Política Aeterna e o fim do Globalismo

Política Aeterna e o fim do Globalismo

– Bem-vindo e obrigado por aceitar o convite, Professor Alexander Dugin!

– Salam alaykum!

O Globo sem resposta

– A pandemia de Corona está a moldar a nova ordem internacional, tal como a pandemia da peste negra no século XIV?

É difícil fazer uma profecia porque a história está aberta. O que é certo que a situação pandêmica mudou as principais regras da estrutura do mundo, porque eu considero que é o maior fracasso da globalização, do globalismo, porque quando algo sério aconteceu com a humanidade à escala global – não à escala nacional, com a economia nacional ou o problema com algum regime político ou alguma sociedade –  mas quando a humanidade foi atacada pela ameaça onipresente de pandemia, o sistema global que estava tão orgulhoso de resolver todos os problemas à escala global falhou totalmente, e a solução única que todos aceitaram –  democracias, semi-democracias, não-democracias – Todos tinham apenas uma solução para fechar as fronteiras, para regressar aos Estados nacionais, para se isolarem. Foi um tipo de reação natural e os globalistas em escala global não propuseram nada que, na minha opinião, é o fim do mundo global e há o novo mundo multipolar que está emergindo em vez disso.

Não se trata apenas de nacionalismo, mas de uma revisão do Estado atual, tendo em conta que a unipolaridade falhou essencialmente no momento em que precisávamos realmente de uma resposta global e em que não havia qualquer resposta, pelo que todos tentam salvar-se a si próprios através de instrumentos próprios, meios próprios para que isso signifique o fim da confiança e das instituições globais de modo que é um grande fracasso, o fim da globalização e do novo mundo, o mundo multipolar emergente.

Por que Platão?

– Muitas pessoas contactaram-me e culparam-me por escolher este livro como título [Platonismo Político: a filosofia da política], culpam-me por ter escolhido este livro, querem livros sobre geopolítica, a Quarta teoria política, eurasianismo mas durante a minha leitura, Sua frase veio como uma iluminação. Diz que quem não conhece ou entende Platão não pode saber ou entender nada. Platão é o criador da filosofia, teologia, ciência e política. Você poderia explicar mais isso para a nossa audiência, por favor?

Por exemplo, vamos começar com a política. Quando começamos a estudar política, em primeiro lugar, precisamos entender o que é ou o que era a filosofia sobre a qual um ou outro sistema político, pensamento político, doutrina política foi construída. Quando consideramos a tradição política europeia, ocidental e ocidental, temos de chegar às raízes. E tudo ou talvez quase tudo começa no Ocidente com Platão. Então, Platão foi o primeiro e principal e ainda é o principal filósofo do Ocidente. É o primeiro e principal filósofo político do Ocidente. O Ocidente baseando-se nos fundamentos da filosofia de Platão expandiu sua compreensão do que é a realidade, o que é o homem, o que é a estrutura política, o que é a hierarquia, o que é o Estado em quase toda a humanidade, então precisamos pelo menos saber que, Temos todo o direito de saber qual é a essência ou a origem do pensamento político e filosófico ocidental.

Mas não só o Ocidente foi influenciado por Platão e todo o tipo de platonismo político a partir de seu discípulo um pouco herege Aristóteles, mas também a tradição neoplatonista que definiu quase toda a teologia do mundo cristão. Plotino em diferentes formas tem influenciado quase todo o pensamento religioso no Ocidente. Não só no Ocidente, porque o pensamento islâmico estava sob grande influência de Platão e Aristóteles. Alguns textos de Aristóteles eram de fato os textos dos neoplatônicos, mas isso é a mesma coisa.

Assim, quando, por exemplo, Ibn Sina ou Al-Farabi têm falado sobre Aristóteles, eles têm significado neoplatonista Proclus ou Plotino ou livros de Porfírio. O pensamento platônico entrou na zona mediterrânea da civilização, ocidental e islâmica e pré-islâmica até um certo nível e que foi uma das principais fontes de qualquer forma de filosofia política. Quando tentamos desconstruir a filosofia política moderna, entendemos o quão longe está o pensamento filosófico de Platão, mas devemos fazer a comparação, porque se não entendermos qual foi o ponto de partida, não entenderemos qual é o ponto final, não compreenderemos o significado do processo político e filosófico no Ocidente e fora do Ocidente. Então, eu ainda acho que Platão é essencial. Eu escrevi mais de 60 livros sobre diferentes temas:  a Quarta teoria política, geopolítica, Noomakhia (vamos falar talvez sobre isso mais tarde), mas eu considero que para lidar com o Ocidente no presente estado, no passado, na história, somos obrigados a aprender Platão, bem como todas as formas de influência direta e indireta (Neo-platonistas, Aristóteles) desta grande mente.

Estudo de Aristóteles sobre a regra. A democracia como o pior.

– Porque é que Aristóteles via a democracia como uma forma de governo pejorativa (juntamente com a tirania e a oligarquia)? 

A ideia principal na “política”, o livro de Aristóteles, é que há três tipos de régua política: a régua de uma, a régua de poucos e a régua de muitos. Essa é a estrutura principal do seu pensamento, e a regra de alguém pode ser boa ou má. Quando há uma pessoa qualificada (isto é monarquia), o monarca é a pessoa que segue a ética, a moral, a ideia do bem e a justiça e regras de acordo com a filosofia da justiça. Ele é totalmente dedicado à verdade, de modo que é a regra de quem é justo. Quando há o governo de alguém que não é justo, isso é chamado de tirania e isso é uma má forma de governo do único. Assim, o tirano é governante inqualificável, não respeita a justiça, a verdade, o Deus, a moral e o bem do povo. Ele é um governante individualista, e monarca real é um governante coletivista, ele sacrificou seu governo para o bem de todos.

No segundo nível de estrutura há a regra de poucos. Os poucos podem ser bons poucos, os escolhidos, que são educados, culturais, com propósitos idealistas.  Assim, poucos qualificados são chamados por Aristóteles “aristocracia” e que é o bom nome. Quando os poucos não são qualificados, quando são gananciosos, quando são individualistas, quando não pensam nas pessoas e no bem de todos quando são imorais, isso é chamado oligarquia. O mesmo a este nível, se há a regra das pessoas bem-intencionadas que tentam continuar suas tradições, que pertencem à cidade, que pertencem à sociedade concreta com a história, com identidade, de modo que é chamado a regra de muitos, mas qualificado muitos, pelos cidadãos, pelas pessoas com genealogia, e todo mundo sabe quem foram seus pais, eles são participantes em grande escala da comunidade. Isso é chamado πολιτεία. Mas quando há a forma de governo da multidão, das pessoas sem qualquer tipo de identidade, as pessoas tomadas sem razão de diferentes sociedades juntas, sem qualquer tipo de lógica, sem identidade, o povo representa nada mais do que indivíduos puros – esse é o pior tipo de governo que Aristóteles chama de democracia.

E, segundo Aristóteles, quando o país é grande, é melhor quando o governante é um, porque ele precisa se unificar. Quando o país é de escala média, a regra de poucos, qualificados ou não qualificados, é possível, e quando o país é pequeno (por exemplo, uma aldeia ou pequena cidade), pode haver uma espécie de regra de muitos: bom muitos que é πολιτεία ou mau muitos, Então o que temos agora é a regra global do pior, eu acho, então Aristóteles estava totalmente certo.

Ganância contra ἐπιστροφή

– No que diz respeito ao modernismo, muitos autores declaram que estamos a assistir ao declínio do Ocidente devido ao aumento do niilismo, como disse Spengler, e que a modernidade não é progresso, mas sim regressão, como disse René Guenon. Pode explicar mais esta ideia, por favor?

A ideia principal é que precisamos avaliar a natureza real da modernidade para entrar na profundidade do que a modernidade significa. Quando consideramos como começou a modernidade, qual era o slogan principal da modernidade, essa era uma ideia muito importante: destruir a transcendência, destruir a verticalidade, destronar Deus, afirmar em vez de valores transcendentais da eternidade, da alma, do espírito, da hierarquia, da sacralidade, para afirmar princípios totalmente opostos, totalmente contrários. Em vez de Deus – o homem, em vez do céu – a terra, em vez de verticalidade – horizontalidade, em vez do espírito – matéria, em vez de sagrado – profanidade. Essa era a ideia principal da modernidade. Assim, a modernidade era niilista desde o início. Agora não se tornou, para aparecer como niilismo. A modernidade é o puro niilismo desde o início. Isso foi uma espécie de destruição da tradicional compreensão do que a natureza o ser da realidade era, e que foi substituído por alguma ganância material. O início da modernidade coincide com o início do capitalismo e a destruição da sociedade tradicional baseada em valores espirituais. Quando a modernidade chegou, substituiu também as medidas. Então, se, por exemplo, a sociedade tradicional foi medida pela eternidade, então Deus é eterno, e as relações do homem com este Deus eterno foram a principal medida de como o homem e tudo o que estava preocupado com ele deve ser considerado. Quando destruímos a fé em Deus, destruímos a eternidade, destruímos a relação do homem com a fonte transcendental de nossa vida, destruímos a alma e introduzimos na modernidade um sistema de valores totalmente oposto. Começamos a medir os valores, as coisas com o tempo, tornando-nos, com materialidade, com pragmatismo, com utilidade e isso é a enorme decadência e regressão da dignidade humana. Agora estamos nos aproximando do último momento dessa decadência, dessa regressão, porque o crescimento da materialidade, do conforto é acompanhado da progressiva perda de nossa identidade, e hoje, nos dias modernos, do liberalismo que está na vanguarda dessa regressão, dessa degeneração.

O liberalismo é ideologia da degeneração radical da humanidade e os liberais tentam substituir a família tradicional por identidades sexuais opcionais, e tentam destruir homens e mulheres, e o último passo será a destruição da humanidade em favor dos ciborgues,  inteligência artificial. Então, essa é uma grande substituição do ser humano que na sociedade tradicional é baseada nas relações com Deus substituído por algo totalmente material, e que é a destruição da humanidade. Não poderia ser algo mais do que regredir, e todo o crescimento material, é o crescimento da grande bolha, é a mentira do Anticristo que tenta ser imposta à humanidade e fazer a humanidade acreditar que é algo grande, perfeito, excelente, que há o progresso.

Mas o real significado da palavra progresso em grego que é πρόοδος em filosofia, ele está saindo da fonte e estando a uma distância cada vez maior da fonte. Isso é uma espécie de decadência. A origem do significado da palavra progresso é a decadência progressiva. E regressão é exatamente o oposto, regressão é retorno à regressão, é retorno à fonte, e no mundo moderno os significados são totalmente alterados, então pensamos que o progresso é bom, mas é ruim, e pensamos que regressão é ruim, mas isso é bom. Estamos vivendo em uma sociedade totalmente virada de cabeça para baixo, virada de valores que é a essência da modernidade. René Guenon explica isso muito bem em seus escritos, bem como Martin Heidegger, que afirmou que a modernidade é baseada no esquecimento do ser.

O coração:  inverter o veneno à medicina

– Qual é a estratégia de Julius Evola para montar o tigre da modernidade?

Em seu último livro que é chamado “Montando o tigre”, o tradicionalista italiano que eu admiro muito e considero como meu professor espiritual, sugeriu não tentar se opor à modernidade do ponto de vista conservador, mas em vez de entrar dentro da modernidade, a fim de transformar o veneno na medicina. essa é uma sugestão muito interessante porque Evola observou que o conservadorismo está sempre perdendo. Os conservadores defendem sempre ontem contra hoje e amanhã e estão a perder posição porque o que defenderam ontem já se foi hoje. Então, eles são obrigados a defender o que eles ainda têm e que é passiva, posição reacionária.

Há um tipo de movimento e vida que é erroneamente identificado com o progresso que é a lógica errada e os conservadores tentam também apoiar esta lógica errada dizendo “oh não, ainda não, por favor, atrase um pouco, não a esta velocidade”- é o principal argumento político entre conservadores e progressistas, é sobre a velocidade e não sobre a essência do tempo da civilização, e devemos, como sugeriu Evola, parar com esta prática reacionária e atacar a modernidade, para nos envolvermos na modernidade, desconstruir a modernidade e demonstrar o niilismo que está no seu interior, não lidar com os aspectos artificiais e secundários, com os aspectos superficiais da modernidade tentando entrar no âmago, no coração. Precisamos de atacar o coração da modernidade e esse é o tipo especial que não é de um aspecto prático, social ou económico.

A modernidade tem o mistério e é preciso entrar na modernidade para alcançar o mistério, o coração da modernidade e matá-la, destruí-la, fazê-la explodir, não apenas ficar fora dela e criticar o que está acontecendo, o mundo está enlouquecendo e assim por diante – precisamos estar engajados na luta radical com a modernidade e precisamos superá-la, e para fazer isso precisamos, deixar de alguma forma a modernidade entrar dentro de nós, a fim de transformá-la em nosso sangue e nossa alma.

Portanto, essa é a guerra, não é apenas verificar a crise do mundo moderno como é o nome do livro de Guenon, é a revolução contra o mundo moderno e que é o nome da principal obra de Julius Evola. Precisamos atacar, não devemos apenas defender o que estamos perdendo cada vez mais, precisamos atacar e destruir e fazer este mundo moderno explodir.

Três Logos e a história humana

– O que é Noomaquia? É a batalha entre Apolo, Dionísio e Cibele a batalha entre a Tradição e a Contemporaneidade?

Em alguns aspectos sim, mas o que é importante…  A Noomakhia que é o nome da série de meus livros, Eu escrevi 24 volumes, grandes volumes dedicados a diferentes civilizações, então minha ideia é que em todos os tipos de civilizações existem três tipos de paradigmas dominantes. Assim, em um tempo, em uma época e uma idade em uma sociedade poderia dominar o logos de Apolo que é a espiritualidade pura, a tradição ascética que tenta chegar ao céu, para fazer a vida terrena como imagem do reino celestial. Essa é a organização de todos os valores, todos os sistemas de valores na transcendência.

Há outro, segundo logos, e esse é o logos de Dionísio. No termo de Nietzsche havia duas formas opostas, mas na minha opinião Dionísio não era o verdadeiro adversário de Apolo, que era sociedade diferente, com certeza, imanente diferente, em êxtase, baseado no paradoxo, envolvido na própria vida, não na transcendência, mas na lógica da vida espiritual e material que está entre a espiritualidade pura e a materialidade pura. Então, isso é logos imanentes sem materialismo.

E havia e esse é o ponto principal de Noomakhia, o terceiro logos e esse é o novo elemento – o terceiro logos que se identifica como o logos de Cibele, da deusa-mãe, e esse é o entendimento materialista da realidade. De acordo com ele, tudo vem de baixo para cima, da terra, do material, mãe mulher e todos os tipos de formas pragmáticas que é um materialismo puro, diferente do idealismo e do logos dionisíaco.

Estes três logos (Ogoi em grego que é o plural de logos), eles representam o tipo de sociedade, de sistema político, estrutura filosófica, de cultura e nós poderíamos encontrar todos esses três logos em todas as culturas e entre todos os povos, sem exceção.

Na história de diferentes povos, há os períodos em que um logos domina sobre os outros, por isso não há nenhuma lei comum destes Ogoi. Eles aparecem, lutam uns contra os outros, fazem alianças, dominam uma era e são destronados na outra, mas ainda estão lá – em todos os tipos de sociedades – tradicionais e modernas,  pequenas e grandes,  arcaicas ou muito desenvolvidas e sofisticadas.

Mas você está certo sobre o logos da modernidade ocidental. De acordo com minha análise noológica, análise baseada em Noomakhia, civilização ocidental moderna (e  materialista) é a civilização de Cybele, é a modernidade. As raízes desta civilização da Grande Mãe podem ser encontradas nos tempos muito antigos antes dos gregos: na Anatólia, podemos encontrar algumas figuras femininas e algumas formas materiais de civilização na civilização cuchita no noroeste da África. Então podemos encontrá-la em outras culturas: na cultura malaia ou em alguma parte do continente eurasiano. Concordo, estamos vivendo na era do logos material de Cibele,  mas isso é a modernidade. Perdemos estas dimensões apolíneas e dionisíacas com a modernidade, mas também esta modernidade de alguma forma sempre existiu, é uma modernidade muito antiga dizê-la. Essa foi também a ideia de Evola que declarou em seu livro “Montando o tigre” que a tradição e a modernidade são os dois tipos de civilização.

Não necessariamente a modernidade vem após a tradição, assim que nós poderíamos imaginar os logos de Cybele antes do logos de Apollo e depois. A sua combinação em diferentes culturas, sociedades e histórias de pessoas diferentes são bastante diferentes e não podemos declarar que existe uma lei universal. Em algumas situações a modernidade segue a tradição, a modernidade entendida como modernidade degradada capitalista materialista ocidental e, em outras situações, a modernidade poderia ir antes da tradição.

Então, essa é a escolha aberta na frente da cultura, da civilização, e essa é a escolha que estamos fazendo, todos nós estamos fazendo. Poderíamos defender Apolo contra Cibele, poderíamos promover os valores de Dionísio dentro da civilização de Apolo e isso torna a cultura, a história e a civilização realmente ricas em significados, porque não há apenas uma leitura da cultura, mas três leituras simultâneas da estrutura semântica da mesma cultura.

Origens sagradas da geopolítica

– É verdade que a geopolítica não é uma ciência sagrada, como dizem muitos filósofos ocidentais?

Em primeiro lugar, se considerarmos a geopolítica desde o início, a partir de Halford Mackinder, que introduziu os princípios principais da análise geopolítica, ele considerou o confronto e a posição da civilização do Mar representada na época pelo Império Britânico contra a civilização da Terra representada na época pelo Império Russo como a guerra de princípios de dois tipos de civilização. O próprio Mackinder identificou os mesmos princípios em Atenas e Esparta, em Cartago e Roma. Isso não é sobre como foram organizadas políticas internacionais do ponto de vista do interesse nacional de diferentes países, como estabelecer, defender e promover hegemonias locais ou globais – geopolítica não é sobre isso, é aplicado, aspecto técnico.

A geopolítica real é a abordagem a esta dualidade de civilização e esta ideia, esta intuição de foi desenvolvida na Alemanha por Haushofer, mas principalmente por quem escreveu seu famoso texto sobre a Terra e o Mar, onde ele explicou o profundo significado metafísico filosófico do que é a civilização do Mar e o que é a civilização da Terra, estes dois princípios principais da geopolítica.  De acordo com Schmitt a civilização do Mar é algo profano, moderno, capitalista, é o mercado que é a troca, comprar e vender e que é sempre um elemento móvel da natureza. O mar é sempre agitação e isso é uma espécie de progresso ou modernidade.

A civilização da Terra: Roma, Esparta ou Rússia tradicional, Alemanha, Japão de acordo com Carl Schmitt, é a forma de uma sociedade fixa tradicional, e que é a defesa da terra de acordo com Schmitt, a defesa da eternidade contra o mar que representa o tempo ou o devenir.

Assim, a geopolítica e os principais autores desta ciência foram e ainda são baseados na base sagrada porque esta luta entre a eternidade e o tempo que é quase o mesmo que a luta contra a tradição e a modernidade, o progresso e a regressão em todos os sentidos.

Esse é o tipo de projeção do tradicionalismo no nível da geografia das relações internacionais e quando aplicamos esses princípios geopolíticos à análise da situação moderna da queda da União Soviética, do esforço para criar mundo unipolar ou estabelecer momento unipolar após a queda da União Soviética com a dominação ocidental ou globalização que tenta declarar o fim da história com Fukuyama com quem eu discuti alguns desses tópicos.

Podemos interpretar isso muito facilmente com a geopolítica porque o progresso do mar, do atlantismo, do Ocidente, dos Estados Unidos ou melhor do globalismo é precisamente essa destruição de todos os valores eternos, os últimos valores. É a civilização antirreligiosa que está atacando todo o descanso que é ligado ainda a algum nível tradicional mais elevado dos valores. Nesta análise geopolítica podemos levar em consideração as profundas orientações civilizacionais de diferentes blocos, campos, e eu acho que é realmente um instrumento muito útil de análise política e na análise do que está acontecendo no mundo moderno visto do ponto de vista da tradição sagrada também.

África e o conhecimento antigo

– Pensa que temos de reconhecer que Platão e todos os filósofos gregos aprenderam com a sabedoria africana, como a egípcia?

Eu penso que a civilização da Grécia antiga era a parte da civilização mediterrânea, quando não somente a sociedade grega desempenhou o papel principal em promover a sabedoria. Quando Platão quis enfatizar o ponto, para acentuar, para avaliar a autoridade de seu ditado, de sua teoria, ele alegou que esta não é a noção grega, mas é algo muito mais profundo: que era a noção egípcia, que era o conhecimento de algumas civilizações africanas, ou, por exemplo, algumas ideias sobre teorias emprestadas, por exemplo, da Pérsia antiga. De acordo com Platão, o primeiro filósofo não era filósofo grego, mas Zoroastro, e em muitos de seus diálogos e conversas socráticas há uma questão do conhecimento antigo e da tradição antiga, que os sacerdotes egípcios eram os guardiões. Se estudarmos essas tradições, eles também vão para as raízes da civilização semítica, civilização muito antiga do Oriente Médio, para o Egito e para outras partes da África.

Em dois volumes que eu tenho dedicado a civilização africana em minha Noomakhia, eu descobri o quão rica a cultura africana é e foi, e isso é apenas caricatura racista progressista muito liberal retratando a África como uma tribo selvagem subdesenvolvida. A África é o berço da teoria incrivelmente rica, a forma de pensamento, uma tradição muito antiga, e essa foi a marca do respeito da credibilidade para citar algum conhecimento vindo de fora do Mediterrâneo das costas africanas.

Penso que isso estava dentro de Platão, e só os capitalistas coloniais, ditos liberais-democratas, durante a expansão ocidental perverteram esta imagem prestigiosa da antiga cultura africana e da antiga civilização africana. Precisamos restaurar esse prestígio, não precisamos nos desculpar, os russos não fizeram muita injustiça com a África, pelo contrário, mas, no entanto, todos nós precisamos reconhecer o enorme valor da civilização Africana e da tradição Africana a partir de Platão até o tempo moderno e aos nossos dias.

Para dar à luz uma estrela dançante

– Que alternativa vê desde que declarou que a filosofia grega construída em torno dos logótipos se esgotou hoje? O caos é o novo logótipo?

Não exatamente. Acho que é um pouco mais complicado. Penso que estamos vivendo na civilização quando os fundamentos gregos e antigos clássicos da filosofia são totalmente destruídos e pervertidos pela modernidade. Então, eu prefiro o logos grego, mas não temos mais logos gregos, temos confusão, temos o logos de Cibele, temos materialismo e temos destruição e degeneração total, mas quando tentamos superar a crise atual, não devemos considerar ou olhar apenas para o passado e agarrar-se ao resto para este remanescentes para as ruínas do passado glorioso que perdemos.

Precisamos participar e trazer à nossa frente o novo começo que é o conceito de Heidegger. Eu escrevi o livro sobre Heidegger traduzido em inglês que é chamado de “Martin Heidegger, a filosofia do novo começo”. Assim, este novo começo ou o nascimento dos novos logotipos não poderia ser apenas a restauração de restos mecânicos e ruínas dos logos anteriores.

Precisamos dar à luz logos, e para chegar ao logos devemos passar pelo caos. Caos não é confusão, o caos é um vazio criativo, o significado do termo “caos” no antigo grego era a distância entre a terra e o céu e esse era o vazio, a zona, o espaço a ser preenchido com logos precisamente.

O caos não deve substituir o logos, de forma alguma, mas Nietzsche disse que apenas aqueles que trazem em suas almas o caos poderia dar à luz a estrela dançarina. A estrela dançante é a imagem dos novos logos. Nós não devemos restaurar os logos antigos, mas nós precisamos de dar à luz os logos novos e eu prefiro que seja os logos de Apolo e os logos de Dionísio. Mas não somos arqueólogos não somos assistentes de museu, devemos ser verdadeiros criadores da nova forma de vida, nova forma do futuro e, a fim de dar a vida real a novos logotipos, precisamos passar pela experiência do caos que é uma espécie de prova muito importante, o teste da nossa credibilidade a nível metafísico. Então precisamos começar uma civilização totalmente nova e está se aproximando de seu final lógico e muito triste.

Não devemos apenas lamentar o tesouro que perdemos, devemos restaurar da profundidade de nossa alma a grandeza da nova manhã, do novo dia e do novo começo.

Pergunta de Youcef Tahraoui: haveria um “pós-modernismo” após a escalada da pandemia?

O pós-modernismo não é apenas uma tendência da cultura e da filosofia, o pós-modernismo é a era da civilização que vem depois da modernidade. Isso é muito sério. O pós-modernismo é a destruição total da destruição, é elemento dialético, mas o pós-modernismo não é um novo começo, é o fim real da modernidade sem um novo começo. Assim, o pós-modernismo começou antes da pandemia, estamos deixando a pandemia em situação pós-moderna porque a interpretação da pandemia na mídia de massa e a cultura na política, a economia é puramente pós-moderna, de acordo com meu entendimento.

Mas depois da pandemia o pós-modernismo não vai desaparecer. Temo que será cada vez mais radical e a única maneira de terminar com o pós-modernismo é cortar as raízes de toda a modernidade e destruir esta civilização ocidental moderna como a curva errada na história humana. Temos de reconhecer que a modernidade estava errada e que os pós-modernistas nos levam de alguma forma a esta conclusão, mas que continuam sempre do lado da modernidade. Os pós-modernistas lamentam que a modernidade estava errada e niilista e precisamos cortar isso, para dizer “você está certo, por favor, pare, não mais modernidade não mais pós-modernidade, você está certo, você destruiu tudo o que você tocou, agora por favor saia do planeta: os liberais, o ocidente, os modernos, os globalistas –  saiam da humanidade, por favor, deixem-nos em paz e iremos mais longe sem vós, sem modernidade e fora da pós-modernidade, e a pandemia leva-nos a esta conclusão inevitável. Talvez acelere o tempo.

Pergunta de Bouchenak Ahmed Ismail: Eu acho que o prof. Dugin concorda com a ideia de que a geopolítica não é uma ciência, mas sim um instrumento útil para analisar fatos políticos.

Sim, penso que esse critério da ciência é demasiado vago para o aplicar a outras coisas. Muitas pessoas insistem que a sociologia não é a ciência para que na compreensão estrita da ciência, a ciência poderia ser aplicada apenas à ciência natural, e eu desafio na minha opinião tradicionalista que eles são baseados na verdade. Na minha opinião, esta ciência moderna não é ciência em tudo, e eu não tenho nenhuma razão para insistir que a geopolítica é a ciência, mas é muito útil, concordo, porque graças à geopolítica poderíamos entender a natureza real de muitos fatos que é mais do que a ciência não é menos do que a ciência, é mais do que a ciência, geopolítica.

Pergunta de Mohamed Amine Souyad: Segundo você, qual é a razão por trás do apoio sem precedentes de muitas potências ocidentais a fenômenos como homossexualidade e comunidades LGBT, feminismo e igualdade total entre homens e mulheres, secularismo e ateísmo em todo o mundo? É o preço da modernidade que todos devem pagar ou é dirigido para fins políticos específicos? Você acha que a geo-economia substituiu a geopolítica como um ofício?

No que diz respeito ao apoio de muitas potências ocidentais ao movimento LGBT, homossexualidade, feminismo e assim por diante, é uma questão muito séria, não é apenas por acaso, é a lógica do liberalismo. O liberalismo é uma ideologia cuja essência, cuja natureza é promover o indivíduo, libertando assim o indivíduo de todo o tipo e formas de identidade coletiva. Liberalismo tenta rasgar, para obter indivíduo de qualquer tipo de identidade coletiva. Que começou com o protestantismo, com o individualismo protestante, depois disso foi o cosmopolitismo contra a identidade coletiva nacional, contra as propriedades tradicionais que eram o capitalismo, e agora estamos chegando às duas últimas formas de identidade coletiva que os indivíduos liberais devem ser libertados. Isto é identidade sexual, isto é identidade coletiva: há homens e mulheres, e de acordo com os liberais, não há homens e mulheres, há indivíduos e eles podem escolher o seu sexo como quiserem, por isso eles, como antes, foram capazes de escolher a sua confissão, sua igreja, suas nações, sua profissão e assim por diante.

Essa é a lógica da destruição da identidade coletiva, e o último passo da promoção dessa ideologia do liberalismo será a destruição da identidade humana, porque ser humano também é identidade coletiva. Isso é pós-humanismo.

Não estamos lidando com algo casual, algo superficial e acidental – é a principal lógica do liberalismo e o liberalismo está dominando a ideologia. Como tal, impõe os seus axiomas profundos, as suas regras, a sua verdade, a sua chamada verdade que é pura mentira. A lógica do liberalismo é libertar o indivíduo de todo o tipo de identidade coletiva e que desde o início é a virada satânica errada da sociedade.

Assim, o liberalismo é absolutamente errado, e a democracia liberal é a pior forma de sistema político e sistema de riqueza política. Hoje eles se tornam totalitários, não apenas implorando ou exigindo tolerância, mas nos impondo sua ideologia com todos os meios, incluindo bombas, revoluções coloridas e pressão política, econômica. Essa é a forma totalitária pura do liberalismo e sua ideia é libertar o indivíduo de todos os aspectos não-individuais, inclusive para libertar o indivíduo da humanidade que será a agenda política para amanhã, e isso é pós-humanismo, já chega.

Pergunta de Nora Fernane: de acordo com tudo o que você explicou antes, vamos esperar uma volta para os pensamentos políticos ocidentais e valores que estão sendo emergentes? E cortar de tudo o que é ocidental?

A minha sugestão não é abandonar o Ocidente, mas abandonar a modernidade, porque penso que o Ocidente moderno se baseia na negação, na destruição dos seus próprios princípios. O Ocidente moderno é anti-ocidente. Sugiro sair da modernidade, ocidental e não ocidental também. Precisamos voltar ou melhor, reafirmar o princípio eterno de todos os países. O Ocidente moderno tornou-se o veneno; é o liberalismo tóxico, acima de tudo. Globalização, capitalismo são os nomes de veneno tóxico que mata. Isto é pandemia. O liberalismo é um fenómeno pandémico, e temos de nos livrar dele, afastar-nos da modernidade e da pós-modernidade, mas não do Ocidente.

Poderíamos salvar o princípio profundo do país ocidental, da cultura, do ocidente clássico, mas para a população árabe em todos os países árabes para o país islâmico, na minha humilde opinião, você precisa voltar para si mesmo, para o seu árabe, para a sua identidade muçulmana que é grande cultura. O Ocidente disse: “Isso está ultrapassado, é ingénuo e por aí fora. Protesto veementemente, considero a cultura árabe islâmica como a maior cultura, espiritual, muito rica em filosofia, com valores, com estética. Não acho que precisamos apenas destruir ou rejeitar, precisamos afirmar, precisamos construir, precisamos restaurar, e precisamos fazer o novo nascimento de nossa própria cultura, da cultura árabe no seu caso, da cultura islâmica, da cultura cristã, da cultura russa no meu caso, à cultura europeia também.

Esse não é o problema com o Ocidente; o problema é com a modernidade ocidental, a modernidade está errada. Talvez o povo ocidental, a cultura ocidental, sejam as primeiras vítimas do que fizeram. Destruíram-se em primeiro lugar, perverteram a própria identidade e, quando isso começou, começaram imediatamente a envenenar o outro com o colonialismo e com a mesma modernidade. Por isso, penso que temos de defender a nossa dignidade de povo antigo e grandioso e de grande civilização sem pensar que somos os melhores e aceitar o outro como parceiro do diálogo cultural, mas rejeitando fortemente o monopólio dos globalistas,  o Ocidente liberal e o monopólio da verdade. Não há monopólio sobre a verdade, só Deus tem esse monopólio, porque ele é a verdade e ele não é ganancioso, ele dá o dom a todos, ele é misericordioso, ele é muito de coração aberto, o Deus, e ele não tem nada para ele, Ele revela-se, cria o mundo e esse é o gesto do dom, e devemos ser muito gratos pelo dom da vida, do ser que temos de Deus, e devolver este dom precioso nas nossas orações. Por isso, defendo fortemente o regresso à tradição sagrada, à tradição religiosa.

– Como poderemos regressar às raízes da nossa civilização nesta dura guerra contra o Islão e os nossos valores?

O mundo inteiro está agora na dura guerra contra nossas identidades porque liberais e globalistas e as potências hegemônicas no Ocidente declararam a guerra a todos nós. Eu acho que, sendo isolados, árabes, muçulmanos, russos, europeus que sofrem com este globalista Africanos, pessoas da Índia, China ou América Latina, estamos impotentes não podemos vencer porque estar isolados os torna mais poderosos. Precisamos unir nossos esforços, não devemos tentar impor valores russos sobre você, valores islâmicos sobre nós, tentar voltar para o nosso caso China. Precisamos reconhecer todas as identidades, identidades sagradas e o direito de todos os povos de restaurar sua soberania civilizacional e essa é a principal lógica da política multipolar, a principal lógica do eurasianismo.

Você não pode pagar isso sozinho, devemos estar juntos, devemos ajudar uns aos outros e estar juntos, ficar juntos, defender diferentes identidades, podemos ganhar esta guerra, porque na Rússia temos a mesma guerra, há mais e mais pressão contra a Rússia, há uma guerra declarada contra a igreja ortodoxa, contra a ortodoxia russa, contra os nossos valores, os globalistas nos atacam dentro e fora, bem como em sua sociedade. A única solução é tomar, manter nossa fé em Deus e em nossos povos, em nossa cultura e trazer as pessoas se defendendo deste globalismo, ficar juntos que é o ponto principal.

Não precisamos apoiar o mesmo que nós, não devemos apenas ajudar as pessoas que compartilham totalmente a nossa opinião, e precisamos entender os outros. Os muçulmanos devem entender e fazer amigos cristãos, cristãos – muçulmanos, hindus, chineses, africanos, latino-americanos e ocidentais que, bem como eu disse, são a maioria das vítimas do globalismo. Temos de destruir o globalismo, temos de destruir estas elites maníacas fanáticas internacionais que tentam a qualquer preço impor os seus valores totalitários radicais, as suas potências económicas, os seus monopólios, o seu sistema de valores e cultura, as suas tecnologias. Devemos destruí-los e, a fim de fazer isso, devemos ficar juntos. Essa é a minha opinião.

– Que conselho pode talvez dar à Argélia para construir uma grande nação?

Eu não posso dar conselhos; Eu não sou globalista, então eu só posso fazer uma sugestão. Eu acho que você deve decidir por si mesmo, você deve avaliar sua liberdade, sua soberania, sua independência, e sua identidade profunda de árabe e também com Touaregs, identidade berberes que também está presente na Argélia. Isso é riqueza, diferença é riqueza e tesouro. Sugiro-lhe que se abra à verdade e que se mantenha firme contra toda a falsidade e que voltemos a tornar grande a Argélia. Você vive no grande país, você deve estar orgulhoso de ser argelino e você deve fazer o melhor para tornar a sua bela terra ainda mais bonita e próspera.

– Obrigado, Professor Alexander Dugin, por responder a todas as perguntas!

Tradução: Felipe Deganello Kalil – Resistência Sulista

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Um simples índio gaúcho, mateador, xivaísta, Téc Enfermagem e que luta pelo bem do seu povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *