O Verdadeiro Começo do Ano Novo é o Natal

O Verdadeiro Começo do Ano Novo é o Natal

Por Alexander Dugin
Tradução de Guilherme Fernandes

Não há dúvida de que o feriado de Ano Novo é um dos rituais mais complexos e antigos que existem no mundo. Normalmente, o Ano Novo coincide com os solstícios e equinócios, mas de tempos em tempos as datas variam dependendo do ano, então essa celebração muda para outras datas. No entanto, a ideia central de todas essas celebrações é a mesma: marcar o fim do antigo e o início de outra coisa, ou seja, o início do novo. É interessante que no hemisfério norte este Começo do Novo corresponda precisamente ao solstício de inverno, que é o dia mais curto de todo o ciclo natural: a partir desta data as noites começam a encurtar e os dias começam a crescer.

Na véspera do Ano Novo, parece que uma força desconhecida agarra o sol e ele recupera seu brilho. Sob a influência do poder mágico do Ano Novo – o festival de Kolovrat (1) ou Karachun, como os antigos eslavos o chamavam – o sol começa a nascer durante o semestre seguinte até atingir o outro extremo de sua trajetória, isto é , o solstício. verão, e então começa a se desgastar e cair novamente. Todas as coisas eventualmente convergem: Morte, nascimento, ressurreição, transfiguração e o mistério da vida. O tempo se entrelaça com a eternidade e o homem se reúne com Deus.

O Ano Novo é o feriado que dá as boas-vindas ao Novo Começo. Os antigos romanos simbolizavam isso com o deus Jano, a divindade das soleiras e portas que tem duas faces (na verdade, Jano é a raiz do nome do mês de janeiro) uma das quais enfrenta o passado e a outra olha para o futuro . Porém, há uma lenda de que Janus tem uma terceira face – segredo – que olha para a Eternidade.

Os povos germânicos chamavam o Ano Novo de Grande Julho e consideravam-no a época mais sagrada do ano. Conseqüentemente, eles realizaram ritos solenes para recebê-lo. Os antigos egípcios costumavam adicionar cinco dias aos 360 dias do ano, desde que coincidissem com os últimos dias do inverno. Esses dias eram considerados o aniversário dos principais deuses do antigo panteão egípcio, o grande pentad. Esse simbolismo era representado pela palma da mão e é encontrado em muitas gravuras antigas, inclusive nas mais primitivas pinturas rupestres, que remetem a um processo de transição. Todas as cidades celebram procissões religiosas especiais e é comum que as pessoas recebam o sacramento do Ano Novo por se considerarem parentes do sol, do ano e da luz:

Se olharmos deste ponto de vista, é irrelevante que o solstício de inverno foi a celebração quintessencial do mistério de Janus, Mitras, o julho, ou o final do ano civil. O significado profundo deste feriado é o mesmo. Os cristãos não precisam de olhar para o outro lado, pois a nossa própria festa não só tem significados semelhantes aos do Ano Novo pagão, mas também eleva esse significado para um horizonte muito mais transcendental: o Natal. Podemos dizer que o Natal marca a passagem do antigo ao novo, do Antigo Testamento ao Evangelho, do primeiro Adão ao novo Adão que não é outro senão o Deus-homem Jesus Cristo. Deus e a humanidade acabam se unindo com o nascimento do Deus Menino que é concebido pela Virgem Imaculada em uma caverna no meio da meia-noite do cosmos.

Os serviços eclesiásticos, os tropários, os costumes religiosos e o folclore que acompanham o Natal e as datas que o seguem, onde se cantam canções natalinas e se celebra o Ano Novo acompanhados de peles de animais, máscaras e jogos camponeses representam uma série de simbolismos que descrevem os eventos da história sagrada. Este simbolismo também é encontrado nos três sábios da Pérsia que seguem uma estrela que os leva a passar da adoração do fogo à adoração da Luz eterna incorpórea. A teologia do Deus-homem que nasceu da Virgem Maria – este “mistério desconhecido dos anjos” – gira em torno desta santa noite abençoada.

O abeto é a árvore da vida e suas agulhas simbolizam o florescimento e a vegetação, mesmo no auge do inverno. Brinquedos, balões e guirlandas de lâmpadas (antes eram usadas velas) representam a luz que existe nos mundos superior e inferior. Os tamancos nos quais os presentes são colocados sob a árvore são usados ​​para simbolizar que atingimos o ponto mais baixo. E de repente, não conseguimos mais encontrar os nossos pares de sapatos e meias, porque um deles foi deixado no ano passado. Os presentes que recebemos vêm do futuro. Alguns afirmam que esses ritos são muito recentes, mas são uma série de tradições que foram restauradas por românticos que estudaram com amor o passado. Além do mais, os slides repetem o ciclo do sol: primeiro nós os aumentamos (verão) e depois os abaixamos (inverno). É por isso que para descer um slide devemos ter um conhecimento profundo das coisas.

As crianças têm uma missão importante durante as férias de inverno: elas são a personificação do futuro próximo. Os mais velhos simbolizam o passado e também desempenham um papel importante na estrutura do partido. Mas isso não se limita apenas aos idosos, mas também aos falecidos que são lembrados e voltam à vida graças àqueles que ainda não entraram em suas fileiras. Se não temos ancestrais, então não temos futuro – isso nos lembra do Ano Novo. A história sagrada não pode ser reduzida a uma única dimensão, uma vez que a profundidade histórica do passado e a chegada iminente do futuro estão entrelaçadas.

O homem moderno eliminou completamente todos os mistérios e não faz nada além de consumir salada, vodca, assistir repetidamente filmes antigos soviéticos ou explodir fogos de artifício chineses que assustam os cães … Ainda assim, o desejo dos homens de realizar um ritual é mais forte do que sua ausência a ponto de torna-se uma “ironia do destino” …

Os cristãos anseiam pelo Natal, porque para nós o solstício cósmico de inverno, o início do novo ano civil e o dia de Natal têm o mesmo significado. O Natal é a expressão máxima do que é verdadeiramente novo, a culminação espiritual de todas as nossas expectativas e o cumprimento delas. Mas é bom diferenciar: o Natal ortodoxo e a cultura popular russa (assim como os costumes de outros povos cristãos) são a expressão mais completa, perfeita e absoluta do Ano Novo. Não pode haver nada além desse horizonte, pois aquilo que se apresenta como algo novo em si mesmo nada mais é do que um atavismo, um rito artificial ou um simulacro; nossa celebração da Natividade é o verdadeiro sacramento. Comemore a noite de Natal em uma igreja – de preferência em uma pequena cidade do interior ou, melhor ainda, em uma cidade ou mosteiro – é entrar neste território sagrado. E se escutarmos com atenção as palavras das orações e dos hinos, do Evangelho e das leituras, poderemos ser parceiros nesta transição, renovação e transformação do mundo.

Celebrar o Ano Novo uma semana antes do Natal não é um bom sinal. Afinal, se lermos os textos sagrados com atenção, diz-se que o Anticristo virá “antes de Cristo”, é o ante-Christus, aquele que vem cedo demais. É uma ofensa grave quebrar o jejum antes que ele acabe. Tudo em seu devido tempo.

Portanto, se realmente queremos recuperar a dimensão sagrada do tempo, devemos celebrar o Ano Novo de acordo com a data fixada em nosso calendário nacional: 7 de janeiro.

Notas:

1. O kolovrat é um símbolo da mitologia eslava dedicado ao deus do sol Svarog, também era conhecido como suástica ou swarzyca. Na Idade Média, o uso do kolovrat para decoração de cerâmica era muito frequente nas regiões eslavas. As primeiras aparições desse símbolo são em artefatos eslavos na região do baixo Danúbio, na atual Valáquia e na Moldávia, onde os eslavos estavam em contato com os povos sármatas. Para os antigos eslavos, o kolovrat (literalmente “roda girando”, de kolo, “roda” e vrat, “girando”), também conhecido como “a roda de Svarog” era um símbolo mágico que representa o poder do sol e do sol fogo. Era frequentemente usado como ornamento para decorar utensílios rituais e urnas funerárias com as cinzas do falecido. No início do Renascimento.

Fonte: https://www.geopolitica.ru/es/article/el-verdadero-inicio-de-ano-nuevo-es-la-navidad

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Tierra Australes. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.