • Você sabe quem eles eram?
  • Sim, as redes subversivas ocidentais que Nazarbayev permitiu no Cazaquistão. Além disso, os protestos em massa em Aktau eclodiram porque as empresas britânicas aumentaram os preços do gás liquefeito em 100%, desencadeando uma série de eventos. Foram as empresas que Nazarbayev vendeu aos britânicos, e não o governo, que causaram tudo isso. A agitação popular logo se transformou em uma rebelião armada que atraiu todos os tipos de mercenários, incluindo o oligarca Abliazov – um fugitivo da justiça como os russos Khodorkovsky ou Berezovsky – que roubou milhares de dólares do erário público. Sem contar as redes de agentes gulenistas (oponentes de Erdogan) que fugiram para o Cazaquistão e que Nazarbayev acolheu. O presidente Tokaév também disse que islâmicos e outros grupos radicais participaram do protesto. Claro, algo semelhante não teria acontecido sem o consentimento da elite cazaque corrupta que sabotou todas as tentativas de integração. Sabemos que Maximov tem ligações com Joe e Hunter Biden. É por isso que ele foi preso por alta traição. Podemos rastrear todas essas redes subversivas até os Estados Unidos, a CIA ou estruturas pró-ocidentais que estão direta ou indiretamente relacionadas aos protegidos de Nazarbayev. Porque Tokaev se voltou para a Rússia para salvar sua vida, agora todos tremem de medo. Foi, como disse muito bem o presidente do Cazaquistão, um verdadeiro golpe de estado. algo semelhante não teria acontecido sem o consentimento da elite cazaque corrupta que sabotou todas as tentativas de integração. Sabemos que Maximov tem ligações com Joe e Hunter Biden. É por isso que ele foi preso por alta traição. Podemos rastrear todas essas redes subversivas até os Estados Unidos, a CIA ou estruturas pró-ocidentais que estão direta ou indiretamente relacionadas aos protegidos de Nazarbayev. Porque Tokaev se voltou para a Rússia para salvar sua vida, agora todos tremem de medo. Foi, como disse muito bem o presidente do Cazaquistão, um verdadeiro golpe de estado. algo semelhante não teria acontecido sem o consentimento da elite cazaque corrupta que sabotou todas as tentativas de integração. Sabemos que Maximov tem ligações com Joe e Hunter Biden. É por isso que ele foi preso por alta traição. Podemos rastrear todas essas redes subversivas até os Estados Unidos, a CIA ou estruturas pró-ocidentais que estão direta ou indiretamente relacionadas aos protegidos de Nazarbayev. Porque Tokaev se voltou para a Rússia para salvar sua vida, agora todos tremem de medo. Foi, como disse muito bem o presidente do Cazaquistão, um verdadeiro golpe de estado. Podemos rastrear todas essas redes subversivas até os Estados Unidos, a CIA ou estruturas pró-ocidentais que estão direta ou indiretamente relacionadas aos protegidos de Nazarbayev. Porque Tokaev se voltou para a Rússia para salvar sua vida, agora todos tremem de medo. Foi, como disse muito bem o presidente do Cazaquistão, um verdadeiro golpe de estado. Podemos rastrear todas essas redes subversivas até os Estados Unidos, a CIA ou estruturas pró-ocidentais que estão direta ou indiretamente relacionadas aos protegidos de Nazarbayev. Porque Tokaev se voltou para a Rússia para salvar sua vida, agora todos tremem de medo. Foi, como disse muito bem o presidente do Cazaquistão, um verdadeiro golpe de estado.
  • Você não acha que Nazarbayev foi deixado de lado porque não era mais útil para a Rússia?
  • Nazerbayev abandonou o mesmo eurasianismo que ele promoveu dez anos atrás. Ele tentou mudar a política externa do Cazaquistão para transformar seu país em uma espécie de Cingapura na qual coexistiam três atores políticos diferentes. Ele entregou uma parte significativa da esfera financeira à China e confiou à Grã-Bretanha a educação, minimizando a influência da Rússia. No entanto, foi um erro geopolítico total.

É estranho que Nazarbayev tenha feito uma coisa dessas. Ele era alguém que entendia que a multipolaridade era o futuro, mas decidiu flertar com a unipolaridade e isso foi um erro estratégico colossal.

Nazarbayev me disse uma vez: “Em algum momento eu vou me aposentar e me tornar o líder do Movimento Internacional da Eurásia, porque esse é o destino da Eurásia”. E é verdade. Poderia ter feito história, mas não. Ele apostou no Ocidente, um fato bastante lamentável para um homem do seu calibre.

  • Você sabe alguma coisa sobre o que aconteceu com Nazarbayev?
  • Neste momento existem muitos rumores circulando e há muita desinformação. Ele está doente há muito tempo e isso nos impede de saber com certeza se ele ainda está vivo ou se é capaz de se defender sozinho. Mas é uma questão secundária: Tokáev é o presidente do Cazaquistão e é ele quem está no comando. É por isso que estamos negociando com Tokáev. Caso Nazerbayev ainda possa usar sua razão, ele terá que admitir que cometeu um erro grave e pedir desculpas a todo o Cazaquistão.

Por enquanto, Tokáev garantiu sua posição, mas são os cazaques que têm a última palavra. Tokaév certamente evitou uma guerra civil como a da Síria e passou por uma assustadora prova de fogo que lhe permitiu reforçar sua autoridade. Agora ele deve seguir um caminho diferente de seus antecessores e isso significa se livrar da elite pró-ocidental corrupta que ainda permanece dentro dos diferentes clãs do Cazaquistão. Tudo isso lhe dá a oportunidade de se tornar a nova estrela do mundo pós-soviético. Desta forma, o Cazaquistão fortalecerá sua soberania através do eurasianismo e poderemos dar origem a um mundo multipolar russo-chinês.

  • Por que você diz que é necessário remover a palavra “econômico” da UEE?
  • Simples, Nazerbayev foi o primeiro que, durante a década de 1990, propôs a criação de uma União Eurasiática sem referência à “economia”. Cheguei a falar várias vezes com ele sobre esse assunto: Nazerbayev defendia a criação de uma estrutura estratégico-militar e confederativa em todo o espaço pós-soviético, missão que a CSTO já estava realizando, e que seria guiada por uma ideologia de projeção global, ou seja, o eurasianismo, no qual a Rússia teria um papel muito importante. No entanto, ele disse que sem o elemento turco e muçulmano esse projeto seria impossível. O Cazaquistão tinha a missão de difundir essas ideias por todo o mundo turco e islâmico. Quando Putin finalmente decidiu abraçar esses ideais e criar uma União Eurasiana, os cazaques foram os primeiros a rejeitá-la e reduzir tudo a um problema econômico. Foram eles que impuseram a ideia de que deveríamos formar uma estrutura instável baseada apenas na economia. Chegou a hora de fundar uma União Eurasiana que siga as ideias brilhantes de Nazerbayev.
  • Contra a União Europeia?
  • Sim, porque assim fica muito mais compreensível.
  • Tenho a impressão de que você quer criar uma espécie de URSS 2.0.
  • A URSS foi uma entidade construída de acordo com os princípios da ideologia comunista e, portanto, é impossível restaurá-la. Não sou partidário de tal projeto e, de fato, nem tenho certeza de que tal coisa seja possível. No entanto, não foram os comunistas que unificaram esses territórios. Antes deles, o Império Russo havia unido as elites e os diversos povos que habitavam essas áreas, províncias de um império unificado e não colônias ou áreas de exploração.

O Império Russo nunca foi uma entidade étnica uniforme e é impossível restaurar a URSS. O que devemos fazer é criar um Grande Espaço, uma União Eurasiática que se baseie em povos que tenham a mesma história, mas que tenham um horizonte projetado no futuro. Sem dúvida, há elementos do passado que devemos resgatar. Os impérios turcos podem ser uma das nossas fontes de inspiração.

Notas:

  1. https://tsargrad.tv/articles/aleksandr-dugin-vsjo-proishodjashhee-v-kazahstane-cena-za-otdalenie-ot-moskvy_474087

2. https://www.geopolitica.ru/es/article/el-imperio-contraataca-entrevista-de-caliberaz-alexander-dugin

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *