A Reinvindicação da Saudação ‘Ibérica’

A Reinvindicação da Saudação ‘Ibérica’

Por Gonzalo V. Montoro Gil

Tradução Guilherme Fernandes / Resistência Sulista

O artigo busca esclarecer a origem histórica por trás da famosa saudação tão usada pelos nacionalistas do século XX e séculos atrás pelos romanos no período imperial. Afinal, é realmente uma simbologia romana? ou apenas incorporado como um símbolo de Roma após conquistar a Península Ibérica?

Esta saudação, originada entre os ibéricos, segundo o grande arqueólogo espanhol da primeira metade do século XX, J. Cabré, a saudação característica dos ibéricos de braço estendido e de mão aberta, entre os séculos V e I aC. Foi adotada pelos romanos juntamente com a “Gladius Hispaniensis” (espada ibérica) quando estes entraram em contato com os povos hispânicos.

Seria, portanto, segundo Cabré, uma saudação genuinamente ibérica que mais tarde foi utilizada em todo o Império Romano como saudação tradicional. Conhecida como “saudação romana”, foi adicionada a expressão latina “Salve!” (O que significa “Olá!”) Ou “Ave!” (O que significa ‘Fique bem!’). Ou seja, eles queriam dizer quase a mesma coisa: ‘Salud’, ‘Eu te saúdo’.

Para os ibéricos foi um gesto revestido de uma sacralidade especial, porque nas oferendas votivas dos santuários eles próprios se representavam, saudando e invocando frequentemente as Divindades permanentes e fazendo a tradicional “saudação étnica” ao seu povo.

Os romanos nada fizeram senão assimilá-lo aos seus próprios usos e costumes culturais. Na verdade, os romanos se referem a ele como “SALUTATIO IBERICA”. A saudação normalmente representado é com a palma da mão direita levantada, com o braço flexionado, apresentando a palma da mão para a pessoa a quem ela é feita.

Mas nas legiões, quando se tornou uma saudação militar, era feita de forma mais rígida, flexionando um pouco o braço, ou mantendo-o reto, sem flexioná-lo (então, ao invés de estender verticalmente, inclinava-se cerca de 45º acima do horizontal e palma para baixo).

Assim, em Roma, a chamada “saudação romana” foi estabelecida, estendendo o braço para a frente, com a palma da mão voltada para baixo. O braço foi estendido paralelamente ao solo ou em um ângulo ascendente indeterminado. Embora seja chamada de romana, nem sempre foi usada na longa história romana, sendo mais frequente nos tempos do Império.

Desta forma, podemos vê-lo na Coluna de Trajano, onde os legionários cumprimentam o imperador, e em muitas estátuas de imperadores, especialmente as de Augusto, tão comuns em toda a geografia imperial, ou no retrato equestre de Marco Aurélio, para se referir a alguns exemplos notáveis.

Prova da variedade nas formas deste sinal, teríamos um relevo do século D.C. Em Éfeso, onde a saudação no funeral de um militar é feita com a mão aberta para a frente, mas voltada para o solo em um ângulo de quarenta e cinco graus.

É um sinal de amizade, abertura, paz e cordialidade; Supõe relações de ferro e fidelidade absoluta ao comando e aos camaradas segundo o “devoto ibérico”. A mão direita erguida, que significa “paz”, e com a palma aberta, que representa que “não há nada a esconder”.

No Regulamento de 1ª Linha das Milícias Falangistas, no capítulo 6, afirma-se que “a saudação será feita em posição firme … eles vão levantar o braço direito, até formar um ângulo de 45 graus com a vertical com a mão aberta e a palma voltada para a frente. “

Assim, foi escolhido em face da violência marxista, com o punho cerrado e um tom ameaçador.

No século 20, a “saudação romana” reapareceu na Europa logo após o fim da Grande Guerra, quando Gabriele D’Annunzio liderou o grupo armado de italianos no assalto a Fiume, uma expressão do irredentismo italiano e o início do fascismo.

A “saudação romana” começa a reaparecer em estados como o Fascista (o italiano Fascio di Combattimento), o Nacional Socialista Alemão, o Falangismo Espanhol, o Rexismo Belga, a Guarda de Ferro Romena, etc.

Esta saudação também é usada nos primeiros Jogos Olímpicos modernos

Mesmo nos Estados Unidos, onde o clérigo Francis Bellamy popularizou um gesto semelhante em 1892 como um acompanhamento para o juramento de fidelidade à bandeira. O braço se estendeu ligeiramente para a frente no céu, tornando-se a ‘saudação de Belamy’.

Os Estados Unidos mudaram o juramento de fidelidade à bandeira em 1942 para o atual, que consistia em levar a mão direita ao peito na altura do coração, com uma conotação maçônica clara.

Em suma, em alguns casos pode-se dizer que a saudação de braço levantado deixou de ser uma simples saudação afetuosa e confiável para se tornar um juramento, como também é o caso da Argentina o ‘Juramento à Bandeira’ que se faz com o braço estendido (‘Saudação ibérica’), embora nem todos saibam disso.

Resumindo: a saudação ‘Ibero’ ou ‘Romana’ pode ser considerada aquela realizada com o braço flexionado direcionando a palma da mão à pessoa que está sendo cumprimentada ou com o braço estendido mantendo-o reto, sem flexioná-lo (portanto, ao invés de estender verticalmente , é feito inclinado cerca de 45º na horizontal e com a palma da mão voltada para baixo),

Tudo depende da área geográfica e do período histórico em questão; o que interessa mesmo é que seja uma saudação que transmita a confiança, a integração e a paz que proporciona a quem a cumprimenta, ao contrário, como foi dito, do punho cerrado marxista que implica um sentido de tensão, ódio, violência.

Fonte: El Mensajero de la Confederación Argentina: REIVINDICACIÓN DEL ‘SALUDO ÍBERO’ (elmensajerodelaconfederacionargentina.blogspot.com)

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Contra o Sistema Mundial. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Um comentário em “A Reinvindicação da Saudação ‘Ibérica’

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *