A Construção do Estado Russo Contra o Cinismo da Elite

A Construção do Estado Russo Contra o Cinismo da Elite

Por Alexander Dugin

Na construção de um Estado, é necessária a participação de todos, mas neste artigo vamos falar sobre a elite russa contemporânea e sua ideologia (ou, para ser mais preciso, o fato de que mudam de ideologia como se mudassem de roupa). A maior parte da elite russa de hoje emergiu na década de 1980 e veio de instituições como o Komsomol, o Partido Comunista, a KGB, setores empresariais, jovens economistas e, mais tarde, de certos círculos marginais compostos de fazendeiros, especuladores e membros da crime organizado.

Toda a nossa elite atual, com exceção dos círculos marginais, era composta pelo Partido Comunista, marxismo, comunismo científico e política soviética – todas as suas ideias sobre existência, tempo, matéria, sociedade, pessoas e natureza. Consciência vêm de lá. Hoje está claro que nenhum deles se agarrou a essas ideias e não se sentiu atraído por elas. Isso não significa que tivessem outra ideologia, mas nunca foram fiéis à ideologia com a qual foram formados.

Depois que a URSS entrou em colapso e a Federação Russa nasceu de suas cinzas, eles rapidamente adotaram a ideologia liberal. Agentes e parceiros ocidentais insistiram nessa questão, e a nova elite russa logo jurou fidelidade aos valores liberais. 

Devemos lembrar que aqueles que fizeram isso não foram velhos dissidentes e verdadeiros liberais como Novodvorskaya ou Lev Ponomarev, mas pessoas que vieram do Partido Comunista, da KGB ou de estruturas pseudocientíficas ineficazes (como Burbulis, Gaidar, Chubais) que de repente estavam em comando do Estado na década de 1990. A tudo isso foi adicionada a influência indireta de muitos bandidos, ladrões e larápios. O regime então implantado explorou tudo o que pudesse criar a democracia nominal que existia na época e rapidamente formou clãs oligárquicos em todo o país.

Quando Putin se tornou o presidente da Federação Russa, a primeira coisa que ele fez foi rejeitar esse modelo político por meio de uma ênfase crescente na condição de Estado e na soberania nacional em face do liberalismo formal. Alguns oligarcas ficaram imediatamente indignados com esses eventos, mas os rebeldes foram presos. Os demais acabaram aceitando as regras do jogo que Putin lhes impôs. A Rússia deixou de ser uma democracia e se tornou uma “democracia administrada”; o liberalismo puro deu lugar à fórmula “liberalismo + estado”. Quase toda a elite russa jura fidelidade a esses princípios, então pode-se dizer que eles renunciaram facilmente ao comunismo e ao liberalismo que outrora defenderam. Durante a presidência de Medvedev (2008-2012) eles voltaram aos seus velhos hábitos e esperam ter novamente a mesma liberdade que tinham durante a década de 1990, quando encheram os bolsos com todo o dinheiro que saquearam. No entanto, depois que os protestos de Bolotnaya terminaram, eles simplesmente “se alinharam” novamente para obter acesso ao ouro e ao petróleo.

Quando Putin assumiu a presidência pela terceira vez em 2012 (e especialmente depois do que aconteceu na Crimeia), as regras que foram impostas foram ainda mais rígidas. A fórmula “liberalismo + Estado” passou a dar cada vez mais ênfase ao Estado do que ao liberal e esta última palavra passou a ser sinónimo de “agente estrangeiro”. Tudo isso levou à dissolução vergonhosa das plataformas liberais quiméricas dentro e fora do Rússia Unida. Este é o estado da atual elite russa: eles mudaram de ideologia quatro vezes em um curto período de tempo e assumiram sistemas tão diferentes como o comunismo, a democracia liberal, o pós-liberalismo e o estatismo em diferentes momentos. No entanto, eles continuam a se agarrar ao poder e às suas posições a todo custo.

A conclusão que podemos tirar de tudo isso é a seguinte: a elite russa não tem uma ideologia coerente e sistemática. É provável que sejam inconscientemente inclinados ao liberalismo, mas tal ideologia os impediria de alcançar o sucesso em suas carreiras.

Nenhum deles é capaz de suportar as adversidades e os sacrifícios que os revolucionários do início do século passado fizeram em nome de uma ideia, a ponto de correr o risco de serem rotulados de “agentes da influência ocidental”. A elite de hoje tem muito a perder, a começar pelo roubo e saque de orçamentos equivalentes à riqueza de países inteiros.

 É por isso que a característica quintessencial da elite russa é o cinismo.

A elite russa de hoje (com exceção talvez de Putin, que impõe leis ideológicas graças à sua autoridade) é composta de indivíduos pragmáticos altamente cínicos cujo único objetivo é satisfazer seus apetites e ambições individuais. Eles não acreditam em nada nem em ninguém, mas estão dispostos a lutar, usando todos os métodos disponíveis, contra qualquer um que os desafie.

Pode-se dizer que são pessoas apaixonadas, dispostas a arriscar para obter dinheiro, poder, recursos e fama. Além disso, eles sabem como vencer e se safar. É uma elite agressiva, cínica, sem escrúpulos, amoral e egocêntrica. No entanto, eles são muito bem-sucedidos. Pode-se dizer que eles são uma espécie de bastardos de sucesso.

Em suma, essa é a nossa elite e não temos outra. Todos eles têm origens semelhantes e saíram vitoriosos das batalhas e guerras que travaram graças a uma cadeia interminável de traições e crimes. O problema é que eles não acreditam em nenhuma ideia e vão endossar qualquer ideia que Putin impõe como “A Crimeia é nossa” (isso exclui, é claro, personagens como Gref e Aven). Se as coisas mudarem, “quem é o dono da Crimeia” não vai dar a mínima: tudo isso é irrelevante para seu existencialismo licantrópico.

Essa é a verdadeira condição de nossa elite. Mas quais são as idéias de Putin a respeito da construção de um estado do qual ele fala cada vez mais e o que ele supostamente deseja criar? Quem você nomeará como seu sucessor? A resposta dada à primeira pergunta determinará, sem dúvida, a segunda.

Se Putin aceitar que é impossível construir um Estado – isto é, um Estado como Idéia, que tenha uma missão ideológica e um propósito civilizatório – usando a elite existente, então deixará o campo aberto para que os mais fortes lutem pelo poder depois. para ele sair da presidência. Putin sabe que todos eles são uma matilha de lobos cínicos e agressivos. O mais forte vencerá e é precisamente para evitar que esta “luta de todos contra todos” comece que Putin fez alterações na Constituição quando pôde. É uma tentativa de conter os anseios desses “darwinistas sociais” que estão dispostos a pular para o ringue quando o sino tocar.

Por outro lado, Putin não era de forma alguma o agente mais forte do estado quando assumiu a presidência. Yeltsin o investiu com esse poder desde que os oligarcas não arruinassem o país. Mas tal estratégia não pode ser repetida novamente sem muita habilidade. Na história, essas coisas só acontecem uma vez e, mais tarde, a única coisa que pode ser feita é criar simulacros ou cópias bastante inferiores.

Portanto, se Putin chegou a algum tipo de acordo com essa elite, a construção do Estado não avançará mais. Isso não significa que tudo vai piorar, mas também não vai melhorar. Nada se pode esperar dessa elite de cínicos: as gerações futuras, ou seja, os filhos e netos desses lobos, carecem das qualidades de seus ancestrais, pois estão completamente decompostos pela cocaína, pela promiscuidade e pelo escândalo de Courchevel (1) que os fazem incapazes de atropelarem os outros. Eles perderão o poder quando o assumirem. O grau de agressividade e vontade dos membros do Komsomol dos anos 1980, dos bandidos e ladrões dos anos 1990, dos criadores das diretrizes do Ano Zero e dos participantes do “Consenso da Crimeia” (são os mesmos indivíduos!) Está desaparecendo longe. Porém, todos eles se agarram ao poder e dizem aos seus descendentes sem hesitação: “Você deve fazer o mesmo que eu ou pelo menos tentar.” No entanto, seus descendentes não têm força para realizar tais ações.

Agora, se Putin tem uma ideia (e não pode ser de outra forma porque ele governa o nosso país, ainda que tenha uma ideia puramente hipotética) sobre o nosso futuro … então podemos falar da construção séria e responsável do Estado.

Portanto, a primeira coisa a fazer é substituir nossa elite.

Esses cínicos não são adequados para governar o estado e só são úteis quando fazem algo que os afeta pessoalmente. Pelo contrário, a construção de um estado requer o apoio de todos.

O estado é uma tarefa de grupo e a elite russa está pronta para se adaptar a qualquer tipo de estado – seja ele forte, fraco, poderoso, soberano decadente, colonizado, socialista, liberal, nacionalista – se isso significar que eles podem manter seu poder. Portanto, uma missão importante não pode ser confiada a eles, uma vez que não consiste em pegar, tomar, se apropriar ou apertar os outros. Muitos cínicos não são adequados para criar um estado, mas podem usá-lo em seu próprio benefício.

Se o Estado é realmente importante para Putin, então deve fazê-lo assumir uma ideologia, ou seja, o Estado deve se tornar uma ideia, uma meta, uma paixão, um elemento criativo e um valor supremo. E para que isso aconteça, é necessário ter uma elite adequada para realizar a construção e criação desse estado. A ideologia de tal elite não será comunismo nem liberalismo, porque ambos consideram que o Estado deve ser abolido.

Isso nos leva à conclusão de que devemos ter outra ideologia e para isso devemos nos voltar para a história da Rússia ou os exemplos que podemos extrair de outras sociedades não ocidentais e não modernas. Tudo isso se resume a um ato de vontade, seja provável ou improvável.

De qualquer forma, é preciso mudar a elite. Chegamos ao ponto em que uma mudança retumbante é imperativa.

É preciso escolher entre a elite que existe hoje ou a Rússia. E essa decisão é feita por uma pessoa. Na época, Stalin anunciou que era necessário renovar o Partido, o que significava o fortalecimento do Estado.

É hora de um grande expurgo, real e não cosmético ou ostentoso. Para isso, a visão cínica de mundo que a elite moderna estabeleceu deve ser abolida e a partir daí poderemos seguir em frente.

Tradução para Português: Carlos Henrique Gorniski Güntzel – Resistência Sulista

Notas do tradutor do Espanhol Juan Gabriel Caro Rivera :

1. O escândalo de Courchevel é um incidente ocorrido em 9 de janeiro de 2007 na estação de esqui francesa de Courchevel, no qual a polícia francesa deteve vários membros de alto escalão da grande empresa russa devido a uma investigação relacionada com uma rede de luxo prostitutas.

Redação

Redação

Administrador da verdadeira dissidência política da América Austral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *