Tehuelches, o povo originário da Patagônia e a invasão Mapuche

Tehuelches, o povo originário da Patagônia e a invasão Mapuche

Por Gustavo Cairo

Tradução Guilherme Fernandes / Resistência Sulista

A desmistificação da presumida “originalidade” mapuche nas terras patagônicas. Gustavo Cairo, entusiasta da história e deputado provincial do PRO em Mendoza, deixa aqui o seu testemunho.

Há alguns anos vimos como, na Patagônia argentina, certos grupos Mapuche que se dizem “originários” tomam terras e praticam atos de violência, invocando supostos direitos ancestrais sobre esses territórios.

Se existe um povoado que pode ser considerado nativo da Patagônia, é o Tehuelche, que o habitou por cerca de dez mil anos. Magalhães os chamou de “Patagones” ao desembarcar na região que mais tarde foi batizada de Patagônia em sua homenagem. Eles se autodenominavam “aóniken”, o nome “tehuelche” lhes foi dado pelos Mapuche muito tempo depois. Quem visitou a região no século XVII, como o jesuíta Mascardi ou o marinheiro Villarino, documentou que tribos tehuelche viviam às margens do Nahuel Huapi ou ao pé do vulcão Lanín. Nomes como Esquel, Gaiman e Chaltén vêm de sua língua. A Cueva de las Manos em Santa Cruz, apresenta vestígios arqueológicos Tehuelche com milhares de anos.

Os mapuches são originários da Araucanía chilena. Alguns grupos começaram a cruzar a cordilheira e se estabelecer no atual território argentino a partir do século XVI, após a chegada dos espanhóis, em um processo denominado “Araucanização da Patagônia”.

Antropólogos e historiadores do Chile e da Argentina concordam sobre a origem chilena desse povo e sua chegada relativamente recente ao leste da cordilheira dos Andes. 

O renomado antropólogo chileno José Bengoa, autor de Historia del pueblo Mapuche expressa “antes da chegada dos espanhóis ao Chile, os pampas argentinos eram habitados por pequenos grupos indígenas não mapuches. Os mapuches não tinham relações com os pampas e se limitavam a eles. território do lado chileno. ” O argentino Antonio Serrano concorda: “Os araucanos não são nativos do território argentino. Sua implantação nele e a araucanização dos núcleos autóctones érelativamente recente. Os próprios araucanos ocupavam território chileno na época da conquista e se autodenominavam mapuches ”.Milcíades Vignati, da Academia Nacional de História, escreveu:

os indígenas de origem chilena que invadiram o território na segunda metade do século XVIII, até alcançar a hegemonia sobre as demais tribos … Esses elementos invasores eram chilenos de raça araucana. “ Por sua vez, o historiador anarquista Alvaro Yunque em Calfucurá, a conquista dos pampas relata: 

“antes que a raça viesse do Chile … pampas tinhasido habitada por índios aborígenes deles, autênticos pampeanos. Lentamente foram substituídos, por eliminação ou absorção, pelas raças mais agressivas e inquietas de Arauco ”.

Foi um choque de culturas. Os Tehuelches eram amigáveis e acreditavam na coexistência pacífica com os brancos. Vários testemunhos dão conta disso: Musters, um viajante inglês que viveu com eles por mais de um ano desde 1870, diz em seu livro Life between the Patagones: “Os Tehuelches são gentis, de bom caráter. Em minhas  relações com eles, eles sempre me trataram com lealdade e consideração, e prestaram o maior cuidado aos meus poucos pertences. ” Ramón Lista escreveu em Los Tehuelches, uma raça que desaparece: “o Tehuelche é hospitaleiro, em sua casa até o inimigo é inviolável”.Os araucanos, por outro lado, tinham uma mentalidade guerreira, agressiva e muito superior em número. As consequências foram trágicas para os Tehuelches.

Os Tehuelches chamavam os Araucanos de chenna (guerreiros). Musters diz que“Os mapuches tinham escravos tehuelche”, capturados nas batalhas de Barrancas Blancas no rio Sengel e Geylum perto de Nahuel Huapi Em relação a essas lutas, Ramón Lista nos diz: “começam as incursões de vandalismo dos araucanos. Os tehuelche tolderías são surpreendidos e agredidos de madrugada, lutam corpo a corpo, com lança, flecha, bola: os velhos indefesos são estrangulada; As mulheres e crianças fogem de terror; o grito de alguns é respondido pelo grito de vingança de outros; tudo é confusão, e o sangue umedece a terra.eles se reorganizam, estreitam suas fileiras e depois de alguns momentos repelem a horda araucana que foge, levando muitas mulheres e crianças como cativas. Esses ataques são repetidos de vez em quando“. Entre as batalhas mais sangrentas está a de Languiñeo, (“lugar dos mortos”), perto da atual cidade de Tecka. Nele, no início do século 19, os araucanos atacaram os Tehuelches em um combate que durou três dias. O saldo era de centenas de mortos aóniken. Entre os sobreviventes, as mulheres foram levadas pelos aracuanos e submetidas à sua vontade. Os filhos, assimilados. Numerosas sepulturas, armas e ossos dos derrotados foram encontrados no local. O chefe mapuche Chocory, que comandava os agressores, tomou como uma de suas esposas uma Tehuelche, que viria a ser a mãe de Sayhueque, rei da “terra das maçãs”.

O chileno Guillermo Cox, que cruzou o território argentino em missão exploratória em 1863, nos conta em seu livro Viagem às Regiões Setentrionais da Patagônia sobre o massacre de Piedra Shotel em 1820, quando o cacique araucano Paillacán atacou os Tehuelches com armas de fogo. O assalto foi realizado de surpresa ao amanhecer e durou várias horas. A derrota de Tehuelche foi sangrenta. Federico Escalada no Complexo Tehuelche entrevista com Agustina Quilchaman de Manquel, cujo bisavô foi levado cativo, junto com sua mãe e quatro irmãs após aquela batalha sangrenta em que entre tantas mataram seu pai. Duas das irmãs foram algemadas pelo vencedor Paillacán. Também a mãe de seu bisavô foi levada pela esposa de um araucano, por direito de conquista. As mães Tehuelche nunca esqueceriam a afronta sangrenta infligida à sua linhagem derrotada … nem a memória de seus entes queridos massacrados ali durante as noites insones do cativeiro. “Todas essas batalhas de extermínio dos Tehuelches sugerem um verdadeiro genocídio.

A atitude para com os cristãos também era diametralmente oposta. Os Tehuelches tinham uma excelente relação comercial com os espanhóis / argentinos de Carmen de Patagones e os galeses de Chubut. Eles trocaram penas e peles de avestruz por pão, tabaco, açúcar e conhaque. Em Chubut de 1865 até o presente, o encontro entre os galeses e os tehuelches é comemorado. Em 1965, para o centenário desse acontecimento, foram inaugurados dois monumentos em Puerto Madryn, um à Mulher Galesa e outro ao Índio Tehuelche.

Dionisio Schoo Lastra em El Indio del Desierto relata: “Casimiro (chefe tehuelche) sempre carregou uma bandeira azul e branca, que acenava em reuniões, festas e conselhos, com o propósito deliberado de significar que eram índios argentinos”.

Este cacique, na última etapa da Campanha do Deserto e ao saber em 1881 da chegada vitoriosa da expedição do General Villegas ao Lago Nahuel Huapi:apareceu com seu índio no acampamento argentino com a bandeira nacional na frente e foi recebido com honras de um soldado “. Os Musters presenciaram um parlamento pelo qual os Tehuelches ” concordaram em se submeter às ordens de Casimiro com o conselho de defender os Patagones em caso de invasão dos índios Calfucurá … Porque se aquela população fosse destruída não haveria mercado para suas peles. “

Os mapuches, por outro lado, trouxeram uma cultura de luta e ódio contra os “huincas”. O fim da Guerra da Independência do Chile com a Batalha de Maipú em 1818, determinou que tribos Mapuche inteiras, que em sua maioria apoiaram os monarquistas, cruzassem a cordilheira para se estabelecerem definitivamente em solo argentino. Entre eles, os Vorogans e os Ranqueles, que inauguraram um tempo de desolação sobre as tribos Tehuelche dos pampas, atacando-as sistematicamente. Sob a liderança dos caciques chilenos Calfucurá e Yanketruz, os malditos malones marcaram todas as épocas. Os campos e vilas de San Luis, Mendoza, Córdoba e Buenos Aires, foram arrasados, com um saldo de milhares de mortos e cativos, o roubo de milhares de cabeças de gado e a pretensão de negociação de poder em poder com a Argentina,

Os Pampas, que eram os Tehuelches da região dos Pampas, ficaram do lado das autoridades argentinas. Juan Catriel lutou junto com Rosas, os araucanos, e foi um amigo inabalável dos cristãos. Seu filho, o jovem Catriel, foi nomeado coronel do exército argentino e morreu lutando contra aqueles que chamou de “índios invasores chilenos”. Seu neto Cipriano Catriel e suas lanças foram fundamentais para derrotar Calfucurá na Batalha de San Carlos em 1872.

As campanhas no deserto de Rosas em 1833 e Roca em 1879, que resgataram milhares de cativos, foram contra essas tribos invasoras, nunca contra os Tehuelches. A diferenciação era muito clara. Estanislao Zeballos escreveu em 1878: ” Os índios de outra nação acessível a civilização por causa de sua natureza pacífica e seus instintos humanitários, os Tehuelches … eles não são invasores, porque a sua natureza e costumes diferem radicalmente dos elementos morais e materiais dos Araucanos. Os Tehuelches são índios naturalmente preparados para a civilização “

Federico Escalada nos dá um perfil -no século XX- de dois dos últimos chefes tehuelche: Keltchamn … é o último grande chefe tehuelche com comando efetivo da Patagônia. A memória deste nobre chefe ficou como exemplo inabalável  de nobreza, pureza e abnegação de que esta raça era capaz. O consenso dos antigos colonizadores que o conheceram é unânime. superior magnanimidade. As autoridades constituídas consideravam-no como um policial e juiz das regiões que dominava. Os colonos brancos encontrei nele um bom amigo. O segundo, Venâncio, deu continuidade ao legado e soube desfilar com sua tribo de bandeira e lança, junto com os escolares e as forças da Gendarmaria Nacional. Ele agiu nessas circunstâncias com a dignidade correspondente à sua categoria e participou nos atos nacionais. Aos 60 anos, ele morreu de síncope. Tivemos a dolorosa sensação de assistir ao último ato do trágico épico de Tehuelche. “

Para concluir, diremos que a Argentina sempre foi um povo aberto a todos os que quiseram habitá-la em paz e com objetivos frutíferos. Também foi um exemplo mundial de integração social, sem problemas raciais ou religiosos. É inadmissível que um grupo de impostores tente invocar “direitos ancestrais” ilegítimos, para usurpar bens com violência e atacar pessoas. Algumas tardes da noite podem fingir relançar os delírios do aventureiro francês Antoine de Tounens que em 1860 se autoproclamou “rei da Araucanía e da Patagônia”, considerando essas regiões isentas da soberania de qualquer país. Muito menos tolerável é que o atual governo argentino, por ação ou omissão, os proteja e estimule a intensificar seus atos de terrorismo.

Fonte: https://www.memo.com.ar/opinion/tehuelches-mapuches-articulo-gustavo-cairo/

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Australis Regio. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.