Ungern como um Mito e sua importância para nós

Ungern como um Mito e sua importância para nós

Por Askr Svarte

Tradução Guilherme Fernandes / Resistência Sulista

Em 15 de agosto de 2016, durante a reconstrução de uma casa na rua Krasny Prospect 11, em Novosibirsk, foram descobertas as fundações de uma antiga rede de porões interligados. Aparentemente, uma das salas deste complexo foi usada como local de execuções. Esta é a “casa do relógio”, onde ficava a mansão do comerciante Mashtakov, e não muito longe dali fica a segunda casa de Mashtakov, que hoje é uma escola de arte. Os historiadores locais afirmam que ambas as casas eram conectadas por uma rede de túneis e passagens subterrâneas. Alguns afirmam que em 15 de setembro de 1921, o Barão von Ungern-Sternberg foi fuzilado no porão da casa do comerciante Mashtakov. Se pensava antes que isto tinha acontecido na avenida 9 Kransny (Khud. Ušilyshche), mas com a descoberta feita no edifício 11, tornou-se claro que ambos os edifícios faziam parte de um complexo subterrâneo: vários restos de balas foram encontrados nas paredes, além de muito chumbo grosso. Outra versão afirma que o barão foi levado para a rua Oba de Fabrichnaya, já que a rua Sverdlov e a rua Kommunisticheskaya estão a caminho das casas 9 e 11 de Krasniy Prospekt, respectivamente, e há ali trilhos de trem.

Embora um local muito mais plausível tenha sido descoberto onde a execução do Barão Ungern pode ter ocorrido, seus restos mortais e pertences ainda não foram encontrados. No entanto, surge a seguinte questão: por que os pagãos tradicionalistas deveriam se preocupar com o destino de um general monárquico branco fuzilado pelos bolcheviques e que não foi reabilitado até hoje por ser considerado um “inimigo do povo”?

Uma resposta um tanto superficial a essa pergunta pode ser encontrada na mesma biografia do Barão Roman Fedorovich von Ungern-Sternberg, nascido em 1886. O Barão Ungern foi estudado como uma figura histórica por várias monografias que exploram documentos de arquivo e decisões judiciais da época. Mas a figura do Barão Ungern tem muito mais ressonância para os povos pagãos nativos da Buriácia, bem como para o xamanismo do Extremo Oriente e da Mongólia (muitas vezes misturado com os ensinamentos de Buda, que Ungern seguiu), o que o torna um oficial e um cossaco branco bastante incomum. Mas, reiteramos: quão importante é tudo isso para nós, que pertencemos ao povo russo e às periferias da Europa Central e da Sibéria Ocidental? Responderemos da seguinte forma:

Em primeiro lugar, todo tradicionalista pagão é, por definição, um defensor da superioridade do mito sobre a realidade, sendo esta última nada mais do que uma construção social positivista e uma espécie de “contra-mito”. O mito é sagrado, transgressivo, ativo e sacro: o mito é parte de nós e, portanto, o Barão Ungern é antes de tudo “um mito”, de modo que não estamos interessados ​​em seu corpo físico real ou por ter sido uma personalidade histórica. O mito é muito multifacetado. Nenhum outro general branco criou um mito com tanta ressonância e riqueza como o de Ungern, nem mesmo personagens como Kolchak ou Deniken. O Barão Ungern foi um oficial budista do Exército Branco, a encarnação do Deus da Guerra Mahakala, defensor dos ensinamentos de Buda, libertador de Urga e da Mongólia, restaurador da teocracia de Bogd Khan VIII, um tirano cruel e sádico, carrasco dos bolcheviques e traidores que fez chover bolas nas cabeças de seus inimigos. Todos esses fatos são como um rio que transborda e corre incessantemente: passa-se facilmente da história às lendas, das lendas aos livros, e nos livros só encontramos todos os tipos de mitos corporificados. Roman Fedorovich é sem dúvida uma das figuras mais estranhas do movimento branco na Sibéria e no Extremo Oriente.

O paganismo russo contemporâneo busca desesperadamente mitos e figuras históricas que sirvam de referência para construir um eixo histórico e moral que sirva de guia. É por isso que procuramos descobrir eventos e personagens carismáticos, icónicos e exemplares que cumpram este papel. Mas enquanto a história antiga era muito rica nessa classe de personagens, a história moderna é muito pobre. No entanto, existem aqueles que partem do pressuposto de que “não há nada a que se agarrar” e, portanto, não há ninguém para resgatar. Então, o que nós, tradicionalistas pagãos, pensamos do Barão Ungern? Roman Fedorovich não era realmente um budista, ou se era, não era realmente um praticante, pois o budismo em estado puro é apenas uma forma de niilismo que nega a Tradição. Porém, o budismo não existe em nenhum lugar em seu estado puro, pois sempre o vemos mesclado, em diferentes proporções, com as tradições nativas locais. Portanto, podemos dizer que ocorre o fenômeno da dupla fé, é o caso do Bön, do Zen e de todas as variedades do xamanismo siberiano e mongol que absorveram o budismo e o tornaram parte integrante de suas crenças. O hinduísmo também pode enobrecer o budismo fornecendo-lhe seu panteão, junto com a influência dos Upanishads e sutras. Se partirmos dessa tese, podemos dizer que o mito de Ungern tem muitas influências pagãs, já que a ele se atribui a libertação do monarca dos mongóis, sem falar que era considerado a encarnação do deus Mahakala. Algum outro russo foi considerado uma divindade guerreira no Oriente? E é aqui que reside o cerne da questão. A arte marcial é muito importante para o paganismo russo e podemos encontrá-la ao longo de nossa história: Rurik, Svyatoslav, Alexander Nevsky e Dmitriy Donskoy se encaixam nesta categoria, e embora este último seja reivindicado pelos ortodoxos, eles foram todos guiados por uma mesma visão de mundo e são exemplos do poder militar russo. No entanto, o paganismo russo moderno também pode se basear em arquétipos militares e imagens culturais que existem na Escandinávia e na Alemanha, como o paganismo dos vikings (com seus capacetes e espadas), os drakkars, os aegilshjalms, Mjöllnir ou as runas. Estes são empréstimos que o paganismo russo faz dos alemães para preencher algumas lacunas e vazios que ele possui. Mas voltando aos primeiros anos do século 20, quando estourou a guerra civil no Extremo Oriente, podemos encontrar em Unger um excelente exemplo de vontade indomável, intrepidez sem par e temeridade militar sem paralelo, no sentido mais nobre do termo. Julius Evola diz em um artigo intitulado “O Barão Sanguinário” que as raízes alemãs de Roman remontam aos vikings, o que pode explicar seu caráter belicoso e, acrescentamos, sombrio e fatalista de seu destino, que está muito de acordo com as escuras florestas teutônicas. De todos os senhores da guerra contemporâneos, apenas ele era considerado a personificação de um indomável Deus da Guerra e um aventureiro incomparável no campo de batalha. Foi esse fogo ardente do kshatriya que chamou a atenção de outro barão: o tradicionalista pagão Júlio Evola. Este último comenta que o “desprezo pela morte” de Ungern e a veneração que recebe no Oriente se deve às suas qualidades místicas e ao seu contato com os centros iniciáticos da Ásia. Diz a lenda que ele recebeu o anel de Genghis Khan, que dizia conceder grande poder a quem o tivesse.

“Meu nome está cercado por tamanho ódio e medo que ninguém pode julgar o que é verdade e o que é mentira, o que é história, e o que é mito.” – Barão Roman Fedorovich von Ungern-Sternberg, 1921.

Evola escreveu sobre Ungern o seguinte:

“O segundo ponto diz respeito ao ideal defendido por Ungern. A luta contra o bolchevismo teria sido o sinal de uma ação mais ampla. De acordo com Ungern, o bolchevismo não foi um fenômeno autônomo, mas a última e inevitável consequência de processos involutivos que ocorreram por muito tempo na civilização ocidental. Como Metternich no passado, ele percebeu precisamente uma continuidade entre as diferentes fases e formas de subversão do mundo, a partir da Revolução Francesa. Agora, também de acordo com Ungern, a reação deve partir do Oriente, de um Oriente fiel às suas tradições espirituais e unido, diante do perigo ameaçador, com todos aqueles que seriam capazes de uma rebelião contra o mundo moderno. A primeira tarefa teria sido eliminar o bolchevismo e libertar a Rússia”.

Visto dessa perspectiva, o mito de Ungern brilha intensamente. No entanto, Ungern era um oficial branco e membro do movimento branco. Aqui, e sem entrar em detalhes desnecessários, devemos responder à pergunta: “de que lado os tradicionalistas pagãos tomaram na guerra civil do início do século 20? Respondemos: nenhum, porque não somos partidários nem da ortodoxia “branca” nem da “esquerda” sem Deus. Não porque simpatizemos com o Barão Roman Fyodorovich Ungern, isso significa que somos a favor dos “brancos”, mas também não somos a favor dos “vermelhos”. Além disso, isso significa que somos a favor do budismo ao resgatar Ungern? De modo algum. Somos monarquistas? Acho que poderíamos nos aprofundar muito nesse problema, mas, novamente, esse não é o ponto.

Mais uma vez, devemos nos concentrar em responder às seguintes questões: quem era esse barão sanguinário, Ungern, mestre na arte da guerra, e o que nós, tradicionalistas pagãos, devemos recuperar dele?

Respondemos à primeira pergunta da seguinte forma: Ungern não era um homem, mas um mito transgressor, ou seja, foge da possibilidade de fazer uma definição clara dele. Ele era um budista, o deus da guerra Mahakala, um tirano, um aventureiro que possuía uma vontade inflexível que o levou a acessar os centros esotéricos e iniciáticos da Ásia e também foi um defensor da Tradição contra os bolcheviques, defensores da Modernidade. Verdade, lenda, testemunho e ficção se entrelaçam em todos esses fatos: o mito da figura de um Kshatriya obstinado torna o Barão uma figura única na história russa e sem dúvida chama nossa atenção para seu destino.

O fim de sua luta também é bastante revelador: Piotr Shchetinkin, comandante de um esquadrão do Exército Vermelho, “derrotou os bandos de Ungern” e foi coroado com os louros da vitória. Quando ouvimos o sobrenome “Ungern”, a ideia de um homem que ruge, agressivamente e alto, contra todos vem à mente: von Ungern-Sternberg é o nome de um aristocrata e um guerreiro que carrega o sangue dos “Kshatriyas” Alemães. Por outro lado, o nome de P. Shchetinkin (Щетинкин) soa como o rosnado (шипящая) de um gato ou o atrito irritante de botas, semelhante ao berro de um porco. Poderíamos dizer que é sobre a vitória do baixo sobre o alto, da turba e do moderno chandala sem alma sobre o último defensor da aristocracia do espírito, da coragem e da honra.

Resumindo, podemos dizer que o Barão Ungern não é um representante dos brancos nem dos vermelhos, não podemos considerá-lo pagão e, claro, também não pode ser considerado um dos nossos heróis. Ele é antes de tudo ele mesmo (Selbst) e por isso é um ser mítico que transcende tudo o que é comum e trivial, terreno e inexistente ou tudo que não tem valor e conteúdo. Ninguém pode realmente se apropriar de Ungern porque ele é seu próprio soberano, uma estrela que brilha no final do atual Manvantara. Podemos olhar para trás, retomar seu mito e sua vontade e seguir nossa própria Tradição.

Enquanto isso, a versão oficial sobre a origem do estilhaço no porão do ex-comerciante Mashtakov diz que foi causado por uma granada que serviu para demolir as fundações da casa para construir a “casa do relógio”. Desnecessário dizer que é muito estúpido destruir alicerces de tijolo e granito com estilhaços de uma granada, especialmente quando eles estão enterrados profundamente no solo. Mais uma vez, testemunhamos como a saliva na cara e os sorrisos do pelotão de fuzilamento da Cheka são substituídos pelo enfadonho relatório de protocolo de que “uma granada de estilhaços foi detonada para explodir as fundações de uma casa”. É sobre o triunfo da chata prosaicização do mundo de Shchetinkin em face do martírio de Ungern. E esta versão certamente será popular entre as massas.

No entanto, o crânio e os ossos do barão estão nas entranhas de Novonikolaevsk-Novosibirsk. Seus restos mortais ainda nos escapam, como tantas vezes acontece com todos os santos e sábios asiáticos.

Em homenagem ao 95º aniversário da execução do Barão Ungern. 15/09/2016

Fonte: Ungern como um mito e sua importância para nós | Rebelião Contra o Mundo Moderno (wordpress.com)

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Contra o Sistema Mundial. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *