Putin Eurasianista V/S Biden Atlantista

Putin Eurasianista V/S Biden Atlantista

Por Alexander Dugin

Tradução Guilherme Fernandes / Resistência Sulista

A escalada das relações entre a Rússia e os Estados Unidos após a chegada de Joe Biden à presidência e a escalada da situação em torno da Ucrânia, bem como o aumento da tensão nas instalações das fronteiras da Rússia (ações provocativas de navios da OTAN na bacia do Mar Negro, manobras agressivas da Força Aérea dos EUA ao longo das fronteiras aéreas da Federação Russa, etc.) – tudo isso tem uma explicação geopolítica completamente racional. A raiz de tudo deve ser buscada na situação que se desenvolveu no final dos anos 80 do século XX, quando ocorreu o colapso das estruturas do campo soviético.

Junto com o socialismo como um sistema político e econômico, uma enorme estrutura geopolítica entrou em colapso, que não foi criada pelos comunistas, mas representou uma continuação histórica natural da geopolítica do Império Russo. Não se tratava apenas da URSS, que era a herdeira direta do Império e incluía os territórios e povos reunidos em torno do núcleo russo muito antes do estabelecimento do poder soviético. Os bolcheviques – sob Lenin e Trotsky – a princípio perderam muito disso, e então com grande dificuldade – sob Stalin – o restauraram (com mais do que o suficiente). Nem foi a influência da Rússia na Europa Oriental apenas o resultado da Segunda Guerra Mundial, em grande parte dando continuidade à geopolítica da Rússia czarista. Portanto, o colapso do Tratado do Leste e o colapso da URSS não foi apenas um evento ideológico,

Na década de 90, na Rússia sob Yeltsin e a onipotência dos liberais pró-ocidentais, o processo de desintegração geopolítica continuou, e na fila, desta vez, estavam os territórios do Cáucaso do Norte (a Primeira Companhia Chechena), a longo prazo e outros assuntos da Federação da Rússia. Durante este período, a OTAN expandiu-se livre e rapidamente para o Leste, incluindo quase todo o espaço da Europa Oriental (os países do antigo Pacto de Varsóvia), bem como três repúblicas da URSS – Lituânia, Letônia e Estônia. Ao mesmo tempo, todos os acordos com Moscou foram violados. Washington prometeu a Gorbachev que mesmo uma Alemanha unida ganharia neutralidade após a retirada das tropas soviéticas da RDA, muito menos qualquer expansão da OTAN. Zbigniew Brzezinski em 2005, quando fiz minha pergunta direta sobre como aconteceu que a OTAN ainda começou a se expandir em violação das promessas feitas a Gorbachev, ele cinicamente respondeu: “Nós o enganamos” (“nós apenas o enganamos”). O Ocidente também enganou Gorbachev sobre as três repúblicas bálticas.

O novo chefe da Rússia, Boris Yeltsin – foi mais uma vez prometido que nenhum país das ex-repúblicas soviéticas restantes seria admitido na OTAN. E imediatamente o Ocidente começou a criar vários blocos no espaço pós-soviético no espaço pós-soviético – primeiro o GUUAM, depois a Parceria Oriental – com um único objetivo: preparar esses países para a integração na Aliança do Atlântico Norte. “Nós enganamos, estamos enganando e vamos enganar”, proclamaram os atlantistas quase abertamente, sem vergonha.

Na própria Rússia, a quinta e a sexta colunas dentro do estado em cada curva acentuada suavizaram o golpe e contribuíram para o sucesso do Ocidente. Putin relatou recentemente como expurgou espiões americanos diretos da estrutura governamental do país, mas isso claramente apenas tocou na ponta do iceberg – não há dúvida de que o grosso da rede atlantista ainda detém posições influentes na elite russa.

Assim, nos anos 90, o Ocidente fez todo o possível para transformar a Rússia de sujeito de geopolítica, que era na era da URSS e do Império Russo (ou seja, quase sempre – com exceção das conquistas mongóis), em um objeto. Esta foi a “grande guerra dos continentes”, o cerco do Heartland, a compressão do “anel da sucuri” em torno da Rússia.

Imediatamente após chegar ao poder, Putin começou a salvar tudo que ainda pudesse ser salvo. Esta é a política de soberania. No caso da Rússia – dado seu território, história, identidade e tradição – ser soberano é ser um polo independente do Ocidente (porque os outros polos são muito inferiores ao Ocidente em força ou, ao contrário do Mesmo Ocidente, não reivindicam uma expansão agressiva de seu modelo civilizacional). O próprio curso sobre a soberania e o retorno da Rússia à história, tomado por Putin, implicou um aumento do confronto. E isso naturalmente afetou a crescente demonização de Putin e da própria Rússia no Ocidente. Como disse Daria Platonova em um dos programas do Primeiro Canal, “a linha vermelha para o Ocidente é a própria existência de uma Rússia soberana”. E Putin cruzou essa linha quase imediatamente após chegar ao poder.

O Ocidente e a Rússia são como dois vasos comunicantes: se em um chega, diminui do outro e vice-versa. Jogo de soma zero. As leis da geopolítica são rígidas, e vimos isso sob Gorbachev e Ieltsin – eles queriam ser amigos do Ocidente e compartilhar o poder sobre o mundo juntos. O Ocidente interpretou isso apenas como um sinal de fraqueza e rendição. A gente ganha, você perde, assine aqui. Seguindo essa fórmula do neoconservador Richard Pearl (“ganhamos, você perdeu, assine”) e construiu relações com a Rússia pós-soviética. Mas isso foi antes de Putin.

Putin disse “pare”. Macio e silencioso no início. Ele não foi ouvido então. Então, no discurso de Munique, mais alto. E, novamente, suas palavras causaram apenas indignação, pareciam ser um “truque inapropriado”.

Em 2008, tudo se agravou e, após o Maidan atlantista, a subsequente reunificação com a Crimeia e a deposição do Donbass de Kiev, e os sucessos das tropas russas na Síria, a situação agravou-se. A Rússia tornou-se novamente um polo soberano, comportou-se como um polo soberano e falou nessa qualidade com o Ocidente. Trump, mais preocupado com a política nacional, não deu muita atenção a isso, pois aderiu à posição de realismo nas relações internacionais. E isso significa uma atitude séria para com a soberania e um erro de cálculo puramente racional – como nos negócios – dos interesses nacionais para além de qualquer messianismo liberal. Além disso, Trump aparentemente não sabia da existência de geopolítica.

Mas a chegada de Biden agravou a situação ao extremo. Atrás de Biden nos Estados Unidos estão os falcões mais radicais, os neoconservadores (que odeiam Trump por seu realismo) e as elites globalistas que propagam fanaticamente a ideologia ultraliberal. O imperialismo atlantista se sobrepõe ao messianismo LGBT. Uma mistura explosiva de patologia geoideológica e de gênero. A Rússia soberana (polar) independente de Putin é uma ameaça direta para ambos. Não à América, mas o atlantismo, o globalismo e o liberalismo de gênero. Igualmente, porém, assim como a China moderna, há também uma China cada vez mais soberana.

É nessa situação que Putin informa ao Ocidente suas “linhas vermelhas”. E não é algo leve. Por trás disso está uma verificação da realidade das conquistas concretas da Rússia. Até agora, não estamos falando sobre a Europa Oriental, enganada da Eurásia. O status quo dos Estados Bálticos é reconhecido. Mas o espaço pós-soviético é uma zona de responsabilidade exclusiva da Rússia. Isso se aplica principalmente à Ucrânia, bem como à Geórgia e à Moldávia. Outros países não expressam abertamente o desejo de assumir uma posição agressiva em relação a Moscou e de se fecharem com o Ocidente e a OTAN.

Scythe encontra em uma pedra. O atlantista Biden contra o eurasianista Putin. Há um choque de dois pontos de vista absolutamente mutuamente exclusivos – preto e branco. “O Grande Tabuleiro de Xadrez”, como disse Brzezinski. Em tal situação, a amizade não pode vencer. E isso significa uma de duas coisas: ou a guerra é inevitável, ou uma das partes não suportará a tensão e desistirá de suas posições sem lutar. As apostas são extremamente altas: estamos falando sobre o destino de toda a ordem mundial.

A Ucrânia é apenas uma figura secundária no Grande Jogo. Sim, hoje este território é uma pedra de tropeço. Para a Rússia, esta é uma área vital do ponto de vista geopolítico. Para o Ocidente, é apenas um dos elos do cerco Rússia-Eurásia pela “estratégia anaconda” atlantista. Deixar a Ucrânia entrar na OTAN ou permitir que bases militares dos EUA sejam estacionadas em suas terras é um golpe fatal para a soberania da Rússia, anulando quase todas as conquistas de Putin. Insistir em “linhas vermelhas” é estar preparado para a guerra.

Em tal situação, o acordo é impossível. Alguém perde, alguém ganha. Com ou sem guerra.

É óbvio que a sexta coluna (ninguém mais escuta a quinta no poder hoje) no caso de um confronto direto com o Ocidente na Ucrânia, e simplesmente quando o conflito atinge um estágio quente, perde tudo. Mudanças na política russa são inevitáveis ​​- e é óbvio que as figuras patrióticas virão à tona. Portanto, hoje nas elites russas, Putin é persuadido a recuar não apenas por liberais sistêmicos (agentes estrangeiros quase oficialmente registrados), mas também por muitas outras pessoas que são formalmente difíceis de suspeitar de ocidentalismo. Quaisquer argumentos são usados ​​- o destino do Nord Stream 2, a desconexão do sistema SWIFT, o inevitável atraso tecnológico, isolamento, etc. Os mesmos argumentos foram expressos em 2008, e após o Maidan, e em relação à Síria. Putin provavelmente está bem ciente disso, e reconhecerá imediatamente o poder que está por trás desses caminhantes de elite de Bruxelas e Washington. Então é melhor eles nem tentarem.

Vencer uma guerra – de preferência sem luta – só é possível estando totalmente preparado para ela e sem abrir mão de nenhuma das posições vitais.

O espaço pós-soviético deveria estar apenas sob o controle estratégico da Rússia. Hoje, não só queremos, mas podemos. E mais: não podemos fazer de outra maneira. Mas o estatuto dos Estados Bálticos (já na NATO) e os nossos planos para a Europa de Leste podem ser discutidos. Isso está além das “linhas vermelhas” – um meio-termo é possível aqui.

Nossa breve visão geral geopolítica mostra que Putin mudou a própria importância geopolítica da Rússia, transformando-a de um objeto (então a Rússia era nos anos 90) em um sujeito. O sujeito se comporta de maneira completamente diferente do objeto. Ele insiste por si mesmo, percebe e corrige o engano, leva a uma resposta, observa sua zona de responsabilidade, resiste e apresenta exigências de ultimato. E o mais importante: o sujeito tem força, escala e vontade suficientes para colocar tudo isso em prática.

A crise nas relações com o Ocidente que temos agora é um sinal inequívoco dos sucessos colossais da geopolítica de Vladimir Putin, uma mão de ferro que conduz a Rússia ao renascimento e ao retorno à história. E na história, sempre fomos capazes de defender nossas “linhas vermelhas”. E muitas vezes foi muito além deles. Nossas tropas visitaram muitas capitais europeias como vencedoras – em particular, Paris e Berlim. Se necessário, você pode visitar Bruxelas, Londres e … quem sabe, talvez Washington ao mesmo tempo. Exclusivamente para fins pacíficos.

Fonte: https://www.geopolitica.ru/en/article/eurasianist-putin-vs-atlanticist-biden?fbclid=IwAR2L3Jwr7ISbtUtIPjkrv4rmypXH5d9jjADqk2u6IzKQrwqHWXC-iifURkY

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Contra o Sistema Mundial. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *