NOTA DE PESAR: FALECEU O ESCRITOR E POETA DISSIDENTE ARGENTINO JUAN PABLO VITALI

NOTA DE PESAR: FALECEU O ESCRITOR E POETA DISSIDENTE ARGENTINO JUAN PABLO VITALI

Ontem, na quarta-feira (4), veio a conhecimento público através de sua página no Facebook a morte do escritor, crítico político e poeta argentino de Buenos Aires, Juan Pablo Vitali. Figura aclamada pela dissidência internacional desde a América do Sul até a Europa e além, Vitali faleceu aos 50 anos de idade.

As causa da morte ainda são desconhecidas do público, porém, em seu perfil é visível a manifestação de amigos, admiradores, parentes e colegas de Vitali que lamentaram a passagem do escritor e poeta dissidente.

É um momento muito triste para a dissidência de todo o mundo, principalmente deixando um enorme aperto no coração das pessoas que o conheciam de perto, com a memória de ter partilhado com ele momentos maravilhosos durante a sua vida e árdua militância. Com o ressoar de suas obras eternizadas no Mundo, expressamos a nossa memória respeitosa e permanente.

Vitali deixa um vasto acervo em livros, escritos, críticas e poesias, muitas delas disponíveis no site ao qual se dedicava mais recentemente Juan Pablo Vitali – Escritor da la Ultima Frotera, onde se encontram no idioma nativo, o espanhol.

Breve biografia

Conhecendo mais sobre Juan Pablo Vitali (1961 – 2021)

Escritor argentino, nascido em 1961, suas raízes remontam à migração entre 1850 e 1950, contando entre seus ancestrais algumas famílias antigas e reconhecidas na Argentina, aparentadas com o herói argentino Juan Bautista Alberdi.

Juan Pablo vinha de uma antiga família peronista militante, presente nos eventos mais importantes do movimento durante seu auge. Depois de ter sido militante na juventude, Vitali passou a exercer um senso crítico sobre os rumos de tal movimento, momento que coincidiu com a morte de seu líder, Juan Domingo Perón. Após uma breve passagem pela militância no setor sindical do peronismo, ele decidiu que suas ideias passavam por outro tipo de trabalho na conformação de novos paradigmas metapolíticos e culturais.

Começou a escrever poesias heroicas intensamente e a ler autores de renome como EvolaGuenónAlain de Benoist, Steucker, Faye, entre outros. Ele também passou a estudar pensamentos filosóficos alternativos e negligenciados em nossos tempos, como a Revolução Conservadora Alemã, o movimento völkisch, o paganismo, o ciclo cultural indo-europeu, a obra de Nietzsche e outros tópicos relacionados.

A sua primeira incursão como escritor foi com o livro “El Templario y otros Textos” (O Templário e outros Textos), possivelmente perdido na memória literária do Cone Sul, que é constituído por contos da literatura fantástica e alguns poemas, diferenciando-se de outras obras pela invulgar estética e estilo.

Por volta do ano 2000 começou a publicar vários poemas épicos na Internet, onde manifestou uma profunda espiritualidade com perfil pagão, inclusive aparecendo no Bajo los Hielos, site dirigido pelo editor e escritor chileno Sergio Fritz Roa. Assim, poemas e alguns textos de opinião de Vitali começam a circular em muitos sites europeus, especialmente na Espanha.

O estilo e a fama que conquistou ao longo dos anos levaram-no a publicar em 2010 o livro “Ser Disidente” (Ser Dissidente),  da editora ENR. Tamanho é o seu sucesso que viajou a Madrid para recitar o seu poema mais difundido, precisamente “Ser Disidente”. A visão e o alcance deste trabalho conseguiram transcender as barreiras linguísticas entre seus leitores e foi traduzido para italiano, português, romeno e inglês.

Posteriormente, a EAS Editorial publica o livro “De Pie Sobre las Ruinas” (De Pé Sobre as Ruínas), a que se segue “El Libro del Sur” (O Livro do Sul), também da mesma editora, que inclui um prefácio do escritor espanhol José Vicente Pascual.

Já como um autor com ressonância em certos círculos literários, escreveu prólogos e em revistas como EuropaeNihil ObstatCiudad de los CésaresEl Manifiestio e no site italiano Ereticamente, que traduziu alguns de seus poemas, sendo um muito especial aquele dedicado a Dominique Venner, entre outras mídias e plataformas.

Atualmente, e paralelamente à sua atividade poética, desenvolveu de forma extensa e literária as suas reflexões referentes ao movimento identitário pancrioulo, do qual é foi dos seus mentores e figuras simbólicas, que conseguia unir os sentimentos de muitos leitores com sua obra, em todo o território americano, que compartilham o mesmo sentimento do autor: a urgência pela identidade em meio de um mundo hostil e conturbado.

Fonte: Nota de pesar: Faleceu o escritor e poeta dissidente argentino Juan Pablo Vitali (osentinela.org)

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Ativista pela independência patriótica da região Sul e também pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *