Democracia e Estado de Direito não existem na Ucrânia – mas a Corrupção prospéra

Democracia e Estado de Direito não existem na Ucrânia – mas a Corrupção prospéra

Por Leonid Savin

Tradução Guilherme Fernandes

As conversações EUA-Rússia em Genebra foram realizadas de 9 a 10 de janeiro. O presidente Putin apresentou questões a serem discutidas que visaram difundir as tensões sobre a situação fronteiriça da Ucrânia e da Rússia.

A Otan tem desempenhado um papel mais forte do que a UE, e os ministros das Relações Exteriores do bloco se reunirão nesta semana. Contra este pano de fundo, a UE deve enfrentar o facto de serem Washington e Moscovo os protagonistas do drama político.

Steven Sahiounie, do jornal MidEastDiscourse, entrevistou Leonid Savin por sua opinião sobre a situação e para obter informações sobre o desenrolar da história.

Leonid Savin é analista geopolítico, editor-chefe do Geopolitica.ru, fundador e editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, chefe da administração do “movimento eurasiano” internacional e autor de vários livros.

1. Steven Sahiounie (SS): Notícias dizem que a Rússia retirou 10.000 de suas tropas da fronteira com a Ucrânia. Enquanto o presidente Putin também tem algumas exigências da OTAN. Na sua opinião, a OTAN cumprirá as exigências da Rússia?

Leonid Savin (LS): Em primeiro lugar, devo mencionar que qualquer movimento de tropas russas dentro da Rússia é um direito soberano da Rússia. Manobras e exercícios militares de rotina são parte essencial da defesa nacional em qualquer país. O Ocidente usa propaganda de bandeira falsa de que a Rússia iniciará uma campanha militar contra a Ucrânia em breve por causa desses movimentos. Devemos falar sobre a preparação da guerra dos EUA contra o México por causa de uma situação na fronteira e concentração de tropas de muitas agências lá? Ou, deixe-me perguntar o que os militares americanos estão fazendo na Síria? Eles são convidados oficialmente como russos? Propaganda ocidental em esteróides fazendo seu próprio negócio como de costume. Então, é melhor encontrar outras fontes de informação.

Por outro lado, as potências da OTAN estão fazendo muitas provocações perto das fronteiras russas. Portanto, é também a razão pela qual Moscou gostaria de iniciar negociações diplomáticas.

Com relação à decisão da OTAN sobre as propostas russas: acho que eles não concordarão com Moscou e continuarão sua própria agenda. O problema é que a promessa de não expandir para o Leste foi dada durante os tempos soviéticos a Mikhail Gorbachev (em troca da reunião da Alemanha) e os políticos contemporâneos dentro dos países da OTAN, e os tomadores de decisão da OTAN especialmente, não se importam com isso.

De qualquer forma, a proposta russa tem elementos racionais sobre a segurança europeia, e a OTAN deve discuti-la.

2. SS: O presidente Biden e a UE continuam exagerando a ameaça dos russos na fronteira com a Ucrânia. Na sua opinião, isso é uma forma de distração para manter a mídia ocidental focada no que a Rússia está fazendo em vez de focar no que a OTAN está fazendo para provocar a Rússia?

L.S.: Exatamente. Sob a frase memética guarda-chuva de “guerra híbrida”, o Ocidente pode descrever qualquer tipo de atividade russa como guerra híbrida. Se Moscou instalar contra-sanções contra países que impuseram sanções anti-russas, isso pode ser chamado de “guerra híbrida” da Rússia. Se a Rússia apoia aliados (Bielorrússia, por exemplo), também é “guerra híbrida”. Se a Rússia vende gás para a Europa a preços de mercado – é chamado de “guerra híbrida”. A questão é que muitos no Ocidente não conhecem a Rússia, nunca estiveram aqui e têm fontes limitadas de informação. Infelizmente, muitos estudiosos no Ocidente seguem essa tendência (quando os encontrei em outros países, eles demonstraram profunda ignorância em muitas questões relacionadas à Rússia). A única esperança é a mídia alternativa, mas os círculos hegemônicos tentam suprimi-la por diferentes métodos.

3. SS: Declarações recentes do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, acusou o Ocidente de apoiar a Ucrânia com armas no valor de 2,5 bilhões de dólares desde 2014. Na sua opinião, como a OTAN e o Ocidente podem justificar sua ação?

LS: Porque o governo da Ucrânia é um fantoche do Ocidente, e é muito fácil dizer que este país está interessado em aderir à OTAN. Não importa que existam problemas sérios – corrupção, estado de direito não existe, democracia não existe (não é democracia quando metade do país não fala a língua materna). O Ocidente está fazendo uma espécie de política carnavalesca fornecendo algumas bolsas para empresas e jovens, mas é apenas uma fachada. Tem que haver investigações sérias. Quem vai se importar com isso? A OSCE está fazendo muitos relatórios sobre violações do acordo de paz pelo exército ucraniano no sudeste da Ucrânia (região de Donbass onde temos duas repúblicas autoproclamadas). E o que é resultado? Zero. Na Ucrânia, a partir de 2014, a glorificação do nazismo está aumentando. O que o Ocidente (UE) está fazendo para combatê-los? Nenhuma coisa. Por causa da prática política de duplo padrão, a OTAN pode usar qualquer forma de retórica ou qualquer reivindicação. Em dezembro de 2021, o presidente Zelensky assinou um decreto que, em 2022, muitos exercícios militares com a participação de forças ocidentais serão realizados na Ucrânia. É também mais um passo para envolver a Ucrânia na OTAN.

4. SS: Biden havia dito anteriormente que queria retirar as tropas do Iraque. No entanto, sua política mudou e as tropas estão permanecendo em uma capacidade não-combatente. Na sua opinião, isso significa que os EUA planejam ficar no Iraque e na Síria indefinidamente?

LS: Sim, eles vão ficar no Iraque e na Síria por causa da lógica político-militar dos EUA. As promessas presidenciais estão servindo para a política interna, mas geralmente se desconectam da realidade. Lembremos que Barack Obama prometeu retirar as tropas americanas do Afeganistão antes de sua posse presidencial! O mesmo é agora. Mas a equipe de Biden é mais incompetente, e agora a Casa Branca tem paranóia anti-chinesa.

5. SS: A guerra síria acabou, mas a recuperação síria ainda não começou e a economia entrou em colapso. No entanto, o presidente Biden não tem uma política para ajudar o povo sírio a se recuperar. Na sua opinião, você acha que o presidente Putin e o presidente Biden podem trabalhar juntos para encontrar um terreno comum em uma solução para a Síria?

LS: Sou cético em relação a qualquer acordo com o Ocidente. Há menos de um ano, o Ocidente organizou uma grande conferência internacional sobre assistência ao Afeganistão. Então, o governo oficial caiu ali, e o Talibã chegou ao poder. Mas, onde estão os fundos recolhidos para ajudar o povo do Afeganistão?

Acho que a melhor solução será a reconciliação dentro da comunidade árabe, onde os países ricos da região começarão a fornecer ajuda material à Síria. Especialmente porque alguns deles financiaram a chamada oposição armada na Síria. Então eles têm total responsabilidade pelo que aconteceu lá. O Ocidente também desempenhou um papel muito destrutivo, mas o Ocidente está longe e os estados do Golfo estão próximos.

Fonte: https://www.geopolitica.ru/en/article/democracy-and-rule-law-do-not-exist-ukraine-corruption-thrives

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *