AS SOCIEDADES, A PARTIR DE AGORA, DEVEM SER REORGANIZADAS DE ACORDO COM SUA HISTÓRIA, LONGE DE QUALQUER DOGMATISMO

AS SOCIEDADES, A PARTIR DE AGORA, DEVEM SER REORGANIZADAS DE ACORDO COM SUA HISTÓRIA, LONGE DE QUALQUER DOGMATISMO

Por Alexander Dugin

Tradução de Guilherme Fernandes – Resistência Sulista

Entrevista com o filósofo russo Alexander Dugin.

Tivemos a sorte de entrevistar aquele que é provavelmente o maior filósofo vivo da atualidade: Alexander Dugin, que é o criador da Quarta Teoria Política. Este pensador é chamado por cães de guarda a serviço das elites liberais como “o filósofo mais perigoso do mundo”.

Nesta entrevista falamos sobre a terrível luta que está acontecendo hoje entre o mundo moribundo de hoje e a nova realidade que está sendo perfilado no futuro. É uma luta que coloca o sistema unipolar moribundo, representado pela UE e pelos EUA liderado por Biden, e pelo sistema multipolar, que está sendo alimentado pelo bloco eurasiático.

Dugin levanta a hipótese de que haverá um mundo novo e mais justo. Um mundo em que os povos podem se organizar de acordo com sua própria história, cultura e religião sem serem guiados por um poder centralizado, sufocante e indiferente.

Dugin acredita que a Rússia deve ser o motor moral desta grande revolução cultural, histórica, econômica, geopolítica e política.

Quem ganhará esta guerra? Os globalistas não vão parar por nada. Estamos prontos para lutar por nossa liberdade?

Esta entrevista é uma chamada, uma espécie de declaração de guerra. Devemos estar cientes de quem somos, de nossa identidade, história e cultura. O inimigo é forte e muito insidioso. E é por isso que devemos nos juntar a esta grande guerra que colocará dois atores um contra o outro: as elites globalistas que lutam contra os povos do mundo. Tirania ou liberdade.

Pode descrever a situação atual da Rússia? Na Itália, são publicadas informações altamente tendenciosas e frequentemente deturpadas sobre a Rússia pós-covid.

Penso que as restrições que temos na Rússia não são tão brutais como as que impuseram no Ocidente. No entanto, grandes restrições continuam a ser aplicadas ao entrar em teatros, cinemas e alguns restaurantes e procedimentos físicos de distanciamento são mantidos, embora não tão radicalmente quanto em outros países.

Penso que a situação na Rússia é bastante tranquila em comparação com o que outros países europeus experimentaram durante a epidemia de COVID. No entanto, seria uma mentira dizer que os russos derrotaram o COVID. Isso não é verdade.

Os únicos que realmente derrotaram a epidemia foram os chineses, e isso é porque eles isolaram completamente a região onde o COVID emergiu desde o início, impondo um isolamento quase absoluto. Na Rússia não fizemos nada assim e por isso sofremos um aumento de infecções, mas os médicos estão fazendo seu trabalho e eles fazem isso heroicamente e excelentemente.

Os líderes do governo não enfrentaram a situação muito intensamente, mas conseguiram manter tudo em ordem. Não posso dizer que o governo tenha respondido corretamente, mas ao contrário de vários dos países europeus, que tomaram decisões catastróficas, podemos dizer que um bom trabalho foi feito na Rússia.

O bloco eurasiano parece estar avançando inseparavelmente, enquanto a UE e a América do Norte tornam-se mais fracas. Como você acha que a geopolítica global está se transformando?

Estamos vivendo um momento crítico e crucial da história. A ordem que foi criada no final da década de 1990, após o colapso da União Soviética, está mudando. A bipolaridade existiu graças à União Soviética. Após o colapso deste último, foi que a atual ordem unipolar apareceu que suportou, de uma forma ou de outra, até hoje.

No entanto, podemos dizer que, por cerca de vinte anos, dois polos alternativos foram afirmados em face do único polo atlantista: esta é a China e a Rússia. China e Rússia pertencem à Eurásia. São duas grandes potências que começaram a reafirmar e tornaram-se novamente parte da história como poderes independentes. No início, os dois competiram um com o outro, mas gradualmente perceberam que para superar a influência que o Ocidente exercia sobre eles era necessário criar um pacto eurasiano que pudesse afirmar essa nova ordem mundial multipolar.

Essa decisão foi muito importante para estabelecer a ordem multipolar e deixar de lado a ordem unipolar. Nesse sentido, podemos falar de dois polos: o polo financeiro e econômico chinês e o polo militar e estratégico russo.

A Eurásia é uma alternativa à ordem mundial unipolar. Principalmente se levarmos em conta que o sistema multipolar não será propriedade dos russos ou chineses. O que esses dois polos querem é que outras partes do mundo possam fazer valer sua autonomia. Na verdade, a multipolaridade não pertence aos chineses ou aos russos, mas sim a uma visão de mundo muito mais ampla em que outros polos independentes podem coexistir, longe da influência dos Estados Unidos.

Mas os atlantistas como Biden (que é um radical neoconservador e globalista) não querem que esse sistema multipolar se espalhe pelo mundo. Então eles querem impor o sistema unipolar novamente.

E é por isso que estamos no meio desta transição: Biden, os globalistas e uma parte do poder americano declararam guerra não só à Rússia, mas também a todos os poderes e movimentos que querem o nascimento de uma nova ordem multipolar.

Eles declararam guerra não só à China e à Rússia, mas também ao populismo americano e europeu, ou às crescentes tendências multipolares que existem na América Latina e no mundo islâmico. Em outras palavras, eles lutam contra todos aqueles a favor da multipolaridade.

A multipolaridade tornou-se o maior inimigo da unipolaridade. E é por isso que podemos falar sobre experimentar uma transição muito radical.

Podemos dizer que o bloco eurasiano, que propõe a multipolaridade, está crescendo e que a hegemonia ocidental está desmoronando?

As oligarquias ocidentais ainda têm muito poder. Na verdade, eles ganharam batalhas importantes: por exemplo, na Itália, onde um governo verde-amarelo foi formado, que conseguiu unir as forças populistas de direita e esquerda, foi destruído pelas forças liberais ao serviço do globalismo.

Eles também estão tentando destruir os coletes amarelos na França, onde uma aliança foi criada entre a direita populista e a esquerda populista. Os globalistas estão prontos para lançar um último ataque em grande escala à multipolaridade.

Essa é a razão pela qual eles atacam Putin e tentam impor Navalny à Rússia; sem falar na grande pressão militar exercida contra a China e nas tentativas da Marinha dos Estados Unidos de se posicionar no Pacífico para defender Taiwan; ou o problema dos uigures e outras questões muito delicadas que a China enfrenta hoje. Tudo isso não depende de Putin ou Xi Jinping.

No tabuleiro de xadrez geopolítico global, o sistema unipolar moribundo colide frontalmente e de uma forma sem precedentes com o sistema multipolar emergente. Esta é a ordem geopolítica global que existe hoje.

Você acha que as forças poderosas que controlam a UE e a América do Norte serão capazes de desestabilizar a Rússia da mesma forma que fizeram com os Estados Unidos, talvez Navalny destruirá o tecido sociopolítico russo?

O caso Navalny mostrou que a intervenção direta dentro da política doméstica russa não pode alcançar qualquer sucesso e isso é porque Navalny é praticamente desconhecido para a maioria da população russa.

Ele é um personagem que não tem apoio popular, sendo conhecido apenas por uma parte da juventude e população que existe nas grandes cidades (a maioria dos quais são a favor do Ocidente e são liberais), mas, do ponto de vista eleitoral, são uma massa crítica praticamente inexistente. Eles representam apenas zero por cento do eleitorado. São um zero estatístico. Não há razão para comparar, por exemplo, a Armênia, onde há uma oposição bastante grande. Não há realmente nenhuma oposição majoritária na Rússia.

Por isso, a tentativa de influenciar a política doméstica russa foi um desastre. Os globalistas não ganharam porque Navalny não tem o apoio de ninguém.

No entanto, podemos dizer que tudo isso foi um teste para ver como os russos reagiriam a algo assim. Esta é uma guerra social híbrida com a qual os globalistas tentam se impor e penetrar na política doméstica russa.

O ataque foi um fracasso, mas deu aos globalistas a desculpa para mostrar como o governo russo exerce violência contra Navalny, permitiu que a OTAN fosse fortalecida, Putin demonizou e a Europa, que havia se afastado dos Estados Unidos durante o governo Trump, de volta ao rebanho.

Biden conseguiu, graças a Navalny, restaurar as relações deterioradas da América com a elite globalista e da Europa Ocidental. É aí que apoio a possibilidade de um futuro confronto entre partidários da unipolaridade e apoiadores da multipolaridade.

Esta luta é cada vez mais provável e é impossível dizer com certeza se vamos ganhar ou perder: se a Rússia e a China vencerem nesta luta e resistirem a este último ataque lançado pelo agonizante poder atlantista americano, sob a liderança de Biden, então a ordem unipolar deixará de existir e um novo status quo multipolar se formará. Mas uma guerra é uma guerra e não podemos saber quem pode ganhar. Além disso, os Estados Unidos são muito fortes, apesar de seu declínio manifesto.

A Rússia poderia se tornar o farol da liberdade para o mundo se a Quarta Teoria Política se tornasse uma prática política?

Isso espero. A Rússia deve e pode cumprir esta missão de se tornar o farol da liberdade. A Rússia não deve substituir os Estados Unidos impondo sua própria hegemonia, como fez durante a Guerra Fria, quando a ordem bipolar ainda vigorava. Isso não deve acontecer. Nossa missão deve ser outra.

Por exemplo, quando Putin tenta estabelecer relações com a Europa, ele não quer que ela se torne pró-Rússia ou pró-EUA. Não, não é isso que você quer. Putin propõe algo totalmente diferente.

Putin propõe que a Europa seja pró-europeia.

O mesmo pode ser dito do mundo islâmico, do mundo chinês, do mundo hindu. É um mundo que tem muitos polos.

Nesse sentido, a Rússia poderia e deveria tornar-se um farol de liberdade, mas de uma liberdade verdadeira, e não de uma liberdade que imporia o domínio russo e que estava destinada a preencher o vazio deixado pelo colapso da hegemonia norte-americana.

A Rússia deve lutar sinceramente pela liberdade de outras civilizações, outras sociedades e outros países.

E esta é a diferença essencial entre o mundo bipolar e o mundo multipolar. Só nesse sentido acho que é possível interpretar o termo “farol da liberdade”.

A Quarta Teoria Política, que venho desenvolvendo há algum tempo, é uma forma de se opor ao sistema hegemônico de hoje, mas deixando de lado o comunismo, o fascismo ou o nacionalismo. Todas essas ideologias são formas políticas que vêm da Modernidade Europeia.

A Quarta Teoria Política aceita todas as formas políticas que possam existir tanto fora da Modernidade como dentro da Modernidade, no Ocidente ou no Oriente, sejam hierárquicas ou democráticas, mas não impõe um paradigma rigoroso. Não sou eu quem deve dar a última palavra na realidade internacional, é um apelo para que todas as sociedades, todas as religiões, todas as culturas e todos os povos desenvolvam os seus próprios conceitos políticos.

A Quarta Teoria Política não é uma ideologia como o liberalismo, o comunismo, o fascismo ou o nacionalismo são.

Pelo contrário, é uma proposta para que os próprios povos escolham o que querem e sigam a lógica hegemônica de sua própria interpretação do poder. Dessa forma, eles poderão ir além da Modernidade política.

Não podemos reduzir a política ao liberalismo, comunismo e fascismo. Devemos lutar contra o liberalismo hegemônico e global, sem a necessidade de especificar qual deve ser nossa posição.

Depois de derrotar o liberalismo, cada povo poderá escolher sua própria Teoria Política: o Islã para o mundo muçulmano, a tradição para o mundo chinês e indiano ou a sinfonia de poderes bizantina para o caso russo.

Além disso, todas as sociedades devem se reorganizar seguindo sua própria história, longe de qualquer tipo de dogmatismo.

É por isso que a Quarta Teoria Política é essencialmente antidogmática e pluralista.

É uma luta comum pela defesa do princípio da autodeterminação dos povos.

Este é o significado de multipolaridade.

A Quarta Teoria Política é uma teoria que desenvolvi em paralelo com a teoria do mundo multipolar.

A Quarta Teoria Política é a filosofia política que corresponde à teoria do mundo multipolar.

Por quanto tempo você acha que o bloco CONJUNTO UE-América do Norte continuará a existir? Como esse bloco espera continuar a dominar o mundo, quando eles mesmos minaram os fundamentos de sua própria civilização (através de opções nefastas como fechamento, despertar ideologia, economia verde), enquanto o bloco eurasiano (e também estados importantes como o Brasil), respeitando diferentes autonomias nacionais e reivindicando o direito dos povos à autodeterminação, alcançando maior estabilidade e credibilidade?

Se olharmos para as coisas de uma perspectiva mais ampla, podemos dizer que os EUA e o bloco europeu não serão capazes de competir contra a multipolaridade emergente.

No entanto, acho que não passamos do ponto sem retorno. O mundo unipolar, ou seja, os Estados Unidos e a elite liberal europeia, tem muitos meios à sua disposição: tecnológico, político, social, técnico, científico. É por isso que o futuro ainda está aberto.

Não se pode dizer que os globalistas perderam e o bloco eurasiano venceu.

É um processo que está acontecendo e a luta será terrível.

Este não é um processo mecânico que nos permite dizer qual será o resultado final.

Em vez disso, devemos pensar em tudo isso como um processo histórico muito dramático que exige que todos os partidários da multipolaridade, sejam americanos ou europeus, se esforcem para alcançar tal objetivo. É uma grande guerra que todos estamos travando, e depende de italianos, apoiadores de Trump dos EUA, coletes amarelos, populistas de esquerda e de direita, muçulmanos e chineses, lutando. O que acontece depende de todos nós.

Porque os globalistas não vão nos dar a vitória. Eles farão tudo o que puderem para destruir e matar seus inimigos e essa é a ameaça que paira sobre nós.

Isso não vai ficar no papel: estamos passando por um momento histórico muito problemático e os partidários da multipolaridade podem perder esta guerra. E precisamos estar cientes disso, para que nossa visão do futuro possa se tornar realidade e possamos enfrentar o que pode acontecer.

Guilherme Fernandes

Guilherme Fernandes

Membro da Resistência Sulista e Dono do blog Contra o Sistema Mundial. Também um ativista ferrenho pela reunificação do Uruguai e do Rio Grande do Sul como uma só pátria sob o estandarte de José Artigas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *