Algumas Palavras sobre Alexander Dugin

Algumas Palavras sobre Alexander Dugin

Por Geidar Dzhemal
Tradução de Guilherme Fernandes

Um dos filmes mais famosos da indústria cinematográfica soviética foi The Fate of the American Soldier. Neste filme, foram levantadas reflexões muito interessantes que giraram em torno da vida de um personagem heróico e corajoso que vivia em um ambiente intrinsecamente medíocre, pacifista e hostil a tudo o que representava.

Indiscutivelmente, a vida de Alexander Dugin é o roteiro para fazer um filme chamado O Destino do Intelectual Russo. Especialmente porque na Rússia o intelectual é um soldado, isto é, um guerreiro cujo Espírito está constantemente lutando contra o mundo material ao seu redor. Dugin é o protótipo dessa classe de intelectuais.

Entre todos os intelectuais do passado, apenas Dostoiévski foi capaz de descrever essa classe de intelectuais genuínos: personagens que param repentinamente porque são espancados e atordoados por um pensamento terrível que os desconecta completamente de sua rotina diária. Isso os leva a perder qualquer contato que tiveram com o ambiente ao seu redor até que sejam consumidos por este grande e terrível pensamento. Não importa qual pensamento os esteja atacando, a única coisa que importa é que é um pensamento profundo e paradoxal que é inaceitável para o mundo exterior ou o ambiente em que vivem. Os protótipos clássicos dessa classe de verdadeiros intelectuais descritos por Dostoiévski são Chátov e Kiríllov. Dugin é muito parecido com eles.

A vida de Dugin, como a de muitos de nós – embora não de todos nós -, divide-se em duas partes completamente opostas: uma vida antes e depois de 1990. Pode-se dizer que essa divisão nos lembra o famoso russo dizer que diz: “há uma hora de apanhar pedras e outra de atirá-las.” Na verdade, os anos anteriores à década de 1990 foram uma época em que um grande número de pessoas, mais tarde se tornando figuras públicas, pegou as pedras que jogaria nos inimigos durante os anos de crise que se seguiram.

Conheci Alexander Guellievich na década de 1980, quando ele tinha apenas dezoito anos, e devo dizer que ele percorreu um longo caminho nos dez anos seguintes, durante os quais conseguiu organizar, estruturar, nutrir e nutrir seu intelecto até o ponto de girando-o, por assim dizer, em um grande telescópio capaz de captar a “luz das estrelas mais distantes”. Ele conseguiu realizar essa tarefa por meio do estudo constante, sistemático e cuidadoso do tradicionalismo guenoniano. Para tal, teve de dominar o mais rapidamente possível as principais línguas europeias, o que conseguiu graças à sua capacidade intelectual. E não só conseguiu dominar o inglês, o alemão e o francês (que foram as línguas que o aconselhei a estudar), mas também o espanhol, o italiano e muitos outros.

Além disso, sua bagagem intelectual não se limita às referências estéreis que predominam na academia russa, pois conhece diversos autores devido à sua dramática trajetória intelectual. Graças às nossas conexões, pudemos acessar várias coleções de livros raros, por exemplo, conseguimos acessar os livros no repositório especial da Biblioteca da Academia de Ciências Sociais de Inostranka, que é uma fonte de informação muito valiosa. Além disso, eles nos enviaram vários livros do exterior.

Mas esta é uma questão secundária. O que importa é que Dugin fez um trabalho muito importante durante esses dez anos e isso o levou a dominar uma quantidade enorme de conhecimento com que os tradicionalistas ocidentais nem sequer sonham. Depois de ter estudado em profundidade a metodologia e o quadro interpretativo da escola tradicionalista, Dugin conseguiu aplicar os conhecimentos que adquiriu a um horizonte intelectual que vai muito além dos estreitos limites impostos pela metafísica tradicionalista. Além disso, Dugin também mergulhou no estudo das tendências atuais do pensamento acadêmico ocidental contemporâneo e conseguiu apreender uma enorme riqueza de recursos profanos de campos tão variados como sociologia, economia e filosofia. Tudo o que analiso sob o prisma da filosofia perene, ou seja, “filosofia eterna” ou acesso a um conhecimento superior. Este último é, sem dúvida, o que diferencia Dugin da maioria dos tradicionalistas guenonianos ocidentais, que vivem confortavelmente dentro da estrutura analítica limitada que criaram, como se fossem galinhas procurando seu ninho apenas para dormir. No entanto, ao contrário deste último, esses intelectuais nunca colocarão um ovo de ouro porque algo assim destruiria a esterilidade em que vivem suas vidas. como se fossem galinhas que procuram o ninho apenas para dormir. No entanto, ao contrário deste último, esses intelectuais nunca colocarão um ovo de ouro porque algo assim destruiria a esterilidade em que vivem suas vidas. como se fossem galinhas que procuram o ninho apenas para dormir. No entanto, ao contrário deste último, esses intelectuais nunca colocarão um ovo de ouro porque algo assim destruiria a esterilidade em que vivem suas vidas.

Do ponto de vista simbólico, Dugin me lembra a figura de Adam Kadmon, que tem uma mão voltada para cima e a outra para baixo. Uma das mãos de Dugin sobe em direção ao horizonte da filosofia, enquanto a outra desce até tocar o campo da política e da sociologia. É como se ele deixasse as correntes energéticas do intelecto fluírem através dele, passando do campo da pura especulação metafísica para o campo do pensamento prático. Em todo caso, Dugin nunca se trancou em uma “torre de marfim”, ao contrário de um de seus mais respeitados e influentes professores, Evgeny Golovin, que sempre manteve uma atitude guenoniana que o afastou dos acontecimentos políticos. Comecei dizendo que a vida de muitos de nós se dividia em duas partes: antes e depois de 1990, mas uma das pessoas a quem isso não se aplica é Golovin. Golovin vivia da mesma forma tudo o que acontecia antes e depois de 1990: a única coisa que lhe interessava eram as próprias investigações e desprezava todo contato com o mundo do cotidiano.

Porém, nem todos os tradicionalistas são assim e Julius Evola é um exemplo disso: ele nunca deixou de lutar na linha de frente do campo de batalha, seja essa luta de caráter espiritual (figurativo) ou literal (armado). Evola foi um verdadeiro guerreiro do Espírito, sendo ferido em 1945 e passando assim o resto da vida numa cadeira. A vida de Dugin é muito mais parecida com a de Evola do que com a do falecido Evgeny Golovin, um dos homens que ele mais amava e respeitava.

O legado científico de Dugin não tem precedentes na história do pensamento russo contemporâneo. Na verdade, eu diria que é impossível encontrar algo semelhante igualmente no passado. O trabalho de Dugin por si só é equivalente a qualquer coisa que um instituto científico produziu em seu início. Isso porque a perspectiva de Dugin, ou seja, o pensamento que percorre sua alma e cérebro, é o resultado de todas as tendências do pensamento científico, filosófico e sociológico contemporâneo. O escopo de seu trabalho é incomparável e simplesmente não foi assimilado. Talvez apenas as gerações futuras sejam capazes de apreciar a vastidão de sua obra.

O trabalho de Dugin é ainda mais surpreendente quando você considera que surgiu no meio de um deserto intelectual: Dugin está completamente sozinho! Tudo o que encontramos ao seu redor são os restos decadentes do antigo academicismo pós-soviético, que rapidamente degenerou em uma espécie de “bobok” (balbucio). Ninguém dentro do ambiente acadêmico e intelectual pode dialogar ou entender o que Dugin está fazendo. Além do mais, esses “boboks” (que nada mais são do que resquícios da velha escola soviética de humanidades) já haviam caído na especialização e na sonolência quando ainda eram jovens e criativos. Por outro lado, eles há muito se dobraram à disciplina que lhes foi imposta pela ideologia dominante; Mas no momento em que essa ideologia se dissolveu e deixou de ser o estímulo e guia de suas vidas, eles simplesmente pararam de pensar, sendo incapazes de saber o que pensar ou fazer e contentando-se em repetir, com cuidado e autocensurar o tempo todo, os fragmentos de as reflexões que fizeram trinta ou quarenta anos atrás. E é no meio dessa floresta árida, árida e sem vida que se destaca a obra de Alexander Dugin, com todo o seu incrível aparato de erudição.

uma escola. Isso levou Dugin a entrar em contato com muitos jovens talentosos que ficaram intoxicados com esse pensamento novo. É a eles que tenta transmitir uma ampla metodologia que vai da contemplação metafísica à análise concreta da sociologia e da etnologia.

Talvez a única coisa que possa diferir em uma obra tão heróica e luminosa – que Dugin chamaria de “obra em branco” – seja o apego excessivo que ele mesmo teve diante da realidade política russa e as expectativas excessivas que muitos depositaram. vezes em certas tendências da vida política de nosso país durante os últimos vinte anos. Essas expectativas não foram atendidas e Dugin está bem ciente disso.

No entanto, a dissonância desse fracasso não é nada comparada com a força de atração que a personalidade de Dugin exerce e sua incrível atividade, que é o resultado de sua capacidade para o trabalho e de sua incrível agudeza para prestar atenção às ideias que surgem no reino do pensamento.

Dugin não tenta reduzir o pensamento a um “simples mercado de ideias”, porque para ele o mundo das ideias é uma fase dramática onde cada ideia é um personagem trágico.

Fonte: https://rebelioncontraelmundomoderno.wordpress.com/2022/01/07/unas-cuantas-palabras-sobre-alexander-dugin/

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *