Carta do Mártir Soleimani para sua filha

Carta do Mártir Soleimani para sua filha

Em nome de Deus Clemente e Misericordioso

Não sei se esta será minha última viagem ou se haverá mais no meu destino. Seja o que for, continuo satisfeito com a satisfação de Deus, escrevo-vos para que (esta carta) seja um lembrete e um conforto nos momentos em que sentires minha falta. Talvez você também encontre algumas palavras úteis aqui. Cada vez que embarco em uma viagem, tenho a sensação de nunca mais ver você. Durante a viagem, várias vezes imaginei os vossos rostos e, ao lembrar-me com saudade de vós, derramei lágrimas e confiei-vos à protecção de Deus.

Talvez eu tenha tido poucas ocasiões para mostrar-lhe meu afeto; talvez eu não tenha conseguido expressar todo o amor que tinha em mim. Mas você já viu alguém que olha para si mesmo e diz aos próprios olhos: “Eu te amo”? Isso raramente acontece, mesmo que seus olhos sejam a coisa mais preciosa para ele. Você é meus olhos, quer eu diga ou não.

Por mais de vinte anos tenho estado constantemente preocupado com você: Deus escreveu para mim um destino no qual minha vida ainda não acabou e no qual você também compartilha a mesma preocupação.

Minha filha! Há muito tempo que penso na possibilidade de escolher um trabalho que lhe menos angústia, mas, infelizmente, não posso! E não por interesse pela vida militar, nem por carreira, nem por obrigação ou insistência de outrem. Não, minha filha! Eu nunca poderia fazer você se preocupar nem por um momento com um mero trabalho, um trabalho, uma obrigação ou a insistência de alguém, muito menos fazer você chorar ou afastá-lo dos meus pensamentos.

Neste mundo cada um escolhe o seu caminho: há quem aprenda as ciências e quem as ensine, quem comercialize e quem cultive, enfim, existem milhões de caminhos. Na verdade, melhor dizer que para cada pessoa existe um caminho escolhido por ela, e sempre me perguntei qual caminho ela deveria escolher para mim.

Já refleti várias vezes sobre esse ponto, antes de mais nada me perguntando quanto tempo é o caminho, onde fica o destino, quanto tempo tenho disponível e qual é basicamente o meu objetivo. Eu sei que não sou eterno, como todo mundo. Você fica alguns dias e depois vai. Alguns permanecem alguns anos, outros algumas dezenas, enquanto muito poucos chegam aos cem anos. Mas, mais cedo ou mais tarde, todos vão embora. Qual seria o resultado se você escolhesse, por exemplo, o comércio? Apenas algumas moedas brilhantes, uma bela casa e talvez mais alguns carros, mas tudo isso não teria efeito sobre meu destino nesta jornada.

Também pensei em viver por ti, porque tu és a coisa mais preciosa: quando tu sofres sofro contigo, se te atormentas sinto arder em cada fibra minha e, se te perdesse, sentiria cada pedaço do meu colapso. Então me perguntei como poderia dissipar esses meus medos em relação a você, e finalmente entendi que a única solução é entrar em comunhão com alguém que pode resolver definitivamente o meu problema, e isso não é outro senão Deus. O que você representa, o tesouro que você é, de forma alguma pode ser preservado por meio de riqueza e poder, caso contrário, ricos e poderosos evitariam a morte e se protegeriam de suas posses e poder contra doenças incuráveis.

Eu escolhi Deus e Seu Caminho. É a primeira vez que confesso abertamente: nunca quis ser soldado, nunca gostei de me formar. Para todas as honras militares, eu prefiro muito mais a palavra simples “Qassem” dita pela boca de um Basij Pasdar que se tornou um mártir. Gostei e gosto de ser Qassem, sem nenhum prefixo ou sufixo. É por isso que em meu testamento eu disse para escrever apenas “Soldado Qassem” no meu túmulo, e nem mesmo Qassem Soleimani, que é uma ampliação que iria pesar na bagagem.

Minha querida, pedi a Deus que borrifasse cada veia e cada capilar meu com Seu santo amor e enchesse todo o meu ser. Não escolhi esse caminho para matar, e você sabe muito bem que nem mesmo sou capaz de presenciar o abate de uma galinha. Se peguei em armas, foi para impedir assassinos, não para matar. Eu me considero o guardião da casa de todo muçulmano em perigo e gostaria que Deus me desse o poder de defender todos os oprimidos do mundo. (Pedi a Deus) não morrer pelo querido Islã, já que minha vida não tem esse valor, nem morrer pelo oprimido xiita, porque não sou digno. Não, não … Luto por aquela criança amedrontada e indefesa que não tem proteção, por aquela mulher apavorada que segura seu filho contra o peito e por aquela refugiada que, na fuga,

Minha querida, pertenço àquele exército que não dorme e não tem que dormir, para que os outros possam descansar em paz. Que minha paz de espírito seja sacrificada pela deles, para que possam dormir. Minha filha! Você vive em minha casa com segurança, dignidade e honra. O que posso fazer por aquela menina indefesa que não tem quem atenda aos seus gritos de socorro ou por aquela criança que chora, que não tem absolutamente nada e que tudo perdeu. Dê-me (nasr) como um sacrifício e deixe-me com Ele. Deixe-me ir, vá e vá.

Como posso ficar enquanto minha caravana parte e eu fico para trás? Minha filha, estou muito cansada. Não durmo há trinta anos e não quero dormir mais. Eu despejo sal em meus olhos para que minhas pálpebras não se atrevam a fechar e aquela criança indefesa não seja massacrada por causa de minha negligência. Quando penso que aquela garota apavorada pode ser você, Narjis ou Zaynab, quando penso que aqueles adolescentes colocados em um matadouro para serem decapitados podem ser meu Hosseyn e meu Reza, o que você espera de mim? Devo apenas ficar parado e ser indiferente? Sendo um trader? Não, eu não posso viver assim.

Wassalam alaykum

Assinado Qasem Soleimani

Foto: https://www.ideeazione.com/lettera-del-martire-soleimani-alla-figlia/

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Contra o Sistema Mundial. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *