EVENTOS NA PALESTINA: O FIM ESTÁ MAIS PRÓXIMO DO QUE NUNCA

EVENTOS NA PALESTINA: O FIM ESTÁ MAIS PRÓXIMO DO QUE NUNCA

Por Alexander Dugin

Tradução: Guilherme Fernandes / Dono do Blog Contra o Sistema Mundial e Membro da Resistência Sulista

Os eventos na Palestina estão no centro das atenções da mídia mundial. A escalada do conflito entre israelenses e palestinos atingiu um ponto culminante sem precedentes nos últimos dias.

É importante destacar que não só os israelenses estão massacrando os palestinos, mas os foguetes lançados pelo Hamas também estão atingindo seus alvos. Os israelenses também estão perdendo suas vidas.

A explosão do conflito árabe-israelense mais uma vez ressuscita toda uma série de tramas apocalípticas agourentas. Todas as três religiões monoteístas mundiais – judaísmo, cristianismo e islamismo – concordam que o fim do mundo começará com uma grande guerra na Terra Santa. Portanto, o Fim está mais perto do que nunca.

O próprio Estado de Israel é, aos olhos dos judeus religiosos, um Estado do Fim. A quarta diáspora (galut), que começou com a destruição de Jerusalém por Tito em 70, após a qual os judeus foram espalhados por todo o mundo, termina apenas na era de Mashiach.

O Israel moderno é construído, em certo sentido, com crédito.

Os judeus após a Segunda Guerra Mundial usaram todas as suas forças para assumir o controle da Palestina, por bem ou por mal. Eles pensaram que com seus esforços estavam apressando a vinda do atrasado Mashiach. Preparando o terreno para sua chegada, criaram uma espécie de pré-estado.

Depois que eles tomaram Jerusalém à força e fizeram dela a capital. A última etapa foi demolir a mesquita de Al-Aqsa, sagrada para os muçulmanos, e iniciar a construção do Terceiro Templo. De acordo com a tradição judaica, você deve primeiro encontrar uma vaca vermelha e oferecê-la como um sacrifício ritual. Mas, se for absolutamente necessário, é possível interpretar o que se entende por “vermelho” de diferentes maneiras, ou mesmo – no espírito do pós-modernismo – tingir lugares duvidosos.

Mas se Mashiach atrasar mais, pode haver uma falência fundamental não apenas de Israel, mas do Judaísmo e dos judeus como um todo.

Para os muçulmanos, a Palestina e Jerusalém, bem como a mesquita de al-Aqsa, por cujo destino eles estão justificadamente preocupados, estão ao mesmo tempo:

• o local de milhares de anos de habitação habitual,
• e também um santuário sagrado, o terceiro em significado depois de Meca e Medina.

Mais uma vez, os muçulmanos acreditam que o fim do mundo estará diretamente ligado a uma grande guerra religiosa no Oriente Médio – em uma área que se estende da Síria ao Egito, incluindo todo o Israel moderno. Assim, o mundo islâmico e árabe, reagindo violentamente hoje à escalada da violência na Palestina, é movido não apenas pela indignação com a ocupação judaica e o estilo duro – às vezes racista – de comportamento dos israelenses, mas também pela antecipação da Última Batalha. Tanto os xiitas quanto os sunitas estão prontos para isso. No que diz respeito ao fim dos tempos, os dois ramos principais islâmicos concordam entre si. E ambos veem a solução para o problema palestino apenas na destruição de Israel como um Estado-nação judeu. Para o mundo cristão, Jerusalém também é sagrada. E as profecias bíblicas, assim como o Apocalipse cristão, por sua vez falam da Última Batalha de Satanás com o exército do arcanjo Miguel, que deve acontecer na Terra Santa.

Obviamente, na era do materialismo de massa é comum interpretar essas histórias alegoricamente, como metáforas puras, mas aqueles cristãos que levam as Escrituras a sério não podem deixar de notar como os eventos de nosso tempo se parecem com as profecias do tempo do fim.

O Armageddon está localizado em Israel.

E aquele a quem os judeus consideram Mashiach, no entendimento cristão, não será outro senão o Anticristo. Portanto, também para o mundo cristão, o agravamento na Palestina é um símbolo de alerta. Céticos e materialistas, é claro, mais uma vez explicarão tudo isso por:

• intrigas de Netanyahu, confundidas com a política interna,
• condições socioeconômicas,
• covid19,
• flutuações do mercado de ações, ou
• preços do petróleo.

Mas aqueles que se matam em Israel e aqueles que acreditam mais nas Sagradas Escrituras do que nos frívolos comentaristas e especialistas que mudam seus pontos de vista dia a dia, estão claramente interpretando os eventos de uma maneira mais séria. O preço da vida humana é muito alto para pagar por algumas coisas pequenas e transitórias. Envolver-se em um cenário tenso dos Tempos do Fim é outra questão.

A coisa certa a fazer é se envolver.

Essa é minha diretriz hoje. A história está chegando a um desfecho. E melhor enfrentar isso.

Fonte: Events in Palestine: the End is closer than ever | Katehon think tank. Geopolitics & Tradition

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Contra o Sistema Mundial. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *