Princípios Teóricos do Grande Despertar – Baseados na Quarta Teoria Política

Princípios Teóricos do Grande Despertar – Baseados na Quarta Teoria Política

Alexander Dugin

Identificamos nosso principal inimigo como a Modernidade Política Ocidental

1. O liberalismo está em decadência

• Agora podemos facilmente observar que a ordem mundial global está em decadência. O globalismo está entrando em colapso. Vemos, por exemplo, uma verdadeira agonia nos Estados Unidos. A ameaça do presidente Trump – que é muito mais moderado em relação à agenda liberal global – é vivida pelos globalistas como algo fatal, algo existencial. Os globalistas estão tentando destruir os Estados Unidos para promover seu candidato, para salvar sua agenda a qualquer preço.

• Trump chamou isso de cultura do cancelamento – um novo tipo de totalitarismo pós-moderno. Por exemplo, o New York Times declarou a necessidade de cancelar Aristóteles (https://www.nytimes.com/2020/07/21/opinion/should-we-cancel-aristotle.html). Estamos lidando com a clara face totalitária da ideologia liberal. É uma ditadura liberal, porque visa cancelar a história – Platão, Aristóteles, a Idade Média, autores modernos, filosofias modernas … tudo o que não vá de encontro com os critérios cada vez mais estreitos do liberalismo radical e totalmente intolerante.

• Estes são sinais claros de totalitarismo. Os nazistas (nacional-socialistas) exigiram o cancelamento dos judeus. O totalitarismo soviético (totalitarismo socialista) exigia o cancelamento dos dissidentes. Agora, a ideologia liberal exige cancelar tudo – ou quase tudo, exceto Black Lives Matter, Soros LGBT+ e alguns grupos escolhidos de minorias, ao preço de proibir todos os outros. Então, isso é agonia.

2. Liberalismo e suas alternativas

• O que é uma agonia? O liberalismo é uma agonia.

1ª teoria política: Liberalismo

2ª teoria política: comunismo

3ª teoria política: Fascismo – ou Nacional-Socialismo

• O liberalismo venceu seus rivais no século 20 (comunismo e fascismo).

• Essas três teorias representam a modernidade política – a modernidade política ocidental.

• A agonia do liberalismo inclui a aproximação do fim da modernidade política ocidental, porque nem o comunismo nem o fascismo podem ser considerados alternativas reais ao liberalismo.

• Comunismo e fascismo têm uma base comum com o liberalismo:

– Materialismo

– Ateísmo

– Progressismo

– Uma abordagem puramente materialista do ser humano.

• Perderemos a oportunidade da crise crescente – alimentada pela impossibilidade das estruturas globalistas de lidar com o coronavírus (outro sinal do colapso do liberalismo) -, se escolhermos opor-se ao comunismo e ao fascismo, porque são alternativas do passado. E eles pertencem à mesma família de ideologias modernas ocidentais.

• Assim, a 4ª Teoria Política é um convite a usar esta janela de oportunidade histórica (representada pela agonia do liberalismo como a 1ª teoria política) para superar o que é comum a todas as formas de modernidade política – para superar o filosófico, metafísico, político e campo ideológico da modernidade política.

3. A 4ª Teoria Política vs. Modernidade Ocidental

• A 4ª Teoria Política é um convite à busca da alternativa a esse liberalismo decadente, que visava ser a principal e única ideologia política do momento “Fukuyama de O Fim da História e o Último Homem (1992)” até agora.

• Após o fim do comunismo e do fascismo no século 20, o liberalismo se tornou a única ideologia política, que pretendia ser uma espécie de linguagem universal – algo totalmente imposto, com livre mercado, democracia liberal, parlamentarismo, individualismo, tecnologia, cultura de ícones e ética LGBT+. Tudo isso era considerado universal. E agora essa universalidade está acabando.

• A 4ª Teoria Política é um convite à crítica e à luta contra a 1ª teoria política, nem da posição socialista ou comunista, nem da posição nacionalista-fascista ou nacional-socialista – porque ambas pertencem ao passado. Este é um convite para superar a modernidade política ocidental lutando contra o liberalismo, porque ele ainda existe.

4. Por que o liberalismo é um mal absoluto?

• Escolhemos precisamente o liberalismo para ser a representação e o símbolo do mal absoluto porque ele ainda está aqui, e os liberais ainda pretendem organizar o mundo sob o domínio da elite transnacional liberal.

• O liberalismo é pior do que o comunismo e o fascismo, não apenas do ponto de vista teórico. É pior porque ainda existe aqui. O comunismo e o fascismo pertencem ao passado – são quimeras, são apenas restos, resíduos da história política.

• Portanto, em primeiro lugar, precisamos combater o liberalismo. Precisamos acabar com essa decadência duradoura, precisamos superar o liberalismo, precisamos acabar com o liberalismo – com uma sociedade aberta, com direitos humanos, com todos os produtos desse sistema liberal ao estilo de Soros baseado no individualismo, materialismo, progressismo, sobre a alienação total das pessoas e a extinção dos laços sociais.

• Individualismo é a última palavra do liberalismo. Então, precisamos terminar com o conceito de individualismo.

5. Comunismo e fascismo são as armadilhas

• Não devemos recorrer às alternativas do passado. Não devemos cair na armadilha do comunismo ou do fascismo. Precisamos imaginar algo radicalmente diferente – não apenas do liberalismo, mas da modernidade política ocidental tomada como um todo. Esta é a 4ª Teoria Política – é disso que se trata.

• Hoje, nosso principal inimigo é representado pelo liberalismo, pela sociedade aberta, pelos grupos de terroristas liberais financiados por Soros – que podem ser considerados esquerdistas ou fascistas de extrema esquerda. E outros: os liberais estão tentando usar grupos religiosos e étnicos. Por exemplo, ao lutar contra o Islã como uma tradição religiosa sagrada, os globalistas estão usando alguns muçulmanos para destruir a identidade europeia. Quando lutam contra todos os tipos de identidade nacional, eles usam algumas identidades étnicas (por exemplo, uigures, ucranianos) para desestabilizar os polos alternativos que não pertencem à sua visão de mundo liberal global unipolar. Eles são cínicos nesse sentido, eles são hipócritas – eles podem usar algo que criticam, se necessário. Eles têm dupla moralidade.

• Mas a ideia principal de lutar contra o liberalismo é lutar contra toda a modernidade política ocidental. Esse é o inimigo. A 4ª Teoria Política convida todos à luta.

6. O nome do inimigo é Modernidade Ocidental

• O nome do inimigo tem importância absoluta. Se nomearmos o inimigo como Ideologias Políticas Ocidentais Modernas ou Modernidade Política Ocidental, já estaremos no caminho certo.

• Não convidamos pessoas para lutar contra o Ocidente. De jeito nenhum. O Ocidente não é um inimigo.

• Não convidamos as pessoas a lutar contra a modernidade, como tal – por exemplo, o estado de coisas contemporâneo em algumas sociedades. Porque temos sociedades diferentes, civilizações diferentes que existem no mundo moderno e não pertencem à modernidade ocidental. Podemos realmente viver no mundo moderno fora da modernidade política ocidental.

• Portanto, não estamos desafiando nem o Ocidente, nem a modernidade: estamos desafiando a modernidade ocidental. E esse é um tipo de forma baseada na virada anti-cristã, anti-espiritual, anti-tradicional e anti-sagrada da história ocidental que coincidiu – não por acaso – com o colonialismo, o início do Iluminismo e assim por diante. Esta era moderna do período científico, materialista e colonialista da história ocidental é o mal, este é o problema.

7. Contra o capitalismo, a escravidão e o Iluminismo

• Identificamos nosso principal inimigo como Modernidade Política Ocidental, ou Modernidade Ocidental em geral – nos sentidos filosófico, científico, geopolítico e econômico. Coincide com o capitalismo, porque o capitalismo, o materialismo, o ateísmo e o colonialismo reintroduziram a escravidão após centenas de anos de inexistência da escravidão na cultura cristã ocidental. A escravidão foi reintroduzida pela modernidade política ocidental.

• Às vezes parece que a escravidão nos tempos coloniais, na América e na África, foi um fenômeno continuado da antiga tradição do Ocidente pré-moderno. De jeito nenhum. Era uma instituição completamente nova – uma instituição moderna. A escravidão moderna é o caminho da chamada modernidade “liberal democrática”. As pessoas que lutam contra o colonialismo deveriam entender muito bem: estão lutando contra a modernidade política ocidental.

• Esse novo conceito de escravidão se baseava nos aspectos raciais e biológicos e no progresso. Porque não havia uma explicação razoável para usar negros ou mestiços como escravos à parte do progresso. Esse foi um novo conceito de escravidão baseado na medição do progresso. O progressismo foi a principal força motriz por trás da escravidão.

• Para libertar as consequências da escravidão e do colonialismo, precisamos extinguir a modernidade política ocidental. Este é o único caminho. Se projetarmos erroneamente a escravidão fora da modernidade capitalista burguesa política ocidental, seremos levados à conclusão errada. Todo o fenômeno foi criado, explicado e financiado pela modernidade política ocidental.

8. Inspiração do Oriente

• Como podemos sair desse campo epistemológico da modernidade política ocidental? Se nos concentrarmos no nome modernidade política ocidental, já temos uma solução. Para sair dessas fronteiras, convidamos você a ir além do Oeste. Então, bem-vindo ao Oriente. Bem-vindo às civilizações não ocidentais.

• Bem-vindo ao Islã, bem-vindo à Índia, bem-vindo à grande e antiga civilização chinesa, bem-vindo à África, bem-vindo às sociedades arcaicas. Todas essas formas de civilizações poderiam ser nosso exemplo a seguir.

• Devemos considerar a história ocidental como apenas um ramo da história da humanidade. Se rejeitarmos as pretensões do universalismo dos ocidentais, podemos redescobrir os valores das ideias políticas chinesas, ideias políticas islâmicas, pensamento político cristão ortodoxo – oriental, não ocidental, que é uma forma completamente diferente de pensamento político. Poderíamos redescobrir a tradição indiana, poderíamos redescobrir povos arcaicos … não os julgando do ponto de vista do progresso ou do desenvolvimento tecnológico.

• Pessoas de todas as formas, vivendo em todos os tipos de sociedades, ainda são humanas – talvez mais humanas do que nossa civilização tecnológica. Devemos redescobrir a multiplicidade de todos os tipos de culturas e sociedades, e devemos aceitá-los. Aceite as pessoas mais arcaicas, as sociedades e tribos mais arcaicas que vivem fora da chamada “civilização” como um exemplo a seguir, talvez, ou descobrir, estudar … algo que precisamos primeiro entender, não julgar ou tentar trazer para os critérios da modernidade política ocidental.

• Estamos redescobrindo todo tipo de civilização fora do Ocidente. E isso é ótimo. Temos essa imensa quantidade de pensamento político, pensamento cultural, filosofia, religião … fora do Ocidente. E podemos tomá-los como fonte de inspiração para criar algo novo. Podemos propor algo não ocidental e tomá-lo como uma estrela-guia da 4ª Teoria Política.

• Obviamente, não podemos alcançar nenhum novo tipo de universalismo. E não deveríamos, não precisamos disso. Precisamos abrir as perspectivas para cada civilização, cada cultura para criar o seu futuro político, além de algo que se impõe como inevitável, como destino pela modernidade colonial ocidental.

• Em primeiro lugar, o convite é geográfico. Devemos reconhecer o valor do pensamento político fora do Ocidente. Por exemplo, os eurasianistas russos observaram que o estudo do filósofo austríaco Kelsen sobre a história universal do direito é inteiramente dedicado ao direito romano. Apenas algumas páginas são dedicadas a todos os outros sistemas jurídicos não ocidentais. Isso não significa que a lei romana seja má. Existem sistemas jurídicos não romanos fora da civilização ocidental – e isso é ótimo. Temos a lei islâmica, a lei chinesa, a tradição confucionista, a lei indiana, além de alguns sistemas arcaicos de legalidade e legitimidade. Precisamos considerar todos eles.

• Todas as civilizações podem ser inspiradas por seu próprio pensamento político. Esse é o significado da 4ª Teoria Política. Após o fim do liberalismo (que se aproxima), precisamos reabilitar os sistemas políticos não ocidentais. Esses sistemas podem parecer terríveis para os ocidentais, não civilizados ou terríveis … mas isso não é um argumento. Os ocidentais devem se preocupar com sua própria civilização, que é apenas um tipo de civilização entre muitas outras. E ninguém pode julgar os outros. Ninguém – nem Soros, nem Bill Gates, nem Hillary Clinton, nem Washington, nem Bruxelas, nem Moscou, nem Riade, nem Nova Delhi, nem Pequim.

• Ninguém pode julgar o outro. Não existe um critério universal no pensamento político, e esse é o princípio fundamental da 4ª Teoria Política.

9. O verdadeiro universalismo é baseado na pluralidade de sujeitos

• A fim de desenvolver um significado positivo para a ordem mundial pós-liberal, devemos reconhecer esta como a lei principal: Todas as civilizações podem estabelecer seus próprios sistemas políticos fora de qualquer paradigma universal – acima de tudo, fora do paradigma político ocidental moderno, aceito ou imposto como algo universal. Democracia, liberalismo, direitos humanos, LGBT+, robotização, progresso, digitalização e ciberespaço são opcionais. Eles não são valores universais. Não existem valores universais, exceto o valor com o qual todos os tipos de civilizações poderiam concordar.

• Falta-nos uma verdadeira ordem internacional, porque nos faltam as matérias plenas que poderiam estabelecer tal lei. Agora, ainda estamos em colonização. Há apenas um sujeito: o sujeito liberal ocidental moderno, que tenta impor seus próprios valores como uma ordem formal universal sobre todas as outras. E isso está radicalmente errado. Estamos lutando justamente contra essa pretensão. O Ocidente é o Ocidente. O Ocidente não é tudo. O Ocidente é parte do todo. Os ocidentais são parte da humanidade. O Ocidente pode ser aceito ou rejeitado – isso depende da livre decisão de outras civilizações. O Ocidente é uma civilização entre muitas outras.

• É por isso que um pensamento político não ocidental é tão importante. A verdadeira história universal da lei deve incluir todos os sistemas jurídicos de todas as civilizações existentes – a parte séria do confucionismo, a parte séria do pensamento político indiano, a grande parte da lei islâmica, a grande parte da lei bizantina, a grande parte dos vários sistemas arcaicos de lei … Cada tribo arcaica pode criar seu próprio sistema, e devemos estar muito atentos a isso. E, claro, grande parte do direito romano. No entanto, também poderíamos incluir o pensamento político ocidental moderno – mas isso deve ser uma pequena parte de todo o pensamento político da humanidade.

• Devemos insistir nessa redistribuição do sistema de valores. Esse é um caminho para sair da modernidade política ocidental. Devemos reconhecer a dignidade em grande escala do pensamento político não ocidental. Isso é muito concreto: em cada civilização podemos facilmente encontrar uma grande quantidade de tratados políticos, ideias, escolas … Mas os estamos ignorando totalmente, lidando com a sociedade aberta e seus inimigos (Karl Popper, Hayek ou Karl Marx) como pensadores ou sistemas universais. Sim, são mais ou menos interessantes. Mas, comparando com o confucionismo, com o pensamento político indiano, com o pensamento político islâmico, o liberalismo, o marxismo e o nacionalismo ocidental são muito pobres. Eles são apenas formas possíveis de pensamento político – uma pequena proporção, uma proporção muito arrogante da humanidade. Eles são apenas uma pequena parte, não o todo. E isso é extremamente importante.

10. O Ocidente é apenas parte do Resto

• Precisamos restaurar a dignidade de todas as filosofias políticas não ocidentais, incluindo a África, a Índia e as Américas. Incluindo grandes civilizações desenvolvidas, bem como as pequenas sociedades arcaicas da Oceania.

• Precisamos aceitar a humanidade como humanidade – não o Ocidente e o Resto. Devemos inverter a posição: o Resto é o nome da humanidade e o Ocidente é o nome da doença no corpo da humanidade. O resto é o centro, não o Oeste.

• Agora, estamos partindo em um sistema onde o Ocidente moderno é o único polo (unipolar) e pretende estabelecer a regra para o resto. Precisamos organizar a revolução geopolítica humana global contra isso. Devemos igualmente distribuir o status do sujeito entre os Restantes. O Oeste faz parte do Resto – uma pequena parte do Resto.

• Não devemos punir o Ocidente. Devemos colocá-lo dentro de suas fronteiras orgânicas históricas normais – nada mais. Você é ocidental? Tudo bem, mas você não é universal. Você acredita fortemente em direitos humanos, LGBT+? Cabe a você. A decisão é sua, não minha. Não é necessário. Poderíamos proibir casamentos gays ou orgulho gay – isso é absolutamente nosso direito, e essa é a decisão mais alta que poderíamos tomar. Ou podemos deixar isso acontecer….

• Nada deve ser universalmente condenado ou justificado. Tudo depende do equilíbrio da decisão tomada por cada civilização.

• Para estabelecer a ordem mundial com base neste princípio, temos de rejeitar a pretensão da modernidade política ocidental de estabelecer uma regra universal. As sociedades não-ocidentais devem ser colocadas em primeiro lugar. Devemos extinguir o consenso ocidental; não existe tal coisa como o consenso ocidental. Há regime, há colonização, há ocupação – este é o liberalismo imperial ocidental contra o qual devemos lutar.

11. O próprio Ocidente deve ser libertado da modernidade

•Isto é muito importante; não devemos culpar o Ocidente – devemos culpar o Ocidente moderno. E isso é totalmente diferente, porque não só muitos povos do mundo são colonizados e explorados pela modernidade ocidental: a identidade da cultura ocidental (da civilização ocidental, da sociedade ocidental) é bem sequestrada pela modernidade. E agora, com o florescimento da cultura cancelada, vemos como funciona. Os liberais modernos estão tentando cancelar os próprios princípios da identidade ocidental. Cancelar Aristóteles, cancelar Platão, cancelar Hegel, cancelar Nietzsche, cancelar Heidegger…. demonizar tudo no grande pensamento e cultura ocidentais – tudo o que não se encaixa nos limites estreitos desta ideologia liberal de esquerda radicalmente intolerante. Tudo é julgado como fascismo, como algo inacessível.

• O Ocidente moderno destrói cada vez mais os princípios do Ocidente (Ocidente pré-moderno). Assim, precisamos libertar o Ocidente. Não somente libertai o Descanso do Ocidente; mas, ao mesmo tempo, necessitamos libertar o Ocidente da modernidade. Porque a modernidade tenta cancelar as origens, as fontes da identidade ocidental. Agora, está bastante aberta. Todos são colonizados pela modernidade política ocidental. Não são as únicas culturas e civilizações não-ocidentais – o próprio Ocidente é colonizado pela modernidade.

• Precisamos libertar o Ocidente. Precisamos libertar Platão, Aristóteles, a antiguidade greco-romana. Precisamos restaurar a dignidade das sociedades pré-modernas cristãs – pensamentos políticos, valores culturais, filosóficos, metafísica…. Precisamos restaurar a herança do Ocidente pré-moderno, que está a caminho de ser totalmente cancelado por uma nova purga do liberalismo.

• Devemos estar unidos na revolução global contra a modernidade política ocidental. Mas devemos entender que não estamos lutando contra o Ocidente. Estamos lutando contra o regime da modernidade.

• A modernidade é anti-ocidental. Não é o Ocidente. É um desvio da história ocidental, baseado na total incompreensão de si mesmo. A modernidade ocidental é a doença. É uma doença ocidental – mas, em primeiro lugar, mata o próprio Ocidente. Então, precisamos ajudar o Ocidente a ser livre da modernidade.

• Temos que libertar a Europa e os Estados Unidos do liberalismo. Devemos apoiar todos os tipos de movimentos populares e tendências que tentam restaurar a justiça social e libertar o povo das elites políticas liberais que promovem mais e mais modernização, liberalismo, suicídio. Porque agora a educação ocidental pós-moderna está focada na destruição total de qualquer tipo de valores ocidentais. Isso é um novo barbarismo. Os liberais não trazem cultura, trazem barbárie. Esta cultura de cancelar (que incluem LGBT +, Black Lives Matter, e outras tendências feministas) é como uma chamada para cancelar todos os outros tipos de cultura. É o genocídio da cultura ocidental.

• A modernidade não é ocidental. É uma doença, uma doença moderna que mata a identidade ocidental. E não é um inimigo humano que causa esta doença – é causada por uma mudança no registro da existência.

• Precisamos terminar com o capitalismo, a modernidade ocidental, o materialismo, a ciência moderna – todos os tipos de frutos políticos, culturais e filosóficos da modernidade. E isso não é niilismo, de modo algum. Porque extinguindo a modernidade, seremos capazes de perceber a enorme herança da cultura greco-romana (que é cancelada agora…. ou no processo de ser radicalmente cancelada). Vamos descobrir as raízes da identidade ocidental: as raízes espirituais, religiosas, filosóficas, políticas – não esse tipo de desvio e perversão com que estamos lidando através da modernidade política.

• Não só o mundo deve ser descolonizado, o próprio Ocidente deve ser descolonizado e restaurado à sua dignidade real – como uma grande civilização entre outras grandes civilizações.

• Portanto, não é contra o Ocidente. É contra o liberalismo e o globalismo, contra a modernidade política ocidental.

12. Perspectiva de pós-modernidade da direita

• A Quarta Teoria Política é um convite a ir em frente, podemos nos inspirar no passado, mas vivemos no presente. Não devemos voltar ao passado exatamente como ele era – precisamos dar um passo à frente, em frente, não muitos passos para trás. O passado deve ser considerado como um exemplo eterno, como ideias platônicas, como o ser que nos inspira. Mas estamos lidando com o tempo, e o tempo moderno é a catástrofe. É o tempo da decadência, do colapso, da catástrofe final. Por isso, temos de ir mais longe.

• Poderíamos usar alguns métodos de pós-modernidade para desconstruir a modernidade política ocidental. Há duas partes no pós-modernismo. Em primeiro lugar, há críticas muito legítimas à parte violenta e pervertida da modernidade política ocidental enquanto totalitarismo. Podemos concordar com esta crítica pós-moderna. Mas há a segunda parte do pós-modernismo: a continuação moral da modernidade – um acordo com o seu apelo a mais libertação, igualitarismo e outros assuntos da moral liberal de esquerda. Nesse aspecto moral, a pós-modernidade é muito pior do que a modernidade. Mas precisamos de separar estas duas partes. Poderíamos aceitar e usar a crítica e o processo de desconstrução da modernidade, e rejeitar maneiras de solidariedade moral que são adequadas para o pós-modernismo. Precisamos ter uma espécie de pós-modernismo “certo” – pós-modernidade visto da direita. Não é direito político ou econômico. Esta palavra só é usada para diferenciar o uso liberal de esquerda da pós-modernidade para destruir cada vez mais a identidade humana ocidental e global. Portanto, precisamos nos concentrar no processo de desconstrução da modernidade política ocidental sem compartilhar as presunções morais da pós-modernidade.

13. Coronavírus: o globalismo falhou totalmente

• Agora, o coronavírus é a praga – uma espécie de sinal escatológico (isto é muito importante), bem como o símbolo da incapacidade total dos globalistas para gerir um problema como uma epidemia. Este é um sinal claro do fim da globalização.

• O coronavírus e o bloqueio mostraram quão frágil é o sistema globalista. E quando somos desafiados por uma ameaça séria, fechamos imediatamente as fronteiras. Fechar as fronteiras é uma solução a curto prazo para qualquer coisa. E talvez, ainda vivendo em confinamento parcial, possamos aprender algo muito importante com isso: abrir ou extinguir fronteiras não é uma solução universal. Pode ser útil ou prejudicial, por isso não é uma solução universal. Nenhuma solução é universal quando estamos lidando com elites liberais.

• Elites liberais tentando apagar o fogo com petróleo é suicídio. Um exemplo é o que está acontecendo agora nos Estados Unidos. Os democratas estão perdendo sua legítima luta pelo poder contra Trump, então eles estão tentando usar a guerra civil como um argumento para chegar aos seus resultados. Isto é suicídio – a política do suicídio.

14. Liberalismo: extremismo, crime, suicídio, ódio • O que todos os liberais fazem hoje é suicídio. Então, devemos pará-los, devemos superá-los. Sem liberalismo – deve ser posto de lado. O liberalismo é o nome de hoje para o fascismo. Se no passado demonizamos o fascismo, agora a palavra liberal deveria ser um insulto. Se você é liberal, você é sub humano, você é menos do que humano, você é uma criatura doente, uma criatura pervertida. E vocês são criminosos, porque estão a alimentar a guerra civil, a injustiça social, a ocupação, a colonização, a desumanização. O liberalismo é um crime, um crime contra a humanidade – pior que o fascismo e o comunismo. Isso não significa que devemos restaurar o fascismo ou o comunismo. Eles eram regimes totalitários. Devemos colocá-los de lado também. Eles pertencem ao passado. E o liberalismo é o verdadeiro perigo, o verdadeiro sistema criminoso da ordem mundial que ainda existe.

• Ser antifascista ou anticomunista é lutar com a sombra do passado. O verdadeiro desafio é ser antiliberal. Hoje, há eles e nós. “Eles” são os liberais, e eles não são apenas contra patriotas russos, chineses, muçulmanos e europeus – eles são contra norte-americanos, latino-americanos, africanos, europeus e todos os outros. Eles estão alienados de sua própria sociedade. Eles não têm legitimidade para governar, porque eles são usurpadores, exploradores, assassinos. Ser liberal é ser um assassino.

• É assim que a 4ª Teoria Política entende a situação. E esse é o quadro do debate que gostaríamos de ter com vocês no 1º Congresso Internacional sobre a 4ª Teoria Política.

15. 4ª Teoria Política e novo projeto educativo

• Finalmente, precisamos agir – colocar essas considerações (se você as compartilhar, se você concordar com elas) em algum tipo de prática. E a prática mais importante e central é a educação. Porque é através da educação que os liberais penetram na nossa sociedade, pervertem os nossos filhos, destroem os próprios princípios das culturas e dos países, destroem e dissolvem identidades.

•A principal luta deve ser a nível universitário. Sugerimos usar este bloqueio global para promover uma estrutura online de educação alternativa, fora da modernidade política ocidental. Religiosos, cristãos, islâmicos, hinduístas, budistas – todos os tipos de abordagem ocidental não moderna para a educação.

16. Programa para a 1ª casta: brâmanes, filósofos

• No nível de educação, há três tipos de pessoas que estamos abordando. O primeiro tipo é a pequena minoria da população global que está inclinada a seguir filosofia, religião e teologia. E devemos satisfazer sua demanda, dando-lhes o quadro completo da cultura espiritual que vamos perder com os liberais. Precisamos salvar esse tesouro de sabedoria religiosa, tradicional, antiga e moderna. Precisamos salvar e preservar essa herança espiritual. Essa é a nossa missão: satisfazer a necessidade das pessoas pensantes – filósofos do mundo – dando-lhes acesso ao conteúdo real da tradição espiritual das diferentes religiões e culturas.

• Precisamos promover essa educação tradicionalista – incluindo metafísica, teologia, tradição da meia-idade, bem como sistemas não-ocidentais de pensamento. E todo tipo de tendências filosóficas que formalmente pertencem ao Ocidente moderno, mas que são diferentes – por exemplo, a filosofia clássica alemã começando com Fichte, Schelling, Hegel, ou Nietzsche, Heidegger, revolução conservadora, tradicionalismo, pensamento italiano, domínio artístico menos afetado pelos princípios liberais capitalistas ocidentais modernos….

• Tudo isso deve ser salvo e transformado em algo acessível para as pessoas em todo o mundo. Por que é tão importante? Porque no tipo de educação ocidental precisamente essas coisas estão desaparecendo sob nossos olhos. Hoje, não há educação clássica no melhor ensino médio e universidades. Eles estão perdendo essa herança. Eles estão cada vez mais envolvidos na cultura do cancelamento. Eles tentam cancelar tudo na educação.

• Usando o termo indiano, este é o quarto projeto de Teoria Política no nível dos brâmanes – filósofos, sacerdotes, sacerdotes, intelectuais. É uma espécie de engajamento muito especial de pessoas altamente intelectuais. Não poderia ser para as massas. É para esses indivíduos isolados. Precisamos prestar atenção a eles, precisamos satisfazer suas necessidades. Se o sistema liberal de educação avançar, eles serão totalmente alienados. E isso afetará não só as universidades ocidentais, mas também as universidades orientais, que apenas imitam o padrão ocidental.

17. Programa para a 2ª Casta: Kshatriyas, guerreiros, ativistas

• Mas também precisamos fazer um apelo educativo para a elite política: os lutadores, os Kshatriyas, os guerreiros. E eles não podem ser satisfeitos apenas com o conhecimento, eles devem colocar o conhecimento em prática. Eles devem participar de um programa educacional on-line especial, a fim de criar conhecimento guerreiro – i.e. conhecimento sobre como lutar contra o nosso inimigo. Para isso, eles precisam de qualidades especiais. Devemos restaurar os valores desse tipo de pessoas que são heróis em potencial. Eles são totalmente excluídos da pós-modernidade, do liberalismo – eles não existem mais.

• Não foi por acaso que a modernidade política ocidental promoveu a erradicação das duas primeiras propriedades: os sacerdotes e as nobres aristocracias – os guerreiros. O capitalismo veio destruir estes dois tipos de personalidades humanas. Chegamos ao último estágio de erradicação de brâmanes e kshatriyas em todo o mundo. Precisamos ajudá-los a se restabelecerem e cumprirem suas missões existenciais e metafísicas.

Não foi por acaso que a modernidade política ocidental promoveu a erradicação das duas primeiras propriedades: os sacerdotes e as nobres aristocracias – os guerreiros. O capitalismo veio destruir estes dois tipos de personalidades humanas. Chegamos ao último estágio de erradicação de brâmanes e kshatriyas em todo o mundo. Precisamos ajudá-los a se restabelecerem e cumprirem suas missões existenciais e metafísicas.

•Em primeiro lugar, devemos terminar com o globalismo; e depois disso, vamos resolver o nosso problema mútuo. Mas, esta rede comum de Kshatriyas, guerreiros, heróis, é muito importante. Precisamos fornecer educação para todos esses Kshatriyas com base na solidariedade entre o tipo de guerreiro de homens e mulheres. Porque este tipo de personalidade humana é distribuído uniformemente entre homens e mulheres. Não devemos ser arrogantes com as mulheres – devemos reabilitar a dignidade tradicional das mulheres.

•Na modernidade política de hoje, as mulheres são vistas como bens, porque prevalece a lógica capitalista-materialista. Precisamos libertar as mulheres para o seu próprio destino – que pode estar ligado ao tipo filosófico. É um caso raro, mas a filosofia é rara, é uma característica muito especial do ser humano. E, como diz Platão, raramente é encontrado entre os homens – mas também raramente é encontrado entre as mulheres. É raro como tal. Homens que são totalmente dedicados à filosofia e metafísica são raros, mas mulheres que o fazem também são raras.

Precisamos restaurar a dignidade das mulheres e dar-lhes acesso à quarta educação política nas mesmas condições que os homens. A diferença entre a estrutura metafísica da alma é muito mais importante do que a diferença de gênero. Assim, depois de criar a educação Brahman aberta a homens e mulheres em todo o mundo, devemos promover uma rede de Kshatriyas modernos, também abertos a mulheres, a fim de lutar contra o mundo moderno, e não entre si.

18. Programa para a terceira casta: Vaishyas, camponeses, compatriotas

• Mas tudo isso é dedicado a uma pequena minoria da população global, porque os brâmanes (os pensadores, filósofos, intelectuais) são raros; e os guerreiros – os verdadeiros heróis – também são raros. E o que fazer com a enorme massa da população que também é vítima dos liberais? O que poderíamos propor fora dessa abordagem elitista? A ideia principal é organizar um terceiro nível de educação para a maioria absoluta da população, que deve estar ligada à restauração da família tradicional e ao modo tradicional de viver com a agricultura. O campesinato é a resposta.

• Em primeiro lugar, o campesinato europeu foi destruído pelo capitalismo. As pessoas que pretendiam ser burguesas do terceiro estado não eram representantes do terceiro estado na tradição europeia, porque o terceiro estado era precisamente representado pelos camponeses. O campesinato europeu – era o terceiro estado das sociedades europeias. Não era representado por comerciantes. Os comerciantes eram os parasitas, intermediários entre as classes mais altas da sociedade e o enorme oceano do campesinato.

• Precisamos restaurar o sistema de sociedades agrícolas autossuficientes baseadas em pequenas aldeias. O bloqueio do coronavírus mostrou-nos como é importante ter acesso à nutrição para satisfazer as necessidades mais simples das pessoas. Isto será cada vez mais importante no futuro.

19. Saída das cidades: grande regresso à terra

• Temos de nos concentrar nesta nova tendência de regresso à terra, em que a maioria da população regressa à prática agrícola. Precisamos promover, ajudar e apoiar o êxodo das grandes cidades – isso é muito importante.

• As grandes cidades são construções artificiais do Ocidente moderno. Grandes cidades industriais devem ser extintas – a população deve abandoná-las e viver uma vida real na terra, porque só a terra nos dá vida real e acesso real ao ser.

• Precisamos criar um terceiro nível de educação focado no novo campesinato. Pode ser on-line para que as pessoas se juntem à nossa rede de Teoria Política 4, mas deve ser organizado fora das grandes cidades, com base em famílias tradicionais – sem os pervertidos das grandes cidades.

• Temos de ir para a Terra. E não significa voltar ao passado: é a única maneira de salvar a humanidade desta doença real representada pelo pós-humanismo e pela nova tecnologia que tenta intervir nos genes humanos, para nos transformar, para nos marcar com substâncias artificiais, a fim de controlar e cancelar a nossa cultura de nossas veias e nossas almas. Devemos lutar contra esta globalização.

• Para a grande maioria da população, a 4ª teoria política propõe o retorno à terra – isto é, o retorno ao povo, o retorno às origens, o retorno às fontes. Poderia ser um movimento de criação maciça de agro cooperação: comunidades agrícolas ligadas em todo o mundo pelo sistema e estrutura fornecidos pela rede de Teoria Política 4.

• Precisamos educar os novos camponeses. Precisamos ajudá-los a restaurar suas tradições nativas, suas raízes, seus ancestrais, suas culturas. Porque a vida agrícola estava cheia de simbolismo e sacralidade. O tradicionalista romeno Mircea Eliade era um representante dessa sacralidade camponesa muito rica. Ele poderia ser um representante do terceiro tradicionalismo imobiliário para o novo campesinato. Poderíamos desenvolver essa ideia em nosso debate.

20. O Povo: tema principal da 4ª Teoria Política

• Devemos promover o povo como tema principal da 4ª Teoria Política, pois o povo pressupõe sempre as relações com a terra – nos sentidos concreto, simbólico e sagrado. Assim, as palavras de Nietzsche “Meus irmãos, permanecei fiéis à terra” devem ser levadas em consideração. Porque a terra para o povo é o ser – não é uma substância alienada para ser usada para necessidades materiais. A terra é sagrada.

• Esse retorno à Terra das cidades, esse abandono das grandes cidades deve ser um movimento existencial e metafísico para retornar ao ser. A missão da 4ª Teoria Política é promover este processo.

21. 4ª Teoria Política como projeto aberto e recurso

• Gostaríamos de ouvir suas opiniões, pontos de vista, sugestões, críticas…. A 4ª Teoria Política não é dogmática – é totalmente aberta. É apenas teorização. É um processo aberto a todos para formar uma teoria fora do liberalismo e da modernidade política ocidental, com fins abertos. Cada tipo de civilização, cada sociedade, cada cultura procura algo muito especial que faça sentido apenas dentro dela, não fora dela.

Traduzido por Felipe Kalil – Resistência Sulista
Link original: https://katehon.com/en/article/theoretical-principles-great-awakening-based-fourth-political-theory

Redação

Redação

Administrador da verdadeira dissidência política da América Austral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *