Cazaquistão, o “Coração do Mundo” em chamas

Cazaquistão, o “Coração do Mundo” em chamas

Por Emanuel Pietrobon

Tradução Guilherme Fernandes

Para aprofundarmos nossa compreensão dos fatos que se desdobram no Cazaquistão, devemos compreender melhor o papel das periferias nos atuais conflitos geopolíticos. Com a Ásia Central e a América Central adquirindo destaque nos enfrentamentos entre potências, umas buscando preservar a unipolaridade, outras buscando promover a multipolaridade.

5 de janeiro de 2022. Uma data histórica. Pela primeira vez desde 1992, ano da sua fundação, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva aceitou um pedido de ajuda de um de seus membros. Um evento extraordinário, emblemático, indicativo de tempos de mudança, porque a “OTAN pós-soviética” sempre tinha feito ouvidos de mercador até este ano.

Imóvel no Quirguistão de 2010, inflamado por confrontos interétnicos e pelo destronamento de Kurmanbek Bakiyev. Indiferente em 2012, quando o Uzbequistão decidiu suspender sua adesão à aliança. Sempre ridicularizado por Aleksandr Lukashenko, que em 2009 enfureceu Nursultan Nazarbayev ao perguntar por que soldados bielorrussos deveriam lutar pelo Cazaquistão, e que um ano depois, incapazes de impulsionar o OTSC no Quirguistão, concederam asilo a seu amigo e presidente em fuga Bakiyev.

A questão, então, é mais do que legítima: o que mudou desde 2010? Muitas, muitas coisas.

A primeira razão é que o espaço pós-soviético começou a ser tratado pela Federação Russa como um verdadeiro quintal. Ervas daninhas foram cortadas. Arbustos cultivados. Sementes plantadas. Vedações antiescalonamento içadas. Em termos práticos: rejuvenescimento da OTSC, criação da União Econômica Eurasiática, cooperação com a República Popular da China para conter o expansionismo turco-ocidental.

A segunda razão, que está relacionada e é a causa da primeira, é que o sistema internacional testemunhou o surgimento de uma nova edição da Guerra Fria. Desta vez, porém, não é o Mundo Livre e o Segundo Mundo que estão se confrontando. É o Ocidente e sua prole – multiplicada desde a era pós Guerra Fria – contra a Rússia, a República Popular da China e seus satélites e aliados. No meio, como no passado, encontra-se um número anormal de agentes não alinhados, falsamente alinhados e que fazem jogo duplo.

A Guerra Fria 2.0 apagará sua vela de oito anos em 2022, tendo oficialmente irrompido em 2014 – o ano do Euromaidan – e ainda que, na realidade, possa ser dito que se trata de um novo capítulo em um confronto que nunca terminou, mas simplesmente entrou em uma fase de baixa intensidade por vinte anos. Em qualquer caso, como previsto pelo InsideOver em abril passado, o confronto hegemônico entraria em uma nova etapa na era pós-Trump, “mais beligerante do que a anterior”, e a crise cazaque do início de janeiro deve ser enquadrada nisso.

E uma etapa, a atual, que possui uma série de aspectos característicos, entre os quais a transversalidade. A luta está ocorrendo em todos os lugares, como sempre, mas o próximo passo será dado em um teatro insuspeito, de preferência um satélite próximo (e caro) ao planeta. Esta é a etapa das “periferias do centro”, que o Osservatorio Globalizzazione teve a oportunidade de apresentar ao público em novembro passado, por ocasião das revoltas que irromperam de Guadalupe às Ilhas Salomão. Movimentos aparentemente genuínos, desconectados, mas conglobados em um único todo – a Guerra Fria 2.0 – e indicativos da crescente relevância das periferias para os estrategistas das grandes potências.

“Barbados, Martinica, Guadalupe e Ilhas Salomão”, nós escrevemos, “estão anunciando a chegada de um novo vento. Um vento que não irá substituir o anterior, mas se misturará com ele. E este vento será particularmente intenso, às vezes como um furacão, para microestados, satélites – incluindo territórios ocupados mas sem reconhecimento internacional – e sobras da era colonial, ou seja, para aqueles sem guarda-chuva e sem capuz”. Pouco depois, previsivelmente, o retorno da República Popular da China à Nicarágua central – da qual havia fugido após a guerra quase civil que irrompeu em 2014, depois do anúncio de um canal rival ao do Panamá (isto é, ao dos EUA) – e a crise do Cazaquistão.

Que o Cazaquistão não iria cair, porque não pode cair, era claro para todos – para todos os conhecedores do espaço pós-soviético e os kremlinólogos. Na manhã do dia 5, enquanto os manifestantes assumiam o controle de Almaty, a polícia e as unidades militares estavam passando para o lado dos desordeiros, edifícios-chave estavam sendo ocupados e propostas estranhas estavam sendo feitas por pretendentes a golpistas – incluindo o fim da aliança com a Rússia – escrevi que a presidência muito provavelmente não cairia por causa da ausência de uma organização coordenadora da revolta e da importância do Cazaquistão para a Rússia e a China, sendo um “estado chave na Ásia Central”, o pivô da União Econômica Eurasiática e uma das mais importantes paradas na Nova Rota da Seda”, a possibilidade de “um efeito dominó no resto da área” no caso de uma detonação bem sucedida, acrescentando que Toqaev teria aproveitado a agitação para fazer “uma mudança de liderança”.

Os acontecimentos da tarde provaram que a tentativa de interpretação era correta: a renúncia do Primeiro Ministro, a expulsão de Nursultan Nazarbaev do Conselho de Segurança (eloquentemente substituído pelo próprio Toqaev) e a reciclagem de outras figuras-chave. Uma limpeza pura e dura em meio a uma insurreição em grande escala com potencial subversivo. Por que perder tempo caçando a “geração Nazarbayev”, quando a nação corria o risco de colapso? Porque, continuei, Toqaev sabia que não estava sozinho, ele sabia que podia contar com a OTSC para intervir. Em seguida, isso foi solicitado e aprovado em tempo recorde.

Neste ponto, algumas perguntas devem ser respondidas. A fugaz primavera cazaque foi espontânea? Em parte sim, como demonstrado pelo fato de que os tumultos começaram e se concentraram entre os subúrbios e Almaty (a “Detroit do Cazaquistão”). Foi uma expressão de um mal-estar que é rastejante, existente, mas invisível aos olhos dos habitantes do centro e da classe dominante. Um mal-estar que a classe dominante será forçada a reconhecer e aliviar, sob pena de instabilidade crescente e da fuga de capital estrangeiro – a força motriz por trás da economia do Cazaquistão. Em parte, não, como indica a intervenção da OTSC, as declarações de Toqaev (“agressão realizada por terroristas treinados do exterior”) e a extraordinária velocidade de difusão, o nível atípico de violência e a organização dos insurgentes. Rapidez, violência e organização que impressionaram a todos, desde a liderança cazaque até os analistas. Velocidade, violência e organização que devem nos obrigar a nos perguntar: existiam “células adormecidas” no Cazaquistão, quinta-colunas, esperando para serem ativadas? Provavelmente, sim.

Mas por que o Cazaquistão? Porque ele é o coração da Ásia Central, de cuja estabilidade dependem os sonhos hegemônicos da Rússia e da China no continente. Porque isso era insuspeito, dados seus índices bastante altos de desenvolvimento e bem-estar em comparação com o resto da região. Porque este é o estágio das periferias no centro – e o Cazaquistão, apesar de suas aspirações de autonomia e multivetoralidade, é e continua sendo um satélite. E porque, talvez, devido ao crescendo das operações ocidentais nas margens da Rússia (Ártico, Mar Negro, Ucrânia) e da China (Indo-Pacífico, Taiwan), as duas potências asiáticas haviam recentemente levantado as apostas, começando a cavar uma trincheira perto da Fortaleza América, ou seja, no Atlântico (Guiné Equatorial) e na América Latina (Nicarágua). Uma aposta à qual os Estados Unidos podem ter respondido na Ásia Central, no quintal da Rússia e da China, mostrando-lhes que o espaço é 1) violável e 2) inflamável.

O que acontece agora? Que as periferias estão no centro, sendo o Cazaquistão a prova evidente, portanto, fiquemos de olhos abertos naquelas partes do mundo com nomes impronunciáveis, difíceis de localizar mesmo com um globo e lar de conflitos hibernantes à espera de serem descongelados e de um descontentamento ser explorado. Não esqueça que, como em A Noite do Julgamento, vale tudo por uma noite para enterrar a Nova Rota da Seda e a aurora da era multipolar – de revoluções coloridas sempre verdes ao terrorismo. E tomemos cuidado com um fato: aplicar a teoria dos incêndios nas relações internacionais significa acender um fusível em uma periferia na esperança-expectativa de que as chamas se espalhem para o centro. Ergo, o alvo nunca é apenas o edifício sob ataque: é o bairro inteiro.

Fonte: Osservatorio Globalizzazione https://osservatorioglobalizzazione.it/osservatorio/kazakistan-il-cuore-del-mondo-in-fiamme/

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Australis Regio. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.